ANÁLISE: WCG divulga informações de competição 2009

Entrando na mente de um criador de games

Numa era de grandes produções milionárias criadas por centenas de pessoas, onde o nome de gigantescas empresas como EA, Ubisoft e Activision tomam conta das caixas dos jogos, pode ser difícil de compreender o que os escritores ou os diretores de determinados jogos pretendiam com suas obras. É raro um gamer parar e conhecer quem foi o responsável pelo roteiro do último "Call of Duty" ou quem dirigiu o mais recente "Assassin's Creed".

Ainda mais difícil é muitos de nós, e eu me incluo aqui, pararmos para tentar entender o que o autor pretendia passar com sua criação, ou o que ele estava passando na vida pessoal, e o quanto isso influenciou o que é apresentado no game. Claro, há exceções onde quase todo mundo conhece o responsável por uma grande produção, como é o caso de Ken Levine com "BioShock" ou Hideo Kojima com "Metal Gear Solid". Só que, na maioria das grandes produções, isso não acontece

Mas por que eu falei tanta coisa nada a ver numa análise que claramente é de um game indie chamado "The Beginner's Guide"? Simplesmente porque a mais nova criação de Davey Wreden (responsável por "The Stanley Parable") fala sobre o processo de criação de jogos, sobre as inseguranças que um desenvolvedor tem e o quanto isso tudo reflete no conteúdo do game.


Um toque pessoal

"Olá, meu nome é Davey Wreden, eu escrevi 'The Stanley Parable', e enquanto aquele jogo conta uma história bastante absurda, hoje eu vou lhe contar sobre uma série de eventos que aconteceram entre 2008 e 2011". Essa frase, narrada pelo próprio desenvolvedor, abre "The Beginner's Guide". Você dificilmente vai achar alguma experiência tão pessoal e, ao mesmo tempo, abrangente quanto essa.

ANÁLISE: The Stanley Parable

Wreden então conta a história de um amigo chamado Coda, que também é desenvolvedor de games – alguém que o teria inspirado bastante. Após isso, você é jogado num nível de "Counter-Strike", supostamente o primeiro trabalho de Coda. Depois de explicar o que essa fase significa para ele próprio e o que ela fala sobre Coda, Wreden te transporta para uma outra criação do amigo.

- Continua após a publicidade -

Logo se descobre que o último game de Coda foi criado em 2011, e que Davey Wreden tem, como objetivo em "The Beginner's Guide", criar uma compilação dos jogos dele para tentar atingi-lo, e fazê-lo começar a desenvolver de novo. Com tão pouco tempo de jogo, é possível perceber duas coisas: a primeira é que você apenas pode caminhar e interagir de maneira limitada com o ambiente, como acontece em "The Stanley Parable". Ou seja, não é um jogo para quem não liga para história e quer bastante ação.


Sobre a criação de jogos... e humanos

Se "The Stanley Parable" era um jogo sobre jogos, uma reflexão sobre as limitações que são impostas aos jogadores, "The Beginner's Guide" é um game sobre desenvolvimento de games, e sobre os desenvolvedores em si. Também é sobre o quanto somos todos humanos, temos todos sentimentos e preocupações, histórias por trás de nossas personalidades e situações pessoais que influenciam tudo que fazemos.

Você realmente entra na mente de Coda através de suas criações. Mas entra mais ainda na cabeça de Wreden, que conta de maneira explícita tudo que está sentindo e deixa muito mais detalhes de si do que de seu amigo pelo caminho. Afinal de contas, "The Beginner's Guide" é um jogo de Davey Wreden, falando sobre pequenos jogos de um amigo, mas que no final fala sobre a indústria de games e o processo de criação como um todo. É difícil encontrar um uso de metalinguagem mais poderoso do que esse.

Note que eu quase não falei sobre a história do jogo, ou do que acontece daqui para a frente. Eu posso adiantar que existe muitas ideias bem diferentes, muitos games experimentais e muita filosofia, que talvez mude o jeito que você encara a criação de jogos. Também há uma clara alteração no tom das produções de Coda, que refletem mudanças na sua vida pessoal.

A experiência toda durou cerca de 90 minutos, que eu considerei que valeram totalmente os R$ 15 que eu investi na compra do game na Steam. Eu terminei sem ter certeza se Coda é uma pessoa real, se é uma criação totalmente ficcional ou se é uma alegoria do próprio Wreden referindo a si mesmo o tempo todo. Mas isso não importa. A mensagem que o jogo passa segue a mesma, e me atinge da maneira igual, indiferente do caso.

- Continua após a publicidade -

"The Beginner's Guide" não é tão engraçado ou divertido quanto "The Stanley Parable". Em algumas momentos, Wreden traz o mesmo humor irônico que marca sua primeira produção, mas na maior parte do tempo ele está sério e procura tocar o jogador de uma maneira bem diferente. Por isso, eu diria que o público de Beginner's Guide acaba se encaixando num nicho ainda menor do que o do game anterior.

Fica restrito a jogadores interessados no processo de desenvolvimento de um game, especialmente no que toca a parte emocional do criador. Ou quem gosta de jogos experimentais, e quer conferir uma narrativa diferente de qualquer outra já produzida. Mas é preciso admitir que há certas semelhanças com "The Stanley Parable", especialmente em suas limitações. Se não cuidar, Wreden pode virar refém da mesma fórmula, que se tornaria batida. O que é uma pena, pois, em seus momentos mais poderosos, tanto "The Stanley Parble" quanto "The Beginner's Guide" mudaram para sempre a maneira como eu enxergo os games

Conclusão

 

Avaliação: WCG divulga informações de competição 2009

História
10
Jogabilidade
6
Gráficos
8
Áudio
10


PRÓS
Roteiro excepcional
Baita história apresentada de maneira muito pessoal
Experimenta no design de jogos
Ótima dublagem por parte de Wreden
CONTRAS
Ações dos jogadores são extremamente limitadas
Restringe ainda mais o público do que The Stanley Parable fazia
Assuntos
Tags
  • Redator: Carlos Felipe Estrella

    Carlos Felipe Estrella

    Apaixonado por games desde os 6 anos de idade, quando ganhou um Playstation, época em que também se divertia com o Super Nintendo dos outros. Em 2005 migrou para o PC, e aí começou a se interessar por tecnologia também. Apesar disso, nunca conseguiu largar a preferência por jogos de corrida e de esporte, principalmente os de futebol. Estuda jornalismo na Universidade Federal de Santa Catarina.

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.