ANÁLISE: MSI GeForce GTX 960 Gaming 2G

Com a introdução da arquitetura Maxwell nos modelos topo de linha, com as placas GTX 980 e 970, a Nvidia ficou devendo sua nova tecnologia em apenas um segmento de preço: as placas com final 60. Pois enfim a nossa espera terminou, com o anúncio da GeForce GTX 960, baseada no novo chip GM206.

Há um bom motivo para os consumidores ficarem de olho nesta placa. Este modelo se insere no que a própria Nvidia classifica como "sweet spot", expressão sem equivalente para nós brasileiros mas que podemos adaptar para um "ponto ideal". Esta placa promete o melhor balanço entre performance e preço de toda a família GeForce e, ao longo dos anos, com modelos como a GTX 560 e a 660 entre os mais populares segundo dados do Steam, este vem se provando o segmento de maior interesse dos gamers.

O "sonho de consumo" da Nvidia é convencer os jogadores com placas beirando os dois anos de uso - caso da GTX 660 - a trocar para este novo modelo. Para tanto, a Nvidia promete um ganho de performance de 1.4 vezes sobre o chip da GTX 660, o GK106, e uma performance 2 vezes superior por watt consumido, através da introdução do novo chip GM206.

Conheça as novas tecnologias da arquitetura Maxwell


O chip GM206
O lançamento da GeForce GTX 960 é também o lançamento de um novo chip da Nvidia, o GM206. Ele é o sucessor do GK106 introduzido pela GeForce GTX 660, e traz como principal destaque o uso da nova arquitetura Maxwell, contando com todas as principais tecnologias e recursos presentes nos modelos topo de linha, como o suporte ao filtro antisserrilhado MFAA, o efeito de iluminação global (VXGI) e o Dynamic Super Resolution (DSR), que faz o downsampling do 4K para telas com resolução inferior. A placa também conta com suporte ao DirectX 12.

Conheça as novas tecnologias da linha Maxwell

Comparado aos modelos topo de linha, o chip da GTX 960 conta com um "truque a mais na manga". Enquanto a GTX 980 possui suporte apenas à codificação do H.265 - formato de compressão de alta eficiência que pode viabilizar o streaming de 4K - a GTX 960 é capaz de acelerar, via hardware, tanto a codificação quanto a decodificação do HEVC. Isso é um trunfo deste modelo, que deve ser observado por quem está de olho em componentes para um HTPC gamer, já que isso torna a placa mais eficiente na hora de exibir vídeos neste forma ultracompactado de vídeo em alta qualidade, aliviando a carga na CPU e possibilitando que mesmo um sistema com um processador não muito potente consiga lidar com este pesado codec.

- Continua após a publicidade -

Estrutura do chip GM206

O novo chip GM206 traz a reorganização dos elementos no die com o design SMM, presente em placas de vídeo com arquitetura Maxwell. O chip é organizado em quatro blocos com 32 núcleos CUDA, com um total de 128 núcleos por SMM. Cada uma destas unidades SMM possuem recursos próprios de operação, como buffering de instrução e scheduling, sendo que as placas baseadas em Maxwell SM são capazes de manter mais núcleos ativos em total capacidade e desta forma otimiza as cargas de trabalho e reduz o desperdício de energia.

Veja mais sobre a arquitetura Maxwell no Videocast Especial: A estreia da Maxwell

A GTX 960
Com maior eficiência energética - e consequentemente, eficiência térmica - a GTX 960 também traz o alto poder de overclock presente nas placas GTX 970 e 980. Com clock padrão 1126MHz chegando a 1178MHz com Boost, a placa possui um TDP de 120W e é alimentada por apenas um conector de 6 pinos, que já deixa uma margem interessante para overclock (75w do barramento PCI + 75w do alimetnador de 6 pinos = 150W). Ainda assim, as fabricantes parceiras da Nvidia irão entregar modelos com uma alimentação mais robusta, como este modelo da MSI em análise com um conector de oito pinos, para garantir mais margem para o aumento das frequências.

