FIFA vs PES

O monopólio é um cenÁrio cruel no mundo capitalista, mas existe outra situação que não fica muito atrÁs pela dureza da disputa: o duopólio. Quando duas empresas dividem um mercado, a briga se torna pessoal. E quando membros da EA Games declaram que "o FIFA é claramente superior ao jogo da Konami", temos os indícios de que a concorrência pelo mercado de games de futebol "perdeu a esportiva".


Sabe o que estes dois logos estão pensando? "Se não fosse por esse aí do meu lado, o mundo seria todo meu..."

O que antes era cenÁrio repleto dos mais diferentes jogos, nos últimos anos se transformou em uma clara disputa entre as séries "FIFA" e "Pro Evolution Soccer", que ano após ano se digladiam pelo mercado onde praticamente não existem mais outros concorrentes.

Com o lançamento da "série 11" dos dois jogos inicia mais um capítulo pela disputa da hegemonia dos mercado de games de futebol. O confronto jÁ teve altos e baixos para ambos os lados e formou grupos de fanboys para cada um dos jogos, presos à eterna discussão: "Qual é melhor?". Nas próximas pÁginas vamos conhecer um pouco mais da trajetória dos jogos de futebol para videogames, até chegarmos ao cenÁrio de hoje.

{break::Pelé fala espanhol}Muito antes da produção do primeiro "FIFA" pela EA Games, jÁ existiam jogos simuladores de futebol. Curiosamente, nossa volta histórica vai começar com um Pelé falando espanhol. O rei do futebol emprestou o nome para um dos primeiros games de futebol que se tem notícia, desenvolvido para Atari: o "Pelé's Soccer", lançado em 1981.


Não se deixe enganar: esta é uma disputadíssima partida de Pele's soccer

Os primeiros jogos de futebol não foram necessariamente um "estouro" de vendas, e levariam um tempo para apresentar novos jogos com evoluções. Assim como no Atari, em 1987 seria lançado um jogo de futebol para NES, parte de um "pacotão" de games com temas esportivos para a plataforma. Com o singelo nome "Soccer", trazia inovações como cobrança de laterais e a marcação de impedimentos. Também era possível escolher entre sete países para jogar, entre eles o Brasil. Na prÁtica, a única diferença entre eles era a cor do uniforme. Assim como muitos desses jogos antigos, os nostÁlgicos ainda podem jogÁ-lo. No caso do "Soccer", é possível jogÁ-lo ainda hoje através do Wii.

- Continua após a publicidade -

Outro jogo que ainda possui adeptos e se destacaria pelos novos recursos é o "Kick Off", distribuído pela Anco em 1989. Com uma visão do topo do campo, o jogo tinha uma jogabilidade interessante, pois os jogadores não corriam com a bola "colada ao pé", possibilitando técnicas mais complexas para se marcar e tomar a bola do adversÁrio. Também inovaria por inserir características diferenciadas para cada jogador (passe, stamina, precisão e agressividade) e formações mais complexas para os times, com os 11 jogadores para cada lado. Seria lançado para diversas plataformas, como o Amiga Atari ST, NES e MS-DOS. A sequência "Kick Off 2" seria lançada em 1990, e manteria a série hegemônica por um longo período.

Um dos primeiros jogos a desafiar o "Kick Off" foi o "Sensible Soccer", produzido pela Sensible Software e lançado em 1992 para Atari ST e Amiga. Com um ângulo mais afastado do campo, possibilitava uma visão mais ampla do jogo, e dava ênfase aos toques rÁpidos. Era possível escolher entre 168 times de 40 países diferentes, e em cada time havia três jogadores "mais habilidosos", dando equilíbrio às disputas. Foi desenvolvido para Amiga, Atari ST, MS-DOS, e hoje pode ser adquirido pela Xbox Live. Kick Off e Sensible Soccer dividiriam opiniões, numa disputa de mercado parecida com o que é hoje o FIFA e o PES.

