ANÁLISE: Acer Aspire VX5 (Core i7-1050Ti)

Notebook extremamente silencioso e com ótima performance

O Acer Aspire VX5 é um notebook gamer de entrada que tem como características principais um design mais enxuto, componentes com desempenho intermediário e um preço mais acessível que modelos mais potentes (e bem maiores). Ele vem com configurações que incluem uma GTX 1050 ou 1050 Ti e processadores Core i5 ou i7 da 7ª geração Core, codinome Kaby Lake.

Samsung Odyssey (Core i7) - Empresa estreia com um belo notebook gamer
Dell Inspiron Gaming 15 (2017) - Boa performance e autonomia surpreendente para um notebook gamer
 

Especificações principais do modelo de testes (VX5-591G-78BF):

- Processador Intel Core i7-7700HQ
- Placa de vídeo NVIDIA GeForce GTX 1050 Ti 4GB
- Memória RAM 16GB
- Armazenamento HD 1TB
- Tela 15.6 polegadas LED Backlight (1920 x 1080)
- Dimensões 38,9 x 26,55 x 2,89 cm
- Bateria 3 células 4604 mAh
- Peso 2.5 kg
- Custo dessa configuração: em torno de R$ 4.600

Design


Compacto e com visual arrojado

Enquanto o Dell Inspiron 115 Gaming e o Samsung Odyssey apostaram em um visual mais sóbrio, o Acer Aspire VX5 deixou suas "veias gamers" mais expostas, com um corte que não é retangular e a presença de detalhes em vermelho na tampa e nas saídas de ar, com uma barra prateada no eixo da tela. Ele possui um corpo em plástico com uma textura na tampa e são visíveis os encaixes entre as peças, em algumas das bordas a desníveis notáveis, o que deixa seu acabamento menos atraente que os modelos da Dell e da Samsung, que além de possuírem um encaixe mais preciso nas bordas, optaram pelo acabamento emborrachado.

O principal destaque do VX5 é seu porte. Mesmo sendo um modelo gamer, ele é relativamente leve e fino para esse segmento, sendo um notebook tranquilo de carregar na mochila. O teclado é completo e no padrão ABNT-2, incluindo teclado numérico na lateral e retroiluminação. O único comprometimento é pequeno, e comum em notebooks: a seta para a direita está ali junto do número zero no teclado númerico. Já o touchpad tem uma área bastante ampla e é bem eficiente.

- Continua após a publicidade -

A tela possui resolução FullHD e utiliza a tecnologia LED com boa saturação de cores e boons ângulos de visão, com algumas distorções de cores quando inclinamos a tela. Infelizmente nenhum notebook desse segmento traz a tecnologia IPS, que resolveria esse inconveniente, porém felizmente a distorção é menor do que a observada no 15 Gaming, por exemplo. O display possui um acabamento fosco, o que reduz os reflexos excessivos quando o notebook é usado em um ambiente muito iluminado ou com alguma lâmpada em um ângulo ruim.

Avaliar o visual traz essa análise para um campo um pouco subjetivo, porém achei o acabamento e algumas opções estéticas do VX5 inferiores ao rumo tomado pela Dell e Samsung nos modelos rivais. Um elemento que me chamou muito a atenção foram os encaixes no cantos, acabamento que no 15 Gaming e no Odyssey não ficaram tão evidentes. 

Outro detalhe que me não me agradou foi o formato do corpo do notebook e suas linhas que não casam com as linha da tela. Como disse, isso é um campo subjetivo, e nenhum desse elementos irá comprometer a usabilidade do notebook.

O que ficou um tanto inconveniente foi o uso de 14 parafusos (o Odssey usa 3, o 15 Gaming usa 1) na base do aparelho, junto com vários daqueles pavorosos "dentinhos" de plástico para abrir esse notebook e ter acesso a upgrades. Apesar de repetitivo, o processo não é muito demorado e em questão de 15 minutos você consegue deixar ele aberto e pronto para receber melhorias. Os componentes com fácil acesso para atualizações incluem dois slots de memória RAM, uma baia 2,5" para HD/SSD e mais uma conexão M.2 para SSD, um upgrade bastante recomendável para este modelo.

Além de facilitar upgrades, a abertura do VX5 dá um bom acesso ao sistema de resfriamento, facilitando a limpeza.

