ANÁLISE: Logitech G633 Artemis Spectrum 7.1

Um bom headset com fio, mas que possui algumas falhas

Algo que notei nos últimos anos e que se confirmou ao avaliar os novos headsets da Cooler Master, HyperX, Mionix, Steelseries e até da Razer, é que o mercado de headsets para jogos está evoluindo e amadurecendo.

Apenas colocar os dizeres "headset 7.1" e LEDs no produto já não é o suficiente para agradar os compradores. O público gamer está mais exigente com a questão de áudio, termos como "palco sonoro" já são conhecidos, há uma maior procura por qualidade e os headsets gamer finalmente começaram a encarar headphones profissionais como sendo concorrentes, afinal, acabaram perdendo parte do público para eles nos últimos anos.

E a Logitech também faz parte dessa evolução, tanto que se compararmos a qualidade do Logitech G933 com seu antecessor Logitech G930, parece até que foram feitos por empresas diferentes, tamanha a diferença.

Claro, o Logitech G633 também é um headset "ERREGEBÊ SETE PONTO UM" igual muitos outros, mas você está enganado se acha que o único diferencial que este headset possui são as luzinhas e a simulação de surround.

Até agora alguns de vocês devem ter notado que esta análise copiou textos da análise do Logitech G933, mas é porquê em muitos pontos ambos são idênticos mesmo. Se você já leu a análise do G933 e quer apenas um resumo das diferenças, pule para a conclusão.

Vamos começar a análise.

Construção e Conforto

O Logitech G633 é um headset que possui um visual um tanto "futurista", com diversos recortes e uma iluminação um tanto chamativa:

- Continua após a publicidade -

O Logitech G633 é um fone de peso mediano, um pouco mais leve que o G933 (infelizmente estou sem uma balança para pesar no momento), o que acaba impactando um bom tanto o seu conforto, sendo mais confortável do que seu irmão principalmente para uso contínuo. A página oficial da marca diz que os dois possuem o mesmo peso, mas não é verdade.

A construção do Logitech G633 parece ser mediana. Não é um headset que aparente fragilidade, mas também não mostra ser muito resistente a abusos, especialmente pelo design giratório das conchas, algo que pode danificar o fone caso for manuseado sem cuidados.

As almofadas do Logitech G633 utilizam o que a Logitech chama de "Malha Esportiva", que é uma espécie de tecido que permite uma melhor ventilação e supostamente diminui os problemas com suor.

Esta é uma questão bastante complicada, pois o problema de suor pode depender de variáveis, desde questões pessoais como transpiração, até questões geográficas, como influência de umidade, maresia ou arenosidade.

Confesso que realmente é um pouco mais fresco do que as almofadas de courino de concorrentes, mas considero elas inferiores na questão de conforto. Felizmente, as almofadas do Logitech G933 são removíveis, então provavelmente trocarei estas por almofadas de courino no futuro.

Outra característica que alguns podem não gostar é que essas almofadas em "Malha Esportiva" causam um pouco de vazamento de som para o ambiente externo pois foram projetadas para que fosse possível a entrada e saída de ar através delas. É pouco, mas se o que você precisa de um fone que isole ao máximo, o Logitech G633 pode não ser o ideal.

- Continua após a publicidade -

O arco do headset também utiliza o mesmo material e é bastante confortável para uso contínuo:

Também devido às almofadas, o clamping (a força que o fone faz na sua cabeça) do fone de ouvido é pouco, não fazendo muita força e sendo bastante confortável para pessoas com cabeça do tamanho XGG (autor) e usuários de óculos (autor).

Assim como o Logitech G933, ao inclinar a sua cabeça para trás, o G633 tende a deslizar para fora, embora não com tanta facilidade devido ao peso reduzido. Abaixo vemos o G933:

Embora no caso do G633 este erro seja bem mais ameno, esta é uma falha de design grave e caso o usuário do Logitech G633/G933 não saiba desta falha, ele pode acabar danificando o fone e toda a culpa será da Logitech.

