ANÁLISE: Asus Zenfone 5

ANÁLISE: Asus Zenfone 5

Zenfone 5 é o primeiro smartphone da Asus produzido aqui no Brasil. A linha Zenfone tem como objetivo entregar um aparelho com boa qualidade e preços competitivos, sendo que o Zenfone 5 faz parte dos modelos que, apesar de serem do segmento intermediÁrio, trazem uma experiência de uso com qualidade próxima ao dos topo de linha. Com preço de R$ 599 (tem preço temporÁrio de R$ 499!), é, hoje, o modelo imbatível na relação entre qualidade e preço.





Xperia M2

Moto G (2014)

Zenfone 5
Processador
Qualcomm MSM8926 quad-core 1,2 GHz Snapdragon 400, quad-core, 1.2GHz Atom Z2560, dual-core 1.2 / 1.6GHz
GPU
Adreno 305 Adreno  305 PowerVR SGX544MP2
Armazenamento
8GB (interna)+
32GB (microSD)
8/16GB (interna) + 64GB (microSD) 8/16GB (interna)+
64GB (microSD)
Memória RAM
1GB 1GB 2GB
Sistema operacional
Android 4.4 Android 4.4.4 Android 4.3
(com upgrade para 4.4.2)
Câmeras
Traseira 8MP /
Frontal VGA
Traseira 8MP/
Frontal 2MP
Traseira 8MP/
Frontal 2MP
Tela
4.8" TFT 
540 x 960
5" IPS LCD
720 x 1280
5" IPS LCD
800 x 1280
Dimensões
139.6 x 71.1 x
8.6 mm
141.5 x 70.7 x
11 mm
148.2 x 72.8 x 5.5~10.3 mm
Peso
148g 149g 145g
Bateria
Li-Ion 2330 mAh Li-Ion 2070 mAh

Li-Ion 2110 mAh
LTE

NFC
Dois chips SIM

Preço (14/10/14)
R$ 729
R$ 699
R$ 599

Design excelente, mas meio grandalhão

O Zenfone tem um ótimo design e acabamento, com um formato muito bem encaixado e curvo na parte traseira, que torna segurar este aparelho algo bem confortÁvel. O capricho nos acabamentos ficam evidentes em partes como os botões das laterais e o efeito recortado em circular na base do aparelho - a identidade visual da linha Zen da Asus. A parte traseira, com um acabamento que simula cerâmica, também é bastante agradÁvel ao toque.

 

- Continua após a publicidade -

Logo ao pegÁ-lo, o Zenfone 5 chama a atenção por conta do tamanho. Os aparelhos com tela de 5 polegadas jÁ trazem, inevitavelmente, proporções avantajadas; porém, o modelo da Asus é ainda maior que muitos concorrentes, isso acontece por causa das faixais adicionais na parte de baixo e o amplo espaço entre a tela e a borda do lado de cima. Esta borda acaba sendo a grande diferença no design entre os modelos topo de linha e estes "intermediÁrios premium" (Moto G e Zenfone 5): enquanto aparelhos como o LG G3, iPhone 6 e o Xperia Z3 são praticamente "apenas tela", o Zenfone 5 tem bordas bem mais aparentes, o que resulta em uma menor relação entre tela vs portabilidade.

Felizmente, o Zenfone 5 não possui bordas excessivas nas laterais, e isto é muito importante porque garante que a ergonomia não fique comprometida. Comparado ao Moto G, ele também não fica muito atrÁs, com apenas alguns milímetros a mais de altura e largura. Ainda assim, este aparelho é grande, e pode não ser fÁcil de manusear com apenas uma mão por alguém com dedos pequenos. O ideal, sempre que possível, é experimentar um modelo em alguma loja antes, para ver se ele se encaixa com sua pegada. A linha Zenfone também conta com um modelo na casa das 4 polegadas de tela, que caso venha ao país, irÁ atender estes consumidores que preferem algo mais compacto.

A tela, normalmente um dos primeiros cortes em todo aparelho que se propõe a trazer um preço mais competitivo, estÁ entre as melhores do segmento. Com resolução HD (720 x 1280) e tecnologia LCD do tipo IPS+, o Zenfone 5 possui uma tela com excelente contrastes, saturação de cores e ângulos de visão e, por conta de suas 5 polegadas, este modelo é interessante para quem deseja assistir multimídias, navegar na internet ou usar aplicativos com um espaço confortÁvel de display. No comparativo como o modelo da Motorola, os dispositivos estão em pé de igualdade, entregando uma experiência com qualidade próxima a do segmento topo de linha.

