ANÁLISE: AMD Radeon VII

Estreia dos 7 nanômetros é uma placa sem força para mudar o mercado

Radeon VII é a primeira placa de vídeo a trazer a litografia em 7 nanômetros, algo que a AMD fez questão de frisar dando a placa um nome que destaca o tamanho dos transistores. A redução de litografia traz efeitos bem conhecidos: adiciona mais margem para performance ao reduzir consumo e aquecimento, algo que pode ser visto nos avanços de desempenho da RX 590, uma placa que essencialmente é a RX 580 com transistores um pouco menores.

Gameplay com a Radeon VII
Unboxing da Radeon VII
Análise NVIDIA GeForce RTX 2080 Founders Edition

A AMD Radeon VII foi lançada com o claro objetivo de disputar mercado com a GeForce RTX 2080, inclusive sendo introduzida no mercado com o preço sugerido de US$ 699, o mesmo praticado em alguns dos modelos mais baratos com o chip da Nvidia. No mercado nacional ainda não vimos nenhum varejista oferecendo esse produto, o que torna a disponibilidade aqui no Brasil algo bastante difícil para esse produto, até o momento.


Especificações da placa
Começamos pelas especificações da placa comparada com outros modelos:

Comparativo

AMD Radeon VIIAMD Radeon RX
Vega 64
NVIDIA GeForce
RTX 2080
NVIDIA GeForce
GTX 1080 Ti

Preços

Preço no lançamentoU$ 699,00 U$ 499,00 U$ 699,00 U$ 699,00
Preço atualizadoU$ 699,00 R$ 3.600,00 R$ 3.650,00 R$ 4.000,00

Especificações da GPU

Processo de fabricação7nm 14nm FinFET 12nm Finfet 16nm FinFET
PCI-Express bus3.0 3.0 3.0
ChipVega 20 Vega 10 Turing TU104 Pascal GP102
Clock do GPU1400 MHz1247 MHz1515 MHz1480 MHz
Clock do GPU (Turbo)1750 MHz1546 MHz1710 MHz1582 MHz

Especificações das Memórias

Tecnologia da RAMHBM2 HBM2 GDDR6 GDDR5X
Interface de largura de BUS4096 bit 2048 bit 256 bit 352 bit
Quantidade de RAM16GB 8GB 8GB 11GB
Clock das memóriass1000 MHz945 MHz1750 MHz1376 MHz
Clock efetivo2000 MHz1890 MHz14000 MHz11008 MHz
Largura de banda1024 GB/s483.8 GB/s448 GB/s484 GB/s

Características Gerais

Shading Units3840 4096 2944 3584
TMUs240 256 184 224
ROPs64 64 64 88
Pixel Rate112 GPixel/s104.3 GPixel/s109.4 GPixel/s139.2 GPixel/s
Texture Rate420 GTexel/s417.3 GTexel/s314.6 GTexel/s354.4 GTexel/s
Performance de pontos flutuantes13.440 TFLOPS13.353 TFLOPS10.07 TFLOPS11.340 TFLOPS

Design

Pinos de alimentação2x 8 pinos 2x 8 pinos 1x 6 pinos, 1x 8 pinos 1x 6 pinos {mais} 1x 8 pinos
Suporte à combinação de placasAté quatro placas Até quatro placas NVLink 2-way Até duas placas
Tipo de SlotDual-slot Dual-slot Dual-slot Dual-slot
Comprimento da placa305 mm279 mm267 mm267 mm
TDP300 W295 W215 W250 W
Fonte recomendada650 W650 W650 W600 W
Conexões de vídeo3x DisplayPort 1.4, 1x HDMI 2.0B 3x DisplayPort 1.4, 1x HDMI 2.0B 3x DisplayPort 1.4, 1x HDMI 2.0B, 1x USB Tipo-C 3x DisplayPort 1.4, 1x HDMI 2.0B

Recursos

DirectX12.0 12.0 12 Ultimate 12.1
OpenCL2.0 2.0 1.2 1.2
OpenGL4.6 4.5 4.6 4.5
Shader6.2 5.0 6.5 5.0

Extras

A Vega 2

A Radeon VII traz em seu interior um chip Vega basedo na nova litografia de 7 nanômetros, o que viabiliza mudanças importantes. O chip agora atinge picos na casa dos 1.8GHz em alguns ciclos específicos de trabalho, e em gameplay deve atingir valores de até 1750MHz, sendo que a Vega 64, em alguns de nossos gameplays, não costumava ultrapassar a casa dos 1.4GHz. Esse 1.4GHz agora são a frequência base na nova placa da AMD. A GPU foi otimizada buscando melhorar a performance em pontos flutuantes além de ganhos de desempenho em computação assíncrona.