Um dos grandes diferenciais do Logitech G633 é a presença de diversos botões na sua lateral e também de um controle de volume digital na parte inferior da concha esquerda. Há coisas boas e coisas ruins aqui. Para início de conversa, ter botões adicionais para funções que podem ser programadas, inclusive até mesmo para macros, é interessante, mas o problema está no layout destes botões no Logitech G633:

- Continua após a publicidade -

São quatro botões posicionados próximos demais uns aos outros, sendo que apenas três destes são configuráveis. O botão inferior é exclusivo para mutar o microfone, algo que não faz sentido, pois o microfone fica mudo quando você levanta ele. Por fim, este botão acaba sendo inútil e atrapalhando, pois muitas vezes que tentei pressionar o segundo botão, acabei pressionando este botão acidentalmente.

A Logitech deveria remover este botão, o que facilitaria a memorização dos outros botões, ou pelo menos permitir que este seja configurável no software, pois não faz sentido haver duas formas de mutar o microfone.

Não faz sentido haver duas formas de mutar o microfone, o botão exclusivo para esta função acaba atrapalhando bastante

Algo que merece tanto elogios quanto críticas é este controle de volume:

Este é um controle de volume digital. Ou seja, ao invés de ser um potenciômetro que controla diretamente o volume do headset, ele envia sinais para o computador/console dizendo para diminuir ou aumentar o volume. Há vantagens e desvantagens nisso, sendo que a principal vantagem é a maior durabilidade do que potenciômetros analógicos presentes em alguns outros headsets.

A desvantagem porém, é que não há muita precisão neste controle de volume, sendo que ao mexer apenas um pouco, o volume pode saltar ou diminuir violentamente, e também podem ocorrer atrasos na resposta caso o seu computador esteja sobrecarregado.

O Logitech G633, assim como o G933, tem laterais que podem ser removidas, mas diferente de seu irmão, não há nenhum espaço para bateria ou para armazenar algo nelas:

O Logitech G633 tem estas tampas apenas por usar a mesma carcaça que o G933, a única utilidade que elas podem acabar permitindo, seria a customização, seja através da compra de tampas feitas por outros ou então customizada pelo próprio usuário, similar à premissa do concorrente CM Storm Pulse-R.

Chegando aos acessórios, o Logitech G633 é um fone extremamente completo, com uma ótima gama de acessórios.

Para início de conversa, há um cabo USB removível de 3 metros, o qual lhe torna compatível com PC/PS4 e Xbox One. Ele é um metro mais comprido que o cabo do G933, mas em compensação seu acabamento é emborrachado ao invés do cabo de nylon do G933.

Há um cabo P3/P3 para conectar o Logitech G633 em tablets, smartphones ou diretamente em controles de consoles. Ao contrário do que pensei que aconteceria, o Logitech G633 tem um ótimo desempenho em dispositivos móveis, graças à sua baixa impedância e alta sensibilidade.

Ele não fica "pior" quando utilizado com cabo P3 ao invés da USB, apenas alguns de seus recursos deixam de funcionar, tal como os botões, o volume digital e a iluminação, o que é compensado por um controle de volume, um botão para pause/play e uma chave para mutar o microfone em seu cabo.

Eu sempre costumo falar que cabos removíveis acrescentam durabilidade ao headset, o que normalmente é verdade, mas ainda assim há casos de pessoas que acabam quebrando o conector micro-USB do G633, especialmente por mal uso, sendo que fazer o reparo de um conector destes é mais difícil do que consertar um cabo USB quebrado. Por isso sempre falo e sempre vou falar: tenham cuidado com seus periféricos.

O Logitech G633 é um fone extremamente completo em sua construção externa e recursos, é compatível com quase qualquer coisa e possui um ótimo nível de conforto, mas não é perfeito. O design giratório das conchas e o fato do fone deslizar ao inclinar a sua cabeça para trás, podem causar acidentes, razão pela qual eu não recomendaria este fone para crianças ou LAN Houses. Mas para o usuário comum, basta apenas ter um pouco de cuidado.

