ANÁLISE: 5º Troféu Gameworld: conheça os vencedores

ANÁLISE: 5º Troféu Gameworld: conheça os vencedores

Assassin's Creed Unity não é somente o mais novo título "triplo A" da franquia de maior sucesso da Ubisoft, mas também é o primeiro AC inteiramente desenvolvido para a nova geração e com a possibilidade de realizar missões da campanha no modo cooperativo. A desenvolvedora espera ainda que o game seja um ponto de entrada acessível para novos jogadores da série. Mas quantas de suas ambições este game alcança? Confira na nossa anÁlise. A versão jogada foi a do Xbox One.

História e Ambientação
Poderia ter sido melhor aproveitada, mas ajuda novos jogadores


Assassin's Creed Unity tem, possivelmente, a melhor ambientação jÁ pensada pra série até agora: França no Século XVIII, em plena Revolução Francesa. A premissa do game coloca o jogador no meio de uma das maiores revoluções da história e entrega uma Paris "viva", dominada por revoltas, violência e pobreza. Foi feito um excelente trabalho de ambientação no jogo, as ruas são movimentadas, sempre estÁ acontecendo alguma coisa e o resultado final é extremamente realista e imersivo. Como qualquer outro jogo da série, o jogador encontra ainda figuras icônicas, como o Marquês de Sade e Napoleão Bonaparte, por exemplo.

As Áreas que o jogador pode acessar em Unity são enormes, chega a ser impressionante, dando a impressão que o mapa não tem um fim definido.

Essa ambientação é, provavelmente, o cenÁrio mais urbano que jÁ apareceu em algum game da franquia e a Ubisoft não economizou no tamanho do mapa. As Áreas que o jogador pode acessar em Unity são enormes, chega a ser impressionante, dando a impressão que o mapa não tem um fim definido. 

Mas esse aspecto tão positivo do jogo, infelizmente, para por aí, apenas na ambientação mesmo. A Revolução Francesa, na prÁtica, funciona apenas como pano de fundo no game na maior parte do tempo. Aparentemente, os desenvolvedores escolheram ter a história menos ambiciosa, ainda presa na luta entre assassinos e templÁrios somente.

No eixo central da história temos Arno Dorian, o protagonista, que torna-se órfão ainda quando criança, depois de encontrar o pai assassinado. Desamparado, Arno foi criado por De La Salle, um rico cavalheiro cuja filha, Élise, torna-se interesse romântico do herói do game.

- Continua após a publicidade -

Existe uma dose de mistério a ser desvendado depois que Arno se junta aos assassinos e busca descobrir porque seu pai foi morto. Enquanto isso, seu romance com Élise encontra um obstÁculo aparentemente intransponível. Esse é o mÁximo que se pode dizer sem entregar spoilers, mas jÁ é o suficiente pra mostrar que a história não traz grandes novidades e não é o ponto mais forte do jogo.

Um ponto importante de destacar, porém, é a entrada para jogadores que não conhecem a série. O desconhecimento de Arno sobre a história dos assassinos e dos templÁrios, ajuda a introduzir a franquia para quem nunca experimentou, e o jogo acaba sendo um bom ponto de partida para quem quer começar a jogar Assassin's Creed, mas não faz questão de seguir desde o primeiro

Outro ponto positivo aqui é que as passagens no futuro, onde a Abstergo acessa suas memórias e etc., foram colocadas para escanteio, aparecendo raramente na série e apenas em forma de cutscenes. Essa alteração é muito bem-vinda e ajuda a manter a imersão no jogo, assim como o bom andamento da história.

Jogabilidade
Algumas mudanças são muito bem-vindas (outras, nem tanto)


O gameplay de Assassin's Creed é sempre um ponto complicado de ser analisado. A "marca registrada da série" é a possibilidade de correr livremente, como se fosse um parkour, desviando de obstÁculos e interagindo com o cenÁrio para fazer acrobacias cinematogrÁficas e fugas espetaculares. A jogabilidade para conseguir esse resultado, entretanto, ainda não é perfeita. Um problema típico de Assassin's Creed é subir quando você queria descer e descer quando você queria subir. A Ubisoft deu um passo importante na solução dessa questão em Unity.

- Continua após a publicidade -

Um problema típico de Assassin's Creed é subir quando você queria descer e descer quando você queria subir. A Ubisoft deu um passo importante na solução dessa questão em Unity. Agora é possível "direcionar" a corrida livre.

Agora é possível "direcionar" a corrida livre, segurando "A" (controle do XOne) quando quiser subir, ou "B" quando quiser descer. Não segurar nenhum desses botões, apenas o gatilho, faz com que o personagem tente permanecer em linha reta. O resultado, na prÁtica, é excelente, principalmente quando o jogador não quiser sair do nível da rua. Basta correr segurando o "B" e Arno vai desviar dos obstÁculos que aparecerem sem nunca tentar escalar telhados.

Outra mudança bem-vinda, principalmente para jogadores novos na série, é um botão de stealth. Agora é possível ativar o "modo stealth", apertando uma vez o gatilho esquerdo. Desse jeito, não importa o quanto o jogador empurrar a alavanca do analógico, o personagem vai sempre se movimentar com cuidado, sem fazer barulho.

