Venha conhecer a fábrica da Gigabyte em Nan-Ping!

Veja como é a primeira empresa mundial a receber o certificado IECQ QC 080000
Por Jacson Boeing 15/06/2009 17:39 | atualizado 19/11/2019 17:07 Comentários Reportar erro

Introdução

Um dos pontos altos da viagem para a Computex 2009 foi a oportunidade de visitar a fábrica da GIGABYTE em Nan-Ping, uma das quatro unidades que a empresa possui, sendo duas em Taiwan e duas na China. Localizada a cerca de 45 minutos de Taipei, esta é a fábrica mais moderna da GIGABYTE, com diversas certificações - ISO 14001, ISO 9001, TL 9000, OHSAS 18001 e foi a primeira empresa mundial a receber o certificado IECQ QC 080000 – o que a torna, possivelmente, uma das fábricas de hardwares para PC mais modernas do Mundo.

Fachada da fÁbrica Nan-Ping da Gigabyte

A fÁbrica da GIGABYTE em Nan-Ping possui 45.000 metros quadrados de Área e 1.100 funcionÁrios distribuídos nos seus oito andares, sendo responsÁvel pela fabricação de placas mãe, placas de vídeo, celulares, notebooks, entre outros produtos. Infelizmente para nós brasileiros, raramente algo fabricado com o alto padrão de qualidade desta fÁbrica chega ao Brasil, jÁ que as placas mãe do GIGABYTE comercializadas no Brasil são na sua grande maioria fabricadas no próprio país, em parceria com as empresas Digitron e Teikon (que são ótimos fabricantes, porém é difícil uma fÁbrica nacional alcançar o alto nível de qualidade de uma matriz desse porte).

GIGABYTE possui 4 fÁbricas, com destaque para Nan-Ping

Preparativos pré-visita

A visita à fÁbrica foi realizada no dia 04 de junho e começou com uma breve viagem de ônibus de cerca de 50 minutos. Estavam presentes jornalistas dos mais diversos órgãos da imprensa especializada mundial, tais como The Inquirer, Guru3D, Hexus, entre outros.

Durante o percurso, foi apresentado um vídeo promocional mostrando os novos lançamentos da GIGABYTE e foram distribuídas mÁscaras para uso obrigatório durante a visita, nada mais normal em tempos de H1N1, a famosa gripe suína que aflige todo o mundo – os orientais são muito precavidos em relação a ela – e que pode gerar um enorme prejuízo à empresa caso afete os funcionÁrios da linha de produção.

Entrada da fÁbrica

Chegando à fÁbrica, mais processos de segurança e higiene. Todos os jornalistas tiveram a sua temperatura medida, aqueles que estivessem com temperatura superior a 37,5º Celsius não poderiam fazer a visita - felizmente não houve nenhum azarado. Em seguida foram distribuídas sapatilhas antiestÁtica para colocar ao redor do calçado, e por fim todos foram submetidos a um túnel de vento para tirar a poeira trazida da rua. Tudo para garantir o mÁximo de proteção aos funcionÁrios e assegurar a qualidade dos produtos ali fabricados.

- Continua após a publicidade -

Túnel de vento para retirada de poeira

O último passo antes de começar a visitar as dependências da fÁbrica foi assistir a uma apresentação sobre como funciona o processo de produção desta fÁbrica, com número de produtos ali fabricados, diversos estÁgios seguidos, padrão de qualidade adotado e lista de pessoas responsÁveis pelos diversos setores da fÁbrica. Irei detalhar melhor esses pontos ao longo do artigo.

{break::O Processo de produção}

O Processo de Produção

Durante a visita, pude ver parte da linha de montagem de placas de vídeo, porém fomos guiados para acompanhar de perto o processo de produção de placas mãe. Nada mais lógico, afinal 70% das vendas mundiais da GIGABYTE se concentram em placas mãe, sendo foco total do escritório da empresa no Brasil.

O processo de fabricação de placas mãe na fÁbrica de Nan-Ping é dividido em quatro estÁgios distintos. Felizmente tive a oportunidade de acompanhar cada um desses estÁgios.

O primeiro estÁgio se inicia com os PCBs – placas de circuito impresso – sem nenhum componente instalado. Esses PCBs são fabricados sob medida para a GIGABYTE - única empresa que utiliza PCBs com duas onças de cobre – de forma terceirizada em outras fÁbricas.

