ANÁLISE: Avell G1570 Lite

Muita performance em um design compacto, mas com muito aquecimento e custo alto

O Avell G1570 Lite é um notebook gamer de alta performance com um perfil muito fino e leve. Ele faz parte da iniciativa "Max-Q Design" encabeçada pela Nvidia, que tem como objetivo entregar notebooks com hardwares potentes em designs com espessuras de apenas 18 milímetros. Esse feito é alcançado através do uso de chips gráficos de alto desempenho Pascal, como a GTX 1080 e 1070, com ajustes precisos de consumo e energia para viabilizar muito desempenho em pouco espaço.

Samsung Odyssey (Core i7) - Empresa estreia com um belo notebook gamer
Dell Inspiron Gaming 15 (2017) - Boa performance e autonomia surpreendente para um notebook gamer

Além da portabilidade e da performance, o Avell G1570 Lite se destaca pelo acabamento em metal de toda sua carcaça, o teclado retroiluminado e o display IPS de excelente qualidade, o que resulta em um belo dispositivo. Mas a conta, em compensação, também não é barata. Será que vale investir a partir de R$ 9 mil por essa máquina? Veja no restante da análise.

Vídeo

Especificações principais do modelo de testes:

- Processador Intel Core i7-7700HQ
- Placa de vídeo NVIDIA GeForce GTX 1070 8GB Max-Q
- Memória RAM 16GB DDR4 2400MHz
- Armazenamento HD 1TB
- 8GB SSD (cache)
- Tela 15.6 polegadas LED Backlight (3840x2160) - modelo base usa tela FullHD 
- Dimensões 37,99 x 24.89 x 1,85 cm
- Bateria 3 células 4604 mAh
- Peso 1.9 kg
- Preço: a partir de R$ 8.999

Design


Compacto e com visual arrojado

A Avell trabalha muito com carcaças desenvolvidas por empresas terceiras, o que resulta em designs bastante neutros e muitas vezes idênticos aos de outras fabricantes. O Avell G1570 Lite se desta por não ser "mais uma caixa preta/cinza" da empresa, com um visual melhor trabalhado. A carcaça usa na maior parte de sua estrutura um acabamento em metal com pequenos detalhes e relevos que dão um visual mais arrojado ao notebook, sem porém se tornar excessivamente chamativo. Um efeito de luz em LEDs na tampa compõe bem seu design, enquanto a marca Avell é basicamente um adesivo em relevo na tampa.

- Continua após a publicidade -

Sem dúvida o que mais chama a atenção nesse notebook é seu porte. Com apenas 1.8cm de espessura e pesando apenas 1.9kg, é bem impressionante pensar que temos aqui um hardware de alto desempenho equipando esse modelo. A parte interna possui linhas mais sóbrias, com apenas o teclado retroiluminado se destacando. Apesar da espessura do aparelho as teclas possuem uma boa distância de deslocamento, entregando um bom feedback (dentro da realidade de um modelo fino), e o touchpad tem uma boa área de uso além de incluir um sensor de digitais para uso da biometria como senha.

Impressiona o hardware arrojado em tão pouco espaço

A tela possui resolução FullHD e usa a tecnologia LCD LED backlight IPS, o que significa que possui ótimos ângulos de visão com poucas distorções nas cores e na imagem. O acabamento é fosco, o que ajuda bastante em momentos que você utilizar o dispositivos em locais muito iluminados com com luz incidindo na tela, ao reduzir os reflexos no display.

Algo a se elogiar nesse projeto é a quantidade de conexões. Mesmo com pouco espaço disponível, praticamente toda a lateral do aparelho é tomada por conexões, sendo três USB 3.0, duas USB 3.1 Tipo-C, duas mini display Port 1.3, uma HDMI, uma de rede ethernet, leitor de cartão 6-em-1, conector de fone de ouvido e S/PDIF e microfone. Como ele vem equipado com uma GeForce GTX 1080 as várias saídas de vídeo se justificam pois há potencial aqui para conectar três monitores nesse modelo. Talvez não para games em uma resolução tão alta, mas sim para trabalhar em múltiplas telas.

Performance


Performance impressionante para um modelo tão fino

Com hardware muito forte mas com pouco espaço para resfriá-lo, o Avell G1570 Lite precisa operar dentro de um controle bastante fino entre frequências, tensões elétricas, aquecimento, rotação de ventoinha e produção de ruído. 