Qualidade Sonora

Vou ser bem sincero com o público, nada me dá mais desânimo do que ver LEDs RGB em um headset. A primeira coisa que vem à cabeça é:

"OK, investiram em LEDs e esqueceram todo o resto..."

Embora este seja, infelizmente, o caso para muitos concorrentes, felizmente não é o caso do Logitech G633 e G933, o que é uma surpresa, pois seus antecessores Logitech G35 e Logitech G930, deixavam muito a desejar neste departamento e nem LEDs RGB possuíam.

Em termos de áudio, o Logitech G933 é idêntico ao Logitech G633, o que vai contra a norma, pois espera-se que o modelo wireless acabe apresentando menor qualidade devido à compressão de áudio para transmissão sem fio, o que certamente não é o caso dele.

Além da própria Logitech afirmar que estes usem os mesmos alto-falantes e os resultados da PC Gamer indicarem que sejam o mesmo fone em áudio, decidi abrir os dois fones para comprovar isto, mas infelizmente não consegui pois a Logitech insere os alto-falantes dentro de uma câmara fechada que está colada, para abrir teria que danificar o fone:

Não é possível falar muito sobre os falantes do G633 graças a isto, mas sua construção interna aparenta ser bem caprichada, diferente do Sharkoon B1 que analisamos no início do mês.

O Logitech G633 é um headset que possui uma assinatura sonora um pouco "colorida", com uma leve ênfase em graves, embora sem esquecer seus médios e agudos, apresentando detalhes que em seus antecessores e alguns concorrentes não seriam notados.


Créditos da imagem para Tuan Nguyen da PC Gamer: We tested 23 mainstream gaming headsets to find the best

Claro, para audiófilos chatos como eu, é possível notar um pouco de ênfase nos graves-médios e um leve recuo nos agudos, mas isto ocorre pelo fato da Logitech ter optado por diversão ao invés de precisão, o que não é errado, apenas uma escolha de design, e é algo que acaba agradando o público geral.

Minha única reclamação é que, embora seus graves tenham um excelente impacto e escutar derivados da Música Eletrônica (especialmente Retro Wave!) com o fone seja algo excelente, quando utilizado com gêneros como Jazz e Blues, os seus graves se perdem, o fone treme onde não deveria tremer, diferente de alguns fones profissionais que possuo e seu concorrente HyperX Cloud Revolver.

Já em outros gêneros como Rock, Pop, Instrumentais e outros, ele apresenta um bom desempenho. Nada excepcional, mas aceitável para sua faixa de preço e ainda mais pelo fato de ser um fone wireless.

Agora, o que me surpreendeu foi que o Logitech G633 possui um palco sonoro decente, bem mais amplo do que esperava que fosse e sem a necessidade de ativar nenhum efeito de surround para efetuar a localização de sons.

Já tratando agora sobre Surround, o Dolby Surround que o Logitech G633 apresenta é diferente do "Efeito 7.1" de muitos concorrentes. Ele não é apenas um efeito de Reverb que acaba estragando o áudio do jogo, e sim uma coleção de efeitos, alguns que realmente acabam proporcionando uma certa "vantagem" em algumas situações.

Para início de conversa, o principal diferencial entre este e outros efeitos de simulação de Surround, é que o Dolby Surround presente no G633 utiliza um efeito que conheço pelo nome de "cristalizador".

O que este efeito faz é aumentar a ênfase em graves e agudos, o que acaba dando maior visibilidade para certos sons que normalmente não seriam tão audíveis. Um efeito colateral disso é um aumento de volume no próprio áudio do headset. Só este efeito sozinho já gera uma diferença gigantesca no áudio do headset, diferença que pode ser vantajosa em certas situações e negativa em outras.

