ANÁLISE: MSI Immerse GH20 - Um headset de baixo custo bastante competente

Um dos melhores fones de ouvido na faixa dos R$ 200, porém...

Headsets baratinhos, com bom custo x benefício, são algo que o público sempre procura, mas é um assunto complicado, pois o que é barato hoje, pode não valer a pena amanhã. Fones que há três anos custavam R$ 200, hoje custam R$ 300, e o MSI Immerse GH20 é a principal entrada da MSI para este mercado, tendo o menor preço entre todos os modelos disponíveis da empresa.

Antes de tudo, os headsets da MSI não aparentam ser headsets projetados pela própria MSI, e sim projetos "White-Label" (remarcados) - ou seja, feitos por alguma fabricante chinesa para qualquer marca que queira colocar o logo em cima e vender como se fosse algo próprio.

Produtos White-Label são ruins? De forma alguma. O mercado está lotado de headsets desse tipo, seja o HyperX Cloud e Cloud II, Galax Xanova Juturna, Havit H2002D, Redragon Zeus, etc. Até o atual melhor headset da HyperX, o Cloud Orbit, é um remarcado. Há produtos deste tipo que são ruins, mas há produtos bons também.

O MSI GH20 ainda não chegou nas lojas brasileiras oficialmente, e tem uma previsão de preço na faixa dos R$ 200~250. Apesar disso, o preço praticado vai depender de cada loja.

Quem acompanha meus artigos, reviews e recomendações, sabe que eu não costumo recomendar headsets de R$ 200, pois eles tendem a "economizar demais" em algo (ou em tudo), tendo problemas sérios de conforto, áudio/microfone de baixa qualidade e/ou falhas em sua durabilidade devido ao uso de componentes baratos. Um "bom" exemplo disso é o Pichau P431, tão ruim que me recuso usar para fazer review.

Será, então, que o MSI GH20 é só mais um para entrar na minha lista de headsets não recomendados, ou ele tem algo de especial mesmo custando tão pouco?


Construção e Conforto

Para começar, tudo na estrutura desse headset grita "Headset de R$ 200". Começo pelo próprio design, que não chega a ser ofensivo e nem feio, mas é bastante "genérico".

- Continua após a publicidade -

Isso não é algo "ruim", mas outro fator que contribui nessa impressão são os materiais utilizados em sua construção. Um plástico ABS barato, bastante fino e oco na maioria das partes. Certamente não é um fone "construído para ser resistente" e sua estrutura demonstra isso.

Em suas almofadas bastante "grossas" nas imagens, temos o que aparenta ser courino sintético, mas, na realidade, quase não há recheio no interior. Não consigo sentir qualquer espécie de memory foam ou outro material, o que acaba impactando negativamente tanto no conforto quanto no isolamento sonoro (isolar e impedir sons de vazarem/entrarem no fone, seja sons externos ou do que você está escutando).

Essas almofadas podem parecer aceitáveis nas imagens e o próprio marketing promete algo "extremamente confortável", mas não são.

Além disso, a área interna das almofadas não é grande, e acredito que muitas pessoas, assim como eu, estarão com a parte superior da orelha sendo "esmagada" pela almofada em vez de encaixar perfeitamente dentro dela. A área interna mede 6cm (altura) x 4cm (largura) e minha orelha mede 6.3cm de altura, então essa almofada realmente não é ideal para minha orelha.

Já a almofada oval da direita (tirada de um Pichau P852) possui maior área interna e mesmo ela sendo consideravelmente "menos grossa", o fato dela ter recheio em memory foam torna-a ridiculamente superior em conforto, isolamento e também para utilização com óculos. Mas, obviamente, utilizar uma almofada de melhor qualidade como esta faria seu preço aumentar consideravelmente.

Outra parte do fone que é feita em courino sintético é a headband, a qual é razoavelmente confortável, mas não aparenta ter memory foam.

- Continua após a publicidade -

O fone possui ajustes para altura, com os quais é possível sentir cada nível de ajuste conforme você vai deslizando a headband.

E aqui temos novamente um problema: mesmo no limite máximo, ainda não fica adequado para a minha "cabeça XGG". Acabo tendo que usar no limite e noto que se o fone estendesse apenas um pouco mais, seu conforto seria consideravelmente melhor para mim. O resultado é um clamping (a força que o fone faz na cabeça) bastante forte, o que o torna desconfortável.

O velho truque de "estender a estrutura usando uma caixa" ajuda bastante na questão do conforto, eliminando uma boa parte do clamping e tornando-o mais confortável para o uso em longos períodos (pelo menos para mim).