- Continua após a publicidade -

3DMark Fire Strike

Grand Theft Auto V

The Witcher 3 Wild Hunt

- Continua após a publicidade -

Assassin's Creed Origins

Middle-Earth: Shadow of War

Esse modelo traz uma performance próxima ao que a GTX 1060 dos desktops entrega

Em games pesados para o chip gráfico a diferença entre o Lite e outros modelos de notebooks equipados com a GTX 1070 (caso do G1556MX e o G1746 Iron) gira entre 15 a 25%, dependendo do jogo. Games rodando em altas taxas de FPS (como GTA V) a diferença aumenta, nesse caso limitado pela capacidade do processador. Apesar dessa maior perda, ele se mantém rodando em altas taxas, chegando a uma média de quase 90FPS em GTA V.

Comparado a placa de desktop em jogos como Assassin's Creed Origins e Shadow of War (ambos ainda com poucos hardwares para comparação por serem muito recentes) podemos ver que a queda de performance oscila entre 25 a 35% comparado com a GTX 1070 de computadores de mesa. No caso do jogo da Ubisoft, isso significa que será preciso baixar a qualidade do Altíssimo para o Alto para atingir uma melhor taxa de quadros, enquanto em Shadow of War ainda deu para segurar uma média na casa dos 60FPS rodando em Ultra e 1080p.

Ele tem performance para rodar qualquer jogo em 1080p qualidade alta ou ultra

Em games a performance mais decepcionante foram em alguns games de eSports, onde as restrições de performance no design ultrafino criaram as maiores discrepâncias entre esse modelo e o Avell equivalente com um sistema mais robusto de resfriamento, e até mesmo alguns notebooks com hardwares bem menos potentes mas com melhor dissipação do calor. Como se tratam de jogos muito leves e que rodam em altas taxas de quadros, aqui as frequências foram mais impactantes e geraram esses resultados. Porém não vejo motivos para se preocupar: em DOTA 2, onde tivemos o pior resultado, o jogo rodou com uma média de quadros na casa dos 90FPS, ou seja, não faltou performance para encarar esses jogos.

Games leves como e-Sports foi onde houve as maiores diferenças, porém as taxas de quadros se mantiveram altas

Apesar de não fazer recordes em nossos testes, a performance do Avell Lite é bem interessante. Em jogos mais leves ele não conseguiu subir para taxas altíssimas, mas ainda se manteve em bons patamares, enquanto nos games realmente pesados não ficou tão distante de notebooks mais robustos com o mesmo chip, e ainda foi capaz de entregar um competente Alto ou Ultra em FullHD, uma experiência que se aproxima do que temos em uma GeForce GTX 1060 6GB de desktop. Nada mal, considerando tantas restrições de espaço e energia.

A performance é próxima a de uma GeForce GTX 1060 de desktop

Aquecimento e autonomia


Seu fraco: barulhento e com muito aquecimento

Se pelo lado da performance não se perdeu tanto assim de desempenho, a preocupação que sobra é: e como ficou o aquecimento em um espaço tão restrito? A resposta não é muito animadora:

A temperatura não ficou tão fora do que costumamos ver em notebooks de alto desempenho, porém mesmo assim o Lite ainda é nosso recorde de aquecimento com 75ºC em alta carga no chip gráfico. Tentando compensar essa situação e com pouca estrutura de dissipação de calor passiva, como aletas ou heatpipes, as ventoinhas tiveram que trabalhar em alta rotação e resultaram no notebook mais barulhento que já testamos. É sempre bom destacar que a intensidade sonora não é uma grandeza linear: a cada 10dB a "sensação de ruído" duplica para o usuário.

O Avell G1750 aquece bastante e produz muito ruído

O mais impressionante, porém, é ver até onde as temperaturas do processador podem chegar:

Apesar das temperaturas nada animadoras, o Lite parece conseguir manter o chip Core i7-7700HQ em um alto nível de performance, com frequências na casa dos 3.2GHz a maior parte do tempo e com pontuações em testes sintéticos bem próximos de outros modelos com esse mesmo processador e com sistemas mais robustos de resfriamento:

Com o corpo metálico o aparelho acaba dissipando parte desse calor excessivo através de sua estrutura, algo que é notável por um aquecimento do teclado e até mesmo da superfície onde o notebook está posicionado, o que significa que você não deve usá-lo diretamente no colo.

