ANÁLISE: Lenovo ZUK Z2

Muito poderoso e compacto, mas com uma interface bem picareta

Os smartphones comprados em sites chineses vem se tornando muito populares, como dá pra ver pela chuva de postagens que surgem nos foruns (inclusive o do Adrenaline). Mesmo com os altos impostos brasileiros para produtos importados, os preços extremamente competitivos praticados por essas lojas online tornam viável comprar um aparelho. Depois do Xiaomi Redmin 3S, recebemos para testes o Lenovo Zuk 2, um smartphone que se destaca por suas especificações parrudas em um design compacto.

Veja os impostos que você pode pagar ao comprar em sites de outros países

Será que está valendo a pena importar o Lenovo Zuk 2? Mesmo considerando a possibilidade de ver seu preço quase dobrar dependendo das taxas que forem cobradas? Vejamos no restante da análise!

Sobre a tabela comparativa abaixo: fiz uma mescla de modelos que custam em torno de 1 mil reais (valor aproximado do Zuk 2, considerando impostos) e os poucos modelos com o Snapdragon 820 presente nesse modelo da Lenovo, caso do Zenfone 3 Deluxe.

Comparativo

Lenovo ZUK Z2Lenovo Vibe K6Samsung Galaxy J5 MetalAsus Zenfone 3 Deluxe

Preços

Preço no lançamentoR$ 999,00 R$ 999,90 R$ 1.299,00 R$ 3.599,00
Preço atualizadoR$ 999,00 R$ 800,00 R$ 799,00 R$ 2.449,00

Especificações

Armazenamento interno|64GB| |32GB| |16GB| 256GB
Cartão microSDNão possui Até 128GB Até 128GB Até 256GB
Memória RAM4GB 2GB 2GB 6GB
Número de núcleos4 8 4 4
Portas de conexão|USB Tipo-C| |Micro-USB| |Micro-USB| USB Tipo-C
Sistema OperacionalAndroid 6.0 Android 6.0 Android 6.0 Android 6.0
Update disponível para o sistemaNão informado
ProcessadorQualcomm Snapdragon 820 Qualcomm Snapdragon 430 Qualcomm Snapdragon 410 Qualcomm Snapdragon 821/820
Clock2.15 GHz1.4 GHz1.2 GHz2.4 GHz
GPUAdreno 530 Adreno 505 Adreno 306 Adreno 530
Bateria3500mAh mAh4000 mAh3100mAh mAh3000 mAh
Dimensões141.7 x 68.9 x 8.5 mm142 x 71 x 8 mm145.8 x 72.3 x 8.1 mm156.4 x 77.4 x 7.5 mm
Peso149g g180 g159 g172 g

Recursos

GPSSim Sim Sim Sim
Leitor de DigitalSim Sim Não Sim
LTESim Sim Sim Sim
NFCNão Não Sim Sim
Número de cartões SIM2 2 2 2
RadioNão Sim Sim Sim
Tipo de cartão SIMNano SIM Nano SIM Micro SIM Nano SIM
TV DigitalNão Não Não Não
Bluetooth4.1 4.2 v4.1 4.1
ExtrasInterface ZUI Asus ZenUI 3.0

Display

Resolução1080 x 1920 1080 x 1920 720 x 1280 1080 x 1920
Tamanho5 polegadas 5.5 polegadas 5.2 polegadas 5.7 polegadas
TecnologiaIPS IPS Super AMOLED Super AMOLED
ProteçãoCorning Gorilla Glass 3 Corning Gorilla Glass 3 Corning Gorilla Glass 4

Câmera

Vídeos1080p 30 fps 1080p 30 fps 1080p 30 fps 2160p 30 fps
Traseira13 16 13 MP 23MP
Frontal8 8 5 MP 8MP

Design


Uma coisa cada vez mais rara: um Android compacto e potente

O Lenovo Zuk 2 é um smartphone com tela de 5 polegadas, o que resulta em um design compacto, confortável de ser usado apenas com uma mão ou até por pessoas com mãos menores. Seu acabamento lembra a linha Xperia nos tempos do Z3, com um design bastante reto e "quadradão". A diferença é que o Zuk 2 não é muito arredondado nem nas laterais, que possuem um acabamento plástico um pouco áspero, o que torna a pegada mais firme.