- Continua após a publicidade -

Caixas de PCB fabricados pela HannStar

Acima a Área de armazenamento dos PCBs récem chegados à fÁbrica e prontos para entrar no processo de produção.
Esse lote em especifico foi fabricado pela taiwanesa HannStar, que além de PCBs, fabrica televisores, monitores e sabe-se lÁ o que mais.

Os 4 estÁgios de produção de placas mãe e placas de vídeo

Conforme listados na imagem acima, os estÁgios de produção são:

SMT – Surface-mount technology
Primeiro estÁgio do processo. Nele são colocados de forma automatizada, o chipset nas placas mãe e o GPU nas placas de vídeo, além dos SMD's – dispositivos de montagem de superfície - em ambos. Após este passo é realizada uma solda do tipo Reflow – solda temporÁria para fixação dos componentes - além de testes e inspeções.

DIP – Dual in-Line package
É a vez de inserir manualmente os componentes maiores como os slots PCIe, resistores, entre outros. Na sequência é realizada a solda desses componentes e logo após são inseridos os componentes que não ficam na superfície do PCB, tais como o dissipador por exemplo.

Testes
Aqui são realizados os testes finais em todas as placas. Uma a uma, todas as placas são testadas – manualmente – seguindo um alto controle de qualidade. Após o teste manual é realizado o teste de função e o teste de Burn-in – para detectar se os componentes estão funcionando corretamente.

Embalagem
No último estÁgio, parte do processo é automatizado e parte é manual. As caixas das placas são montadas por uma mÁquina e posteriormente, a placa, os cabos, o manual e os acessórios são colocados manualmente na caixa que o usuÁrio final irÁ encontrar em lojas de informÁtica. Isso feito, a caixa é fechada e na sequência, são colocadas vÁrias dessas caixas "retail" na caixa de transporte, que por sua vez é fechada e recebe o adesivamento contendo a descrição da série de placas nela presente e o país ao qual aquele lote serÁ destinado.

{break::EstÁgio SMT}

EstÁgio SMT

O EstÁgio SMT - Tecnologia de Montagem de Superfície - é o primeiro estÁgio e onde de fato começa a visita a parte produtiva da fÁbrica. O estÁgio SMT em Nan-Ping é realizado no 7º andar e como o PCB não é fabricado aqui, este é o início de todo o processo de produção.

Primeira vista do andar onde é realizado este estÁgio

No início, confesso que fiquei impressionado com o grandiosismo e o nível de detalhamento que um processo do gênero demanda. Isso ficou claro pela forma frenética com que eu batia uma foto após a outra em busca de não perder nenhum detalhe. Porém não havia tempo a perder, e guiado pelo diretor geral da fÁbrica, Sr. George Chen, fui passando pelas vÁrias linhas de montagem. São 11 linhas ao todo, com capacidade mensal de produção de 250.000 placas mãe, 50.000 placas de vídeo e 5.000 produtos voltados para servidores.

Número de linhas de produção e capacidade total de produção da fÁbrica

Neste estÁgio, o PCB entra nas primeiras mÁquinas sem nenhum componente instalado, e em alguns segundos a placa começa a ganhar vida, com chipset e demais componentes SMDs – dispositivos de montagem de superfície – instalados.

Placa mãe saindo da mÁquina com chipset e micro componentes

Abaixo uma foto da mÁquina responsÁvel pela colocação do chipset e componentes.

Esse estÁgio se resume ao perfeito funcionamento desta mÁquina, com alguns coadjuvantes.

Os componentes SMD são armazenados em rolos. São pilhas e mais pilhas de rolos de componentes. Tentei tirar uma foto da mÁquina sendo reabastecida com novos rolos, mas a concorrência pelo melhor ângulo estava complicada, pelo menos a foto aí embaixo dÁ uma idéia de como funciona.

MÁquina que insere os componentes no PCB sendo recarregada

Tirar fotos desta mÁquina em funcionamento é uma tarefa ainda mais difícil, pois além do vidro ser espesso, os cilindros que fixam os componentes SMD na placa mãe são de uma velocidade absurda, com capacidade de instalar até 10 componentes por segundo, o que dÁ uma marca de 0,1 segundo por componente. Realmente impressionante.

