ANÁLISE: Avell G1745 Max

O Avell G1745 é um notebook gamer equipado com os chips gráficos mais potentes da Nvidia, os GTX 970M e 980M. Apesar de sua tela de 17 polegadas e seu hardware de alto desempenho, o notebook possui um perfil fino considerando sua categoria, e tem entre seus destaques um design melhor acabado com uso de acabamento em aço escovado.

Recebemos para testes a versão deste notebook com a GPU GTX 980M, o que nos dá a oportunidade de conferir o desempenho do chip gráfico de mais alta performance da Nvidia, e como o notebook da Avell é capaz de lidar com o aquecimento deste componente em um espaço mais restrito.


Especificações técnicas


Tamanho: 41.7 x 28.70 x 2.99 cm
Peso: 3.1 Kg
Processador: Intel Core i7-4710HQ (2.50GHz), 6MB Cache
Memória - 4 SODIMM Slots DDR3 Expansível até 32 GB
Tela: 17.3” Full HD 16:9 Wide screen (1920x1080p) LED-Backlit Display
4 células Smart Lithium-Ion
Leitor biométrico

- Continua após a publicidade -

Garantia - Garantia de 3 anos para peças e mão de obra. (Bateria: 1 ano)

Hard Disk (HD)
- 2 Slots com suporte para HD 7mm/9.5mm, 2.5" - SATA HDD (RAID 0/1)
- Suporte mSATA
- Suporte para SSD
- Suporte para SSHD

Áudio
- High Definition Audio Interface
- Entrada de Microfone
- 2 Alto-Falantes 2W
- Sound Blaster X-FI MB3
- Tecnologia ANSP 3D
- Saída S/PDIF digital
- External 5.1CH audio externo suportado para headphone, microphone, S/PDIF e Line-in jack

Entradas/Saídas
- USB 3.0 x 3 (1 powered USB, AC/DC)
- eSATA x 1 (USB 3.0  combo)
- Entrada de microfone x 1
- Saída de fone de ouvido x 1
- RJ-45 x 1 (LAN)
- HDMI x 1 (com HDCP)
- Mini DisplayPort 1.2 x 2
- S/PDIF Jack x 1
- Leitor de cartão 6 em 1 - (MMC/RSMMC/SD/Mini‐SD/SDHC/SDXC)

Design

A Avell não desenvolve projetos próprios, importando as carcaças que compõem seus modelos. O G1745 é um dos aparelhos com o design mais interessante que já vimos, por parte da empresa: com linhas discretas, ele usa ótimos materiais, como aço escovado, e dentro do possível entrega um perfil fino, com apenas 3 centímetros de altura - tamanho que não é algo impressionante no mundo dos Ultrabooks, mas que não é nada mal para um notebook gamer de alta performance.

O  Avell G1745 Max tem um dos designs mais interessantes entre os modelos da Avell

 

O notebok traz duas características complicadas de serem unidas: perfil fino e alto desempenho. Aqui, a portabilidade perdeu destaque em nome de mais performance. Diferente de modelos que realmente ficaram mais finos e leves, como o GS70 Stealth, a Avell não aliviou nos componentes (a MSI equipou o Stealth com um mais ponderado chip GTX 860M) o que resultou em um aparelho não muito leve, com mais de 3 quilos.

 

A tela com 17" e resolução FullHD (1920 x 1080), o notebook traz boas imagens, com cores, contrastes e ângulos de visão regulares. Com um acabamento do tipo antirreflexo, é uma boa pedida para quem irá utilizá-lo em locais muito iluminados, reduzindo o incômodo de brilhos refletidos na tela.

- Continua após a publicidade -

Por conta de seu formato menor, uma importante mudança acontece no chip gráfico. Enquanto em modelos maiores, como o G1513 Max SE a placa de vídeo vem no padrão MXM, o espaço mais restrito do G1545 Max vez com que o chip gráfico fosse soldado diretamente na placa-mãe, o que dificulta o upgrade da placa de vídeo. Mesmo em modelos com placas MXM esta opção já não é muito explorada, aqui ela fica inviável. Considerando a boa performance da GPU, este problema acaba sendo minimizado, já que conseguirá segurar por mais tempo um desempenho suficiente para games antes de ficar defasado.

Fino, mas para os padrões do mundo gamer 

Desempenho e aquecimento 

Como já mencionamos, a Avell não pegou leve e mandou ver nos componentes, o que gera uma expectativa por alto desempenho. Nosso modelo vem equipado com o chip GTX 980M (que aumenta o custo em torno de mil reais, em relação ao modelo básico com a GTX 970M). O chip que equipa o modelo inicial, o GTX 970M, é o mesmo presente no G1513 Max SE, então o desempenho deve ser semelhante, para quem quer ter uma noção da diferença que representa o upgrade para o chip mais potente.

