ANÁLISE: Samsung Odyssey (2019) - RTX e Core i7 embalados pelo novo design

Notebook traz notáveis evoluções com melhor acabamento e mais desempenho

O Samsung Odyssey 2019 é um notebook gamer com duas configurações principais, um ajuste de entrada com GeForce GTX 1650 e processador Intel Core i5, e uma variação avançada com GeForce RTX 2060 e Intel Core i7. Essa nova geração do produto da Samsung recebeu diversas evoluções no design para trazer um resfriamento mais eficiente

Principais especificações do modelo testado:

- Nvidia GeForce RTX 2060 8GB de VRAM GDDR6
- Intel Core i7-9750H
- Tela de 15,6" 144Hz G-SYNC
- Teclado retroiluminado ABNT-2
- 2x8GB DDR4 2666MHz
- 512GB SSD PCIe NVMe e 1TB de HD
- Preço: R$ 8.500

- Nvidia GeForce RTX 2060 8GB de VRAM GDDR6
- Intel Core i7-9750H
- Tela de 15,6" 144Hz G-SYNC
- Teclado retroiluminado ABNT-2
- 2x8GB DDR4 2666MHz
- 512GB SSD PCIe NVMe e 1TB de HD
- Preço: R$ 8.500

Design

A nova geração do Samsung Odyssey tem notáveis melhorias comparado ao seu antecessor, que inclusive testamos por aqui no Adrenaline. O acabamento em plástico deu lugar a uma belíssima finalização metalizada. As bordas em torno da telas também estão mais estreitas (exceto na parte de baixo). Um dos elementos de design que mais chama a atenção é a elevação da tela e a dobradiça, bem diferente do que costumamos ver em outros modelos de notebook, e que dividiu opiniões aqui na redação. Eu gostei.

O Odyssey 2019 tem aquele bom balanço entre um visual arrojado de um notebook de alta performance mas discrição suficiente para ser usado como uma máquina de trabalho. Chama a atenção as várias entradas para ar e o corte bastante anguloso de parte da estrutura, mas ao mesmo tempo o corpo metalizado com um acabamento fosco traz um visual refinado ao produto.

Enquanto as medidas são bastante enxutas para um produto de alta performance, o peso chama a atenção. Com a mesma RTX 2060 e uma tela maior de 17 polegadas, o Avell G1750 Fox pesa os mesmos 2,5kg que o Odyssey. Mas isso não fica fora da média, com notebooks até pesando mais, como o Acer Nitro (2,7kg) e Dell G7 (2,68kg), ambos modelos de 15,6 polegadas.

- Continua após a publicidade -

Falando da tela, o modelo da Samsung tem alguns diferenciais importantes para os gamers. Para quem curte games competitivos ou imagens com mais fluidez, ele vem equipado com um belo dislpay de 144Hz e com suporte a tecnologia G-SYNC, algo que faz bastante diferença para quem quer jogar em taxas tão elevadas (e mais instáveis) de quadros.

A Samsung equipou esse modelo com boa quantidade de conexões, sendo três conexões USB 3.0 tipo-A, uma conexão USB 3.0 tipo-C e mais entrada para cabo de rede, saída HDMI e entrada para fone de ouvido e microfone. Infelizmente um diferencial importante para quem quer trabalhar nessa máquina ficou de fora: o leitor de cartões não está presente, o que é uma pena para quem pretende pegar fotos e vídeos de cartões SD de câmeras e filmadoras.

 

Desempenho

O Odyssey de nova geração vem equipado com processadores Intel Core de 9ª geração, algo relevante já que a contagem de núcleos e threads da linha Core aumentou na oitava geração, e os chips gráficos GeForce RTX e GTX. Nosso modelo é a versão mais potente disponível no mercado, com o potente Core i7-9750H, 16GB de RAM e chip gráfico GeForce RTX 2060. Nos testes, temos o esperado para um hardware desse porte: em aplicações profissionais, o notebook fica próximo do pódio, junto com outros modelos potentes que testamos.

- Continua após a publicidade -

Esports

Com um processador bastante potente e gráficos de sobra para esse gênero, que costuma não focar nos gráficos e sim na competitividade, esse notebook sobra e muito para os games nesse estilo.

