ANÁLISE: SSD Seagate FireCuda 520 PCIe 4.0 de 500GB alcança 5.000MB/s em leitura

Sem exceção, atuais SSDs PCIe 4.0 utilizam o mesmo controlador com as mesmas velocidades. O preço define a compra

O SSD FireCuda 520 é mais um modelo PCIe 4.0 com o controlador Phision. Esses modelos são atualmente os mais rápidos do mercado, mas, independente da marca, todos trazem especificações técnicas bem semelhantes, já que ao menos, por enquanto, utilizam o mesmo controlador e memórias semelhantes.

Sendo assim, como os demais, o FireCuda 520 pode alcançar até  5000MB/s em leitura sequencial e 4400MB/s em escrita sequencial dependendo a capacidade, mas, como acontece com todas as marcas também, os modelos de 500GB PCIe 4.0 tendem a ter velocidade de escrita inferior aos modelos de 1TB e 2TB. Esse é justamente o caso do modelo que estamos testando aqui, que alcança até 2500 MB/s. Vai ser interessante ver na prática o quanto isso muda.

Site oficial dos modelos Seagate FireCuda 520

Atualmente, e sempre devemos considerar a pandemia, o modelo com 500GB custa cerca de $128 dólares em cenário internacional, na Newegg. No Brasil, os preços estão bem salgados também, reflexo da pandemia e dólar, com o modelo de 1TB custando acima de R$ 2.100. Pesquisa feita dia 19/08/2020.


Guia completo sobre SSD - Tecnologias, formatos, capacidade, testes, preços e mais

Guia completo sobre SSD - Tecnologias, formatos, capacidade, testes, preços e mais
De informações técnicas a comparativos entre modelos antigos e novos com atualizações constantes


Comparativo

Como já destaquei em várias outras análises de modelos de SSD PCIe 4.0, todos os modelos trazem o mesmo controlador Phison PS5016-E16 aliado às memórias do tipo TLC. As velocidades são as mesmas para todos também, algo bastante curioso já que temos esse cenário "há mais de ano".

A linha FireCuda 520 tem modelos com 3 capacidades - 500GB, 1TB e 2TB, sendo que os dois modelos de maior capacidade tem a mesma velocidade de leitura e escrita, 5000MB/s e 4400MB/s respectivamente. Já o modelo de 500GB tem os mesmos 5000MB/s de leitura, porém a escrita fica em 2500MB/s.

- Continua após a publicidade -

Além dessa mudança, a única outra situação que diferencia os modelos é o tempo de vida relacionado aos dados escritos no SSD - quanto maior a capacidade, maior o tempo de vida, começando pelo modelos de 2TB, 2.800TBW. Já o modelo de 1TB tem 1.400TBW e o de 500GB 700TBW.

As memórias de praticamente todos os modelos PCIe 4.0 são do tipo TLC, mais rápidas e duráveis do que as recentes QLC, que estão presentes em modelos de SSD mais baratos e populares - mais uma característica visando tornar os modelos PCIe 4.0 diferenciados. Na prática, memórias do tipo TLC são mais duráveis e rápidas. Recomendo conferir nosso artigo destacado acima para entendem bem como funciona tudo dentro de um SSD.

Abaixo, tabela comparativa entre o SSD analisado com alguns outros modelos do mercado.

Comparativo

Seagate FireCuda 520 NVMe SSDT-FORCE Cardea ZERO Z440 NVMe Gen4 SSDGigabyte AORUS NVMe Gen4 SSDXPG GAMMIX S50 NVMe Gen4 SSD

Preços

Preço no lançamentoU$ 124,99 U$ 190,00 U$ 259,99 U$ 223,99
Preço atualizadoU$ 124,99 U$ 190,00 R$ 1.799,99 R$ 1.899,00

Características

Capacidades500GB, 1TB(cadastrada) e 2TB 1TB(cadastrada), 2TB 500GB, 1TB(cadastrada), 2TB 1TB (cadastrada), 2TB
InterfacePCIe 4.0 x4 - NVMe 1.3 PCIe 4.0 x4 - NVMe 1.3 PCIe 4.0 x4 - NVMe 1.3 PCIe 4.0 x4 - NVMe 1.3
Interface de ConexãoM.2 2280 M.2 2280 M.2 2280 M.2 2280
ControladorPhison PS5016-E16 Phison PS5016-E16 Phison PS5016-E16
Tipo das memórias3D TLC 3D-NAND TLC, 96 Layer (BiCS5) Toshiba 96-layers 3D TLC 3D TLC
Leitura Sequencial5000 MB/s5000 MB/s5000 MB/s5000 MB/s
Escrita Sequencial4400 MB/s4400 MB/s4400 MB/s4400 MB/s
Leitura Aleatória760.000 IOPS750.000 IOPS750.000 IOPS750.000 IOPS
Escrita Aleatória700.000 IOPS750.000 IOPS700.000 IOPS750.000 IOPS
Classificação de resistência1.800 TBW1800 TBW1800 TBW1800 TBW
Garantia5 anos 5 anos 5 anos 5 anos
Site oficialLinkLinkLinkLink


Fotos

O FireCuda 520 tem formato 2280 (22 mm de largura e 80 mm de comprimento), não trazendo qualquer dissipador sobre seu corpo - algo que não vejo necessidade, até porque a maioria das placas-mãe estão trazendo esses componentes, especialmente modelos com perfil de quem compra um SSD PCIe 4.0.