Um ponto importante é a quantidade de memória RAM adicionada ao modelo. Com 2GB de memória GDDR5, temos outra diferenciação com a GTX 970 e seus 4GB. A quantidade de memória tem se tornado um importante gargalo em games de nova geração, principalmente em jogos com textura em alta resolução. Apesar de ser um ponto negativo, não será algo determinante, afinal esta maior qualidade da textura tem enfoque em resoluções superiores, como o 4K, e dada a performance da própria GTX 960, jogar games pesados em 2160p é algo fora do alcance deste chip, de qualquer forma. Segundo a Nvidia, esta placa usa uma tecnologia de compressão dos dados capaz de otimizar em até 30% o uso da memória, porém este recurso não será o suficiente para games mais exigentes em "VRAM" que parecem uma tendência na nova geração.

Artigo: Vou precisar de 4GB de VRAM na nova geração?

Parte traseira de uma GTX 960 

- Continua após a publicidade -

Assim como a GTX 760, a 960 possui um PCB mais curto em seu modelo referência. Por conta disso, podemos esperar por modelos mais compactos voltados a HTPCs e sistemas baseados em placas mini-ITX, da mesma forma como acontece nas GTX 760, com modelos como a N760 2GD5/OC ITX.



A MSI GeForce GTX 960 Gaming 2G
Como é de costume entre as fabricantes, a MSI realizou aprimoramentos no design da GTX 960, utilizando suas tecnologias proprietárias de resfriamento. Como resultado, a empresa incrementou o clock base da GPU em 90MHz e o Boost em 101MHz, overclock modesto que pode ser ampliado ainda mais pelo usuário, dada a margem entregue pelos componentes mais eficientes de resfriamento e também a alimentação, incrementada para um conector de 8 pinos, ao invés dos 6 pinos da GTX 960 referência. Vamos descrever um pouco das tecnologias embarcadas pela MSI em sua placa.

Tecnologia Torx Fan 
Assim como o modelo baseado no GPU GTX 970 e a MSI GeForce GTX 980 Gaming 4G, a GTX 960 Gaming 2G vem equipada com a nova tecnologia de refrigeração por coolers chamada de Torx Fan. Ela também traz o sistema de cooler Twin Frozr V, que aumenta em 19% a corrente de ar gerada pelas lâminas do cooler, possui integridade estrutural 75% maior e produz 5% menos de barulho. A imagem abaixo mostra todas as partes da GPU, incluindo essa nova tecnologia.

- Continua após a publicidade -

Fotos
Abaixo temos uma série de fotos da placa, que possui acabamento de primeira qualidade, algo típico de placas da MSI com características desenvolvidas para atrair o público gamer. Assim como demais modelos da série "Gaming", ela vem nas cores preto e vermelho, muito semelhante à GTX 970 e à GTX 980.

Seu visual é muito imponente, com novo sistema de FANs da série Twin Frozr V com tecnologia ZeroFrozr que só liga os fans quando a placa está sendo bastante exigida. O sistema Twin Frozr V foi desenvolvido com uma série de tecnologias visando entregar ao usuário o que existe de melhor quando se trata de solução para dissipação de calor em placas de vídeo, tanto na dissipação de calor como em baixo ruído.

A MSI manteve três heatpipes para o sistema de cooler da GTX 960 Gaming, assim como nos modelos mais potentes.

Em se tratando de conexões, ela possui as mesmas conexões que a GTX 980 Gaming, com apenas um FVI, a 970 Gaming possui duas conexões DVI. Outro detalhe que diferencia a GTX 960 da GTX 980e 970 está na conexão SLI, com possibilidade de conectar apenas duas 960 juntas já que temos apenas uma conexão. No caso da GTX 980 e 970 é possível conectar até 4 placas juntas. Por fim, a GTX 960 Gaming da MSI requer um alimentador de energia de 8 pinos, o modelo referência requer um conector de 6 pinos. A empresa adotou o conector de 8 pinos porque o mesmo entrega um pouco mais de energia a placa que na pratica favorece o overclock da mesma.