Componentes sendo

Fixados todos os componentes SMD e o chipset no PCB, a placa passa por outra mÁquina onde recebe uma solda simples, apenas para fixar os componentes na placa durante os demais processos que virão. Isto feito, a placa irÁ passar por uma mÁquina (abaixo) que realiza um teste ótico em busca de componentes que possam não ter sido instalados por falha no processo, ou ainda em busca de componentes defeituosos.

Teste ótico realizado para identificar possíveis falhas no processo

Em seguida uma inspeção manual é realizada por uma funcionÁria com o auxílio de uma lente de aumento.

Teste visual com lente de aumento e grade

Por fim é utilizada uma pequena mÁquina para checar eletricamente todos os componentes até então instalados. As placas aprovadas em todos os testes seguem para o estÁgio DIP, onde serão instalados os demais componentes e a placa começarÁ a ganhar vida.

{break::EstÁgio DIP}

EstÁgio DIP

A placa na entrada desta Área da fÁbrica fala por si só

Saímos do 7º andar, descemos dois lances de escada e agora estamos no 5º andar. Local onde iremos acompanhar o EstÁgio DIP, sigla para "Dual in-Line Package", ou seja, componentes retangulares que possuem duas fileiras de pinos condutores elétricos. Uma infinidade de componentes pertence a essa categoria, tais como resistores, capacitores, entre outros. Nesse estÁgio todos esses componentes serão inseridos manualmente no PCB.

Em detalhe dos componentes que serão colocados neste estÁgio

Isso mesmo, MANUALMENTE! São 4 extensas linhas de montagem formadas apenas por mulheres que serão responsÁveis por pegar todas as placas que chegam a esse estÁgio apenas com o chipset (GPU no caso de placas de vídeo) e os componentes SMD's fixados através de uma solda temporÁria de fixação e transformÁ-las em placas acabadas e prontas para uso.

Aqui a o ser humano ainda é imprescindível

A parte de colocação dos componentes é um trabalho totalmente de repetição, ficando cada funcionÁrio responsÁvel pela colocação de determinados tipos de componentes nas placas que vão passando pela esteira. Em média cada funcionÁrio é responsÁvel pela colocação de três componentes.

FuncionÁria colocando os componentes

Abaixo pilhas de componentes que serão usados no processo de produção.

Componentes esperando a hora de entrar em ação

E mais componentes sendo instalados... um erro, de apenas um funcionÁrio e todo o processo deve ser refeito.

Os funcionÁrios são como engrenagens. Se uma falhar, todo o processo falha

Depois de instalados todos os componentes, as placas passam por uma inspeção final para ver se estÁ tudo encaixado corretamente. Nesse momento os componentes estão encaixados, porém soltos.

A fixação definitiva se dÁ através de um processo de solda chamado "wave soldering", onde as placas entram em uma grande mÁquina e a solda é realizada em forma de onda, fixando definitivamente todos os componentes eletrônicos a placa de circuito impresso (PCB). Esse é único momento nesse estÁgio em que o processo é automatizado e são as mÁquinas que fazem o trabalho.

Após a solda, mais testes são realizados para ver se o processo foi perfeitamente e executado e também é colocado manualmente na placa o dissipador.

FuncionÁria realiza testes em placas de vídeo

Tudo pronto? Definitivamente não! ainda faltam alguns testes.
Testes de circuito para garantir que a placa estÁ funcionando perfeitamente. Testes de gabarito para garantir que tudo estÁ alinhado como deveria na placa e testes de burn-in.

Testes de circuito sendo realizados na placa mãe e placa de vídeo

Após a realização desta intensa bateria de testes, finalmente as placas são coladas em grandes caixas e vão esperar a realização do PQC – Processo de Controle de Qualidade. Se tudo der ok neste ponto, as placas farão o mesmo caminho que eu e descerão para a Área de embalagem.

Placas alocadas em caixas que serão analisadas pelo Controle de Qualidade

Os produtos que chegaram até este estÁgio passaram por todos os processos e linhas de montagem e foram bem sucedidos em vÁrios e rígidos testes / inspeções.