Por fim, a Ubisoft resolveu "testar" cenÁrios mais modernos nesse jogo. Existem "falhas" que acontecem na memória do personagem enquanto jogamos e, ocasionalmente, Arno é lançado para outros momentos históricos. É um "respiro" interessante pra franquia, trazendo um cenÁrio instantaneamente diferente e desafios inesperados. Quem jÁ teve que fugir de um metrô em Assassin's Creed: Unity?

E qual novidade não é bem-vinda? Não é mais possível executar mais de um alvo ao mesmo tempo. Arno consegue matar apenas um inimigo por vez e o outro vai, necessariamente, perceber sua presença. O único motivo para essa mudança existir que faria algum sentido seria por causa das missões cooperativas. Os desenvolvedores provavelmente decidiram tirar as execuções em mais de um alvo para obrigar os jogadores a coordenarem seus ataques juntos e executarem dois ou mais alvos ao mesmo tempo, de maneira sincronizada. Faz sentido, mas não justifica, uma vez que hÁ tão poucas missões cooperativas no jogo.

Multiplayer

- Continua após a publicidade -

O problema em se fazer uma anÁlise antes do lançamento de um jogo é que o multiplayer não pode ser jogado como se deve. Voltem a conferir nossa anÁlise amanhã, em que atualizaremos essa anÁlise com as informações dos modos para mais de um jogador em Assassin's Creed Unity.

GrÁficos e Som
Antes fossem 30 fps...

Quando foi informado que a frequência de quadros por segundo (fps) em Assassin's Creed: Unity seria travada em 30fps, muitos jogadores reclamaram. Mas antes a Ubisoft tivesse conseguido travar nesse número, pois o Xbox One mal alcança os 30fps. O fps é extremamente instÁvel e as quedas são constantes, em um nível que chega a dar dor de cabeça depois de algumas horas de jogatina. Além dos nítidos problemas de stress para os olhos, essa queda incessante na frequência dos quadros compromete a imersão do jogo e sabota a beleza de seus grÁficos. Quem quiser ver na prÁtica a queda dos frames, pode conferir nosso gameplay neste link.

Antes a Ubisoft tivesse conseguido travar nesse número, pois o Xbox One mal alcança os 30fps. O fps é extremamente instÁvel e as quedas são constantes, em um nível que chega a dar dor de cabeça depois de algumas horas de jogatina.

 

Fora o problema dos quadros, os grÁficos no jogo estão excelentes, principalmente na parte de texturas. Os efeitos de movimento e de sangue, por exemplo, são extremamente realistas e os efeitos especias quando a memória começa a se fragmentar são muito bonitos. O resultado é um game muito bonito de se ver, mas que quebra toda essa linda aparência quando o jogador começa a se mexer, por causa dos quadros.

Na parte de som, a Ubisoft sempre merece os cumprimentos por manter sua política de fazer seus principais títulos inteiramente localizado para o português brasileiro. A dublagem de jogos, no Brasil, ainda estÁ em evolução e é nítido no resultado final que alguns dubladores são melhores do que outros. Vozes novas, como a de Arno, nem sempre convencem, mas quando o jogador ouve a fala de alguém que soa como um personagem de filme do Super Cine, ou seja, um dublador mais experiente, é nítido o salto de qualidade. O saldo final da dublagem é extremamente satisfatório e certamente conta pontos pro jogo.

Conclusão

Conclusão

Avaliação: 5º Troféu Gameworld: conheça os vencedores

História
8.0
Jogabilidade
9.0
Gráficos
6.0
Som
9,0

Assassin's Creed Unity podia ter sido o melhor jogo da franquia, caso a história tivesse ganhado mais atenção e se aprofundasse mais no contexto em que se apresenta e se, principalmente, a desenvolvedora tivesse sido mais cuidadosa com a otimização dos fps. Porém, mesmo com esses defeitos, o título ainda se destaca na série e certamente merece a atenção dos jogadores, tanto novos, quanto antigos.

A nota original do jogo (9.0) foi reduzida de 3 pontos devido a testes que realizamos aqui no Adrenaline.

 

Edição da nota - A nota original do jogo (9.0) foi reduzida de 3 pontos devido a testes que realizamos aqui no Adrenaline. Ao constatar que os problemas com os frames do jogo são realmente resultado de péssima otimização, com diferentes performances em diferentes plataformas, sendo que nenhuma é satisfatória, decidimos por revisar a pontuação do jogo, pelas condições vergonhosas em que foi lançado.


PRÓS
Excelente ambientação
Dublagem em português brasileiro
Bom ponto de entrada para novos jogadores
Mapa incrivelmente grande
Gameplay aprimorado
Muitas, muitas e muitas side-missions
CONTRAS
A história poderia ter sido melhor desenvolvida
Frequência dos quadros por segundo é tão instÁvel que chega a dar dor de cabeça
Personalidade de Arno oscila entre rebelde e submisso
Assassinar mais de um alvo ao mesmo tempo faz falta
Assuntos
Tags
  • Redator: João Gabriel Nogueira

    João Gabriel Nogueira

    João Gabriel Nogueira se formou em jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) em 2015 e curte games desde muito antes. Começou com o Master System e o gosto pelos jogos eletrônicos trouxe o gosto pela tecnologia. Escrever notícias e análises de jogos, hardware e dispositivos móveis para o Adrenaline, além de trabalho é uma alegria e um aprendizado.

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.