A redução da litografia também é um fator importante para o aumento na quantidade de memória, já que o espaço ocupado pelo die, aquela estrutura que parece um espelho localizada no centro do GPU e onde está concentrado o processamento gráfico, foi reduzido de 495mm² na Vega 64 para 331mm² na Radeon VII, abrindo espaço para a implantação do dobro de memória HBM.

- Continua após a publicidade -

Curiosamente a Radeon VII tem menos núcleos computacionais, reduzida dos 64 da Vega 64 para 60, o que também reduziu o número de processadores stream de 4096 para 3840, mas ao total temos um aumento no número de transistores de 12.5 bilhões para 13.5 bilhões. O consumo também subiu levemente, sendo que a Vega 64 tinha um consumo total da placa  na casa dos 295W, a Radeon VII chega a 300W de acordo com as estimativas da AMD.

Outra mudança relevante dessa segunda geração de chips gráficos Vega foi a melhoria dos sensores de aquecimento. A Radeon VII traz um total de 64 sensores distribuídos em vários locais do chip, número que representa o dobro do que havia na Vega 64 e que possibilita a esse produto ser muito mais preciso nos ajustes de frequências e, por consequência, viabiliza os clocks mais agressivos que a nova placa é capaz de alcançar.

Muita memória, muita largura de banda
Entre as tecnologias que a AMD destaca nesse produto, a grande quantidade de memória e a agilidade que ela é acessada é um ponto crucial da Radeon VII. Com games aumentando constantemente a necessidade de memória, e com alguns títulos alcançando a cifra dos 11GB para rodar em 4K na qualidade máxima, mais memória passará a ser um diferencial importante. Mas não apenas a capacidade, a largura de banda também é um fator relevante, já que rodar os jogos em HDR pode até dobrar a necessidade desse recurso.

Para dar conta dessas demandas, a Radeon VII foi equipada com um total de 16GB de memória HBM de segunda geração, ou seja, são módulos de memória que estão no mesmo interpositor que o chip gráfico, e por consequência tem uma velocidade de comunicação superior. No caso da Radeon VII, a largura de banda pode chegar a 1TB/s (colocando em perspectiva, a RTX 2080 tem 448GB/s nesse mesmo aspecto). Esse dobro de memória e dobro de largura foram viabilizados pelo espaço ganho com a redução para os 7 nanômetros.

Mais performance em aplicações profissionais
Com as evoluções tanto no chip gráfico quanto na velocidade e quantidade de memória disponível, a AMD afirma que a Radeon VII traz ganhos expressivos de desempenho em funções que vão além dos games. De acordo com a empresa, há um perfil que vem crescendo: o gamer que também é produtor de conteúdo. A empresa está direcionando essa nova placa de vídeo para esse perfil híbrido de consumidor, com ganhos expressivos de performance comparado ao que a Vega 64 era capaz de entregar e fazendo frente a RTX 2080, de acordo com benchmarks rodados pela empresa.

Performance em games bundles
Como se trata de um modelo Radeon, é claro que aqui o foco são os jogos. De acordo com a AMD, podemos esperar ao menos um ganho de 25% comparado ao que a Vega 64 é capaz de entregar, sendo que em vários cenários o desempenho tem saltos mais expressivos.

- Continua após a publicidade -

No confronto direto a AMD apresenta a Radeon VII como um produto para atingir altas taxas de quadros em Esports em todas as resoluções, enquanto na disputa com a Nvidia, temos um modelo comparável com a RTX 2080, com as duas placas se alternando na frente de acordo com a franquia testada. Detalhe é que o ganho de performance faz com que enfim tenhamos uma placa Radeon capaz de entregar games em 4K com a média de quadros acima dos 60fps mesmo nas franquias mais pesadas, algo que a placa mais potente da empresa anteriormente, a Vega 64, só conseguia atingir na resolução 1440p.

Mas além do salto em performance, uma das principais apostas da AMD para tornar seu produto atrativo foi entregar três games em um bundle bastante agressivo. Na compra da Radeon VII o consumidor leva os games Devil May Cry V, Resident Evil 2 Remake e Tom Clancy's The Division 2. Colocando em perspectiva, a GeForce RTX 2080 da rival Nvidia recebeu um bundle com os games Athem e Battlefield V.