Após fazer isso, o conforto melhorou consideravelmente (se tivesse que dar uma nota, saltou de 2/10 para 5/10), e o clamping também diminuiu bastante. Isso ocorre em muitos outros fones apenas "usando-os normalmente" - tudo o que deixar esticado em uma caixa acaba fazendo, acelerando esse processo natural.

Porém, ainda assim sinto que o tamanho da minha cabeça realmente "força" a estrutura deste fone. Tenho medo que pessoas com cabeças "avantajadas" como a minha, além de sofrerem com problemas de conforto, também possam ter problemas com a durabilidade do fone, seja com os engates de plástico das conchas ou com a própria headband de plástico rachando.

Seguindo em frente, temos o cabo do fone, que é feito em nylon trançado e consideravelmente resistente. No meio deste cabo, há uma caixa com controle de volume (via potenciômetro analógico) e uma chave para ligar/desligar o microfone.

- Continua após a publicidade -

O conector do headset é um 3.5mm TRRS (conector com 3 anéis, popularmente chamado de "P3", embora este não seja o termo correto) para utilizar o headset em notebooks recentes, celulares*, tablets* e controles de consoles. Ele ainda acompanha um adaptador para dois conectores P2 (3.5mm TRS) para usar em desktops.

Enfim, pode parecer que não gostei do fone até agora já que eu só critiquei toda a sua construção, mas a faixa dos R$ 200 é complicada justamente por esta razão. Quase todos os fones deste valor possuem uma construção inferior ao ideal, justamente para diminuir o preço.

Por mais que eu tenha críticas à construção do MSI GH20, eu também consigo entender que todas estas decisões de design (fora não ter ajustes suficientes para o tamanho da minha cabeça) foram feitas para reduzir o custo de produção ao máximo e possibilitar que o headset fosse vendido pelo preço que está sendo vendido. O uso de plástico barato, não ter memory foam nas almofadas, o próprio design das almofadas, tornar um microfone que deveria ser removível, em fixo...Todas essas decisões foram tomadas para reduzir o custo de produção e, consequentemente, o preço do fone.

E isso não é exclusividade dele. Quase todos os fones desta faixa de preço possuem uma construção "questionável". E se você está atrás de fones melhor construídos e mais resistentes, a única sugestão que posso lhe dar, é investir mais em vez de tentar comprar um fone de R$ 200.

Qualidade Sonora

Julgando pela aparência, conforto e construção do fone, confesso que não tinha muitas expectativas antes de escutar ele. "É apenas mais um headset mais ou menos de R$ 200 igual tantos outros", foi a primeira coisa que pensei - e que vários de vocês também devem estar pensando agora, depois do resultado nada impressionante da sua construção.

Mas, ao conectar ele no meu computador (mais especificamente na minha ASUS Xonar U3), notei que estava enganado. E muito enganado.

A primeira coisa que me surpreendeu foram os graves. Sei que há fones com "muitos graves" nessa faixa de preço, mas a maioria não faz certo. A Maioria dá ênfase a uma única frequência e embola todos os outros sons; outros modelos utilizam artifícios como "vibração" para criar falsos graves, sem qualquer sonoridade.

Em headsets da faixa de preço de R$ 200, faltam "graves reais" e extensão, sendo capazes de mostrar os tons melódicos de instrumentos como o contrabaixo. Falta também impacto que não seja apenas uma pecinha tremendo em uma frequência específica.

E vocês podem notar onde estou indo com isso. Para minha surpresa, o MSI GH20 possui "graves reais". Claro, não estou dizendo que se compara a headsets como o HyperX Cloud Orbit em termos de graves, mas ele trabalha muito bem para sua faixa de preço. A sonoridade dos graves é presente e agradável, há extensão para tons melódicos de contrabaixo, impacto suficiente para as "batidas" dos graves, os médios são razoavelmente detalhados e os agudos, embora não sejam "recuados demais", são a parte menos impressionante deste fone.

Ainda assim, esta não é a sonoridade que eu esperaria de um fone de R$ 200, e sim de algo entre R$ 300~350, por isto ele realmente me surpreendeu. O que a MSI economizou em construção, ela certamente investiu em áudio.

O que a MSI economizou na construção deste fone, ela certamente investiu em áudio

Embora na resposta de suas frequências sonoras este fone seja acima da média, em termos de palco sonoro, ele não se destaca de outros fones da mesma faixa de preço, cometendo os mesmos erros. Ou seja, possuindo um som bastante "seco", a sensação de espaço não é ampla, a separação de instrumentos não é grande e a sensação é de que todos os sons estão vindo da frente quando escuto músicas, ao invés de sentir a separação estéreo que é feita em algumas músicas para cada instrumento. Para gêneros como instrumental ou rock, ele não impressiona.