Abaixo temos algumas fotos da GTX 960 Gaming ao lado de uma GeForce GTX 760 referência. Apesar da diferença ser bastante grande entre as duas, é importante destacar que a principal diferença entre a GTX 760 e a GTX 960 fica por conta dos conectores de energia, sendo dois de 6 pinos na GTX 760 e apenas um de 6 pinos na GTX 960. O tamanho do PCB dos modelos referência é bastante similar, já no caso do modelo 960 Gaming vemos que a MSI desenvolveu um PCB exclusivo.

Colocamos lado a lado as três placas da série Gaming da MSI baseadas na geração GeForce 900. Todas as placas se destacam pelo ótimo acabamento e sistema de cooler Twi Frozr V com 3 heatpipes. A maior mudança fica por conta da diferença de tamanho, quantidade de conectores de alimentação e conector SLI, que no caso da 960 se limita a apenas um, não sendo possível conectar mais do que duas placas ao mesmo tempo.

Sistema Utilizado
Como de costume, utilizamos uma máquina top de linha baseada em uma mainboard ASUS Rampage IV Black Edition e processador Intel Core i7 4960X, overclockado para 4.5GHz para os testes. A ideia é evitar que o sistema seja um limitador para o desempenho das placas de vídeo testadas. Abaixo, algumas fotos da placa montada no sistema:

A seguir selecionamos o menor preço encontrado de cada um dos modelos utilizados nos comparativos ou de algum modelo semelhante, caso o mesmo não esteja disponível (pesquisa feita dia 20/01/2015 no site newegg.com). Vale destacar que procuramos o preço do modelo exato, caso não disponível, do valor mais baixo de algum modelo semelhante. Outro detalhe é que as placas da geração GeForce 700 foram descontinuadas assim que as novas chegaram, dessa forma só é possível encontrar modelos em estoque, que podem variar bastante, um exemplo é a GTX 780 que tem modelos semelhantes custando U$300 e outros U$500, típica promoção para "limpar estoque".

Outro detalhe é que a AMD tem feito cortes constantes no preços de suas placas de alto desempenho em cenário internacional, em alguns casos os valores não se aplicam no Brasil. Para termos uma noção atual, a Radeon R9 280X que custava U$300, em seu lançamento, hoje pode ser comprada por U$230 em cenário internacional (pesquisa feita no site newegg.com).

MSI GTX 970 Gaming 4GB - U$ 340
Nvidia GTX 970 4GB - U$ 329
MSI GTX 960 Gaming 2GB - U$ 219
Nvidia GTX 960 2GB - U$ 199

NVIDIA GeForce GTX 770 3GB - U$ 450+ (Descontinuada)
NVIDIA GeForce GTX 760 3GB - U$ 230 (Descontinuada no lançamento da GTX 960)
NVIDIA GeForce GTX 660 3GB - U$ 150 (Descontinuada)

XFX Radeon R9 280X BE 3GB - U$ 235
Sapphire R9 285 Dual-X OC 2GB - U$ 225 (valor médio de pesquisa feita no dia 22/01/2015, sendo que as placas com esse GPU sofreram corte de preços horas antes do lançamento da GTX 960)
GIGABYTE Radeon R9 280 OC 3GB - U$ 220

Mais abaixo, detalhes da máquina, sistema operacional, drivers, configurações de drivers e softwares/games utilizados nos testes.

Máquina utilizada nos testes:
- Mainboard ASUS Rampage IV Black Edition
- Processador Intel Core i7 4960X @ 4.5GHz
- Memórias 32 GB (4x8GB) DDR3-2400MHz Kingston HyperX Beast
- SSD Kingston HyperX 3K 480GB
- HD 2TB Sata3 Seagate Barracuda
- Fonte Cooler Master SPH 1300W
- Cooler Noctua NH-U14S

Sistema Operacional e Drivers
- Windows 8.1 Pro 64 Bits
- Intel INF 10.0.20
- NVIDIA GeForce 347.25
- AMD Catalyst 14.12

Aplicativos/Games:
- 3DMark (DX11)
- Unigine HEAVEN Benchmark 4.0 (DX11)
- Battlefield 4 (DX11)
- BioShock Infinite (DX11)
- Crysis 3 (DX11)
- GRID 2 (DX11)
- Metro: Last Light (DX11)
- Middle Earth Shadow of Mordor (DX11)
- Tomb Raider (DX11)

GPU-Z
Abaixo, a tela principal do aplicativo GPU-Z mostrando algumas das principais características técnicas da placa de vídeo.