Para ajudar a entender os gráficos a seguir: em jogos competitivos o ideal é buscar a taxa mais alta de quadros, de preferência acima dos 100fps 

- Continua após a publicidade -

Counter Strike: Global Ofensive
O game competitivo é baseado em DirectX 9 e apesar das baixas exigências de performance na parte da placa de vídeo, por se tratar de um eSport, o ideal é alcançar altíssimas taxas de quadros, algo que traz alta carga tanto a CPU quanto GPU.


DoTA 2
Também baseado em DirectX 9, DoTA 2 é um game competitivo que exige alta taxa de quadros, algo que traz uma carga de trabalho difícil de se lidar, especialmente para o processador.


Fortnite
Game altamente popular, o Fortnite fez sua enorme base de jogadores graças ao multiplayer massivo no estilo Battle Royale, sendo um desafio tanto para a performance do chip gráfico quanto para o processador.


Games pesados

Para ajudar a entender os gráficos a seguir: acima de 60fps é o ideal para monitores que operam nessa frequência. Quanto mais próximo dos 30fps, pior vai ficando a fluidez e, abaixo dos 30, o jogo começa a ficar "não jogável."

 

The Division 2 - DX12
O game da Ubisoft conta com mapas amplos e complexos, com uma ferramenta de benchmarks interna do jogo que facilita os testes. O motor gráfico Snowdrop atua muito bem entregando alta qualidade gráfica e sendo bastante desafiador para o hardware. O game opera tanto em DirectX 11 quanto 12, com bons resultados na API mais recente, então optamos por rodar os testes na versão mais nova do software da Microsoft.


Assassin´s Creed Odyssey
O game de mundo aberto da Ubisoft é muito exigente no hardware, tanto na complexidade das cidades e seu estresse para o processador quanto os detalhes dos modelos e sua carga na placa de vídeo. Em geral, esse é um game que beneficia bastante as placas GeForce, penalizando bastante as placas Radeon mesmo meses após o lançamento e com a chegada de novos drivers.


 

Battlefield V
O game desenvolvido pela DICE segue como uma referência de qualidade gráfica, operando tanto na API DirectX 12 quando 11. O jogo também se tornou um marco nos games para PC ao ser o primeiro a introduzir a técnica de Ray Tracing híbrido da Nvidia através das placas RTX.

Com games temos o nível de desempenho que esperamos de uma RTX 2060. Ela tem desempenho para rodar todos os games do mercado, sendo que é possível rodar no Ultra muitos deles em 1080p com taxa de quadros acima dos 60fps, em outros o ideal é baixar para o pre-set do Alto para garantir uma alta taxa de quadros e uma boa qualidade gráfica. 

O Odyssey com RTX 2060 e Core i7 encara qualquer game em qualidade alta na resolução FullHD

Temos duas anomalias nos testes que são relevantes: o resultado bem menor em Assassin's Creed Odyssey, comparado ao outro modelo com RTX 2060, e um resultado muito maior em CS:GO, no mesmo comparativo. O motivo possivelmente são updates de driver e modificações no jogo, porém não temos como verificar novamente já que os demais modelos não estão mais disponíveis para rodar novamente o teste.

Olhando para Esports, o Odyssey tem plenas condições de empurrar aquela taxa de quadras altíssimas que um game fluido e competitivo demanda. Nesses momentos, pontos extra para o fato desse modelo contar com um paínel G-Sync, então independente da oscilação dos fps, dá pra deixar os quadros destravados e deixar que a tecnologia da Nvidia se encarregue de evitar problemas como o tearing. Abaixo temos a explicação do Freesync, que tem um funcionamento parecido e ajuda a entender do que se trata a tecnologia.


Autonomia

O Samsung Odyssey tem um ponto fraco: por conta da tela G-SYNC, o chip Nvidia fica responsável pelo controle da imagem, inclusive nos momentos que seu alto desempenho não é requerido. Por conta disso, esse modelo não desativa o chip GeForce e troca para os gráficos integrados da Intel, bem inferiores mas também bem mais econômicos, e o impacto na performance é notável.

O Samsung Odyssey aguentou 2h59min em nosso teste de autonomia com o PCMark 10, que alterna entre atividades leves, usando tela no brilho mínimo, teclado retroiluminado desligado e notebook no modo economia de energia. O resultado é péssimo mesmo para notebooks de perfil gamer, como acontece com outros presentes no comparativo. 