 

 

Na hora dos games, o G1754 não decepciona. Sozinho, o chip GTX 980M desbanca dois chips GTX 680M operando em conjunto. Colocamos também placas para computadores de mesa para ajudar a situar em que patamar de performance estes chips estão, afinal a promessa da Nvidia é encurtar a distância entre os notebooks e os computadores de mesa. Apesar de haver um longo caminho entre um GTX 980 e um 980M, é interessante ver que o chip de notebooks já é capaz de desbancar placas de bom desempenho, como a R9 280X e, nos momentos que a memória vira um gargalo, deixa a GTX 960 "comendo poeira".

A performance do chip GTX 980M se insere entre uma placa para computador GTX 770 e uma GTX 970

- Continua após a publicidade -

Em termos de aquecimento e ruído, o Avell não se saiu mal, principalmente considerando os componentes de alto desempenho utilizados. Com uma ventoinha dedicada ao processador e mais duas só para o chip gráfico, o sistema de resfriamento do G1745 manteve a temperatura com um pico de 79ºC na GPU, algo que pode parecer alto para os padrões de placas de vídeo de computadores de mesa mas que é bom para um chip de alta performance em um espaço tão restrito como o de um notebook. O ruído também não fugiu no controle, com um máximo de 45 dB no momento em que a fan operou de forma mais intensa, rodando o teste Fire Strike do 3DMark.

Duas ventoinhas são dedicadas ao chip gráfico

Por conta da carcaça em metal, houve uma dissipação de calor pela estrutura do notebook, porém as temperaturas não chegaram a níveis excessivamente altos em pontos críticos como o apoio para os pulsos. Ainda assim, não é um aparelho para se usar no colo quando jogando ou realizando atividades que demandem alta performance. 

O topo de linha da Nvidia não decepcionou. Ainda não dá para querer um desempenho equlibrado entre uma GTX 980 em suas versões para notebook e para desktop, e as limitações térmicas possivelmente farão com que este dia nunca chegue. Ainda assim, analisando apenas do ponto de vista da performance que entrega, um dono de um notebook com uma GTX 980M não tem o que reclamar.

O Avell G1754 Max foi capaz de rodar sem dificuldades games na resolução FullHD e configurações ajustadas no mais alto possível, e mesmo games extremamente exigentes como Metro Last Light foram capazes de rodar com uma boa média e com todos os recursos de física ativados. O notebook também está à salvo do gargalo das memórias, que promete ser uma dor de cabeça para os gamers PC em breve: a quantidade de memória dedicada em placas de vídeo. Seus 4GB são mais que o suficientes para jogar em FullHD, e só se tornarão gargalo em resolução superiores, como o 4K, e em games com texturas de altíssima definição. Nestes casos, as memórias não farão tanta diferença: o próprio chip gráfico não conseguiria manter a performance nesta situação mais exigente, de qualquer forma.

Subir de uma GTX 970M para uma 980M não é uma boa escolha em termos de custo vs benefício

 

Um ponto interessante de se observar é a diferença entre o G1513 Max SE e este modelo testado. Na disputa GTX 980M vs GTX 970M, os mais de mil reais a mais que este upgrade custa não trazem um resultado tão eficiente: enquanto no Fire Strike o salto foi de 30%, na maior parte das situações temos modestos ganhos de 8 a 15%, algo que torna o custo vs benefício de um chip GTX 970M muito superior.

Considerando os componentes, o custo de R$ 6.500 não está fora da realidade deste mercado de alto desempenho, e tem ampla vantagem sobre marcas que trabalham mais com designs diferenciados e outros recursos, como a Asus e a MSI. O modelo que testamos, com a GTX 980M, chega na casa dos R$ 7.500 e, como já mencionamos, não é a melhor opção quando pensamos na diferença em custo e performance.

Enquanto outros modelos da empresa não costumam se destacar neste aspecto, não temos o que reclamar do visual do G1745. Suas linhas são arrojadas e o acabamento em aço escovado dá um ótimo visual para o notebook, sem torná-lo excessivamente indiscreto como acontece com outros produtos voltados ao público gamer. O design é muito eficiente, com um bom teclado retroiluminado e um touchpad com boa área útil, enquanto o grande ponto positivo é a excelente quantidade de conexões. 

O Avell G1754 Max é uma ótima opção para quem busca um notebook gamer com alguma portabilidade, mas nada que o impeça de ter a máxima performance possível

  

Apesar do esforço, este modelo não fugiu da cina dos notebooks de alto desempenho: seu tamanho e peso. Considerando seu perfil de hardware, o G1745 Max não se sai mal, mas ainda é um aparelho pesado e pouco prático para ser carregado no cotidiano. Ainda assim, está entre as melhores opções para quem quer um notebook gamer que não abra mão do máximo de performance possível, sendo mais compacto "na medida do possível". Para os mais ponderados, que não se incomodam em desativar algum filtro aqui ou ali, haverá opções mais leves como o GS70 Stealth ou, se possível abrir mão da tela de 17" por uma menor com 15", optar por modelos como o Avell G1545 Max e o GE60 Apache.

