ANÁLISE: Zenfone 3 5.5"

Zenfone sobe de categoria com novo design, melhor autonomia e preço agressivo

A Asus ganhou a atenção dos consumidores brasileiros ao lançar o Zenfone 5, um excelente aparelho intermediário de entrada, e no ano seguinte com o Zenfone 2, um ótimo aparelho intermediário. Por conta da excelente relação entre custo e beneficio dos seus produtos, a chegada do Zenfone 3 ganha a atenção de muitos dos consumidores. Será que novamente a empresa taiwanesa acertou a mão? Vejamos no restante da análise!

O line-up da geração Zenfone 3 no Brasil é composta por três produtos: o Zenfone 3 Deluxe é o topo de linha, enquanto o Zenfone 3 Max atua como o real "sucessor" do Zenfone 2 no segmento intermediário. Nossa análise aqui será do Zenfone 3 propriamente dito, um aparelho que ocupa o segmento "intermediário premium", com design e recursos mais avançados mas ainda "contendo os preços" na medida do possível. O Zenfone 3 conta com uma versão de 5,2" de tela (ZE520KL) e outra um pouco maior de 5,5" e com mais bateria, a ZE552KL, que será utilizada nessa análise. Outras diferenças entre esses dois modelos incluem RAM (o menor tem 3GB, o maior tem 4GB) e memória (o menor tem 32GB, o maior tem 64GB).

Comparativo

Zenfone 3
5.5"
Samsung Galaxy
A7 2016
Lenovo Moto Z
Play

Preços

Preço no lançamentoR$ 1.799,00 R$ 2.499,00 R$ 2.199,00
Preço atualizadoR$ 1.599,00 R$ 1.599,00 R$ 1.499,90

Especificações

Armazenamento interno|64GB| |16GB| |32GB|
Cartão microSDAté 2TB Até 256GB Até 2TB
Memória RAM4GB 3GB 3GB
Número de núcleos8 8 8
Portas de conexão|USB Tipo-C| |Micro-USB| |USB Tipo-C|
Sistema OperacionalAndroid 6.0 Android 5.1 Android 6.0
Update disponível para o sistemaAndroid 6.0
ProcessadorQualcomm Snapdragon 625 Exynos 7580 Qualcomm Snapdragon 625
Clock2.0 GHz1.6 GHz2,0GHz GHz
GPUAdreno 506 Mali-T720MP2 Adreno 506
Bateria3000 mAh3300 mAh3.510mAh mAh
Dimensões152.59 x 77.38 x 7.69 mm151.5 x 74.1 x 7.3 mm156,4 x 76,4 x 6,99 mm
Peso155 g172 g165 g

Recursos

GPSSim Sim Sim
Leitor de DigitalSim Sim Sim
LTESim Sim Sim
NFCNão Sim Sim
Número de cartões SIM2 2 2
RadioSim Sim Não
Tipo de cartão SIMMicro SIM Nano SIM Nano SIM
TV DigitalNão Não Não
Bluetooth4.1 4.1 4.1
ExtrasAsus ZenUI 3.0 Samsung Pay Suporte a módulos Moto Snaps

Display

Resolução1080 x 1920 1080 x 1920 1080 x 1920
Tamanho5.5 polegadas 5.5 polegadas 5.5 polegadas
TecnologiaIPS Super AMOLED Super AMOLED
ProteçãoCorning Gorilla Glass 2.5D Corning Gorilla Glass 4 Corning Gorilla Glass 4

Câmera

Vídeos2160p 30 fps 1080p 30 fps 2160p 30 fps
Traseira16MP 13 16
Frontal8MP 5 5

Análise em vídeo

Design


Zenfone sobe de categoria com um visual premium

O Zenfone 3 representa uma notável evolução da linha. O novo aparelho traz um visual muito mais rebuscado, tirando o jeitão de "intermediário desengonçado" e o inserindo no segmento Premium com o uso de acabamentos metalizados nas laterais e de vidro na traseira com um efeito metalizado bastante sutil no estilo tradicional dos círculos concêntricos. A aparência do produto como um todo é muito bonita.

O Zenfone 3 sobe de categoria com seu design premium

A ergonomia é excelente, apesar de minhas restrições do uso do vidro na traseira, algo que deixa ele mais escorregadio e sempre há a preocupação com eventuais avarias em tombos. Felizmente foi aplicada uma camada oleofóbica na traseira, o que minimiza as famigeradas marcas de dedos e evitando que ele se torne excessivamente escorregadio. O que contribui muito ao encaixe da mão são as bordas arredondadas em acabamento fosco e com linha metálicas. Além de tornar a pegada mais confortável, elas também deixam o aparelho bastante seguro na mão.

