ANÁLISE: Samsung Galaxy S6 edge

O Galaxy S6 chega ao mercado "na pressão". Com relatórios ruins e com vendas de seu antecessor abaixo do esperado, a Samsung traz este produto ao mercado com a missão de retomar a posição expressiva deste modelo que é uma das principais referências - se não a maior - entre os dispositivos Android.

Com um design totalmente remodelado, uso de novas tecnologias e componentes de ponta, o smartphone tem a missão de ser o flagship da empresa, o símbolo do que a empresa sul-coreana é capaz de fazer. Hora de destrinchar este aparelho e ver até onde ela conseguiu chegar!

Comparativo

Comparativo

Samsung Galaxy S6Samsung Galaxy S6 edgeApple iPhone 6 PlusApple iPhone 6

Preços

Preço no lançamentoR$ 1.900,00 R$ 3.599,00 R$ 1.900,00
Preço atualizadoR$ 1.900,00 R$ 3.499,00 R$ 1.900,00

Especificações

Armazenamento interno|4GB||8GB||32GB||64GB||128GB| |32GB||64GB| |16GB||64GB||128GB| |16GB||64GB||128GB|
Memória RAM3GB 3GB 1GB 1GB
Número de núcleos8 8 2 2
Portas de conexão|Micro-USB| |Micro-USB|
Sistema OperacionalAndroid 5.0 Android 5.0 iOS 8.0 iOS 8.0
Update disponível para o sistemaiOS 9.3 iOS 9.3
ProcessadorExynos 7420 Samsung Exynos 7420 Apple A8 Apple A8
Clock2.1 GHz2,1 GHz1.4 GHz1.4 GHz
GPUMali-T760MP8 ARM Mali-T760MP8 PowerVR GX6450 PowerVR GX6450
Bateria2550mAh mAh2.600 mAh mAh2915 mAh mAh Li-Po 1810 mAh mAh
Dimensões143.4 x 70.5 x 6.8mm mm142.1 x 70.1 x 7mm mm158,1 x 77,8 x 3,06 mm mm138.1 x 67 x 6.9 mm mm
Peso138g g132g g172 g g129 g g

Recursos

GPSSim Sim Sim Sim
Leitor de DigitalSim Sim Sim Sim
LTESim Sim Sim Sim
NFCSim Sim Sim Sim
Número de cartões SIM1 1 1 1
Tipo de cartão SIMNano SIM Nano SIM Nano SIM Nano SIM
Bluetooth4.1 4.1 4.0 v4.0
ExtrasCarregamento por indução e Quick Charger 3.0 Carregamento por indução e Fast Charge Coprocessador de movimento M8, Apple Pay Coprocessador de movimento M8, Apple Pay

Display

Resolução1440 x 2560 1440 x 2560 1080 x 1920 740 x 1334
Tamanho5.1 polegadas 5.1 polegadas 5.5 polegadas 4.7 polegadas
TecnologiaSuper AMOLED Super AMOLED IPS IPS
ProteçãoCorning Gorilla Glass 4 Corning Gorilla Glass 4 Vidro ionizado Vidro ionizado

Câmera

Vídeos2160p 30 fps 2160p 30 fps 1080p 60 fps 1080p 60 fps
Traseira16MP 16MP 8 MP 8 MP
Frontal5MP 5MP 1,2 MP 1.2 MP

Design
Indiscutivelmente um belo aparelho

Sem dúvidas é aqui que temos o ponto crítico do Galaxy S5, e também onde está a mais expressiva mudança. Enquanto o predecessor foi duramente criticado pelo uso do plástico e o design desinteressante, o Galaxy S6 edge tem entre seus principais atrativos a parte estética.

 

- Continua após a publicidade -

O plástico com o "acabamento estilo band-aid" deu lugar ao metal e ao vidro, um acabamento com uma estética bem mais próxima da que esperamos de um aparelho topo de linha, com encaixes precisos, materiais com excelente estética e, a soma de todas estas características, um gadget muito bonito.

