ANÁLISE de MINECRAFT DUNGEONS - Com vibe "Diablo para família", game é simples, desafiador e divertido

Com fortes inspirações em clássicos do gênero dungeon crawler, Mojang pensa fora da caixa e leva franquia dos bloquinhos para outro caminho

Após cerca de 10 anos do lançamento de Minecraft, a desenvolvedora Mojang finalmente resolveu colocar a mão na massa e fazer um novo jogo para a franquia de bloquinhos. Apresentado em 2018, Minecraft Dungeons chega para dar um novo ar à série, que já vendeu mais de 200 milhões de cópias e até ganhou uma adaptação na Netflix.

O jogo se inspira em clássicos do gênero dungeon crawler, como a franquia Diablo, e coloca os jogadores para desbravar masmorras e castelos em um mundo feito de blocos, com Creepers, zumbis e esqueletos. Todo o conteúdo pode ser aproveitado em single-player, mas o game também suporta até quatro pessoas por sessão, online ou offline, e otimiza a dificuldade dependendo do tamanho do time.

O título também se destaca por levar o selo da Xbox Game Studios para fora das plataformas da Microsoft. Além de estar disponível no Xbox One e Windows 10, inclusive via Game Pass, Minecraft Dungeons também pode ser jogado no Nintendo Switch e PS4.

Com todo esse legado, Minecraft Dungeons se garante ou ainda fica à sombra da franquia que carrega em seu nome? Descubra na nossa análise do game, feita com a edição de computador do jogo.

Gameplay: mais Dungeons do que Minecraft

Apesar da roupagem que remete ao famoso jogo da Mojang, Minecraft Dungeons foge completamente da fórmula que levantou o nome da franquia. Aqui, o mundo aberto e os blocos de construção dão espaço para uma aventura que se desdobra em fases definidas, com um sistema de progressão de RPG.

O jogo coloca grupos de até quatro pessoas para explorarem cerca de 10 níveis diferentes, que trazem segredos e certas partes geradas proceduralmente. Assim, enquanto a base de cada fase traz uma história e segue os padrões definidos pelos desenvolvedores, a exploração de locais secundários é sempre nova, e pode render gameplays que levam horas e dão itens mais raros. Jogando sozinho ou em grupo, o objetivo é explorar ao máximo cada local para conseguir equipamentos melhores, para garantir mais força ao seu personagem. 

Os pontos de encantamento e os Artefatos garantem variedade ao gameplay

- Continua após a publicidade -

A jogabilidade é focada na ação, trazendo uma experiência de combate simples e que consegue ser divertida até para quem não é muito experiente com games. A estrutura básica dos aventureiros comporta armas de longo e curto alcance, bem como uma armadura, seguindo os padrões de jogos nesse estilo. Os itens possuem habilidades únicas e pontos como ataque e vida, o que já garante certa variedade durante o gameplay. Mas, Minecraft Dungeons aposta em mais dois fatores para conseguir se destacar: os pontos de encantamentos e os Artefatos.

Os pontos de encantamento são basicamente a experiência do game: ao subir de nível, o personagem pode dar upgrade em peças de seu armamento e conceder poderes especiais para elas. Assim, seu arco pode atirar flechas gigantes, sua espada pode soltar raios e sua roupa pode deixar trilhos de fogo que queimam inimigos, dentre outras peripécias.

O segundo ponto central do gameplay são os Artefatos. Esses itens incluem aparatos especiais e magias que podem ser utilizadas durante as batalhas. Cada item pode ser utilizado após um período de cooldown ou por meio do consumo de "almas", que são adquiridas ao derrotar inimigos. As opções vão desde amuletos que curam personagens até escudos mágicos e objetos de invocação, que permitem ter criaturas de estimação. Assim como as armas, esses equipamentos possuem níveis fixos, que garantem efeitos mais poderosos quando são mais altos. Por outro lado, não é possível fortalecê-los com pontos de encantamento, o que facilita a troca rápida durante a batalha.

