ANÁLISE: Just Dance 2015

ANÁLISE: Just Dance 2015

Produzido pela Ubisoft, "Just Dance 2015" é a nova versão da série de dança que mais vende no mundo. O game traz um total de 45 músicas, de gêneros bem variados e que certamente vão agradar a todos os tipos de jogadores. Algumas das canções mais atuais presentes na listagem são "Problem" (Ariana Grande), "Dark Horse" (Katy Perry), "Happy" (Pharrel Williams), "4x4" (Miley Cyrus), "Burn" (Ellie Goulding) e "Let It Go" (do filme "Frozen", da Disney).

Infelizmente, diferente do que aconteceu no ano passado com "Dançando" (Ivete Sangalo), não tem nenhum representante brasileiro nas músicas de seleção do jogo. Mas fiquem tranquilos: isso sequer compromete a diversão. Muito pelo contrÁrio: ela é constante, é expandida com a inclusão de alguns recursos novos e, se você ainda chamar alguns amigos, é risada garantida por muitas horas adentro, até que alguém fique exausto ou insuportavelmente suado de tanto dançar.  

Abaixo estÁ anÁlise completa, feita a partir da versão para Xbox One. 


Impossível ficar parado

Independente da plataforma, apenas o ato de ligar "Just Dance" é ter garantias de que você não vai conseguir ficar parado pelos próximos minutos ou, talvez, horas. E esta versão de 2015 tem motivos de sobra para isso. A seleção de músicas é realmente demais, pois não traz apenas canções de vÁrios artistas de gêneros diferentes, mas também a grande maioria delas é realmente propícia à dança, com hits bem recentes e coreografias inéditas bastante criativas e especialmente divertidas.

 

Claro que existem músicas de outras épocas e até outras que parecem não se encaixar na proposta por serem mais calmas e menos ritmadas; mas no final das contas, para quem quer só se mexer e se divertir a curto prazo, isso meio que se torna irrelevante e sai do foco de alguns dos poucos problemas que esse jogo tem.


Isso ainda nem faz diferença, por exemplo, a partir do momento que se chama mais amigos para jogar: esse é Ápice do jogo e a diversão mÁxima dele é descoberta nesta hora. Risadas em grupo e momentos inesquecíveis estão mais que garantias, principalmente se você resolve colocar a galera para dançar numa festa mais descolada entre amigos de muitos anos, num aniversÁrio ou num típico encontro familiar de domingo. 


Jogabilidade tradicional ampliada

- Continua após a publicidade -

"Just Dance 2015" mantém a tradicional jogabilidade da série: repita os movimentos mostrados na tela e compita pelos melhores placares em músicas que dificuldade variada. Quanto melhor for na dança, maior serÁ a pontuação e isso resultarÁ no maior ganho de Mojo Points, a moeda do jogo, que serve para comprar variantes de jogabilidade das canções (mash-ups, remixes, número de participantes numa mesma música e etc.) e para desbloquear novos modos de gameplay (solo, batalha em dupla, trio, grupo e dueto cooperativo). Desbloquear tudo dÁ um trabalhão e requer muitas horas de jogo, mas pelo menos você tem a garantia que vai se divertir constantemente e suar muito; queimando, ainda, muitas calorias.

 

Como aconteceu na edição anterior, também possível cantar as músicas ao mesmo tempo em que dança. O processo, para os menos treinados ou sedentÁrios, demanda boa dose de energia e coordenação, mas recompensa com pontos extras preciosos que ajudam no acúmulo de Mojo Points e, consequentemente, no desbloqueio mais rÁpido de conteúdos dentro do jogo. Também estão de volta o Autodance e o World Dance Floor: o primeiro, a fonte inesgotÁvel de gargalhadas bem altas, grava e compila os melhores momentos das danças e os mostra ao final de cada partida e; o segundo, é o clÁssico modo online competitivo que põe o jogador em confronto com adversÁrios do mundo inteiro.

Os aspectos sociais estão de volta em "Just Dance 2015". Se na versão anterior você jÁ podia mostrar suas façanhas na dança ao mundo, agora essas opções ficaram bem mais Ágeis e intuitivas. É possível salvar seus melhores (ou piores) vídeos no disco rígido do videogame e compartilhÁ-los nas redes sociais (Facebook ou Twitter). A novidade aqui é o Community Remix, um recurso que permite que os próprios jogadores sejam os coreógrafos das músicas e enviem seus vídeos aos servidores da Ubisoft. A partir disso, a produtora cria uma versão remix de uma música gravada, disponibilizando-a a todos os usuÁrios que estiverem online no game para que possam repetir os mesmos movimentos. É bem engraçado acompanhar o jeito que jogadores do mudo inteiro dançam e perceber que, no fim das contas, você não é tão ruim assim nos movimentos. ;p  

JÁ a tal expansão na jogabilidade citada no intertítulo acima se refere à inclusão da possibilidade de utilizar um dispositivo móvel como controle em "Just Dance 2015". Através de um aplicativo, disponível para sistemas iOS e Android, o jogador pode se conectar ao videogame e realizar os movimentos que aparecem na tela. É uma nova forma de jogar e bastante funcional, é verdade, mas ela nem sempre funciona bem: quando ativada, esse recurso automaticamente desativa o Kinect e, como ela possui falhas na captura dos passos de dança, ela costuma resultar em pontuações menores do que os capturados pelo sensor de movimentos do console. Além disso, segurar um dispositivo móvel não projetado para isso é um pouco desconfortÁvel e desajeitado. Mas vale pela novidade.


- Continua após a publicidade -


Conclusão

Avaliação: Just Dance 2015

Jogabilidade
9.0
Gráficos
8.0
Áudio
8.0
Multiplayer
10
"Just Dance 2015" segue firme e forte na arte de divertir instantaneamente todos os tipos de jogadores. Dançar e mexer o esqueleto na frente da TV ainda continua tão legal quanto antes, especialmente se você chamar uma turma para jogar junto. O grande - e talvez único - problema aqui é que o game não tem nenhuma novidade realmente marcante. E isso jÁ vem acontecendo hÁ alguns anos.

O reconhecimento do Kinect estÁ melhor, os menus são mais intuitivos e os novos modos de jogo continuam divertidos, simples de acessar e de compartilhar conteúdos nas redes sociais, mas a saturação da proposta da franquia é uma realidade e nem mesmo as 45 músicas inéditas tiram a impressão de que tudo o que tem no game jÁ foi visto antes. Ainda assim, vale pela ótima experiência em grupo que esse jogo proporciona.

PRÓS
Ótima seleção de músicas de vÁrios gêneros (hits atuais e clÁssicos)
Coreografias criativas e com dificuldade progressiva
Até 6 jogadores juntos: diversão garantida com amigos
Visual bem colorido dos cenÁrios combina com a proposta
Menus mais intuitivos e navegação melhorada com o Kinect
CONTRAS
Nenhuma novidade realmente marcante
Proposta saturada carece de inovações urgentes
Novos modos não justificam uma nova versão
Jogar com smartphone é um tanto desajeitado
Tags
  • Redator: Andrei Longen

    Andrei Longen

    Jornalista pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Andrei Longen é entusiasta por videogames desde os 7 anos, quando ganhou um Odyssey 2, seu primeiro console. Hoje tem PS4, PS3 e PS Vita e adora caçar troféus em todos os jogos. Colabora no Adrenaline com notícias, análises, artigos, colunas e vídeos.

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.