Mesmo em um campo tão subjetivo e com espaço para opiniões divergentes, é tranquilo dizer que o Galaxy S6 edge é um belo smartphone

 

Com estilo bastante "brilhante", resultado do uso do metal e do vidro, ao mesmo tempo que traz uma estética rebuscada e chamativa, o Galaxy S6 traz dois efeitos colaterais. O primeiro são as famigeradas marcas de dedo, comum em acabamentos deste estilo e que impiedosamente maltratam o excelente visual do aparelho. O segundo efeito é a empunhadura: o acabamento em vidro é liso, resultando em uma ergonomia "menos firme" que outros aparelhos que optaram por carcaças em materiais rugosos ou com alguma textura. Felizmente as laterais em metal, sem o vidro recobrindo, garantem alguma estabilidade na pegada do S6.

Como o modelo de nossa análise é o Galaxy S6 edge, temos aqui o grande diferencial no design dos novos Galaxys: a tela com acabamento curvado nas laterais. Em um mercado em que tem sido um desafio fazer algo novo, as bordas do edge entregam um design diferente - e ajudam a contrabalancear a "pegação no pé" em outras partes do aparelho. Enquanto na parte prática este recurso traz poucas adições - como discutimos mais abaixo na análise - a diferença na estética é indiscutível, com um efeito muito bonito nas bordas. Com pouco espaço restante para os botões, eles ficaram bastante finos mas, felizmente, ainda são totalmente funcionais e estão bem encaixados.

Além da curvatura, a tela ganhou outros upgrades, como a resolução QuadHD (2560 x 1440), colocando este aparelho em par com os rivais Android. Como é um hábito da Samsung, o display Super AMOLED traz cores bastante vivas, valorizando muito fotos e multimídias. Esta saturação bastante pronunciada pode não ser a ideal para o uso cotidiano constante, e nestes casos é possível fazer ajustes nas configurações. Uma pena a Samsung não ter dado mais liberadade ao usuário de encontrar o ponto ideal, deixando apenas quatro padrões pré-definidos de cor e contraste.

O S6 conta com uma tela com excelentes cores, contrastes e alta resolução

 

Performance e autonomia
O mais potente aparelho (até ficar se bateria)

Incorporando o novo processador Exynos com oito núcleos e a tecnologia de memória LPDDR4, o S6 não decepciona quem está buscando alto desempenho. Em muitos de nossos testes, o Galaxy S6 cravou novos recordes, e está na espera a chegada de um modelo com Snapdragon 810 por aqui para "bater corrida".

- Continua após a publicidade -

Tanto nos testes mais abrangentes, como o Antutu e o Basemark, quanto no benchmark focado em performance gráfica do 3DMark, a performance do Exynos 7420 cravou o topo de nosso comparativo.

Na experiência de uso, porém, as respostas não são tão rápidas quanto gostaríamos. Há um lag perceptível entre clicar em uma ação e ver sua execução. Outro problema agrava esta situação: algumas animações poderiam ser mais rápidas e assim transmitir uma impressão de maior agilidade ao aparelho. O lento deslizar de algumas interações, como abrir o menu de aplicativos, dão a sensação de lentidão ao sistema que, na verdade, está totalmente fluído.

O maior retrocesso do Galaxy S6 não tem nada a ver com a ausência da expansão via cartões ou mesmo o fim da resistência à água. Com o foco em um design fino e leve, a Samsung equipou este modelo com uma bateria de 2.600 mAh, que precisa lidar com seu potente SoC de oito núcleos e sua tela de alta resolução, e o resultado não é empolgante nos benchmarks abaixo.

A duração de bateria é o grande retrocesso do Galaxy S6

 

 

- Continua após a publicidade -

Na experiência de uso essa impressão se repete. O Galaxy S6 fica abaixo de concorrentes do segmento topo de linha Android que, junto com as excelentes câmeras, tinham entre seus argumentos de venda ótima duração de baterias. A autonomia do Galaxy S6 edge não dá segurança de que você terá celular até o fim do dia, se ficar mantendo 4G e muitos sensores ativos ao longo do dia. Em 11 horas, neste consumo mais intenso, a tela apagou para nunca mais ligar - ao menos, até ver uma tomada. 