Fotos

Recebemos da AMD o kit de imprensa, o que inclui uma embalagem com alguns itens adicionais como uma base de acrílico com o chip da Radeon VII e efeitos de luz, compondo um belo acabamento.

- Continua após a publicidade -

Para os testes usamos nossa nova bancada focada em testes e placas de vídeo. Ainda faremos um vídeo mostrando em detalhes os componentes, mas até lá dá para já ir conferindo o visual nessas fotos.

Colocada ao lado da RTX 2080, sua rival da linha GeForce, e a antecessora, o modelo referência da Vega 64, vemos que todas possuem um porte semelhante, e o destaque vai para a evolução no design da Radeon VII que agora possui um visual muito mais atraente e abandonou o projeto referência com um blower por um sistema triplo de fans e uma câmara de vapor para evoluir a dissipação de calor do chip. Esse é um movimento semelhante ao feito pela Nvidia em seus novos produtos Founders Edition na série mais recente de placas da empresa.


 

Sistema utilizado

Utilizamos uma máquina topo de linha baseada em uma mainboard Gigabyte Z390 Aorus Xtreme com processador Intel Core i9-9900K e 16GB de memórias através de 2 módulos de 8GB em dual-channel e frequência de 3200MHz. A ideia é evitar que o sistema seja um limitador para o desempenho das placas de vídeo testadas.

Abaixo algumas fotos da placa instalada no sistema utilizado para os testes.

Mais abaixo, os detalhes da máquina, sistema operacional, drivers e softwares/games utilizados nos testes.

Máquina utilizada nos testes:
- Processador Intel Core i9-9900K - Análise
- Placa-mãe Gigabyte Z390 Aorus Xtreme - Site oficial
- Kit de memórias G.SKILL TridentZ Royal 2x8GB 3200MHz - Site oficial
- SSD HyperX Fury RGB SSD - Análise
- Sistema de refrigeração liquida Cougar Helor 360 - Site oficial
- Fonte de energia Cougar CMX 1000W - Site oficial
- Gabinete Cougar Conquer - Site oficial
- Monitor Samsung U28E590D 4K 60Hz - Site oficial

Sistema Operacional e Drivers:
- Windows 10 Pro 64 Bits
- NVIDIA GeForce 417.54 Beta

Aplicativos/Games:
- 3DMark (Fire Strike Ultra 4K DX11 / Time Spy Default DX12)
- Assassin´s Creed Odyssey (DX11)
- Battlefield V (DX12)
- Forza Horizon 4 (DX12)
- Metro Exodus (DX12)
- Resident Evil 2 Remake (DX11)
- Shadow of Tomb Raider (DX12)
- The Division (DX12)

GPU-Z
A tela principal do GPU-Z mostrando algumas das principais características técnicas da placa.

Atualizada a tela do GPU-Z dia 17/07/2019.


Overclock

O overlock da Radeon VII, assim como modelos mais recentes da AMD, é feito através do software Wattman, incluído dentro do driver Adrenalin Edition 2019. Conseguimos um ganho expressivo nas frequências, fazendo com que a placa atingisse até 1974MHz de forma relativamente estável ao longo do teste, bem acima dos 1750MHz que vimos ao longo do nosso gameplay usando a placa em configuração padrão.


Consumo de energia

Também fizemos testes de consumo de energia com todas as placas comparadas. Todos os testes foram feitos em cima da máquina utilizada na análise, o que dá a noção exata do que cada VGA consome. Vale destacar que o valor é o consumo total da máquina e não apenas da placa de vídeo. Dessa forma, comparações com testes de outros sites podem dar resultados bem diferentes.

Para o teste de carga, rodamos o 3DMark - aplicativo que exige um pouco mais do sistema e da placa de vídeo do que grande maioria dos games.

OBS.: No teste rodando o aplicativo 3DMark, consideramos 10W como margem de erro, devido a variação que acontece testando uma mesma placa.


Temperatura


Iniciamos nossa bateria de testes com um critério muito importante: a temperatura do chip, tanto em modo ocioso como em uso contínuo.

É importante destacar que algumas placas possuem sistema que desliga os fans quando a GPU não está sendo exigida, como ao executar tarefas simples do Windows ou mesmo games mais simples. Por isso, existem temperaturas consideravelmente acima de alguns modelos nessa situação, mas que na prática não comprometem a placa. De acordo com as fabricantes, esse recurso aumenta o tempo de vida útil além de consumir menos energia. Sendo assim, podem existir diferenças grandes na temperatura do modo ocioso, o que não caracteriza uma placa ruim caso a temperatura seja alta.