Overclock
Um dos grandes atrativos das placas de vídeo com gpus Maxwel está em seu alto potencial para overclock, sendo que a GTX 960 promete ser o melhor entre os modelos da nova geração GeForce 900.

Colocamos o gpu trabalhando em 1350MHz e as memórias em 8GHz, sem fazer nenhuma modificação de tensão, mostrando o ótimo comportamento da placa nessa característica. Vale destacar que essa placa já é um modelo overclockado de fábrica. Outro detalhe é que é possível colocar a placa com clocks ainda mais altos sem grandes esforços, chegando a 1400MHz no gpu por exemplo.

Além do ótimo aumento de clocks sobre o modelo analisado, também destacamos o sistema de cooler da MSI, que manteve a temperatura praticamente igual à placa trabalhando com seus clocks originais.

Abaixo a tela do GPU-Z mostrando os clocks utilizados em nosso overclock:


Temperatura
Iniciamos nossa bateria de testes com um bastante importante: a temperatura do chip, tanto em modo ocioso como em uso contínuo.

É importante destacar que a GTX 960 Gaming G2 da MSI como demais modelos da série GTX 900 Gaming da empresa ficam com com seus fans desligados quando em modo ocioso, por isso suas temperaturas ficam consideravelmente acima das demais nessa situação, mas que na prática não comprometem a placa, e de acordo com a empresa, aumenta o tempo de vida dos fans além de consumir menos energia.

Para o teste da placa em uso, medimos o pico de temperatura durante os testes do 3DMark rodando em modo contínuo.

Consumo de Energia
Também fizemos testes de consumo de energia com todas as placas comparadas. Vale destacar que o valor é o consumo total da máquina e não apenas da VGA. Dessa forma, comparações com testes de outros sites podem dar resultados bem diferentes.

Rodamos o 3DMark - aplicativo que exige um pouco mais do sistema e da placa de vídeo do que grande maioria dos games, o resultado é o consumo máximo atingido pelo sistema:

OBS.: No teste em modo rodando o aplicativo 3DMark, consideramos 15w como margem de erro, devido à grande variação que acontece testando uma mesma placa.

Testes sintéticos
Começamos pelos testes sintéticos, utilizando aplicativos específicos para medir o desempenho das placas.

3DMark (2013)
Rodamos a versão mais recente do aplicativo de testes da Futuremark com o teste mais exigente da nova ferramenta, o Fire Strike. Abaixo os resultados:

Unigine HEAVEN Benchmark 4.0
Agora em sua nova versão, o HEAVEN 4.0 é um dos testes sintéticos mais “descolados” do momento, pois tem como objetivo mensurar a capacidade das placas 3D em suportar os principais recursos da API gráfica DirectX 11, como é o caso do Tessellation.

O teste foi dividido em duas partes: uma sem e outra com o uso do Tessellation em modo "extreme", ambas a 1920x1080 com o filtro de antialiasing em 8x e anisotropic em 16X.

O primeiro teste, com o Tessellation desativado:

E o segundo com o Tessellation ativado em modo EXTREME:

Testes em games
Agora vamos ao que realmente importa, os testes de desempenho em alguns dos principais games do mercado.

Battlefield 4
"Battlefield 4" é um referencial da plataforma PC quando se trata de gráficos de alta qualidade. O game foi todo desenvolvido sobre a Frostbite 3, nova engine da produtora DICE.

BioShock Infinite
O game "BioShock Infinite" é outro grande sucesso de crítica desenvolvido pela 2K Games. Abaixo está seu o desempenho das placas comparadas rodando ele:

Crysis 3
Sendo o game "Crysis 3" um dos mais incríveis já desenvolvidos quando o assunto é gráfico, não poderíamos deixar ele de fora de nossos testes em análises de placas de vídeo.

GRID 2
O game "GRID 2" já não é o mais recente da série, mas utiliza a mesma engine de "GRID Autosport", sendo uma boa referência de desempenho em games de corrida.