{break::Embalagem}

EstÁgio de Embalagem

Descemos mais alguns lances de escada e chegamos ao 2º andar da fÁbrica, Área onde as placas são embaladas ganhando a aparência que todos podemos ver nas lojas de informÁtica.

Apesar do estÁgio de embalagem não ser o ponto crítico de todo o processo, ele ainda é importante. Imagina você receber um produto sem manual e/ou faltando os cabos SATA, por exemplo? Por isso a atenção nesse estÁgio tem que ser a mesma dos outros, a fim de garantir a qualidade final do produto como um todo.

Este estÁgio é sem dúvidas o mais rÁpido de todos e começa com a caixa das placas mãe e/ou placas de vídeo sem nenhuma dobra, ficando a cargo de uma mÁquina moldar a caixa, conforme imagem abaixo.

MÁquina que molda a caixa deixando-a pronta para receber a placa e acessórios

Em seguida todos os acessórios são colocados na caixa, um a um, sendo um funcionÁrio responsÁvel pela colocação de cada acessório. O êxtase do processo sem dúvida foi presenciar um funcionÁrio que tem a importante tarefa de tirar o selo plÁstico de proteção que fica em cima do dissipador. Esta é ou não uma função crítica no processo? Pena eu ter dormido no ponto e não ter conseguido eternizar o momento com uma foto. Maybe, next time! =]

A placa mãe também é embalada e colocada na caixa

Depois de colocada na caixa a placa mãe e todos os seus acessórios, manuais, cabos etc. a mesma é fechada e acondicionada em caixas de transporte com, creio eu, 20 placas mãe. Essas caixas são etiquetadas de acordo com o país que irÁ receber a remessa. Na foto abaixo vocês podem conferir uma remessa que tem como destino final o mercado holandês.

Caixas prontas para serem fechadas

{break::Curiosidade}

Curiosidades

Segue abaixo algumas curiosidades que me chamaram a atenção durante a visita e que achei interessante compartilhar com vocês.

- Todo o processo de fabricação é iniciado pelo estÁgio SMT no 7º andar e finalizado na embalagem, no 2º andar. O resultado é a transformação de um PCB base em uma placa mãe jÁ embalada e pronta para venda. O tempo de todo esse processo? Entre 15 e 20 minutos, dependendo do modelo da placa. Impressionante!

- O salÁrio mínimo em Taiwan é de NT$ 17.280,00 (taiwanese new dollar), o que equivale a aproximadamente USD 523,00, ou ainda a R$ 1.020,00 (câmbio de R$ 1,95). Não consegui apurar o salÁrio exato de um funcionÁrio que trabalha na linha de produção, porém não menos do que um salÁrio mínimo, o que demonstra que existe uma qualidade de vida razoÁvel jÁ que pela minha experiência no país pude notar que o custo de vida em Taiwan é semelhante ao do Brasil.

- Para diminuir os efeitos da constante repetição a que os funcionÁrios da linha de produção são submetidos, a GIGABYTE realiza constantes rotações entre as posições de trabalho, ou seja, continua sendo maçante e chato, porém o componente a ser inserido serÁ outro, fazendo com que os movimentos que o funcionÁrio irÁ realizar para efetuar a tarefa sejam diferentes da função anterior.

- O quadro abaixo mostra alguns números bastante interessantes relacionados ao processo de produção e a essa linha de produção em específico. No alto temos o modelo que estÁ sendo produzido, depois a quantidade de placas deste modelo a serem produzidas por todas as linhas de produção, o número de placas que serão produzidas por essa linha de produção, o número de placas que essa linha jÁ produziu e o número de placas que faltam ser produzidas por essa linha. Não, eu não entendo mandarim, devo essa a Lisa da Gigabyte que me ajudou na tradução. Obrigado, Lisa. :) 

Números relacionados a produção em andamento

- Dentro da fÁbrica hÁ um cartaz bem grande com os seguintes dizeres: Be more responsible, Complain less, Be more attentive, Make lesser mistake. Em tradução livre: Seja mais responsÁvel, Reclame menos, Fique mais atento, Cometa menos erros. EstÁ dado o recado? Por ironia do destino ou não, acima do cartaz havia uma placa de sinalização "Exit" apontando para a porta.