- Continua após a publicidade -

A tela manteve o porte de 5,5" de seu antecessor, porém as bordas relativamente estreitas ajudam a não torná-lo grande demais. Pessoas com mãos grandes (meu caso) vão usá-lo com uma mão sem problemas. Mãos menores ou quem deseja um aparelho portátil podem considerá-lo um tanto grande. A tela segue com resolução 1080 x 1920, algo suficiente para entregar uma boa densidade de pixels em seu display de 5,5 polegadas. A novidade é o uso do Super IPS+, que resulta em cores mais intensas e com pouquíssima distorção, mesmo observando a tela de ângulos ruins. É possível definir a saturação de cores de forma avançada na interface, então qualquer usuário vai encontrar o seu balanço ideal.

Na parte traseira há um desnível onde fica a objetiva da câmera, que a deixa mais exposta. Felizmente não é uma protuberância excessiva e o uso de vidro com proteção safira traz mais segurança que não será riscada. Outro recurso, agora em uma pequena depressão, é o leitor de digitais. A área é ampla o bastante para uma leitura efetiva, e sua posição é de fácil adaptação por parte do usuário: não leva muito tempo para você aprender onde ele fica e já encaixar o indicador no lugar certo para realizar o destravamento do aparelho. O tempo para desbloqueio, por sinal, é praticamente instantâneo e raramente o leitor falha, sendo que só é preciso cuidar caso seu dedo estiver muito molhado. Nessa situação a leitura raramente acontece e, se insistir demais, vai acabar bloqueando o aparelho e forçando o uso de sua outra senha tradicional.

Performance e autonomia


Ágil e eficiente

Como se trata de um aparelho do segmento intermediário, os componentes utilizados tem algumas restrições. O SoC é o Qualcomm Snapdragon 625, um chip octa-core com performance intermediária, utilizado em rivais como o Moto Z Play e Moto G4, e é combinado com 3 ou 4GB de memória RAM, uma boa quantidade para uso com o Android.

Diferente dos resultados impressionantes do Zenfone 2, o Zenfone 3 está no mesmo patamar que rivais em performance

Aqui temos a principal "redução" em relação ao Zenfone 2. O antecessor vinha equipado com um Intel Atom e apresentava uma performance muito acima dos rivais em seu segmento de preço. Como Zenfone 3 equipado com Qualcomm (a Intel desistiu de disputar o mercado de smarpthones) ela agora está "na mesma balada" dos aparelhos rivais. Em comparação com o Zenfone 2, o Zenfone 3 tem um pouco menos de performance em gráfica (3DMark) e mais ou menos os mesmos scores em testes de performance geral (Antutu, Basemark e PCMark).

- Continua após a publicidade -

Trazendo a discussão para termos mais práticos, o Zenfone 3 é muito eficiente. Em nossos testes não houve momento nenhum em que o aparelho "congelou" ou transição entre apps aconteceu lentamente. O aparelho reagiu de forma instantânea a todos nossos comandos, com destaque para a alta quantidade de RAM (testamos o modelo com 4GB) que resultou em um excelente gerenciamento da memória. Nunca foi preciso fechar apps, e mesmo retomar aplicativos a muito tempo sem uso foi um processo rápido.

Com muita memória e bom processador, o Zenfone 3 voa de um app para outro

Se por um lado deixar os chips Intel fez com que o Zenfone deixasse de se destacar tanto em relação aos rivais quando o assunto é performance, por outro foi resolvido um ponto crítico dos chips Atom e por consequência todos os Zenfones que o utilizavam: a autonomia. O Zenfone 3 possui uma duração de bateria muito mais consistente que seu antecessor, segurando 15 horas sob uso intenso, ou seja, capaz de ficar o dia todo longe da tomada. Outra vantagem do aparelho é a possibilidade de ativar modos mais conservadores de energia, que podem esticar mais a duração da bateria. 

A autonomia é uma das maiores evoluções presentes no Zenfone 3

- Continua após a publicidade -

Câmera


Uma das melhores câmeras do segmento

O Zenfone 3 vem equipado com um sensor Sony IMX298, o mesmo presente em aparelhos como o Xiaomi Mi 5Huawei Mate 8, com um total de 16MP e pixels no tamanho de 1.12 μm. Ela opera com um conjunto de seis lentes Largan com abertura de f/2.0 e conta com estabilização digital e óptica. 