Já no lado de simulação Surround em si, continuamos com algo que se assemelha ao velho efeito de Reverb, mas ele fora implementado sem exageros. O "aumento de espaço" não é tão superficial como alguns concorrentes, e o bom palco sonoro que o fone já possui normalmente ajuda ele a ter um melhor desempenho do que muitos headsets 7.1 que já testei previamente.

Enfim, não sou fã de efeitos de simulação de Surround em headsets, mas vejo que o Dolby Surround presente no Logitech G633 foi bem implementado e pode ser vantajoso em certas situações (especialmente devido ao uso do efeito de cristalizador), mas pode atrapalhar em outras.

Já nos testes em consoles, o desempenho deste headset com o meu Playstation 4 foi excelente. Realizei testes no Bloodborne, Final Fantasy XV e Persona 5, sendo que notei que o desempenho nestes jogos era exatamente o mesmo que o G933. Um áudio limpo e agradável, com ótimo palco sonoro, facilitando a localização de sons. Embora ele não tenha um aplicativo para controle de configurações - tal como meu falecido Sony Gold Wireless tinha - certamente é muito superior a ele em todos os aspectos, mesmo não sendo capaz de simular Surround no console.

Só que confesso que ao contrário do G933, o qual utilizei em dezenas de jogos, só completei um jogo com o G633, que foi "Utawarerumono: Mask of Truth", no qual não tenho nenhuma reclamação para as cerca de 100 horas que levei para completar este jogo:

Já em outros jogos como Persona 5, infelizmente ele não foi tão bem. A trilha sonora focada em Jazz do jogo, com bastante ênfase em graves melódicos, não combina tão bem com este headset pois ele acaba se "perdendo" nos graves. Enquanto que outros fones da minha coleção, tal como o AKG K240 MK II, Creative Aurvana Live! 2 e HyperX Cloud Revolver S, apresentam um melhor resultado. Ele não é ruim para isso, só não é tão bom quanto os outros.

O mercado de headsets gamer está me surpreendendo nos últimos anos e fico feliz em ver que o Logitech G633 também foi uma bela surpresa. Embora ele ainda não seja o "fone perfeito" e há alguns aspectos que podem ser melhorados. A qualidade sonora do Logitech G633 é aceitável até mesmo para um audiófilo chato como eu.

Seu maior problema é que, ao contrário do Logitech G933, que não possui muitos concorrentes wireless, o Logitech G633 enfrenta diversos outros headsets, seu principal concorrente sendo na minha opinião o HyperX Cloud Revolver:

Entre estes dois, cada um tem vantagens e desvantagens, sendo que o Logitech G633 possui um maior número de recursos e melhor compatibilidade com consoles (por ser USB). O HyperX Cloud Revolver por sua vez possui uma melhor estrutura, uma qualidade de áudio um pouco melhor e um microfone melhor, razão porquê opto por utilizar o Revolver no meu Desktop e os fones da Logitech nos consoles.

Microfone

O Logitech G633 possui um microfone retrátil, o qual também fica mudo ao ser levantado, assim como vários concorrentes:

Este é um microfone um tanto curto (embora seja possível alongar ele, mas não muito) e direcional, supostamente captando apenas em direção à boca do usuário. Isto impede que o usuário "respire em cima do microfone". Para minha surpresa, o microfone do Logitech G633 tem um áudio bastante diferente do G933, com menos ruído mas muito mais anasalado devido ao forte efeito de redução de ruído:

Pela USB o microfone do Logitech G633 é complicado, a captação dele é muito mais "suja" e o áudio "anasalado" do que o Sharkoon B1 de R$ 200 que analisamos a pouco, mas isto ocorre devido ao efeito de redução de ruído do headset. É um microfone que não terá um bom resultado para gravações de áudio, mas que funcionará até mesmo em ambientes com ruído excessivo (ex: campeonatos), enquanto que concorrentes teriam problemas nestes mesmos ambientes.