A combinação de diferentes Artefatos e encantamentos cria um sistema de classes dinâmico para o game. Ao invés de você escolher um papel para desempenhar no time, o jogador só precisa fortalecer as armas que mais se encaixam em seu estilo de jogo, ou trocar os Artefatos para adaptar o gameplay às situações em que se encontra. Assim, Minecraft Dungeons garante uma experiência de dungeon crawler simples para quem é novo, mas que possui complexidades para agradar quem já está acostumado com RPGs mais robustos, tudo com um tom bastante ingênuo e despretencioso. 

O inventário de acesso rápido permite mudar seu jogo rapidamente, mas é bastante confuso 

O sistema de inventário do game também conta com uma opção de "reciclagem", que permite destruir itens para recuperar os pontos de encantamento e ganhar esmeraldas, utilizadas na compra de baús com itens aleatórios. Assim, é possível resetar o set de itens e apostar em novas estratégias ao ganhar itens mais fortes.

Um detalhe importante é que o inventário pode ser aberto a qualquer momento pelo jogador, inclusive durante as batalhas. Assim, é possível trocar itens rapidamente e alterar as estratégias durante a exploração. A opção é essencial para quem está jogando no single-player, mas vem acompanhada de um problema: a falta de organização.

Apesar de ser acessível, o inventário do game é bastante confuso. Os itens podem ser divididos em categorias, mas não existem opções como classificação por nível de poder. Por causa disso, a experiência de organizar o equipamento para a batalha pode ser frustrante e amuletos poderosos podem acabar se perdendo na bagunça. A única forma de consertar isso é reciclar o máximo de itens possível.

Diversos níveis de dificuldade

O conteúdo das fases de Minecraft Dungeons é limitado e se escora nas partes geradas proceduralmente para oferecer um frescor aos jogadores que já zeraram a história principal. Por outro lado, o game aposta nos diferentes níveis de dificuldade para ganhar a atenção de quem curte desafios.

- Continua após a publicidade -

Cada fase conta com uma barra de dificuldade que se baseia no nível do jogador e sua equipe, permitindo enfrentar inimigos de forma mais leve ou com multiplicadores de poder. O jogo também conta com três divisões de "dificuldades globais", com as mais cascudas sendo liberadas após o jogador encerrar a história principal duas vezes.


Além de cada nível ter sua própria barra de dificuldade, você pode configurar o game em três dificuldades globais como padrão

Além das diversas opções, o game também mede os desafios de acordo com o número de jogadores na partida. Minecraft Dungeons aceita até quatro aventureiros por partida, tanto online quanto local (inclusive no PC!), e ajusta o número de inimigos e seus poderes para não facilitar a vida da equipe. Graças aos diferentes níveis de dificuldade, é possível fazer partidas que são extremamente desafiadoras até explorações mais amigáveis, para simplesmente passar o tempo em grupo. 

Minecraft Dungeons pode ser amigável, ao mesmo tempo que pode entregar uma experiência mais desafiadora

É importante ressaltar, porém, que o título segue uma pegada mais tradicionalista e não possui pontos de salvamento automático nas fases. Logo, após você entrar em uma fase, não existe a possibilidade de "dar uma saidinha" e voltar depois. É preciso completar a jornada ou reiniciar o caminho após voltar ao acampamento (o lobby), o que pode ser problemático em fases mais longas.

Essas características acabam puxando o novo jogo da Mojang para perto de suas inspirações, como a franquia Diablo, mas mantendo o tom "família" de Minecraft. Até mesmo os comandos estão bastante ligados aos clássicos do gênero: todas as ações ficam centralizadas em uma barra no inferior da tela, que pode ser controlada facilmente pelo mouse e teclado no PC. A experiência também é bem otimizada para o controle.