Boa luz


Zenfone 3, Galaxy A7 (2016) e Moto Z Play

Pouca luz


Zenfone 3, Galaxy A7 (2016) e Moto Z Play

Flash


Zenfone 3, Galaxy A7 (2016) e Moto Z Play

Um dos principais "trunfos" que a empresa taiwanesa equipou no Zenfone é o TriTech auto-focus, sistema de foco automático que promete realizar o foco em apenas 0.03 segundos, um período imperceptível. Esse sistema funciona escorado em três pilares: o uso do foco de detecção em fase e o foco laser, que são combinados para determinar o ponto ideal do foco,  e o auto-foco contínuo, que significa que o aparelho está constantemente se adaptando. Esse último recurso tem como objetivo manter o foco acertado mesmo durante um vídeo onde o movimento da câmera ou de um objeto demandam uma mudança na configuração do foco para garantir uma imagem nítida.

Em nossos testes com o foco do Zenfone 3 ele faz um serviço bastante competente nas fotos, com tempos de resposta baixos e bom resultados na maioria das situações. Enquanto nos preparamos para fazer a foto já é possível ver no display a câmera se preparando, trocando rapidamente o ajuste caso algo se mova. Quando o assunto é vídeos, porém, a respostas não foi tão imediata quanto gostaríamos, e em alguns momentos o foco simplesmente não acontece, e em vários momentos tivemos que marcar onde queríamos o foco para que ele acontecesse, especialmente quando a distância da câmera em relação ao objeto sendo filmado mudava excessivamente.

O auto-foco mostrou seu serviço nas fotos, com respostas muito rápidas, porém em vídeos o resultado foi ruim

Principalmente nos vídeos, a estabilização óptica e digital dão uma boa ajuda, enquanto que nas fotos é preciso ter um pouco de cuidado. O Zenfone 3 aumenta o tempo de exposição em cenas com iluminação ruim, trabalhando muitas vezes como o perigoso 1/30s de exposição. Isso significa que se você mover o smarpthone logo depois de apertar o botão, corre o risco de borrar toda sua foto, assim como caso algum objeto da foto esteja se movendo muito. Nessas situações é melhor não confiar no modo automático, e ficou faltando um modo pré-definido: o tradicional modo esporte. Se você quiser "congelar a ação", é preciso entrar no modo profissional e "setar" manualmente a exposição para um valor baixo. Aí é possível tirar boas fotos de cenas movimentadas, mas esteja preparado para efeitos punitivos da menos exposição, como cenas mais escuras e aumento da granulação da imagem:


Zenfone 3 em modo automático e com exposição definida em 1/250. O ISO subiu de 590 para 3200

Se você quer fotos mais ágeis, também é bom ficar de olho no modo HDR: o Zenfone consegue utilizar a grande profundidade de campo de forma muito ágil, e o resultado é muito positivo inclusive nas cores, porém se você quer ganhar agilidade na foto, melhor desabilitá-lo. Por padrão o modo automático usa bastante esse recurso.

Para quem não está contente com o modo automático, a Asus foi fundo na criação de modos pré-definidos para diversas situações. Assim temos vídeos em câmera lenta, time-lapses, fotos com movimento, fotos noturna, selfies, criação de GIFs... a biblioteca é bem completa e já abre muitas possibilidades para um usuário (mesmo sem muita experiência) criara algo legal. Para quem manja mais de fotografia também há um modo manual, pronto para ser usado por quem quer forçar uma exposição mais curta, mexer no ISO, entre outras configurações. A abertura, infelizmente, como acontece em todo celular, é fixa, mas até para quem quer uma profundidade de campo menor (o popular "fundo desfocado") há um modo automatizado com bons resultados. Outro destaque é a "superresolução", que aumenta o tempo de captura da imagem para gerar uma imagem com uma definição superior, sendo uma boa pedida para cenas sem muito movimento.

Diferenciais


Asus segue apostando pesado em funcionalidades e interface diferenciada

A Asus é uma empresa que aposta bastante na alteração do sistema Android, buscando entregar mais funcionalidades e também uma interface mais atraente e intuitiva. Para quem detesta que "mexam no Android", precisa ficar ciente que a linha Zenfone está entre as que mais alteram o visual e trazem apps pré-embarcados. 