Performance


Boa performance para um notebook leve

- Continua após a publicidade -

Nosso modelo de testes veio equipado com o Core i7-7700HQ, 16GB de memória RAM e a placa de vídeo GTX 1050 Ti, e entrega o desempenho que esperamos desse perfil: um bom notebook para rodar qualquer jogo, em configurações que irão variar do Ultra nos jogos mais leves até uma configuração média em franquias mais pesadas. É importante destacar que venho encontrando com mais frequência modelos equipados com a GTX 1050 4GB no mercado nacional. Para quem está de olho nessa configuração, basta ver os resultados do Samsung Odyssey em nossos benchmarks, que vem equipado com esse chip, e o VX5 com uma 1050 deve entregar uma performance semelhante.

Rise of Tomb Raider

Grand Theft Auto V

- Continua após a publicidade -

The Witcher 3 Wild Hunt

Esse modelo sobra em e-Sports e roda games mais pesados em qualidade média

Com nosso modelo de testes é possível jogar qualquer game, sendo que as franquias mais leves como e-Sports rodarão em qualidade Ultra na resolução FullHD com alta taxas de quadros. Games mais pesados como The Witcher 3 Wild Hunt ou Tom Clancy's The Division precisarão ter um ajuste de qualidade entre médio e alto para atingir uma taxa satisfatória de quadros por segundo, mas é possível achar uma boa relação entre performance e qualidade gráfica.

E para quem está de olho na versão com a GTX 1050, esse chip ainda tem performance suficiente para encarar jogos como Dota 2, League of Legends e Overwatch com performance sobrando para qualidade Ultra e FullHD. Porém, nas franquias mais pesadas, será preciso baixar um pouco mais a qualidade para manter uma taxa mais alta de quadros ou travar em 30FPS. Trocar o FullHD para 900p também pode dar "o fôlego que faltava" para rodar em uma melhor qualidade gráfica e boa taxa de quadros. Ainda vai dar para jogar, mas será preciso "maneirar" um pouco mais nas configurações.

E quem cogita trabalhar com o notebook? Assim como todos os modelos equipados com o Core i7-7700HQ que testamos, temos uma excelente performance multithread, resultado dos 4 núcleos e 8 threads disponíveis nesse modelo. No aparelho que testamos aqui tivemos uma pontuação bem próxima da medida com o Inspiron 15 Gaming e o Odyssey, o que não chega a ser uma surpresa já que todos utilizam a mesma CPU. Se você não pretende fazer esse tipo de uso do aparelho, as versões com i5 do VX5 já resolvem para games, apesar que tenho encontrado com muito mais frequência modelos com o Core i7.

Aquecimento e autonomia


Surpreendentemente frio e silencioso, com autonomia dentro da média

Notebooks gamers não são excepcionais quando o assunto é duração de bateria, resultado de seus processadores e chips gráficos potentes trazerem alto consumo, mesmo quando estão em atividades leves. O Aspire VX5 se saiu levemente acima da média nesse quesito, entregando um total de 5 horas de autonomia quando usado em atividades leves com brilho de tela baixo e no modo economia de energia. Para games essa autonomia é reduzida sensivelmente, algo natural que acontece em todos os modelos. Para jogar, o recomendável mesmo é ter o aparelho ligado na tomada.

Mas é quando falamos do sistema de resfriamento que vemos a característica mais impressionante do Aspire. Esse notebook é o mais silencioso já testado pelo Adrenaline, conseguindo gerar impressionantes 40 dB quando rodando uma aplicação de alta performance. É sempre bom lembrar que decibéis são uma unidade de medida logarítmica, logo a diferença para os 50 dB são enromes. Em uma relação um tanto imprecisa, 10 dB a mais representam "o dobro" na percepção . Os 10 dB a mais do 15 Gaming significam que ele é "2x mais barulhento".

Mesmo em alta performance, o VX5 praticamente não gera ruído

É praticamente imperceptível o barulho das ventoinhas desse notebook, mesmo se você não estiver usando fones. Colocando em perspectiva, ele chegou a nos dar trabalho no teste de produção de ruído pois qualquer conversa o movimento de cadeiras em outro ambiente produzia mais ruído que o VX5, e acabava por atrapalhar a medição da intensidade sonora.

50dB é em torno de "2x mais barulhento" que 40db, na percepção de uma pessoa

O mais interessante é observar que essa redução na produção de ruído não foi obtida através de uma menor eficiência no resfriamento. O Aspire está entre os modelos mais "gelados" de nossos testes, matendo o chip gráfico em apenas 64ºC ao rodar o Fire Strike do 3DMark, um teste gráfico muito intenso.