E isso afeta o desempenho em jogos? Não tanto quanto parece. Os sons são "secos" e, em termos de "imersão", deixam um tanto a desejar, mas em localização, os testes até me surpreenderam. O som ser "seco" não me atrapalhou jogando Battlefield V, Resident Evil ViIlage ou Generation Zero. Notar as direções exatas dos barulhos foi extremamente fácil e a assinatura sonora "quente" do fone ajuda a detectar sons de passos na sua proximidade.

Ele poderia ser melhor? Obviamente poderia. Seu áudio poderia ser mais amplo e seu palco sonoro expandido, mas para a faixa de preço dele, não tenho reclamação. Ele é extremamente competente.

Me pergunto também se o seu irmão MSI GH30 V2 utiliza os mesmos alto-falantes, pois parece ser melhor nas questões de conforto, e suas especificações técnicas são idênticas na questão de áudio...

Microfone

Para falar de microfone, começo lembrando este é um headset analógico, com conector 3.5mm TRRS. Sendo assim, a qualidade do microfone dele pode ser afetada por vários fatores:

  • A qualidade da interface de áudio onde você conectou (o que pode causar chiados, estalos, etc...)
  • A pré-amplificação da interface de áudio onde você conectou (o que afeta o volume/sensibilidade do microfone)
  • A presença ou ausência de aterramento elétrico na sua residência e na tomada do seu computador (o que pode causar chiados/zumbidos, especialmente em certos horários do dia)

Em nossos testes, nós sempre usamos as melhores condições com os headsets analógicos que chegam para análise. utilizamos um computador com aterramento elétrico e uma placa de som de boa qualidade capaz de extrair "o melhor resultado" do microfone de headsets analógicos que recebemos. Neste teste, estaremos usando uma Sharkoon Mobile DAC.

Sabemos que alguns usuários não terão os mesmos resultados com o seu headset, mas é injusto com qualquer fabricante fazermos testes onde o fone fique com um resultado "inferior" devido a peças de baixa qualidade feitas por outras empresas, ou por fatores que não ocorrem por culpa do fone (ex: falta de aterramento elétrico). É tão absurdo quanto testar uma RTX 3090 em um computador com Intel Core 2 Duo e culpar a Nvidia pelo baixo frame rate em jogos.

E este é o teste do microfone deste headset:

A princípio, não parece que há crosstalk (que é o vazamento de áudio para o microfone, causado por má fiação e falta de isolamento no cabo do headset), porém há um pouco de vazamento em volumes médios e altos pois a questão de isolamento sonoro deste fone não é muito boa.

Considerando que suas earcups são feitas em plástico, que minhas orelhas não encaixam dentro da área interna e a baixa densidade de suas almofadas, não me surpreende que haja algum vazamento. E, novamente, para a faixa de preço, esse tipo de vazamento causado pela estrutura é comum.

Mas me surpreende que este seja um dos poucos headsets 3.5m TRRS abaixo de R$ 300 sem crosstalk, junto com o Cougar Immersa Essential e Cougar HX330, que também não sofrem deste problema.

Quanto à qualidade do microfone em si, não há problema algum. Os graves da voz estão bem presentes, médios e agudos também. É um excelente microfone para a faixa de preço e consideravelmente melhor do que muitos outros concorrentes do mesmo valor.

Conclusão

A faixa dos R$ 200 é complicada, pois normalmente há ênfase em apenas um aspecto do fone enquanto outros são prejudicados. Alguns fones possuem visual moderno e luzes, mas pecam em todo o resto... Alguns possuem extras como placas de som 7.1, vibração e software, mas são um fracasso nos dois principais aspectos de um headset, que são áudio e microfone. E para piorar, os headsets bons que alguns anos atrás custavam R$ 200 no Brasil, tal como o Havit HV-H200D, hoje custam R$ 300. Os headsets de "R$ 200" de hoje, são os antigos fones de R$ 150.

Para que um headset custe R$ 200 (vendido no Brasil) e uma parte seja boa, outras precisam ser inferiores, e se a empresa tentar fazer com que "tudo seja bom", ela acaba fazendo um headset de R$ 400. Por isso, não se avaliam fones desta faixa de preço usando os mesmos parâmetros e esperando o mesmo nível de qualidade de headsets de R$ 500~800.

E estas são as principais razões pelas quais eu evito recomendar fones deste valor. Muitas vezes escolher um fone desta faixa de preço é pagar mal e acabar tendo que pagar duas vezes.

