Retrospectiva 2010

O ano de 2010 foi da ascensão de novos produtos, como o iPad e Android, e de vacilos de todo-poderosos do mundo de TI, como a Google e seu famigerado Buzz e o falecido Wave. Dê uma volta com a gente pelo ano que se foi, na RETROSPECTIVA 2010 produzida pelo Adrenaline. Separamos os fatos dentro de cinco categorias: gadgets, internet, telecom, hardware e segurança.


{break::Gadgets} Por mais que você, assim como nós, não aguenta ouvir mais, 2010 foi o ano dos tablets. Especialmente para o estreante do novo mercado, o iPad. Anunciado no dia 27 de janeiro, o "iPhone grande", como alguns críticos chamam, ocupou espaço de destaque ao longo do ano. Com vendas expressivas, 300 mil jÁ no primeiro dia de comercialização, vem sendo considerado o culpado pela desaceleração das vendas de computadores. Os mais dramÁticos preveem que ele acabarÁ com o mercado de netbooks.



Repetindo o embate que acontece no mercado de smartphones, Android e iOS disputam espaço neste novo segmento, com o lançamento de tablets com o sistema da Google, como o Galaxy Tab. Isso mesmo antes da empresa liberar a versão do sistema desenvolvida para tablets. Este ano fecha com o Android 3.0 surgindo no horizonte, e rodando em um misterioso tablet da Motorola com processador Tegra 2. O ano que vem promete uma disputa acirrada neste mercado.


O Galaxy Tab é, atualmente, o maior concorrente do iPad



2010 foi, e não foi, o ano do 3D. Marcas consagradas largaram dezenas de modelos com suporte à tecnologia estereoscópica, mas as vendas ainda não são expressivas. Empresas como Samsung, LG, Sharp, entre outras, ainda vão precisar convencer o público que vale a pena adquirir esta tecnologia.


A atual tecnologia 3D ainda não emplacou tantos sorrisos assim nos lares dos consumidores


A Google TV vai ficar para a retrospectiva 2011.

{break::Games}Este ano trouxe a volta de franquias aguardadas por um longo tempo: o clÁssico Donkey Kong chegou dando uma aula de nostalgia (e de como a Nintendo sabe cuidar bem de seus principais personagens), e Starcraft II chega após uma lacuna de sete anos desde o jogo anterior.

- Continua após a publicidade -



Nas vendas o Call of Duty: Black Ops arrasou, com o recorde de vendas nas primeiras 24 horas. Correndo por fora, World of Warcraft: Cataclysm tornou-se o jogo para PC com melhores vendas no primeiro dia de comercialização.


Um dos felizes compradores do mais novo título da franquia


No mundo dos consoles, a Nintendo viu rivais entrarem no mercado dos controles sensíveis a movimentos. A Sony lançou o Move para o Playstation 3, mas o destaque ficou mesmo para o projeto Natal, que passaria a se chamar Kinect depois do dia 14 de junho. O aparelho levou um passo adiante a tecnologia, ao dispensar completamente o uso do controle, bastando apenas o movimento do jogador para realizar os comandos. Curiosamente, o público viu muito mais potencial no Kinect do que aparentemente a Microsoft, e após ser lançado um driver "alternativo", não pararam de surgir vídeos com os mais diversos usos para o aparelho, de teatro de sombras até batalhas de sabres de luz em realidade aumentada.

{break::Internet}Às vezes, parece que ele quer dominar o mundo. Talvez isso não seja muito difícil quando se tem nas mãos os dados de meio bilhão de pessoas... Mas o fato é que, pelo menos, Mark Zuckerberg, o dono do Facebook, estÁ rico, muito rico. Com 24 anos, o cara foi eleito personalidade do ano pela revista Time (não se preocupe, Assange. Em nossos corações sabemos que foi você) e acumula uma fortuna de US$6,9 bilhões de dólares, ultrapassando Steve Jobs, que tem "só" US$6,1 bilhões. E como ele conseguiu isso? Com muita polêmica envolvendo [falta de] privacidade, mas também mantendo 500 milhões de pessoas conectadas na maior rede social do mundo. As últimas empreitadas foram a criação de um serviço de e-mail e até mesmo o registro da palavra "Face" para alguns serviços, ideia que pode comprometer até mesmo o FaceTime, recurso do iPhone 4, da Apple.

- Continua após a publicidade -


O sucesso de Zuckerberg é tão grande que chegou a render um livro e um filme sobre sua trajetória


Por falar em privacidade, parece que essa foi mesmo a grande questão do ano no mundo online. O caso WikiLeaks é um ótimo exemplo disso, uma vez que o site é responsÁvel por divulgar documentos secretos e telegramas de embaixadas. Claro que seu líder, colocando a cara a tapa desse jeito, não ia sair ileso por muito tempo: acusado de fazer sexo sem camisinha, o que é considerado estupro na Suécia, o australiano Julian Assange foi capturado em Londres (entendeu a salada?) e corre o risco de ser extraditado. Ele aguarda o julgamento em liberdade, enquanto uns dissidentes se cansaram de tanta exposição pública e resolveram criar um site concorrente.