O Zenfone 3, assim como outros modelos da linha, é um dos aparelhos que vem mais cheio de aplicativos já instalados de fábrica. O Zenfone 3 já chega com Facebook, Facebook Mesenger, Amazon Kindle, BeautyPlus, navegador Puffin, Trip Advisor, Do It Later, os games SimCity e Need for Speed No Limits instalado. Além deles, há aplicativos próprios para mensagens (ZenTalk), Meterologia, Medidor Laser (usa o sensor laser para estimar uma distância), PhotoCollage (montagens com fotos), ShareLink (app para agilizar compartilhamento de arquivos entre smartphones) ZenCircle (um Instagram da Asus?)... bom, a lista vai longe!

Alguns apps embarcados até trazem recursos úteis, outros são totalmente desnecessários. Quem não "for com a cara" de algum deles, dá para desinstalar a maioria ou, em alguns casos, é possível ao menos desabilitá-los, o que apaga os dados instalados e também faz com que desapareçam da relação de aplicativos disponíveis.

Falando da interface em si, a Asus aposta bastante no uso de cores e botões amplos com imagens intuitivas, o que torna mais fácil, especialmente para um leigo. A barra de status no topo tem ícones bastante amplos para habilitar e desabilitar sensores, incluindo botões bem úteis como lanterna, além de um aplicativo Temas facilitar a mudança do visual. É uma interface que pode gerar um estranhamento em que está acostumado com o Android em outras fabricantes, mas que não compromete a experiência e inclusive conta com algumas sacadas e adições interessantes.

O Zenfone 3 sobe a categoria da linha, que antes se situava nos intermediários "custo x benefício" para partir para o segmento "intermediário com cara de premium". Como acontece em todo aparelho desse segmento, é preciso balancear suas características para entregar um excelente smartphone sem comprometer o preço final.

O novo aparelho traz um design notavelmente mais atraente comparado a geração anterior, colocando ele na disputa entre os mais bonitos aparelhos Android dessa faixa de preço. Outro front onde a Asus investiu bastante foi na câmera: ela é bastante ágil e apresenta resultados que estão entre os melhores disponíveis dentro desse segmento. Um ponto bastante importante foi a evolução na autonomia: a fama de uma bateria ruim, resultado do uso de chips Intel, deve ficar para trás com o uso dos mais eficientes SoCs Qualcomm.

Por conta de seu foco em ser um aparelho com preço atraente, ele tem suas restrições. Apesar de excelente, a câmera não rivaliza com as topo de linha do mundo Android, assim como sua performance não figura no topo de nossos gráficos de desempenho. Ainda assim, as restrições como usar um processador do segmento intermediário ou uma tela que não está entre as de maior definição do mercado, o Zenfone 3 fez "economias" em níveis bastante aceitáveis, entregando uma excelente experiência final de uso, mérito de acertos como as boas cores da tela e de não economizar em aspectos que comprometem o aparelho, como colcoar pouca memória interna e RAM, por exemplo.

- Zenfone 3 de 5,2", 3GB de RAM, 32GB de armazenamento = R$ 1.499
- Zenfone 3 de 5,5", 4GB de RAM e 64GB de armazenamento = R$ 1.799

O Zenfone 3 traz altíssima relação entre custo e benefício, sendo um dos melhores Androids disponíveis no mercado

Existem modelos mais baratos que já são capazes de entregar uma experiência satisfatória com o Android, como o Moto G4 na casa dos R$ 1 mil ou o Quantum Fly em torno de R$ 1.3 mil. Porém, se o consumidor está interessado em desembolsar um pouco mais, as evoluções como a câmera e o design do Zenfone 3 tornam ele a melhor pedida desse novo segmento de "intermediários com cara de premium", e com certeza vai compensar o investimento adicional.

Conclusão

 

Avaliação: Zenfone 3 5.5"

Design
9.5
Câmera
9
Desempenho
9
Autonomia
9
Recursos
9
Preço
9

PRÓS
Design premium
Câmera com foco ágil e estabilização ótica
Sensor de digitais eficiente
ZenUI 3.0 tem adições e interface interessante
Boa performance
Ergonomia confortável
Preço muito competitivo
CONTRAS
Android bastante modificado
Foco ineficiente em vídeos
Traseira em vidro fica com as famigeradas marcas de dedos
Tags
  • Redator: Diego Kerber

    Diego Kerber

    Formado em Jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Diego Kerber é aficionado por tecnologia desde os oito anos, quando ganhou seu primeiro computador, um 486 DX2. Fã de jogos, especialmente os de estratégia, Diego atua no Adrenaline desde 2010 desenvolvendo artigos e vídeo para o site e canal do YouTube

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.