Recursos adicionais

A Acer incluiu alguns recursos buscando diferenciar esse notebook de seus competidores. Entre eles está o uso da tecnologia Acer TrueHarmony and Dolby Audio Premium buscando entregar uma maior fidelidade e intensidade de áudio. O som é direcionado pela parte de baixo do aparelho, com duas caixinhas de som na parte frontal, e o resultado é regular: você até pode usá-las, mas um bom headset de sua preferência ainda segue como a melhor pedida.

Outro cuidado da empresa foi na parte da conexão wireless. As antenas do VX5 foram posicionadas no topo do aparelho, logo acima da tela, para melhorar a recepção do sinal. Esse notebook opera dentro do padrão 802.11 a/c 2X2 MIMO, ou seja, ele possui duas antenas para tornar a comunicação mais eficiente com seu roteador sem fio ao poder criar dois canais de transmissão (caso seu aparelho wireless também seja compatível). Esse recurso vem se popularizando em muitos dispositivos, mas ficou de fora do Samsung Odyssey, que é só 1X1, por exemplo.



 

A serie 10 da Nvidia tem possibilitado alguns modelos bons modelos no segmento gamer de entrada. Assim como os já testados Dell Inspiron 15 Gaming e o Samsung Odyssey, a Acer apostou nas placas de entrada GTX 1050/1050 Ti e como resultado traz um notebook que consegue um excelente balanço entre portabilidade e performance, conseguindo ao mesmo tempo rodar muito bem jogos e que também não se tornou excessivamente pesado ou grande.

Nosso modelo de testes, equipado com uma GTX 1050 Ti, é capaz de encarar e-Sports e games mais leves em qualidade Ultra e em resolução FullHD com sobra, rodando acima dos 60FPS. Quando trazemos para franquias mais pesadas, aí passamos a ter que mexer um pouco nos ajustes, mas dá para achar uma boa configuração gráfica, entre a média e alta, em resolução 1080p com excelente taxa de quadros em praticamente qualquer jogo.

Se você optar pelo modelo com a 1050, ainda vai ter fôlego para encarar games como Dota 2, League of Legends, Counter Strike, Rainbow Six Siege e Overwatch sem problemas, porém nas franquias mais pesadas vai precisar optar por qualidade gráfica intermediária e eventualmente reduzir a resolução para 900p a fim de garantir uma boa taxa de quadros.

No comparativo com os rivais do segmento, o grande destaque do Aspire VX5 é seu impressionante sistema de resfriamento. Em nossos testes ele se manteve muito silencioso, sendo que suas ventoinhas praticamente não geram barulho mesmo rodando aplicações intensas em uso do chip gráfico. Os 40 decibéis que aferimos é muito próximo ao nível de ruído que uma "sala silenciosa" produz. Mesmo sem praticamente gerar som, o VX5 conseguiu manter a GPU em 64ºC rodando Fire Strike, um resultado excelente.

O Acer Aspire VX5 é a opção mais interessante para os consumidores que buscam um notebook portátil para jogar e que seja silencioso. Também irá agradar mais a quem quer um modelo com visual "mais gamer" comparado aos relativamente discretos Odyssey e 15 Gaming. Apesar de ser um pouco mais trabalhoso comparado aos modelos dos rivais, é possível abrí-lo e há boas possibilidades de upgrades nesse notebook. Outro ponto forte é sua variação de configurações e preços: a partir dos R$ 3.500 já há versões com Core i5 e GTX 1050, enquanto os consumidores que querem mais desempenho já encontram a variante com Core i7 e GTX 1050 Ti por valores próximos aos R$ 5.000. 

Conclusão

 

Avaliação: Acer Aspire VX5 (Core i7-1050Ti)

Design
8.0
Tela
8.0
Performance
9.0
Autonomia
8.0
Preço
8.5

PRÓS
Muito silencioso
Eficiente sistema de resfriamento
Boa tela
Leve e fino (para um modelo gamer)
CONTRAS
Insuficiente para qualidades mais altas em games pesados
Um pouco trabalhoso de se abrir
Tags
  • Redator: Diego Kerber

    Diego Kerber

    Formado em Jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Diego Kerber é aficionado por tecnologia desde os oito anos, quando ganhou seu primeiro computador, um 486 DX2. Fã de jogos, especialmente os de estratégia, Diego atua no Adrenaline desde 2010 desenvolvendo artigos e vídeo para o site e canal do YouTube

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.