Essas são as suecas com quem...


...Julian Assange, líder do WikiLeaks, fez sexo sem preservativo


O Google, grande entidade suprema da Internet, também cometeu seus deslizes no ano que passou. Na verdade, jÁ começou 2010 em uma maré de azar, enfrentando um bocado de polêmica com os chineses (sempre eles...). Tudo começou com um suposto ataque de hackers chineses a contas do Gmail, o que desencadeou uma onda de controvérsias entre o gigante das buscas e o gigante populacional do mundo. O Google interrompeu a censura nos seus serviços, sofreu bloqueios pelo Grande Firewall da China e, numa sacada esperta, resolveu redirecionar todos os usuÁrios para seu servidor em Hong Kong, que não sofre com a censura de conteúdo imposta pelo governo chinês.

A companhia também conseguiu irritar o mundo inteiro quando lançou o Google Buzz em fevereiro, uma espécie de Twitter embutido no Gmail, que só serviu para ser mais uma mídia social para os usuÁrios se atrapalharem. A estreia do serviço foi marcada por falhas de segurança e reclamações de quase dez milhões de usuÁrios, que tiveram seus endereços de e-mail expostos indevidamente para quem quisesse ver.


Na estreia do serviço, os usuÁrios pasasvam a seguir automaticamente todos os contatos, fazendo com que qualquer um descobrisse com quem as pessoas mantinham contato

O Google não matou o Buzz, mas enterrou o Wave, que tinha nascido com a proposta de mudar as comunicações via web. Não mudou nada, as pessoas dependiam de convites para entrar e, quando conseguiam, não sabiam o que fazer com aquilo. Em agosto, a companhia abandonou o serviço, que agora foi adotado pela fundação Apache, que continuarÁ desenvolvendo seu código. Bom para aqueles que sentiram saudades.

{break::Telecom}Steve Ballmer bem que tentou, mas não conseguiu ser tão cool quanto o outro Steve: o Jobs. Prometeu enterrar a concorrência (com um funeral de verdade, bastante animado, por sinal), gastou uma grana preta com publicidade e ainda fez a Microsoft distribuir consoles XBox 360 como brinde para compradores de smartphones na Áustria. Mas não adiantou: o Windows Phone 7 ainda não emplacou. E a gigante de Redmond só afirma esse fracasso ao repetidamente se negar a revelar os números das vendas, chegando a divulgar apenas o número de aparelhos enviados a revendedores e operadoras. Olhando pelo lado bom, a Microsoft pode comemorar pois o WP7 ajudou as pessoas a esquecerem o Kin, celular que em pouco tempo de mercado teve que ser tirado das lojas. Vejamos se em 2011 a gigante da computação pessoal terÁ mais sorte no mercado de smartphones.


O WP7 não parece andar muito bem por enquanto... mas pior mesmo foram os celulares Kin, que a Microsoft logo tirou de circulação


Enquanto isto, Jobs, no alto de sua imponência dentro de sua calça jeans e blusa preta, também pagou seus micos neste ano que passou. Afinal, ele não tinha como saber de que jeito as pessoas segurariam seus novos iPhones 4. E sabia que o telefone é tão bonito, "magical" e "awesome" que ninguém se importaria de não conseguir realizar chamadas por causa de quedas abruptas no sinal. O caso "antennagate" ganhou os holofotes do mundo todo, mostrando como os perfeitos gadgets Apple podem ser imperfeitos: o posicionamento da antena na lateral inferior esquerda do celular fazia com que as ligações caíssem quando a mão do usuÁrio era posicionada sobre a região. A solução? Distribuir bumpers gratuitamente para os consumidores: a borrachinha envolve o aparelho e evita o contato da pele com a antena, minimizando os problemas. Adivinha quem ficou de fora desse programa e começou a protestar? Nós mesmos, os brasileiros.


Jobs chegou a sugerir que as pessoas segurassem o iPhone 4 de um jeito diferente


Correndo por fora vem o Android, que ultrapassou o corporativo Blackberry e o descolado iOS, tornando-se o segundo colocado no ranking dos sistemas móveis mais usados do mundo, atrÁs apenas do Symbian, da Nokia, que vem em queda livre. O CEO do Google, Eric Schmidt, ainda se gabou dos 200 mil smartphones Android ativados diariamente. Em menos de um ano, seu acervo de aplicativos mais que dobrou e jÁ ultrapassa os 100 mil. Nesse quesito, porém, a Apple ainda ganha, com 300 mil opções em sua iTunes App Store. O sucesso do sistema do Google rendeu o anúncio de novas versões, incluindo uma específica para tablets, e até mesmo um possível Playstation Phone, provavelmente turbinado com a mais nova versão do robozinho verde, o Gingerbread, que traz referências aos controles do videogame em seu código-fonte. Onde isso vai parar? Nem mesmo o céu é mais o limite para o Android. 

{break::Hardware}O lançamento da segunda geração dos processadores Intel Core ix na CES 2010 vem de carona com o inovador processo de manufatura em 32 nanômetros da companhia. Em paralelo, surgiu uma série de novas placas-mãe que aproveitam o mÁximo da nova linha de processador da Intel, com destaque para as soluções de vídeo integrado que promete fazer frente às soluções de AMD e Nvidia, sendo exclusiva aos modelos de placa mãe com chipset H67.