Alto consumo (esquerda) e baixo consumo (meio)

Maneirando no uso, ficando só no WiFi e mantendo ativo o modo economia de energia de forma constante, a experiência foi melhor. Cheguei ao fim do dia com pouco mais de 20% de carga, algo que obviamente indica que não vale a tentativa de usar mais um dia sem recarregar.

Câmera
Uma das melhores câmeras disponíveis no mercado

A Samsung fez importantes atualizações na câmera do S6. Apesar da resolução ter continuado nos 16MP de resolução (mas isto não é tudo que importa em uma câmera), o Galaxy S6 edge conta com estabilização óptica, algo que melhora a estabilidade dos vídeos e ajuda a evitar fotos borradas. Outra mudança importante é a abertura de f 1.9, que possibilita a entrada de mais luz no sensor, fator importante para melhorar fotos em condições de luz ruim como a noite ou locais mal-iluminados.

Boa condição de luz


Galaxy S6 edge, iPhone 6 Plus e Moto Maxx

Péssima condição de luz


Galaxy S6 edge, iPhone 6 Plus e Moto Maxx

Flash


Galaxy S6 edge, iPhone 6 Plus e Moto Maxx


 

Enquanto não chega a nova atualização que possibilitará os ajustes manuais e fotos sem compressão (formato RAW), o Galaxy está restrito aos modos automatizados disponíveis na câmera. O modo "Pro" já possibilita alguns ajustes ao usuário, enquanto outros modos possibilitam fazer vídeos em câmera lenta, ajustes voltados para "fotos de comida", "embelezamento" e outras situações pré-determinadas que podem ser baixadas em uma loja embarcada.

O tempo de resposta da câmera é ótimo. Duas batidas no botão central abrem o app de fotografia em pouco mais de dois segundos, e as fotos são praticamente instantâneas. Com exceção de algum erro de foco eventual, as fotos ficam ótimas com um tempo bastante curto. Vídeos acompanham a qualidade das fotos, e há a possibilidade de gravar vídeos em alta velocidade (120 quadros por segundo) ou alta resolução (4K).

Os modos automatizados do Galaxy S6 se saem bem. Em situações de baixa luminosidade, aumenta a exposição e consegue capturar detalhes das partes mais escuras da cena - se ninguém se mexer e borrar tudo, é claro. 

Câmera frontal

 

 A câmera frontal também ganhou um reforço para encarar a "Era das Selfies". Com 5MP e com maior abertura para luz, as fotos tem uma boa qualidade, inclusive em condições ruins de luz. Novamente, o cuidado é com a eventual longa exposição. Se você se mexer, o resultado pode não ser o que você busca.


Recursos adicionais
Samsung acerta a mão (e também maneira) em suas mexidas

Não é só no design que a sul-coreana precisa lidar com críticas. Suas intervenções no sistema nem sempre são bem-vindas, especialmente por lotarem o armazenamento do smartphone, adicionarem funções sem sentido ou pouco efetivas. O Galaxy S6 e S6 edge parecem ter dado uma maneirada no quanto interviu.

No armazenamento, com nada instalado, o smartphone ocupa 9GB, algo que não será um problema já que a versão mais básica deste aparelho chega com 32GB disponíveis de memória interna. Os apps embarcados também não estão em exagero: alguns apps da Microsoft como o OneDrive e o Skype, outras aplicações praticamente indispensáveis como o Whatsapp, Instagram e o Messenger do Facebook fazem parte dos aplicativos já instalados no aparelho.Todos eles são úteis e fazem parte de do repertório básico da maioria dos usuários de smartphones. Da própria Samsung, temos coisas pontuais com o S Health, para o monitoramento de seus exercícios.

A Samsung manteve sensores adicionais em seu aparelho. A biometria da digital recebeu melhorias massivas, se comparado ao que vimos no Galaxy Note 4. Não é mais necessário "deslizar o dedo" para o reconhecimento de sua digital, basta mantê-lo em cima do botão para que a leitura aconteça. Isto torna essa função muito mais rápida e, graças ao alto nível de acerto, muito bem-vinda para quem quer substituir senhas ou padrões de swype como forma de proteger seu aparelho.