Aquecimento e ruído

Um dos grandes destaques da nova geração do Odyssey é seu novo e reforçado sistema de resfriamento. Além de uma quantidade muito superior de entradas e saídas de ar, ele conta com muito mais estrutura de resfriamento passiva, com um total de 5 heatpipes atravessando a parte posterior do aparelho, e um conjunto novo de fans, as jetblades, muito mais eficientes em mover ar com isso reduzir o aquecimento.

O resultado do novo projeto é notável nas temperaturas. Enquanto o processador Intel Core ficou onde esperamos encontrar ele, que é bem perto do limite térmico dos 100ºC em notebooks de alto desempenho (infezlimente) o chip GeForce funcionou especialmente "gelado" durante o teste, com a excelente temperatura de 60ºC. As temperaturas caem ainda mais no modo silencioso, mas como demonstramos nos testes de performance, há também uma queda perceptível de desempenho.

Além do bom resultado em temperaturas, o sistema mais avançado de resfriamento tem um impacto notável na produção de ruído. Mesmo em alta carga, as fans não produzem barulho em excesso, mostrando que o sistema é eficiente na troca de calor e não demanda um esforço muito grande das ventoinhas para deixar as temperaturas sob controle.

Gameplay em vídeo

Conclusão

O Samsung Odyssey evoluiu de um notebook gamer aceitável para um dos melhores modelos do mercado. Enquanto o modelo anterior tinha vários pontos desinteressantes, como o acabamento em plástico e um sistema de resfriamento pouco robusto, o novo modelo supera essas falhas e ganha hardwares mais poderoso, subindo de categoria.

A melhoria da qualidade também trouxe um aumento do preço do produto

Seu custo, porém, é bem elevado. Mesmo sua versão mais básica, com Core i5, 8GB de RAM, sem SSD e uma GeForce GTX 1650, é vendida por R$ 5 mil, enquanto a versão que testamos está na faixa dos R$ 8,5 mil. Apesar do alto custo, esse modelo analisado gabarita tudo que podemos esperar de um bom notebook gamer: alta performance para jogos com o chip RTX 2060, desempenho em usos profissionais e games do Intel Core i7, boa quantidade de RAM e um ágil SSD M.2. Ponto extra pela tela de alta taxa de atualização e com suporte a G-SYNC, um diferencial e tanto.

Excelente desempenho é o ponto alto do novo projeto, a autonomia ruim, o baixo

Sem dúvidas sua autonomia é o ponto fraco. Mesmo considerando que essa máquina deve ser ligada na energia para extrair o desempenho máximo de seus hardwares, ter uma bateria menos convincente é ruim para quem pensa em usá-lo no trabalho e precisa de agilidade, ao invés de ficar de olho na tomada mais próxima. Também acho uma ausência importante para esse perfil de usuário a falta de uma entrada de cartão. Não é um fator crítico, mas quem usa ela sabe a falta que faz.

O Samsung Odyssey evolui para um excelente notebook gamer

O Samsung Odyssey é um excelente notebook gamer com boas configurações básicas mas que brilha principalmente em sua versão mais "parruda", com a inclusão do chip gráfico mais potente RTX 2060 e SSD M.2. Está entre as melhores opções atualmente no mercado, e deve agradar tanto a gamers de jogos pesados (que devem dar preferência ao modelo com RTX) quanto gamers de Esports (que podem ser bem atendidos com a GTX 1650). Seu hardware potente também torna esse modelo uma boa pedida para quem quer usar como máquina de trabalho, uma pena que a autonomia e a falta de um leitor de cartões pode incomodar.

PRÓS
Alto desempenho em games e atividades profissionais
Sistema de resfriamento eficiente e silencioso
Muita possibilidade de upgrade com acesso facilitado e dois slots M.2
Belíssimo acabamento metalizado
Tela com ótimo contraste e opções com altas taxas de atualização e G-SYNC
CONTRAS
Autonomia ruim
Falta um leitor de cartões
Tags
  • Redator: Diego Kerber

    Diego Kerber

    Formado em Jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Diego Kerber é aficionado por tecnologia desde os oito anos, quando ganhou seu primeiro computador, um 486 DX2. Fã de jogos, especialmente os de estratégia, Diego atua no Adrenaline desde 2010 desenvolvendo artigos e vídeo para o site e canal do YouTube

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.