Por que a placa ficou com temperatura menor quando overclockada?
Essa é uma situação normal nas placas atuais. A rotação do FAN (ou dos FANs, dependendo o modelo) fica mais rápida e consequentemente fazem o GPU resfriar mais rapidamente, em alguns casos com temperatura menor do que em situação normal.

Por que a placa com sistema de cooler referência tem temperatura em modo ocioso menor que uma placa com cooler teoricamente melhor?
Porque placas de vídeo atuais com projetos de cooler melhores tendem a desligar os FANs quando a temperatura fica abaixo de números como 40, 45 ou mesmo 50 graus, assim quando os FANs ficam desligados a tendência é que a GPU não baixe a temperatura mais do que o limite que desliga os FANs.

Primeiro vamos ao teste das placas com o sistema em modo ocioso:

Para o teste da placa em uso, medimos o pico de temperatura durante os testes do 3DMark rodando em modo contínuo.

OBS.: As temperaturas podem variar bastante de acordo com a região do país, sistema onde a placa está instalada e teste utilizado.


3DMark


Começamos pelos testes sintéticos, utilizando aplicativos específicos para medir o desempenho das placas.

3DMark
Rodamos a versão mais recente do aplicativo da Futuremark com três testes, o Fire Strike em modo normal e também em modo 4K além do novo Time Spy baseado em API DirectX 12. Abaixo, os resultados:

Abaixo o novo teste Time Spy que roda sobre a API DirectX 12:


Testes em games


Agora vamos ao que realmente importa: os testes de desempenho em alguns dos principais games do mercado.

Para ajudar a entender os gráficos a seguir: acima de 60fps é o ideal para monitores que operam nessa frequência. Quanto mais próximo dos 30fps, pior vai ficando a fluidez e, abaixo dos 30, o jogo começa a ficar "não jogável"


Assassin´s Creed Odyssey
O game de mundo aberto da Ubisoft é muito exigente no hardware, tanto na complexidade das cidades e seu estresse para o processador quanto os detalhes dos modelos e sua carga na placa de vídeo. Em geral, esse é um game que beneficia bastante as placas GeForce, penalizando bastante as placas Radeon mesmo meses após o lançamento e a chegada de novos drivers.


Battlefield V
O game desenvolvido pela DICE segue como uma referência de qualidade gráfica, operando tanto na API DirectX 12 quando 11. O jogo também se tornou um marco nos games para PC ao ser o primeiro a introduzir a técnica de Ray Tracing híbrido da Nvidia através das placas RTX.


Forza Horzion 4
O game exclusivo da Microsoft se destaca pelo excelente uso da api DirectX 12, entregando altos níveis de desempenho em hardware potentes e bons resultados mesmo em hardwares mais limitados.


Metro Exodus
Novamente a franquia Metro é responsável por introduzir um game com novos níveis de exigência para o hardware. Com gráficos capazes de "entortar" placas de vídeo, o jogo da 2A Games também se destaca por introduzir tecnologias como o Ray Tracing e o DLSS, recursos exclusivos da linha GeForce RTX.


Resident Evil 2 Remake
O remake do grande clássico de terror trouxe uma excelente repaginada no visual do game, com grande destaque para a qualidade gráfica e um nível alto de exigência quando o assunto é memória de vídeo. 


Shadow of Tomb Raider
O mais recente game da franquia da Lara Croft, Shadow of Tomb Raider traz ótimos gráficos, prometendo muito das placas de vídeo, mesmo os modelos de alta performance. O game também tem suporte a DirectX 12 e será um dos primeiros a suportar a tecnologia Ray Tracing.


Tom Clancy's The Division
O game da Ubisoft é uma proposta bastante ambiciosa de criar uma Nova Iorque "viva" em partidas com multiplayer totalmente online. The Division usa um motor gráfico próprio desenvolvido pela Ubisoft Massive, e precisa lidar com cenários complexos e grandes quantidades de partículas na tela, com destaque para a neve que ocasionalmente cai em alguns momentos. Com suporte a DX12 adicionado posteriormente, utilizamos essa API para nossa bateria de testes.


Comparativo em vídeo


Gameplay

A Radeon VII tem alguns sucessos no currículo. Ela volta a por a AMD na disputa do segmento high-end, introduz uma nova litografia ao mercado e também enfim entrega uma placa de vídeo Radeon com capacidade de rodar games na resolução 4K e com uma boa taxa de quadros. Também faz com que o consumidor não tenha apenas uma opção de marca para alto nível de desempenho, trazendo para o conjunto de possibilidades uma rival para a RTX 2080.