Análise: Samsung Galaxy Note 4

O sensor de digitais no Galaxy S6 se tornou em um recurso realmente útil

 

Outro sensor mantido foi o de batimentos. Aqui a coisa muda de figura: ele ainda é trabalhoso de ser usado. Você precisa posicionar seu indicador no sensor, localizado logo abaixo do flash, e aguardar a leitura. Qualquer movimento de sua parte faz a leitura falhar, e é raro você conseguir uma leitura em sua primeira tentativa. A precisão deste tipo de sensor é também algo questionável, logo o usuário deve usar este recurso apenas para "gameficar" suas atividades físicas, e não tomar como uma referência séria de sua atual condição de saúde. 

O Samsung Pay, recurso de pagamento que utiliza tecnologias como o NFC para realizar transações como smartphone, e opera em cooperação com Visa e Mastercard. A solução veio ao Brasil também com o lançamento do smartphone por aqui e, apesar de não possuir uma projeção, a Samsung está otimista com a adoção da tecnologia em nosso país.

As mudanças na estética do sistema são interessantes. Seguindo a "vibe" do Android 5.0, a Samsung deixou as tela de seu sistema mais "arejadas", com menos botões ou menus nas interfaces. Cores vivas também ajudam a dividir apps de contatos dos de multimídias, por exemplo. 

A Samsung enfim conseguiu cumprir uma expectativa acerca de seu topo de linha: entregar um smartphone com design premium. O S6 e S6 edge tem um visual que remete a jóias, com seu acabamento brilhante e uso de peças metálicas muito bem encaixadas. Este é o mais belo smarpthone já fabricado pela sul-coreana.

Porém há alguns deslizes. A decisão de fazê-lo tão fino e leve trouxe um impacto negativo em sua bateria, que não apresenta a autonomia que gostaríamos de um aparelho deste custo e que, apesar de conseguir colocar alguma vantagem sobre o iPhone, fica bem para trás de outros concorrentes do mundo Android. Apesar de ditar muito da indústria, é melhor não usar a Apple como referência, quando o assunto é duração de bateria. Os lags na abertura e alternância entre apps também incomodam, principalmente porque, baseados em benchmarks e na performance em games, sabemos que o desempenho está ali, só está mal otimizado.

A tela curva prova seu valor na parte estética, mas na hora da utilidade ela tem pouco a oferecer. As suas funções adicionais são bastante pontuais, e dificilmente justificarão o custo de 500 reais a mais em seu preço sugerido comparado ao Galaxy S6 tradicional, que possui as mesmas tecnologias e vem aparecendo por preços mais competitivos, em alguns casos até mil reais mais barato.

Tirando o apelo estético, a tela curva dificilmente justifica o investimento adicional para comprar o edge

Combinado com sua ágil e excelente câmera, o design caprichado do Galaxy S6 edge tem potencial para agradar ao público que quer muito refinamento em seu gadget. É também o público que muito possivelmente irá ser capaz de encarar seu nada moderado preço de R$ 3.799, tornando este em um daqueles aparelhos que, se você for tentar calcular a relação entre custo e benefício, sua calculadora explode.

O Galaxy S6 edge é um smartphone para quem quer refinamento em seu gadget. Com uma excelente câmera, ficou nos devendo mais autonomia frente a outros concorrentes Android

 

Conclusão

 

Avaliação: Samsung Galaxy S6 edge

Design
10
Performance
9.5
Autonomia
7.0
Funcionalidades
9.5
Câmera
10
Preço
4.0

 

PRÓS
Belíssimo design
Inovação com a tela curva
Fino e leve
Adicionais interessantes ao sistema e maneiradas nas mexidas
Câmera ágil e excelente
Display de alta resolução e com cores vivas
Sensor de digital eficiente
CONTRAS
Autonomia abaixo de concorrentes
Lag e animações lentas na alternância entre apps
Funcionalidades da tela curva pouco úteis
Adeus resistência à água e expansão com cartão microSD
Tags
  • Redator: Diego Kerber

    Diego Kerber

    Formado em Jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Diego Kerber é aficionado por tecnologia desde os oito anos, quando ganhou seu primeiro computador, um 486 DX2. Fã de jogos, especialmente os de estratégia, Diego atua no Adrenaline desde 2010 desenvolvendo artigos e vídeo para o site e canal do YouTube

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.