Ao combinar mecânicas de jogabilidade clássicas de dungeon crawler com o universo dos bloquinhos, o jogo se torna uma boa porta de entrada para os novatos no mundo dos RPGs, além de uma boa pedida para quem está em busca de um game para ser aproveitado em grupo. Por outro lado, a fórmula que mistura poucas fases prontas com partes procedurais e múltiplas dificuldades pode deixar o gameplay repetitivo com o tempo. Afinal, a história presente na versão de lançamento não faz muito para manter os jogadores lutando.

História: Pouco conteúdo, várias referências

Enquanto a jogabilidade simples e cheia de possibilidades diverte, Minecraft Dungeons é atrasado pela sua história. Considerando o tom infantil da franquia da Mojang e o fato de que o primeiro jogo da saga nem possui uma narrativa em si, pedir um enredo digno de Oscar para o game é um equívoco. Porém, o novo projeto da Microsoft acaba deixando um gosto de oportunidade perdida.

A história de Minecraft Dungeons é centrada no combate ao Arch-Illager, um simpático personagem que é dominado por um poder obscuro e começa a tocar o terror no mundo dos bloquinhos. O enredo é dividido em uma dezena de fases, o que torna a "jornada do vilão" rápida, e sem dar espaço para os "heróis".


Os heróis não tem história e você está preso a um grupo pré-produzido de aparências

- Continua após a publicidade -

Apesar de trazer um tom épico, Minecraft Dungeons não aprofunda seus personagens e não traz (pelo menos ainda) opções para que você deixe o herói com a sua cara. Antes de começar o game, os jogadores podem escolher seu bravo guerreiro em um conjunto de personagens prontos, sem opções de customização. Assim, temos protagonistas fixos, que não possuem história e tampouco podem ser personalizados.

Apesar das limitações na história, o jogo conta com uma série de referências que vão agradar os jogadores de Minecraft e também os gamers da "velha guarda", como o mapa que toma a tela toda e um nível secreto que homenageia Diablo. No universo de games da Mojang, os jogadores podem esperar personagens clássicos do sandbox inseridos em novos cenários.

Apesar de o gameplay estar mais puxado para as inspirações da Mojang, o game não deixa o nome Minecraft de lado na construção de seu universo. Além de trazer inimigos e personagens famosos como chefes, o jogo também apresenta novas caras que oferecem batalhas desafiadoras. Exemplo disso é o próprio Arch-Illager, que me fez voltar alguns níveis para "upar" e finalmente bater a sua segunda forma na fase final.

Dentro do mapa do game, a Microsoft também deixa a promessa de que teremos mais fases chegando futuramente, mas fica subentendido que os jogadores precisarão comprar os níveis extras. Com isso em mente, pode ser que a Mojang acabe expandindo o universo do game e dando mais profundidade para a parte narrativa do game, pelo menos para quem puder pagar.

Gráficos e áudio

Mesmo sendo superficial, a narrativa e as fases fixas de Minecraft Dungeons oferecem um belo passeio pelo universo do game. As fases incluem cenários que tiram proveito não apenas do gênero dungeon crawler, mas também da estética de blocos de Minecraft.


A estética do game cumpre o prometido e combina dungeon crawler com Minecraft

Durante a jornada, os jogadores passeiam por biomas como deserto, florestas e, claro, cavernas e castelos. O visual dos personagens e os efeitos causados por suas armas também garantem uma experiência que está dentro dos padrões da franquia, mas que possui refinamentos para agradar com o visual isométrico.

A aparência "quadradona" também vem acompanhado de um trabalho de som com gosto de nostalgia, mesmo para quem não jogou Minecraft. As mecânicas de coletar itens, quebrar vasos para coletar esmeraldas e derrotar inimigos caricatos, tudo com visual pixelizado, garante uma experiência que lembra clássicos games da era PlayStation 1.

Para os fãs de Minecraft, a trilha sonora do game tem larga inspiração no jogo original da franquia. O destaque fica por conta da música tema do Invocador, um dos inimigos que aparecem durante a jornada, que faz referência não apenas ao personagem do jogo de bloquinhos, mas também vai trazer memórias para os fãs de Age of Empires. 