Sistema utilizado

Antes dos testes, aqui está a configuração do sistema utilizado, além de uma foto do SSD instalado na plataforma. Optamos por esse conector M.2 por ser uma posição tradicional e que está disponível em muitos modelos, inclusive em Mini-ITX. Sendo assim, é um cenário mais comum para tomar como base o teste de temperatura.

- Continua após a publicidade -

Máquina utilizada nos testes
- Mainboard Gigabyte X570 AORUS Master [análise]
- Processador AMD Ryzen 9 3900X [análise]
- Placa de vídeo NVIDIA GeForce RTX 2080[análise]
- Memórias G.Skill TridentZ RGB 16GB (2x8GB) [site oficial]
- SSD Gigabyte AORUS PCIe 4.0 2TB [site oficial]
- Fonte Thermaltake Toughpower 850W Gold [site oficial]

O SISTEMA NÃO RODA ANTI VÍRUS OU
APLICATIVOS QUE POSSAM INTERFERIR NOS TESTES

Sistema Operacional e Drivers
- Windows 10 Pro 64 Bits

Aplicativos/Games:
- AS SSD Benchmark 2.x
- ATTO Benchmark 4.x
- Battlefield V (DX12)
- BootRacer 7.x
- CrystalDiskMark 6.x
- DiskBench


Aplicativo e Firmware

A Seagate tem um aplicativo que mostra alguns detalhes do SSD, sendo possível também atualizar o firmware quando disponível nova versão, fazer uma formatação completa do SSD, rodar testes entre outras funções.

Abaixo, tela do Crystal Disk Info com alguns detalhes técnicos do SSD analisado. Em seguida, gráficos comparativos:

- Continua após a publicidade -

Temperatura

É importante destacar que em nossos testes não utilizamos qualquer dissipador ou solução que possa interferir a favor do SSD no quesito temperatura - se isso não vier com o SSD, logicamente. Com isso, visamos ter um cenário real para quem compra, apesar da mudança que ocorre dependendo do sistema onde o SSD é instalado.

Trocar a conexão M.2 do drive na placa-mãe
pode resultar em mudança superior a 10º

Das três conexões M.2 existente na mainboard que utilizamos, colocamos ele na conexão acima da placa de vídeo e próxima ao processador, por se tratar de um local comum em vários modelos que trazem apenas uma conexão, inclusive placas em formato Mini-ITX.


Testes sintéticos

AS SSD Benchmark

Começamos nossos testes com o AS SSD Benchmark, software específico para testes de drives SSD, HD etc.

O aplicativo faz uma série de testes em diversas situações de leitura e escrita e, no final, gera uma pontuação com a média entre todos os testes. Confiram abaixo:

ATTO Disk Benchmark

Outro famoso aplicativo para teste de desempenho de unidades de armazenamento é o ATTO. Vejam abaixo o comportamento dos modelos comparados:

CrystalDiskMark

Com o aplicativo CrystalDiskMark versão 6, outro muito famoso para testes de drives, optamos por utilizar dois resultados indicados pelos próprios desenvolvedores: o teste "SeqQ32T1" e o "4KiB Q32T1". Abaixo, os scores em modo leitura e escrita:


Testes práticos

Carregando um game (Battlefield V)

Outro teste interessante é o carregamento de um game. Para isso, utilizamos o Battlefield V, com teste em cima do mesmo mapa que utilizamos em boa parte das nossas reviews de placas de vídeo. O conceito foi simples: medir o tempo que levou da hora que clicamos até a hora em que o gameplay começa. Porém, executamos o teste e depois carregamos novamente o mesmo mapa na sequência para ver como é o comportamento após o sistema já ter o mapa "pré-carregado" na memória.

A segunda vez que se carrega um mesmo mapa
demora o mesmo tempo em um SSD ou em um HD

Tempo de BOOT (Windows 10 Pro 64 bits)

Com o software BootRacer, medimos o tempo necessário para inicializar o sistema operacional, um dos principais atrativos de drives SSD.

O teste consiste no melhor resultado após três boots seguidos do sistema, considerando o tempo total até finalizar na área de trabalho com o score informado pelo aplicativo. Por isso, é mais lento do que o boot até mostrar a tela da área de trabalho.


Cópia de arquivo - SSD NVMe

Abaixo, os testes de desempenho em cópia utilizando um SSD padrão NVMe de alto desempenho para enviar e também receber. Sendo assim, tiramos o fator limitador de velocidade de um drive mais lento, como aconteceria com um HD padrão Sata3, já que o SSD utilizado, um Gigabyte AORUS PCIe 4.0, tem velocidade de leitura de até 5.000 MB/s e escrita de 4.400MB/s.