Para que um fone custe R$ 200 e uma parte seja boa, outra precisa ser inferior. Se ele tentar se "bom em tudo", ele vai saltar para R$ 400~500. Por isso não se avalia fones deste valor da mesma forma que outros

Há alguns fones que tentam ter "de tudo um pouco", mas poucos conseguem realmente ter sucesso. Alguma parte sempre acaba ficando inferior a algum concorrente ou aquém do desejado.

O MSI Immerse GH20 também tentou ser "de tudo um pouco" e é simplesmente um dos melhores headsets de R$ 200~250 que já testei em termos de áudio: graves com excelente extensão e controle, médios detalhados e agudos adequados, muito diferente de outros concorrentes da faixa de preço.

O que também impressiona neste headset é que, além de ter uma qualidade de áudio acima da média, o microfone também é ótimo e ele não possui o problema de crosstalk, que é algo que quase qualquer outro headset com conector P3 (3.5mm TRRS) dessa faixa de preço possui.

Ou seja, se considerarmos apenas o áudio e microfone, o MSI GH20 é um dos melhores headsets de R$ 200, sem dúvida alguma.

Considerando apenas o áudio e microfone, o MSI GH20 é um dos melhores headsets da faixa de R$ 200

Porém, para ter um áudio acima da média e ainda assim ter um custo baixo, a MSI obviamente economizou em algo. E este algo foi sua estrutura e seu conforto.

Sua estrutura plástica não aparenta ser resistente, o plástico em si não é de alta qualidade, os engates não inspiram confiança... E não estou falando de "falsa impressão", como é o caso do Sennheiser GSP 300. Toda estrutura desse fone realmente grita "headset barato", então deve-se tomar cuidado. Só o tempo poderá dizer sobre a real durabilidade deste fone.

Sobre o conforto, a extensão de altura do fone não é muito larga e pessoas com cabeças "XGG" podem se sentir desconfortáveis com ele. A área interna das almofadas não é muito grande e o clamping para pessoas com óculos ou com orelhas acima da média também pode ser desagradável.

Ele não chega a ser um "instrumento de tortura" como alguns outros fones desta faixa de preço são para mim (Pichau P431 e Razer Electra V2 são horríveis), mas não poderia usar ele mais do que 3 horas por dia, enquanto consigo utilizar fones como o Razer BlackShark V2 USB cerca de 16 horas por dia.

Claro, outra pessoa pode pegar o mesmo fone e ter 0 problemas de conforto, tudo depende do tamanho da sua orelha e cabeça. Se forem menores que as minhas, você talvez não terá problemas.

Não acho que crianças, adolescentes e mulheres no geral terão problemas, mas adultos com uma estatura alta (1.83m e acima), ou para pessoas que estão com medo da questão de conforto deste headset devem pensar. Talvez o MSI GH30 V2 (que atualmente custa R$ 270) seja uma melhor escolha, pois possui almofadas com maior área interna e um arco projetado de forma diferente, o que certamente tornará ele mais confortável para usuários como eu. Pelas especificações, suspeito que sejam idênticos em termos de áudio, porém com algumas melhorias em outros aspectos, conforto sendo um deles:

E claro, nada lhe impede de comprar um MSI GH20, testar e devolver durante os 7 dias de arrependimentos de compras online caso não seja adequado para sua cabeça ou o conforto não lhe agrade. Considerando a qualidade de áudio e microfone para o preço, vale a pena arriscar.

Recomendo que a MSI tente deixar o preço deste headset o mais próximo possível dos R$ 200, pois por R$ 280~300 já é possível comprar o Havit H2002D, que é consideravelmente superior em construção, embora infelizmente também tenha problemas de conforto e no seu microfone.

As falhas do MSI GH20 são justificáveis para algo perto de R$ 200, mas deixam de ser se ele custar muito acima disso.


PRÓS
Excelente qualidade de microfone
Ótimo Custo x Benefício
Ótima qualidade sonora para o preço, graves extremamente bem definidos, médios detalhados e agudos competentes, muito competente para um headset de R$ 200
Sem crosstalk, algo raro de se ver em headsets dessa faixa de preço com conector P3 (3.5mm TRRS)
CONTRAS
Conforto poderia ser melhor, não é recomendado para pessoas com cabeças "avantajadas"
Estrutura não aparenta ser muito resistente, mas está na média entre fones dessa faixa de preço
  • Redator: Wellington Diesel

    Wellington Diesel

    Formado em Redes de Computadores, o "wetto" é um entusiasta do ramo de Periféricos. Autor do Guia do Teclado Mecânico, ele carrega consigo mais de 200 análises de mouses, teclados e headsets publicadas, além de diversos Guias e Artigos sobre teclados, mouses e headsets. Respeitado pela comunidade do Adrenaline, ele trabalha à distância como colaborador.

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.