{break::Começa a disputa}E vai ser logo na sequência, em 1993, que um de nossos protagonistas surgiria: a EA Games lança em julho o "FIFA International Soccer" (também conhecido como FIFA 94, ou EA Soccer). O primeiro game de futebol da EA Games jÁ traria bons recursos e uma jogabilidade interessante. O primeiro jogo da série não trazia um dos elementos de destaque dos jogos da EA Games: o amplo acervo de times, jogadores e ligas. Os times não eram licenciados e os jogadores das seleções possuíam nomes fictícios. O jogo tinha ainda bugs divertidíssimos, entre os meus favoritos estava fugir do Árbitro quando ele estava prestes a me punir com um cartão (curiosamente, o jogo simplesmente travava nisso, praticamente um mini-jogo de pega-pega). Algumas coisas eram irritantes, como o Árbitro terminar a partida religiosamente no horÁrio, independente do QUÃO PERTO você pudesse estar de fazer um gol.


Pouco depois da estreia da EA Games, em 1994 a Konami entraria no mercado, e com um jogo de peso: o "International Superstar Soccer", popularmente conhecido como ISS. Com grÁficos de qualidade (neste caso, entenda: jogadores que parecem mesmo adultos e não bonecos), boa jogabilidade, e ajustes precisos para tÁticas em campo, é para muitos o auge dos jogos de futebol em 2D. Curiosamente, teria muitas "adaptações" não licenciadas, ganhando versões "hackeadas" com o campeonato brasileiro, argentino, peruano etc. Quem não lembra da "franquia alternativa" "Ronaldinho Soccer", com um narrador falando portunhol digno de nosso Pelé do começo do artigo?


"Que Gooooooolll, Que Lindo!!!!!!!"

A disputa da primeira geração fica com uma vitória para a Konami, mas a série Pro Evolution ainda estava longe de aparecer. Essa vitória também seria passageira, afinal os jogos de futebol jÁ estavam prestes a abandonar o mundo das duas dimensões. E a mudança chegaria ainda em 1994.

{break::Futebol em 3D}Nem a EA Games, nem a Konami. A Sega seria a empresa a inaugurar a era das três dimensões nos jogos de futebol, com o game "Virtua Soccer". O game foi desenvolvido para arcade, e as versões portadas para consoles não foram bem sucedidas. A série da EA Games continuaria com grÁficos em 2D até o  "FIFA 96", que além de ser o pioneiro da franquia em 3D, também seria o primeiro a possuir a licença com o nome dos jogadores, e uma visão aérea bastante complexa.



Mas a grande cartada da EA Games estava por vir, e seria lançada em 98: o game "FIFA 98: Road to Worldcup". Com grÁficos e jogabilidade melhorada, um amplo portfólio de times e jogadores licenciados e uma música tema (o que se tornaria uma tradição da franquia), o jogo ganhou um grande espaço do mercado na disputa contra outras franquias que apresentavam vendas expressivas, como o "Actua Soccer" e o "Virtua Strikes 2", segunda versão do jogo da Sega, lançada no mesmo ano.

- Continua após a publicidade -


Spoiler: Este jogo vai terminar empatado

A versão seguinte, "FIFA 99", praticamente anularia os concorrentes, com avanços na parte grÁfica e na jogabilidade, e emplacando notas próximas de 9.0 entre os críticos. A série FIFA conquistou muito de seu prestígio nesse período, atualizando anualmente a seu portfólio de jogadores e ligas licenciadas. Na versão 99, possuía 250 times e 45 seleções, e chegaria a incluir times do campeonato português e belga. Mas a hegemonia não duraria muito, pois é a partir de 2001 que a briga entre a Konami e a EA Games vai mesmo começar, desta vez sem outros participantes.

{break::E a Konami, onde estava?}Enquanto a EA Games se consolidava com boa vendagem, a Konami manteve-se desenvolvendo jogos de futebol, porém com pouca repercussão no ocidente. A empresa produziu em 1995 o que era o gênese do Pro Evolution Soccer: o "J-League Jikkyou Winning Eleven". Ainda hoje, "Winning Eleven" é o nome da franquia na Ásia. Com apenas clubes do Japão disponíveis e lançado apenas em idioma japonês, as vendas do jogo ficariam mais restritas ao continente asiÁtico.