- Continua após a publicidade -

A traseira é em vidro espelhado, que dá um visual muito bonito mas aparentemente não possui uma proteção do tipo Gorilla Glass. O resultado: além das famigeradas marcas de dedo com o uso, o modelo que testamos ficou rapidamente riscado só com o "sair e entrar" do bolso, possivelmente sendo marcado com algo da roupa ou "roçando" contra algum objeto dentro do bolso. Isso é muito ruim se considerarmos que mesmo modelos de baixo custo como o Quantum GO possuem uma proteção na sua traseira em vidro e passaram sem marcas durante nossos testes. Com o Zuk 2 você tem duas escolhas: ou aceitar ficar com riscos e mais riscos a longo prazo, ou usá-lo com uma capinha.

A traseira em vidro é bonita, mas risca muito fácil

Também lembrando o design dos Xperias, a câmera está localizada no canto esquerdo, o que demanda um certo cuidado: é fácil seu dedo acabar aparecendo na foto se não prestar atenção, especialmente se você usar o flash. O design é bastante simétrico e conta com um único botão na parte de baixo, algo que remete mais a experiência com o iOS do que com o Android (vamos reclamar falar mais disso em "interface e extras"). O botão é grande e bem posicionado, e está adicionado nele o sensor de digitais, em uma posição bem confortável.

Em termos gerais, é um aparelho bastante compacto no contexto atual dos Androids, que na maior parte do tempo estão acima das 5 polegadas de tela. Seu porte não é muito distante do iPhone (o modelo "não Plus"), sendo que o Zuk só é um pouco mais espesso.

Performance


Performance digna de um modelo topo de linha

Sem dúvida o hardware é a parte mais interessante no Lenovo Zuk 2. O chip é um poderoso Qualcomm Snapdragon 820 que equipa modelos de ponta. A RAM está em abundância, com 4GB disponíveis. Logo não é surpresa ver os benchmarks abaixo, com ele figurando no topo e brigando com os modelos mais potentes que já testamos.

- Continua após a publicidade -

O Zuk 2 ficou na mesma balada dos modelos mais potentes, com raras exceções como o teste multi-core do GeekBench (nele ter oito núcleos deu boa vantagem ao modelo da Samsung, versus os quatro presentes no Snapdragon 820).

O Zuk 2 é muito poderoso e ágil

Toda essa performance reflete em uma experiência impecável, com transições extremamente rápidas entre apps, sendo que você vai precisar abrir muita coisa para lotar a memória desse aparelho e, mesmo assim, ele conseguirá de forma ágil gerenciar novos apps sendo abertos. Com um SoC potente, isso também significa que ele vai "voar" mesmo em games mais intensos.

Autonomia


Autonomia competente

O Lenovo Zuk 2 é até um pouco "espesso" comparado com outros smartphones, mas isso garantiu que apesar de seu pequeno porte coube uma bateria de 3.500 mAh. Aliando essa boa capacidade de bateria com uma tela um pouco mais compacta, o que ajuda a reduzir o consumo, e um hardware potente, o que signficia que o smartphone consegue finalizar rapidamente os processos, temos um excelente resultado em nossos benchmarks de autonomia:

A autonomia do Lenovo Zuk 2 é bastante consistente

Em uso prático também tivemos uma experiência excelente. Mesmo com uso constante, 4G sempre ativo, muita navegação na web, tweets e posts bobos do 9gag toda vez que fiquei entendiado, houve dias que fechei com 40% de bateria sobrando. Em outros momentos, chegou a surgir a mensagem de pouca bateria (abaixo dos 15%) já próximo da meia-noite. 

- Continua após a publicidade -

Câmera


Boa câmera, mas podia ter estabilização óptica

A Lenovo promete um aparelho com excelente qualidade, mesmo em cenas menos iluminadas. Para tanto, ele chega equipado com um sensor de 8 megapixels para a câmera frontal e 13 megapixels na traseira. A câmera traseira também conta com um flash de LED.