Mas infelizmente paramos por aí. A segunda geração da microarquitetura Vega ainda é uma placa com consumo mais elevado que a rival e incapaz de bater seu produto gamer mais potente, hoje a GeForce RTX 2080 Ti. Também decepciona ver a AMD chegar ao mercado depois com um produto que entrega performance e preço semelhante ao que a RTX 2080 já faz, o que  significa que não vamos ver uma mudança relevante no mercado, já que a competição segue "morna".

A disponibilidade da Radeon VII está muito limitada

Mas a coisa complica mais para esse produto em outros aspectos, e alguns já foram tratados na nossa batalha RTX 2080 vs Radeon VII. A disponibilidade da Radeon VII está limitadíssima, e mesmo passadas várias semanas de seu lançamento, não está fácil encontrá-la no mercado nacional, mesmo com a AMD tendo afirmado que a quantidade fabricada "seria suficiente". A variação do ecossistema também é bem menos interessante, já que diferente da RTX 2080 que conta com projetos de parcerias, que podem variar desde modelos parrudos com muita alimentação, resfriamento e overclock de fábrica até modelos referência bem básicos apenas com um blower, a Radeon VII é uma placa disponível apenas no projeto referência, e isso até não seria um problema grande se ela fosse perfeita, o que não é o caso.

Essa placa é  barulhenta

A Radeon VII é muito barulhenta. Basta alguns minutos de gameplay para ver as fans se tornarem excessivamente agressivas e produzirem um ruído perceptível, isso mesmo considerando que a temperatura registrada pelo software da AMD nem é tão elevada, mas como a referência é o TJunction, faz as fans atuarem bastante. As coisas pioraram sensivelmente após o overclock, quando a placa passou a ficar praticamente o tempo todo com rotação das fans alta. Mesmo considerando eventuais ganhos significativos de desempenho, oscilando entre 5 e 10%, a produção de ruído subiu de forma tão notável que não vale a pena esse esforço. É importante frisar que a AMD já prometeu uma atualização para introduzir um modo silencioso ao produto, fazendo um melhor ajuste através do driver para melhorar o perfil de fans e performance para entregar uma melhor experiência. Fica a dúvida sobre porque isso não foi feito desde o princípio, com essa produção de ruido tão perceptível.

AMD está de volta ao segmento high-end com uma placa que entrega 4K

No fim do dia a Radeon VII não é um produto ruim, mas consegue apenas entregar o nível de preço e performance que já tínhamos sem precisar de 7 nanômetros, no máximo diminuindo a lacuna entre Nvidia e AMD ampliada na era Vega vs GTX 10. Não deixa de ser frustrante ver a litografia de 7nm e HBM2 entregarem algo que, no fim do dia, não é muito distante do que já temos com 16nm e GDDR5X em um produto de quase dois anos atrás, a GeForce GTX 1080 TiInfelizmente sem um ecossistema variado de projeto de parceiras, disponibilidade muito limitada, alta produção de ruído e maior consumo de energia, fica difícil achar motivos para recomendar essa placa no lugar da RTX 2080.

A estreia dos 7nm combinado com HMB2 é um produto morno, que traz um nível de desempenho semelhante ao que já temos há 2 anos com tecnologias anteriores

Uma boa dica na hora de pesquisar o preço de placas de vídeo é ficar de olho no Adrenaline FOR SALE, tópico no fórum onde os usuários compartilham as melhores ofertas.

PRÓS
Performance para 4K em alta qualidade
Grande quantidade de VRAM e de alta performance
Radeon volta a ser uma opção no segmento high-end
Salto de performance comparado a Vega 64 e mais econômica
Sistema de resfriamento melhorado
CONTRAS
Barulhenta
Somente disponível no modelo referência
Nova litografia, mas performance inferior do que produtos com tecnologias anteriores
Consumo maior que rivais
  • Redator: Diego Kerber

    Diego Kerber

    Formado em Jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Diego Kerber é aficionado por tecnologia desde os oito anos, quando ganhou seu primeiro computador, um 486 DX2. Fã de jogos, especialmente os de estratégia, Diego atua no Adrenaline desde 2010 desenvolvendo artigos e vídeo para o site e canal do YouTube

  • Redator: Fabio Feyh

    Fabio Feyh

    Fábio Feyh é sócio-fundador do Adrenaline e Mundo Conectado, e entre outras atribuições, analisa e escreve sobre hardwares e gadgets. No Adrenaline é responsável por análises e artigos de processadores, placas de vídeo, placas-mãe, ssds, memórias, coolers entre outros componentes.

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.