Metro Last Light
Outro excelente teste que exige o máximo das placas de vídeo é o game "Metro: Last Light" que também é referência de qualidade gráfica em games para PC.

Middle Earth Shadow of Mordor
O novo game inspirado no universo da franquia "O Senhos dos Anéis" chegou sem gerar muita expectativa e se tornou um dos grandes lançamentos do ano, com destaque para seus gráficos muito refinados. Nosso teste utiliza a melhor qualidade possível do game.

Tomb Raider
O game marca o reboot da histórica franquia de Lara Croft, desenvolvido pela Crystal Dynamics com sua engine própria, a Crystal Dynamics Engine.

PhysX: Metro Last Light
Para testes de PhysX, utilizamos "Metro Last Light", um dos mais recentes e com destaque para uso desse tecnologia.

Com a introdução das GTX 960, temos agora a família GTX completa na arquitetura Maxwell. Esta placa herdou todos os aspectos positivos que vimos nos outros "patamares" de performance, como baixo consumo, alta eficiência, bom potencial para overclock e diversas tecnologias adicionais da Nvidia.

Em termos de performance, a mudança da GTX 760 para este modelo foi discreta, logo o upgrade de donos das placas da geração anterior não compensa. A Nvidia quer alcançar os consumidores como modelos mais antigos, como a GTX 660 e até a 560. Nestes casos, o upgrade intregará um ganho de performance  de 50%, suficiente para trazê-los novamente a uma jogabilidade próxima dos 60fps em qualidade alta, enquanto a 660 já começava a migrar em direção ao perigoso limite dos 30fps.

Nesta geração Maxwell temos uma constante: a pressão da GTX 970. A placa chegou com um preço muito competitivo e altíssima performance, dando uma dor de cabeça para a GTX 980, que fica sem sentido se comparamos o adicional de desempenho com o custo a mais para adquirí-la. A GTX 960 também não escapou: enquanto no exterior ela é vendida a 199 dólares, com um acréscimo de 20 dólares em modelos modificados como este da MSI, ela tem uma margem de mais de 150 dólares frente a 970 e seus 349 dólares. Aqui, a realidade pode ser outra: estamos estimando que esta placa chegue ao mercado por algo em torno de R$ 1.000 ou pouco menos, logo promoções na casa dos R$ 1.300 da GTX 970 deixam esta placa no "aperto", já que falamos de um acréscimo de 30% no custo que gera um aumento de performance na casa do 50% e superior a 60% nos games que precisam de mais que os 2GB de memória.

Frente à concorrência, esta placa fica em uma disputa pesada com a R9 285, com performance bastante próxima. No exterior, o modelo da AMD praticamente o mesmo valor da GTX 960, e no Brasil ela também está em "mil reais ou um pouco menos" (valor que cogitamos que será a da GTX 960). Com diferenças que não superam os 10% em favor de uma ou outra, de teste para teste, a escolha entre estas placas fica praticamente ao gosto do consumidor pelas tecnologias diferenciadas de uma ou outra. A característica mais divergente entre as duas é o consumo: enquanto a GTX 960 tem TDP de apenas 120W e requer uma fonte de 400W, o modelo da AMD consome mais, com TDP de 190W, e a fonte recomendável fica na casa de 500W.

O grande trunfo na disputa com a R9 285 é seu potencial para donos de PCs compactos. Além do menor consumo, o PCB continua mais curto no modelo referência, o que significa que podemos ver modelos com formatos menores, como sistemas baseados em placas mini-ITX, da mesma forma como acontece nas GTX 760 com modelos como a N760 2GD5/OC ITX. A capacidade de codificar e decodificar em H.265 também é importante, já que este codec de compressão é pesado demais para processadores quando operado via sofware, e a possibilidade da placa acelerar via hardware - não necessariamente por CUDA - fará a diferença, especialmente em tempos que começamos a ouvir falar em 4K via streaming. Falando em 4K, a conexão HDMI 2.0 também é um fator importante, ao possibilitar o [email protected]

Não podemos deixar de destacar o excelente potencial da placa em overclock, subindo facilmente a clocks como 1350MHz sem nenhuma modificação de tensão ou instabilidade, indicando que poderia subir mais sem grandes esforços. Tudo indica que modelos com o gpu GTX 960 serão os melhores da geração Maxwell para essa prática.