O Lenovo Zuk 2 tem uma câmera bastante ágil, que rapidamente faz o foco. O sensor de 13MP consegue capturar uma boa quantidade de detalhes, e em cenas bem iluminadas, os resultados são excelentes em cores e contrastes. Quando falamos de cenas escuras, o Zuk 2 usa e abusa de um pós-processamento para lidar com a granulação causada pelo aumento da ISO. O resultado é muito curioso: ele mantém as formas da imagem em geral, mas aplica um efeito para borrar a granulação excessiva que acontece nesse tipo de situação, criando uma cena que acaba limpando os detalhes da cena.

Boa luz


Lenovo K2, Vibe K6 Plus, Moto G4 e Galaxy J7 Metal

Pouca luz


Lenovo K2, Vibe K6 Plus, Moto G4 e Galaxy J7 Metal

Flash


Lenovo K2, Vibe K6 Plus, Moto G4 e Galaxy J7 Metal

O modo HDR funciona, mas poderia ser mais ágil: é preciso ficar pouco mais de um segundo com a câmera firme (e torcer que nada se mova) para ter um bom resultado. 

Uma ausência que é sentida rapidamente é a falta de estabilização óptica. Em cenas um pouco menos iluminadas, onde o smarpthone tende a aumentar o tempo de exposição, ou mesmo quando o usuário é meio descuidado ao segurar o aparelho, é fácil terminar com fotos borradas.

O Zuk 2 tem uma performance regular, com boas fotos em cenas claras mas perdendo rapidamente qualidade em cenas menos iluminadas

A interface novamente lembra um tanto o iOS, e inclusive é preciso navegar pelos menus de configuração para ativar fotos widescreen (16:9), pois por padrão o app chega configura para alternar entre 4:3 e 1:1. O app não é recheado de recursos, mas tem o que mais importa: modos panorama, ajustes de ligar ou desligar flash e HDR, vídeos em modo tradicional e também em slowmotion (em 120FPS e resolução HD).

Se no hardware o Zuk 2 tem uma performance e componentes dignos de um topo de linha, na câmera a realidade é menos distante do que vemos em aparelhos com preço relativamente próximo (lembrando que estamos já calculando os 60% de impostos sobre o valor do site) ao que vemos em aparelhos vendidos no Brasil com preços semelhantes. Em situações de boa luminosidade, ele entrega excelentes fotos, mas basta inserí-lo em uma cena mais desafiante para ver ele rapidamente perdendo qualidade, sendo que essa é uma característica bastante comum entre vários aparelhos com preço na casa dos R$ 1 mil.

Interface e extras


Um Android que sonha em ser iOS

Como já mencionei lá no design e na câmera, o Zuk 2 se esforça para trazer a experiência do iOS no Android, e para isso possui apenas um botão central na parte de baixo. Diferente dos Galaxys. que além do botão central possuem também botões capacitivos nas laterais, o Zuk tem esse único botão físico. Como a interface não possui botões virtuais, isso significa que o Zuk não possui os três botões básicos da interação com o Android.

Tentando replicar a experiência do iOS, ele usa o único botão como o equivalente ao Home. O multitarefa segue a mesma lógica dos aparelhos da Apple:  você precisa pressionar duas vezes para abrí-lo. E para ter o botão voltar, é preciso tocar o botão sem apertar. Depois de um estranhamento inicial, não é difícil se acostumar com essas interações diferentes, e é possível customizar outras como deslizar no botão home para alternar entre apps, ou pressionar por um longo período para abrir a câmera. É possível se adaptar, mas fica o questionamento: qual a necessidade de "inventar moda" nas interações essenciais de um sistema operacional? O máximo que se conseguirá é essa necessidade de adaptação do consumidor, e a obrigatoriedade de explicar como seu smarpthone funciona para qualquer pessoa que precise usá-lo, mesmo que por um breve período.

O Zuk 2 tem os botões de interação básica fora de padrão, o que força o usuário a se adaptar

Esse é um padrão que repete na interface, a ZUI, e faz algo que é comum de algumas fabricantes asiáticas: a Lenovo pegou o Android e tentou deixar o mais parecido que pode com o iOS, o que gera muitas inconsistências na experiência de uso. Em alguns momentos a tela tem claramente o design do Android, e em outros, vira o iOS, o que significa que esse celular consegue o "grande feito" desagradar tanto quem prefere um ou o outro sistema. A barra de notificações, menu de configurações e até os dongles de atalho para ligar e desligar sensores, por exemplo, são idênticos ao da Apple. 