Como uma imagem fala por mil palavras, vejam abaixo =]

Esse cartaz me valeu boas gargalhadas no meio da fÁbrica!

{break::Considerações Finais e agradecimentos}

Considerações Finais

Inicialmente gostaria de agradecer à GIGABYTE por me propiciar a oportunidade de conferir pela primeira vez um processo de produção industrial em larga escala. Confesso que sempre tive muita curiosidade em pisar em uma fÁbrica desse porte e ver com os meus próprios olhos todo o processo.

Gostaria também de agradecer à GIGABYTE em nome de todos os leitores que terão a oportunidade de ler este artigo. Raramente se tem uma oportunidade de entrar em uma fÁbrica deste porte, eu mesmo jÁ tentei viabilizar um artigo como este com vÁrias empresas e recebi constantes negativas. Não é difícil entender o motivo, afinal a enorme concorrência presente nesse mercado por si só jÁ é um motivo bastante forte. Nas poucas vezes que li matérias sobre visitas a fÁbricas, normalmente não foi permitido fotografar todo o processo. Felizmente não foi o caso dessa vez.

É meio difícil nesse momento traçar um paralelo de comparação, pois assim como quando eu faço a analise de um determinado produto pela primeira vez, falta base para comparação, afinal esta é minha primeira visita a uma fÁbrica e por mais surpreendente que seja, não tenho como comparar com outra. Certamente um dia terei. =]

De qualquer forma, pude conferir de perto o padrão de qualidade adotado e posso afirmar sem sombra de dúvidas que os testes de qualidade são muitos e criteriosos, o que demonstra toda a preocupação da GIGABYTE com a qualidade do produto que a empresa irÁ entregar ao usuÁrio final.

Uma pena que nós brasileiros não desfrutamos muito de todo esse padrão de qualidade, afinal a maior parte dos modelos por nós adquiridos são de fabricação nacional, apenas as placas top de linha como a GIGABYTE GA-EX58-Extreme por nós analisada recentemente são importadas e provêm da fÁbrica da GIGABYTE de Nan-Ping.

Não estou dizendo que a fabricação nacional não tenha um controle de qualidade bom, até porque uma empresa líder no mercado de canal como a GIGABYTE não iria arriscar sua credibilidade colocando sua marca em produtos com qualidade duvidosa. Sem contar que, certamente a GIGABYTE e outras empresas taiwanesas que fabricam suas placas no Brasil possuem equipes inteiras treinando os funcionÁrios que trabalham nestas fÁbricas com a filosofia de trabalho aplicada em Taiwan.

É importante frisar a disciplina de trabalho encontrada em Nan-Ping, com centenas de funcionÁrios que nem sequer piscam enquanto mais de 30 jornalistas disparam seus flashes simultaneamente. A fÁbrica funciona 24/7 em três turnos de 8h, com a maioria dos funcionÁrios trabalhando sentados e desenvolvendo um trabalho extremamente repetitivo e fatigante, com apenas 1 hora de pausa divida em três pequenos intervalos que servem para comer, ir ao banheiro, descansar etc.

Para finalizar gostaria de deixar novamente o meu muito obrigado a toda a equipe da GIGABYTE Brasil por viabilizar a cobertura da Computex 2009 e por permitir que eu visitasse a fÁbrica da empresa em Nan-Ping. Foi uma oportunidade impar da qual sou muito grato.

---

Quer ver mais fotos da fÁbrica?
Então acesse a galeria de fotos completa da visita em https://adrenaline.com.br/tecnologia/imagens/12/fabrica-nan-ping-da-gigabyte

Assuntos
Tags
  • Redator: Jacson Boeing

    Jacson Boeing

    Apaixonado por tecnologia, gadgets e pelo universo geek em geral, Jacson Boeing é sócio-fundador e Editor do Adrenaline, onde desenvolve um trabalho de bastidores, desenvolvendo parcerias e formas criativas de dominar o universo! Fora os sonhos ambiciosos, também ajuda no desenvolvimento de pautas e escreve esporadicamente sobre tecnologia, além de viajar para cobrir in-loco alguns eventos internacionais considerados importantes dentro da estratégia de expansão do Adrenaline.

Qual a sua marca de headphones/headsets para jogos preferida? - Pesquisa de Periféricos 2021

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.