Preço vs Desempenho
Quase sempre as placas topo de linha são ótimas em performance, mas seu preço é tão alto que isto é insuficiente para um bom resultado neste gráfico. Tivemos uma ótima evolução neste lançamento da Nvidia, apesar de que naturalmente as placas da geração anterior começaram a entrar em queda de preços, especialmente os modelos da Nvidia. A GTX 780 Ti, ainda cara, já se torna uma opção boa diante da GTX 980.

Como referência, utilizamos o preço no exterior, em dólares, tomando como base o preço praticado no site newegg.com. A pesquisa de preços foi feita no dia 22/01. Devido a alta flutuação dos preços no mercado brasileiro, e a não confirmação ainda do valor sugerido desta placa para o Brasil, optamos pelo preço no exterior como referência do comparativo.

Abaixo o gráfico de custo vs desempenho das placas comparadas nessa análise. 

Fórmula do cálculo:  FPS somados dos games: BF4, BioShock, Crysis3, GRID 2, MLL e Tomb Raider * 100 e dividido pelo valor da placa em dólares.

Uma placa antiga conquista o topo de nosso gráfico. Com preços bastante baixos, a GTX 660 entregou a melhor relação entre custo x performance. As sempre presentes R9 280X e GTX 970, duas placas com excelente relação entre "o que você paga e o que você leva" também figuram no topo, junto com a GTX 960. A nova placa da MSI se saiu muito bem, conquistando a terceira posição e ficando muito próxima da GTX 660.

Apesar da vantagem do modelo mais antigo no cálculo performance x preço, a realidade das duas placas no momento é bem diferente. A GTX 660 vem se encaminhando para a o limiar dos 30 fps em alta qualidade, o que significa que os próximos lançamentos podem tornar impraticável jogar com este nível gráfico - mesmo entre os gamers menos exigentes por fluidez. Já a GTX 960, em nossos testes, apresentou excelente taxa de quadros por segundo, mesmo na configuração HIGH, em resolução FullHD.

O gráfico reflete a disputa acirrada entre a GTX 960 e a rival da AMD, a R9 285. A diferença é mínima, inferior a 2%, mostrando novamente que a decisão do consumidor entre um modelo ou outro irá se definir nas tecnologias proprietárias de uma ou outra (Mantle e FreeSync vs PhysX e GSync, por exemplo), ou a vantagem deste modelo da Nvidia no consumo de energia.

A GTX 960 aquece o mercado "custo x benefício" com um preço e performance competitivos, capaz de rodar games em FullHD no High. O modelo da MSI Gaming 2G traz aprimoramentos excelentes no sistema térmico e abre mais margem para overclocks desta GPU

OBS.: Baixamos 0,5 pontos da nota devido o alto preço cobrado pela placa no Brasil, muito próximo da GTX 970 que tem desempenho médio superior a 45%. 

Conclusão

 

Avaliação: MSI GeForce GTX 960 Gaming 2G

Performance
9.0
Tecnologias
10.0
Diferenciais
10.0
Overclock
10.0
Preço
7.5

 

PRÓS
Baixo consumo e pouco requisito de fonte (TDP 120W e fonte de 400W)
Performance para games em HIGH e FullHD próxima a 60fps
Todas as tecnologias exclusivas Maxwell (MFAA, VGXI, SDR)
Sistema de resfriamento da MSI eficiente e extremamente silencioso
Preço pouco abaixo da R9 285 aquece a concorrência
CONTRAS
Preços promocionais da GTX 970 no Brasil colocam pressão nesta placa
2GB será um gargalo em games da nova geração
Tags
  • Redator: Fabio Feyh

    Fabio Feyh

    Fábio Feyh é sócio-fundador do Adrenaline e Mundo Conectado, e entre outras atribuições, analisa e escreve sobre hardwares e gadgets. No Adrenaline é responsável por análises e artigos de processadores, placas de vídeo, placas-mãe, ssds, memórias, coolers entre outros componentes.

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.