O teste utiliza o aplicativo DiskBench para o processo.

Para o cenário ideal em cópia, ambos os drives precisam ser rápidos

Drive analisado para SSD Gigabyte AORUS PCIe 4.0 NVMe M.2 2TB (leitura)

Neste teste, copiamos os arquivos do drive analisado para um SSD NVMe de alto desempenho. Este seria o teste de leitura, já que ele não escreve nada no drive analisado.

Gigabyte AORUS PCIe 4.0 NVMe M.2 2TB para drive analisado (escrita)

Invertendo o processo, agora copiamos os arquivos do AORUS Gen4 para o drive analisado, consistindo em um teste prático de escrita, já que os dados estão sendo gravados no drive. 


Conclusão

Como venho destacando em várias reviews de modelos de SSD PCIe 4.0, por enquanto todos os componentes, independente da marca, são praticamente idênticos em especificações, já que o único controlador do mercado atualmente é o Phison PS5016-E16 - e olha que fez um ano desde o lançamento das primeiras versões. É curioso como não vimos outra fabricante da área de controladores lançar uma versão para competir com o modelo da Phison em todo esse tempo. Entre as que poderiam ter um concorrente cito a Samsung e também a WD, que desenvolve controladores próprios.

Dito isso, minha conclusão vai em cima do que já falei em outras oportunidades: é o que existe de melhor no mercado, sendo o FireCuda 520 mais um desses modelos indicados para quem busca o que é melhor.

Como demais SSDs baseados nesse mesmo controlador, ele alcança 5000MB/s na leitura, mas, diferente dos modelos de 1TB e 2TB dessa mesma linha, tem leitura máxima de 2500MB/s e não 4400MB/s. Ai você me pergunta: "mas no teste de cópia de arquivos para ele, um teste prático e não sintético, o desempenho ficou igual ao de outros modelos com especificações diferentes, alguns teoricamente mais rápidos. o que aconteceu?". Ai chegamos em uma situação que mostra bem que para tirar o máximo de desempenho será necessário situações específicas - no geral, um bom SSD já fará muito bem o trabalho, seja ele um FireCuda 520 baseado em PCIe 4.0, como também um FireCuda 510 baseado em PCIe 3.0.

Escrita inferior aos modelos de maior capacidade não fez diferença em teste de cópia de arquivos na prática

Um detalhe que você deve considerar é que modelos de menor capacidade tem uma métrica de longevidade de escrita de dados menor do que modelos de maior capacidade. Aliás, assim como a capacidade que dobra de um modelo para outro, indo de 500GB para 1TB e depois para 2TB, o TBW, que é essa métrica de dados que podem ser gravados no SSD, também dobra, sendo mais alto nos modelos de maior capacidade. Optando por esse modelos "maiores", será possível gravar mais dados por mais tempo. "Ahhhhh, mas Fábio, devo me preocupar com um SSD com 700 TBW como esse FireCuda 520 de 500GB?" Só se você conseguir ficar transferindo TODOS OS DIAS mais de 100GB, 200GB ou 300GB para o SSD. Aí sim talvez em alguns anos você consiga gerar algum problema. Se ficar "SÓ" transferindo 50GB por dia, pode ficar tranquilo que a previsão é ele aguentar mais de 30 anos. E olha, pra conseguir transferir 50GB por dia já teria que ser em um cenário muito, mas muito específico, fora da curva.

Dólar inflou ainda mais o preço dos modelos mais caros como os PCIe 4.0

Os preços de todos os produtos de tecnologia, e mesmo outros segmento, estão inflados devido à pandemia e ao dólar. No caso de SSDs, isso também aconteceu, mas modelos PCIe 4.0 já eram mais caros. Não achei o modelo de 500GB à venda no Brasil, e o modelo de 1TB está custando pouco acima de R$2.1K - é um valor bem alto para um SSD, independente da marca, sendo recomendado para quem vai ter uma estação de trabalho de alto desempenho e realmente quer tudo do melhor. Gráficos não mentem, e o desempenho não deve mudar na maioria dos casos.

O que muda é a longevidade dos modelos PCIe 4.0, que podem durar a vida inteira até virarem obsoletos, pelas medidas informadas pelos fabricantes. Se isso vai acontecer ou não, o tempo vai dizer.

PRÓS
Os tempos de leitura e escrita mais rápidos do mercado atualmente
Alta durabilidade de escrita de dados, com longevidade para muitos anos
CONTRAS
Preço altos e bem acima de modelos PCIe 3.0 atualmente
Tags
ssd
  • Redator: Fabio Feyh

    Fabio Feyh

    Fábio Feyh é sócio-fundador do Adrenaline e Mundo Conectado, e entre outras atribuições, analisa e escreve sobre hardwares e gadgets. No Adrenaline é responsável por análises e artigos de processadores, placas de vídeo, placas-mãe, ssds, memórias, coolers entre outros componentes.

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.