O crossplay ficou de fora no lançamento

Apesar do clima das antigas, é importante ressaltar que o jogo não decepciona nos quesitos técnicos, mesmo que a aparência não seja o grande foco de Minecraft Dungeons. O game suporta resoluções como 4K e, na edição de PC, conta com opções avançadas de configuração. A versão para computadores pode ser jogada em Ultrawide e conta até mesmo com opção de framerate ilimitado.

Por outro lado, um detalhe técnico importante ficou de fora do lanaçamento: o suporte para crossplay. Apesar da abrangência, o jogo não permite partidas cruzadas nem mesmo entre Xbox One e Windows 10, e como o lobby não permite encontrar partidas aleatórias, o jogador precisa ter amigos na mesma plataforma, ou em casa, para conseguir explorar o mundo de Minecraft Dungeons no multiplayer.

Conclusão

Pelo conteúdo que entrega no lançamento, Minecraft Dungeons vem como uma grande aposta do estúdio Mojang e da própria Microsoft. De maneira acertada, o jogo leva a franquia para um novo caminho, que pode agradar quem cresceu com o jogo dos bloquinhos e pretende viver novas aventuras nesse mundo. Carregado de referências, o jogo também é uma boa pedida para quem jogava clássicos de franquia como Diablo.

Porém, é necessário estar disposto a enfrentar uma história rasa e gameplay que pode se tornar repetitivo com o tempo, mesmo trazendo aspectos que agradam. Além disso, o jogo não deixa de lado o tom despretencioso e ainda é um game da franquia Minecraft, o que garante um humor ingênuo e as caracteríticas visuais do jogo de bloquinhos. 

O game vale a pena para os fãs de Minecraft e quem busca um RPG simples para ser jogado com a família e amigos

Trazendo seu gameplay simples e visual retrô, Minecraft Dungeons parece ser um jogo feito há gerações, mas que foi teleportado para os tempos atuais sem perder o clima de diversão inocente. Nesse aspecto, o jogo garante diversão tanto no single-player quanto no jogo dividido com amigos, com desafios que vão pegar de surpresa quem tem certo preconceito com a franquia.

O suporte para gameplay em até quatro pessoas também chega com um timing impecável: com tanta gente se protegendo do coronavírus em casa, ter uma aventura que pode ser aproveitada em multiplayer online e local, principalmente no PC, é algo a ser celebrado. Por outro lado, a ausência de crossplay no lançamento acaba limitando a abrangência do jogo.

A quantidade limitada de fases também deixa um gosto de "quero mais" e a Microsoft já prometeu que mais conteúdos chegarão ao game futuramente. Por isso, quem está cético com o game pode esperar antes de pular na jornada. Por outro lado, Minecraft Dungeons é uma compra que vale a pena para quem é fã do jogo de bloquinhos da Mojang ou está em busca de um RPG focado em diversão para ser dividido com amigos e família. A presença do título no Game Pass de console e PC também dá pontos extras para a aventura no Xbox One e Windows 10, já que aproveitar o game por preços a partir de R$ 1 torna o custo-benefício imperdível, até mesmo para quem busca uma diversão momentanea com a galera.


RECOMENDA? SIM Mesmo com deslizes, jogo consegue divertir com proposta simples e bem-feita
PRÓS
Jogabilidade simples e adaptativa
Mecânicas de Amuletos e Encantamentos
Diversas opções de dificuldade
Referências ao gênero e à franquia
Multiplayer local para quatro pessoas até no PC
CONTRAS
Falta de opções de personalização
História rasa acompanhada de poucas fases estabelecidas
Pode se tornar repetitivo com o tempo
Faltou o crossplay no lançamento
  • Redator: Mateus Mognon

    Mateus Mognon

    Mateus Mognon é formado em Jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina. Vencedor do prêmio SET Universitário na Categoria Reportagem Digital, atua nos sites do grupo Adrenaline desde 2014. Atualmente, colabora para os veículos com notícias, análises e artigos envolvendo tecnologia e games.

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.