Com interfaces que oscilam entre a experiência com o Android e o iOS, o Zuk tem potencial para desagradar ambos os públicos

Existem alternativas para resolver essa interface, mas aí é preciso apelar para ROMs alternativas, que vão tirar todas essas modificações, mas como consequência você pode encontrar problemas de funcionalidade, como por exemplo não ser mais possível configurar múltiplas interações no botão Home. Também é bom lembrar que instalar uma nova ROM é um processo trabalhoso, que torna essa opção inacessível para muitos usuários. Se ficar com a interface do próprio aparelho, porém, é bom estar pronto para lidar com esses momentos iPhone dentro do Android, e até algumas traduções bem curiosas como essa marcada em vermelho, na imagem abaixo:

O Lenovo Zuk 2 tem pontos muito positivos. Em um mundo em que os topo de linha são praticamente todos "tijolões" com mais de 5 polegadas, esse aparelho tem um porte muito compacto e um poder de processamento bastante elevado com uso de componentes topo de linha. Mesmo considerando que haverá taxas de 60% sobre o valor do produto, ele ainda chega com preço na casa dos R$ 1 mil, o que torna ele imbatível na relação custo e benefício, e fica "na mesma balada" que aparelhos que custam 2 ou até 3 vezes mais.

Mas ele traz seus inconvenientes. Assim como acontece com muitas fabricantes asiáticas, há um esforço em transformar o Android em iOS, e isso traz inconsistências na experiência, que vira um curioso híbrido dos dois sistemas e tem tudo para não agradar ninguém. Se já não bastasse as interfaces modificadas, a ausência de botões básicos de um smarpthone Android (voltar e o multitarefa) forçam uma adaptação inicial, algo sem propósito útil exceto o de "parecer mais com o iOS". Apesar de estar traduzida para o português brasileiro, as interface tem momentos cômicos que deixam evidente que o profissional envolvido na tradução possivelmente atende pelo nome de "Google Translate".

Também é preciso considerar os incômodos do processo de entrega e a garantia. O envio de um produto importado é um mistério para o consumidor, com informações atrasadas, períodos de inatividade e sem um prazo claro para a entrega. Se for preciso acionar a garantia, pior ainda: vai ser preciso mandar de volta, e esperar voltar, algo que tem potencial para deixar você sem o aparelho por meses, e ainda lidar com trocas de e-mails em inglês para dar tudo certo.

Se você não se incomoda com o Android remexido e traduções esquisitas, o Zuk 2 é um smartphone poderoso e compacto

Se você está buscando um smartphone compacto, barato e potente, é impossível achar um concorrente no Brasil para esse dispositivo, mesmo considerando as altas taxas que serão cobradas. As únicas coisas que o separam dos topo de linha são a eficiência inferior da câmera (mais condizente com a performance do segmento intermediário) e as picaretagens na interface, "kibando" muito do iOS e criando inconsistências na experiência. Caso não veja problema em esperar um longo período para a entrega, não se importa em ter que se acostumar com as interações estranhas, a interface toda remexida e com falhas de tradução, o Zuk 2 é um aparelho funcional e que tem potencial para atender quem quer um aparelho compacto e poderoso.

Conclusão

 

Avaliação: Lenovo ZUK Z2

Design
9.0
Desempenho
10
Autonomia
8.0
Câmera
8.0
Preço
9.5

PRÓS
Hardware potente
Design compacto e leve
Boa autonomia
Preço muito baixo considerando seu hardware
CONTRAS
Traseira em vidro risca muito
Interface "iOSficada" e cheia de inconsistências
Envio demorado e garantia trabalhosa
Tags
  • Redator: Diego Kerber

    Diego Kerber

    Formado em Jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Diego Kerber é aficionado por tecnologia desde os oito anos, quando ganhou seu primeiro computador, um 486 DX2. Fã de jogos, especialmente os de estratégia, Diego atua no Adrenaline desde 2010 desenvolvendo artigos e vídeo para o site e canal do YouTube

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.