Com pouco espaço para o sistema de resfriamento, não é nenhuma surpresa que também não há muito lugar para uma bateria de alta capacidade, e com hardware de alto consumo temos uma autonomia apenas aceitável desse modelo, que consegue ficar abaixo até mesmo de outros aparelhos gamers de alto desempenho. Em atividades bem leves, com brilho de tela no mínimo, ele consegue apenas 3h16min longe da tomada, o que mostra que só vai dar para usá-lo sem estar conectados na energia por curtos períodos, especialmente se usar aplicações mais pesadas ou aumentar muito o brilho da tela.

Recursos adicionais


Algumas adições bem-vindas

O Avell G1570 Lite conta com alguns diferenciais interessantes. Seu teclado retroiluminado tem cores configuráveis, porém não espere ajustes muito avançados. Só dá definir as cores em três blocos de teclas, não sendo possível fazer aqueles ajustes mais precisos definindo cor para cada tecla, por exemplo. Apesar de mais restrito, já dá para brincar de personalizar seu notebook, seja nas cores seja no efeito que as teclas irão piscar.

Diferente de outros modelos da marca, o sistema de som não é um destaque nesse notebook. Com pouco espaço disponível, as caixas de som estão longe de ser algo imponente, devendo principalmente nos tons mais graves. Exagerando na intensidade (o popular volume) distorções começam a surgir, também. Recomendo usar fones.

Apesar da performance não ser alta o bastante para arriscar jogar em três monitores em qualidade e resolução alta, a presença de uma HDMI e duas mini-Display Port 1.3 são um recurso interessante pois esse computador tem desempenho para encarar três telas, algo que será bem-vindo para quem pretende usar esse aparelho como estação de trabalho em casa, ligando em várias telas para editar vídeos ou fotos, por exemplo. O leitor de digitais também é uma adição legal para quem quer reduzir o número de vezes que digita senhas em seu aparelho.

Infelizmente a ousadia de colocar muita potência em tão pouco espaço acabou "estourando em algum lugar", e foi nos níveis de aquecimento e produção de ruído que vemos os efeitos negativos. O Avell G1570 Lite é um modelo difícil de se recomendar para todo usuário, pois suas qualidades impressionam na mesma medida que seus defeitos incomodam.

O nível de performance que ele é capaz de atingir é muito impressionante em um aparelho tão leve e fino. Estamos falando aqui de poder de fogo próximo ao que uma GTX 1060 6GB de um desktop entrega, ou seja, um notebook que roda qualquer game em qualidade Alta ou Ultra e em resolução FullHD. Isso é muita coisa para um computador que não pesa nem 2kg.

Porém seus pontos negativos são tão ruins quanto suas qualidades. Ele produz muito ruído, e as vezes a ventoinha entra em ação em uso bastante moderado, como navegar na web. Jogando é preciso estar com fones para não se irritar com o barulho que ele gera. Seus níveis de aquecimento também estão longe do ideal, tornando possível sentir o teclado aquecendo e tornando totalmente inviável cogitar usá-lo no colo enquanto está jogando.

O design e acabamento estão em bom nível de qualidade, e a tela IPS é um diferencial importante. Tudo isso somado ao hardware poderoso acaba em um preço que não é para qualquer consumidor. Se você quer o máximo de performance no menor espaço possível, e consegue relevar o aquecimento e a produção de ruído desse modelo, não há outro perfil de produto capaz de fazer frente a esses modelos da linha Max-Q design. Contanto que consiga bancar a conta, que não é nada barata.

Conclusão

 

Avaliação: Avell G1570 Lite

Design
9.0
Tela
9.0
Performance
9.0
Autonomia
7.0
Preço
6.0

PRÓS
Muita performance...
...em pouco espaço e peso
Tela IPS de boa qualidade
Leitor de digital
Design em metal
CONTRAS
Barulhento
Aquece bastante
Baixa autonomia
Preço elevado
Tags
  • Redator: Diego Kerber

    Diego Kerber

    Formado em Jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Diego Kerber é aficionado por tecnologia desde os oito anos, quando ganhou seu primeiro computador, um 486 DX2. Fã de jogos, especialmente os de estratégia, Diego atua no Adrenaline desde 2010 desenvolvendo artigos e vídeo para o site e canal do YouTube

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.