Conclusão

 

Avaliação: Avell G1745 Max

Design
9.0
Multimídia
8.0
Performance
10
Autonomia
8.0
Preço
8.0

 

Testes sintéticos

Cinebench
Abrimos nossa série com testes "sintéticos" do sistema, mostrando com notebook lida com diversas atividades. Para começar, utilizamos o CineBench, uma ferramenta de benchmark que mede a capacidade do sistema (processador e placa de vídeo) em lidar com a API OpenGL, importante para quem deseja usar aplicações profissionais que trabalham neste padrão.

WinRAR
Com o programa de compactação de arquivos, temos um ótimo teste para a capacidade de atuação do processador, a peça de hardware mais demandada por este aplicativo.

PCMark 8
Começamos a segunda parte de testes sintéticos com o PCMark 8, software que verifica o desempenho geral do sistema em uma série de atividades como rodar vídeos e converter arquivos.

3DMark
Hora de colocar as GPUs para esquentar com o software da Futuremark. Nesta bateria de três testes temos vários recursos pesados rodando e vendo como a placa se comporta, desde as animações mais simples até renderização de elementos complexos, como fumaça e tesselação.

PCMark 8 - Autonomia
Rodamos o software PCMark 8 no modo Office, com o notebook em modo de economia de energia e com pouco brilho na tela, para tentar verificar o "máximo" que dá para tirar da bateria do aparelho.

Adobe Photoshop CS5
Aplicamos o filtro Extrude, em uma imagem com resolução 5182x9754 e 4.5GB, para verificar o tempo que o notebook leva para aplicar este efeito.

HD Tune
Neste benchmark verificamos a velocidade de operação do dispositivo de armazenamento presente no aparelho. Este componente é importante principalmente nos tempos de resposta do notebook, como velocidade para abrir programas, arquivos ou ligar o sistema, sendo assim uma parte importante da experiência como gadget.

Testes com games 

Metro: Last Light

Nosso primeiro benchmark em games é o exigente Metro: Last Light. Ele está entre os jogos que mais demandam do hardware, junto com franquias como Battlefield 4. Nossa opção por Metro tem dois motivos: a existência de uma ferramenta de benchmark e a possibilidade de ativar tecnologias proprietária da Nvidia, como o PhysX.

O teste foi executado com a ferramenta própria de benchmark de Metro: Last Light. Para recriar os testes, você pode baixar a configuração neste link.

Bioshock Infinite

O game "BioShock Infinte" é um grande sucesso de crítica (inclusive aqui no Adrenaline) desenvolvido pela 2K Games. Para os testes com o este jogo utilizamos a ferramenta "Adrenaline Action Benchmark Tool"

 

Para fazer estes testes em seu computador/notebook, é preciso possuir o jogo e baixar o Adrenaline Action Benchmark ToolAs filas de testes rodados estão disponíveis em duas resoluções, de acordo com a tela do notebook: 1366x768 e em modelos que suportam o FullHD.

Tomb Raider

O game marca o reboot da histórica franquia de Lara Croft, desenvolvido pela Crystal Dynamics com sua engine própria, a Crystal Dynamics Engine. Este game tem apoio da AMD, e inclusive contém recursos exclusivos voltados aos chips da empresa. Para os testes com o este jogo, utilizamos a ferramenta "Adrenaline Action Benchmark Tool".

 

 

Para fazer estes testes em seu computador/notebook, é preciso possuir o jogo e baixar o Adrenaline Action Benchmark ToolAs filas de testes rodados estão disponíveis em duas resoluções, de acordo com a tela do notebook: 1366x768 e em modelos que suportam o FullHD.

Middle Earth: Shadow of Mordor

Rodamos também o recente Middle Earth: Shadow of Mordor, game já com "um pé" na nova geração de consoles e que já é mais exigente com o hardware. Não aliviamos por aqui, rodando com as texturas no Ultra e todas as configurações "no talo". Por falta de outros notebooks no comparativo, colocamos o notebook junto com placas de desktop, para dar uma perspectiva de performance.

PRÓS
Perfil fino
Visual caprichado
Bom teclado e touchpad
Tela de boa qualidade e do tipo antirreflexo
Alta performance
Boa quantidade de conexões
CONTRAS
GPU fora do padrão MXM
Aquecimento
Pesado
Tags
  • Redator: Diego Kerber

    Diego Kerber

    Formado em Jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Diego Kerber é aficionado por tecnologia desde os oito anos, quando ganhou seu primeiro computador, um 486 DX2. Fã de jogos, especialmente os de estratégia, Diego atua no Adrenaline desde 2010 desenvolvendo artigos e vídeo para o site e canal do YouTube

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.