O novo processo de fabricação e os processadores Core ix são resultado de um investimento de US$7 bilhões


Falando nisso, a briga entre AMD e Nvidia pegou fogo em 2010. As duas empresas lançaram novos produtos no final do ano e devem continuar no começo de 2011, com a chegada da Radeon HD 6990 (placa dual chip) da AMD e da GeForce GTX 560 (sucessora da campeã de vendas GTX 460) da Nvidia.

Quem deixou saudades, aliÁs, foi a marca ATi. A AMD decidiu matÁ-la oficialmente, lançando CPUs e VGAs sob um único rótulo. A companhia achou que seria uma boa ideia eliminar uma marca jÁ conhecida hÁ tempos como sinônimo de placa de vídeo, no intuito de simplificar as coisas para o consumidor médio, que nem sempre sabe que, na essência, ATi e AMD são a mesma coisa.


E agora, Ruby?

2010 foi o ano em que ficamos com o gostinho de "quero mais" na boca. Foi assim, por exemplo, com os aguardados Tegra 2 e Fusion. Enquanto que o primeiro é a mais nova aposta da NVIDIA para o mundo dos dispositivos ultra portÁteis – como é o caso dos smartphones e tablets, o Fusion promete dar um novo fôlego ao cambaleante mundo dos netbooks. É que a APU da AMD disponibilizarÁ uma performance 3D sem precedentes para este segmento.

E o que dizer dos SSDs heim?! Não foi dessa vez que pudemos estufar o peito e bradar aos quatro cantos que finalmente conseguimos comprar um para o nosso PC! Apesar de terem ficado menores, mais rÁpidos e acessíveis, o preço dos drives estão ainda muito longe de seus primos mais velhos, os HDs magnéticos. Pelo visto, os bons e velhos HDs ainda terão uma vida longa em nossos gabinetes!

{break::Segurança}Em 2010, todos pensaram que o apocalipse estava próximo e que uma terceira guerra mundial, turbinada por ataques virtuais, poderia causar diversos acidentes nucleares. Mas a bomba do Stuxnet não foi tão forte assim e por mais que, pela primeira vez na história, um pequeno programa de computador tenha sido capaz de comprometer o funcionamento de equipamentos em instalações industriais, nada explodiu em um enorme cogumelo de fumaça radioativa.


Ainda não foi desta vez


A ameaça ganhou evidência após infectar a usina de Bushehr, no Irã, levantando suspeitas de que o malware teria sido desenvolvido para sabotar o programa nuclear do país. Seria o Stuxnet capaz de desencadear uma ciberguerra? Alguns especialistas dizem que sim, outros discordam, mas uma coisa é certa: o worm trouxe uma mudança de paradigma na segurança digital. Sistemas antes considerados seguros mostraram-se vulnerÁveis, ao mesmo tempo em que a engenhosidade do worm demonstrou um profundo conhecimento de softwares muito específicos, neste caso, o WinCC da Siemens. E os acontecimentos trouxeram outro fato à tona: por mais que a Microsoft lance atualizações e mais atualizações para tapar os buracos da sua peneira conhecida como Windows, nem sequer os responsÁveis por infraestruturas críticas se dão o trabalho de aplicÁ-las.


Presidente, acho que temos um probleminha aqui...


E essa mensagem de licença expirada aí hein?


Se, por um lado, o Stuxnet demonstrou uma provÁvel organização muito bem estruturada e com conhecimentos avançados por trÁs de sua ameaça, o lado "amador" da cultura hacker black hat ganhou força com os protestos contra o boicote ao WikiLeaks. Com o início da liberação de 250 mil telegramas secretos (embora, talvez o maior segredo seja: por que alguém, em plena virada de 2010 para 2011 ainda manda telegramas) das embaixadas americanas, o WikiLeaks sofreu ofensivas virtuais e chegou a sair do ar, voltando aos trancos e barrancos.

Mas não é essa a grande investida hacker do ano. Com os fundilhos na mão, para não dizer nenhuma expressão impublicÁvel, grandes empresas deixaram de apoiar o WikiLeaks - como a Visa, o Mastercard e o PayPal, que pararam de enviar as transferências em dinheiro para o projeto. O resultado? Uma enxurrada de ataques organizados por uma instituição desorganizada que se auto-denomina "Anonymous". Segundo uma carinhosa "cartinha" enviada, supostamente por algum deles, "Anonymous não é simplesmente um grupo de ativistas hackers. Anonymous é legião. É formada por muitos, todos iguais entre si e com um único objetivo comum." Então tÁ!

Espero que tenham aproveitado a nossa retrospectiva, e sempre hÁ espaço para mais momentos de 2010, que você leitor, pode nos ajudar a lembrar, nos comentÁrios.

E continue acompanhando e comentando com a gente o mundo da tecnologia em 2011!

Assuntos
Tags
  • Redator: Redação

    Redação

Pra você, quem merece o GOTY?

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.