Winning Eleven 3 - Porque os menus em inglês são para os fracos

Apesar de limitado em relação às licenças e por ser necessÁrio um misto de sorte com intuição para passar por menus em japonês e iniciar as partidas, o jogo ganhou fãs no Brasil graças a um detalhe: a jogabilidade. Enquanto o FIFA atravessou um período com poucas mudanças nos mecanismos do jogo, a franquia japonesa chamou a atenção por um gameplay divertido, fazendo jogadores ignorarem a falta dos campeonatos licenciados, e até mesmo as estranhíssimas narrações de gols em japonês, fazendo o jogo ganhar assim adeptos em vÁrios países.

E a disputa iniciou quando a Konami colocou os pés no território dominado pela EA Games. Em 2001, a empresa japonesa lançaria uma versão de "Winning Eleven" para a Europa e América, o primeiro "Pro Evolution Soccer". Mesmo com dificuldades para obter as licenças de diversos clubes (um problema crônico da série, especialmente em relação à Bundesliga, por exemplo), a jogabilidade do game garantiu uma boa vendagem e firmou a franquia como concorrente da até então hegemônica série FIFA.


{break::01-02-03}E é com o Pro Evolution (o primeiro), lançado em 23 de novembro de 2001, e o FIFA 2002, lançado dois dias antes, que começa o comparativo entre as duas franquias. As notas exibidas ao longo das pÁginas são extraídas do site Gamespot, na Área do site onde são concentradas as médias das notas de diversos sites de anÁlises de games (critics score). Como as notas variam entre os consoles, foi escolhida a nota mais alta entre as versões para Playstation, Xbox ou PC.


FIFA

Os primeiros três anos da disputa são amargos para a série da EA Games. O prestígio alcançado com os games dos anos Áureos da série (FIFA 98 e 99) mostravam um certo desgaste, necessitando de evoluções mais profundas. A novidade do primeiro jogo deste período seria a barra de força para os passes, e pela primeira vez o escudos dos clubes seriam inclusos no jogo. A empresa não faria mudanças drÁsticas no gameplay, focando mais na evolução dos grÁficos do jogo, e substituindo o DirectX 7 no "FIFA 2003" usado nos dois jogos anteriores pelo software mais recente.



Pro Evolution Soccer

Enquanto isto, "Pro Evolution Soccer" arrancava elogios da crítica e ganhava terreno no mercado, principalmente graças ao mecanismo de jogo. A série sofria pela falta de licenças (mal crônico da franquia), forçando os desenvolvedores a inventar nomes para os jogadores das seleções ou até mesmo criar times que se assemelhavam muito com os "de verdade" que não haviam liberado seus direitos comerciais. Na base da criatividade, no primeiro jogo alguns times ganharam os nomes óbvios de suas cidades (Manchester United, como Manchester, Real Madrid, com Madrid), mas no jogo seguinte não teve jeito: Manchester virou Aragon, Liverpool virou Eurport, e assim por diante. Curiosamente, o Árbitro Pierluigi Collina, capa do Pro Evolution Soccer 3, não é um dos Árbitros no jogo.




{break::04-05-06}FIFA

Enquanto a série "Pro Evolution" chegava a um beco sem saída, a EA Games praticamente refez o FIFA. No game "FIFA 06" mais da metade dos códigos do jogo foram reescritos, dando uma grande quinada nos rumos da série. Este jogo também seria o primeiro a possuir o "team chemestry", atributo que atuava aumentando ou diminuindo o desempenho do time, de acordo com o entrosamento entre os jogadores. Outra novidade foi o comentarista: após cinco anos consecutivos com John Motson, a narração ficou a cargo de Clive Tyldesley.