Mas, o Logitech G633 oferece também a opção de ser utilizado através do conector 3.5mm (analógico), o que tende a normalmente melhorar a qualidade do microfone me vários headsets (ex: HyperX Cloud II) se usado em conjunto com uma boa placa de som, pois acaba removendo o efeito de supressão de ruído.

Para o teste, usamos uma ASUS Xonar U3:

Infelizmente, mesmo utilizando uma boa placa de som, o microfone do Logitech G633 não impressiona, embora já não haja o efeito forte de supressão de ruído, temos uma claridade mais ou menos e bastante captação do ambiente quando utilizado pela P2.

O Logitech G933 ainda tem a desculpa de ser wireless, por isso a menor qualidade no microfone, mas o fato do Logitech G633 apanhar feio para o Sharkoon B1 de menos da metade do preço em termos de microfone, é um tanto vergonhoso. Sugiro fortemente à Logitech que invista em microfones melhores na próxima geração de headsets que fizerem.

O mercado de headsets para jogos está evoluindo. Há uma maior procura por qualidade sonora e a cada ano que se passa a imensa distância que havia entre headsets gamer e headphones profissionais está ficando menor. O mercado evoluiu, o público evoluiu e a Logitech também evoluiu.

O Logitech G633 é um tremendo avanço em todos os aspectos sobre o seu antecessor Logitech G35, mas não é tão inovador quanto seu irmão G933 e enfrenta diversos outros fortes concorrentes atualmente no mercado.

O preço do Logitech G633 varia bastante, já o vi por R$ 450 e há lojas que tentam vender ele por R$ 700, mas o que posso dizer é que ele certamente não vale mais que R$ 600.

Talvez com a chegada da Black Friday, o Logitech G633 possa se tornar uma boa escolha para quem quer um headset tanto para consoles, quanto para PCs e dispositivos móveis, especialmente se seu preço cair para a faixa dos R$ 400.

E quais são as diferenças entre o Logitech G633 e G933? Além da óbvia questão do wireless, o G633 é mais leve e por isso mais confortável, não cai tão facilmente a inclinar sua cabeça para trás e acompanha um cabo USB um pouco maior, mas emborrachado ao invés de nylon como é o do G933.

Mas a maior diferença está no microfone. OG633 capta menos sons do ambiente e é mais eficiente em ambientes com mais barulho, embora nenhum dos dois possui uma boa claridade no áudio para serem usados em gravações e há diversos concorrentes superiores aos dois nesta questão.

Em construção e qualidade de áudio, são dois fones basicamente idênticos.

Fora isso, há a questão do preço. O Logitech G633 tende a girar entre R$ 500~700, enquanto seu irmão Logitech G933 se situa na faixa dos R$ 800. Às vezes a diferença é tão pequena que simplesmente nem vale à pena comprar o G633, fora que há também o Logitech G533, que é uma ótima alternativa wireless sem tantos frufrus quanto seus irmãos.

Qual escolher? Depende a sua utilização. No meu caso, uso estes headsets apenas nos consoles que ficam na sala, por isso uso muito mais o G933 simplesmente por ser wireless, mas para quem vai utilizar em um ambiente onde o console/computador está próximo, o G633 pode ser uma melhor escolha, desde que encontrado por um bom preço.

PRÓS
Boa qualidade sonora
Bom palco sonoro
Conectores removíveis
Extremamente versátil, com um grande número de acessórios
Excelente Conforto
Software completo com diversas configurações
CONTRAS
Botões laterais confusos
O fone cai ao inclinar sua cabeça para trás
Qualidade do microfone é inferior ao esperado
Tags
  • Redator: Wellington Diesel

    Wellington Diesel

    Formado em Redes de Computadores, o "wetto" é um entusiasta do ramo de Periféricos. Autor do Guia do Teclado Mecânico, ele carrega consigo mais de 200 análises de mouses, teclados e headsets publicadas, além de diversos Guias e Artigos sobre teclados, mouses e headsets. Respeitado pela comunidade do Adrenaline, ele trabalha à distância como colaborador.

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.