 



Pro Evolution Soccer

A festejada jogabilidade da série da Konami se aproximava de seu limite de desenvolvimento. Ao longo dos jogos deste período realizou modificações, sempre com dificuldades para encontrar o equilíbrio entre boa marcação da inteligência artificial e possibilidades de gol. Os jogadores caiam em quase todas as fintas, cometendo faltas e, inclusive pênaltis, com uma frequência excessiva. Também haviam sérias deficiências na narração do jogo, com comentÁrios "perdidos" durante o jogo, e até mesmo os dois narradores falando ao mesmo tempo. Apesar de uma melhor distribuição das ligas a partir do "Pro Evolution Soccer 4", agora divididas em Inglesa, Francesa, Alemã, Espanhola, Italiana e Holandesa, a Konami consegui a licença apenas das últimas três. Assim times como o Chelsea foram nomeados como "West London Blue", e o Manchester United viraria o "Man Red".

 



{break::07-08-09}FIFA

Neste período a reação da EA Games torna-se mais evidente. Com mais alterações no gameplay e evoluções na física do jogo, o FIFA 08 foi considerado por analistas uma vitória da empresa sobre a série "Pro Evolution Soccer", que passava por um período de adaptações. O jogo seria o primeiro a incorporar um modo carreira, o "Be a Pro", onde é possível escolher um jogador fixo e evoluir na profissão de jogador de futebol. O modo multiplayer "FIFA 09 Clubs" também obteria uma boa recepção pelos críticos, e no jogo seguinte incluiria a jogabilidade em 360 graus, no mesmo ano que a Konami inseria o recurso na série PES. O "FIFA 10" também traria novidades na administração dos clubes, com um assistente automatizado que faz o revesamento dos jogadores de acordo com a importância do jogo, e um mecanismo mais complexo para a evolução dos jogadores, com o desempenho em campo influenciando nas mudanças dos atributos do jogador.



Pro Evolution Soccer

O jogo da Konami passa por um período de sucessivas mudanças no gameplay, buscando um jogo mais equilibrado. Como resultado, a série Pro Evolution passa por altos e baixos na tentativa de reencontrar uma mecânica que cativasse os jogadores. A inteligência artificial foi um dos pontos mais alterados, com inserção do recurso "TeamVision", no qual o computador "aprende" novas formas de atacar na base da tentativa-erro, deixando o jogo mais "fluído". Implementado no "PES 2008", receberia a versão 2.0 no "PES 2010", mesmo ano em que foi implementada a jogabilidade em 360 graus. Assim como incorporado na série FIFA, a partir do PES 2009 a Konami incluiria um modo carreira, o "Become a Legend". Na edição 2009 a empresa alcançaria sua maior conquista no campo das licenças, conseguindo o modo "UEFA Champions League", uma das principais competições mundais, e para muitos a segunda mais importante após a Copa do mundo de seleções nacionais.



{break::Ao infinito, e além}Mais um ano se aproxima de seu final, e tão certo como as festas de final de ano, surgem novas versões das duas franquias. "Pro Evolution Soccer 2011" e "FIFA 11" acabam de chegar ao mercado, e é cedo para escolher um vencedor da décima edição desta disputa entre a EA Games e a Konami. Por hora, as reviews estão tendendo a escolher o FIFA, com nota de 8.7, contra o 7.5 da franquia oriental.


Se a disputa entre as empresas fosse uma partida de futebol, a Konami faria um gol aos 5 minutos do primeiro tempo com International Superstar Soccer. A EA Games alcançaria um empate com o FIFA 98, aos 15 minutos. A boa jogabilidade da série PES garantiria mais um gol e o controle do jogo até o final do primeiro tempo. O segundo tempo seria de um "time Konami" não encontrando uma formação ideal, e abrindo espaço para o empate do "time EA". Em qual minuto seria este gol de empate? Nem sei.

Acho que esse jogo ainda vai longe.

Assuntos
Tags
  • Redator: Diego Kerber

    Diego Kerber

    Formado em Jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Diego Kerber é aficionado por tecnologia desde os oito anos, quando ganhou seu primeiro computador, um 486 DX2. Fã de jogos, especialmente os de estratégia, Diego atua no Adrenaline desde 2010 desenvolvendo artigos e vídeo para o site e canal do YouTube

É melhor ter o xCloud capado no iOS ou ficar sem o serviço nos iPhones?

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.