Diferente da maioria das fabricantes, que tem optado por botões virtuais, a Asus manteve os três botões bÁsicos da navegação pelo Android externos à tela. A principal vantagem é que, desta forma, o Zenfone 5 tem algumas linhas de tela livre na base, resultando em um espaço adicional para o conteúdo e também tira a necessidade do deslizar pela lateral para "chamÁ-los" de volta. Porém, ficou faltando um detalhe: eles não são retroiluminados, e você vai precisar aprender a posição deles nos momentos que usar o smartphone no escuro. 

- Continua após a publicidade -

Boa performance, autonomia regular

Na parte da performance, temos uma das principais novidades do Zenfone. Em um meio povoado por chips Qualcom e Mediatek, os aparelhos da Asus chegam com um processador Intel Atom Z2560, um chip dual-core operando a até 1.6GHz da geração Clover Trail+. Apesar de ter apenas dois núcleos, este chips possuem a tecnologia hyperthread, a mesma presente em processadores de computadores, que transforma cada núcleo físico em dois lógicos. O resultado é bem interessante, como podem conferir nos benchmarks abaixo:

A performance do Zenfone estÁ entre as mais altas do segmento intermediÁrio, batendo modelos como o Qualcomm Snapdragon 400 do Moto G 2014, sendo que o S400 é um dos chips mais comuns deste segmento de preço. O chip grÁfico PowerVR também "deu conta do recado" no 3DMark, um teste de renderização grÁfica onde a GPU é o componente mais exigido e que um bom resultado é indicativo da performance em games do aparelho.

Saindo dos benchmarks e partindo para "o mundo real", a experiência de uso do Zenfone é lisa: as transições entre apps são rÁpidas, as aplicações rodam sem travamentos e o multitarefa é eficiente. Na hora dos games, o smartphone consegue lidar com praticamente todos os games, e só não conseguirÁ acompanhar o ritmo dos modelos topo de linha e seus chips mais potentes.

Uma das melhores câmeras do segmento

- Continua após a publicidade -

A câmera de 8MP do Zenfone estÁ entre as melhores do segmento intermediÁrio. Ela tem boas cores e imagens com ótima definição. A câmera não é das mais Ágeis, levando quase dois segundos para tirar uma foto, mas estÁ dentro da velocidade de reação das câmeras desta faixa de preço.

Meu incômodo com este aparelho é mais relacionado ao software do que a câmera em si. Ela insiste em fazer fotos muito claras se você deixa totalmente automatizada a fotografia. Basta reajustar a exposição para "-0.3" ou "-0.6" que encontramos resultados mais interessantes, em alguns casos. Por sinal, o Zenfone traz um interface para fotografias bastante completa, com uma série de modos automatizados como o Animação GIF, Sorriso em grupo (detecta quando todos sorriem e bate a foto), Embelezamento (tira marcas e clarea a pele), profundidade de campo (tira profundidade de campo), etc.


 


Moto G vs Zenfone 5 (boa iluminação)


Moto G vs Zenfone 5 (pouca iluminação)

Um dos recursos mais interessantes da câmera é o PixelMaster, voltado para as situações de baixa luminosidade. Ele combina grupos de quatro pixels em um, para aumentar a iluminação da cena em até 400%. Naturalmente, esta combinação faz com que a imagem final tenha uma resolução menor. Em nossos testes, em situação de luz "catastrófica", este recurso conseguiu mostrar mais detalhes das cenas e, apesar de não fazer milagre e granular muito, deu um jeito de mostrar alguma coisa.

Na hora dos vídeos, a câmera mantem a qualidade semelhante a das fotos, capaz de fazer vídeos em resolução FullHD. O ideal é habilitar a estabilização digital, que derruba a resolução para HD mas, em contrapartida, melhora os vídeos. A menos que você se mantenha bastante firme nas gravações, sem estabilização o resultados dos vídeos pode não ser interessante.

A câmera é um dos componentes onde as empresas costumam economizar para entregar este produtos com preço mais competitivo. Apesar de não fazer frente aos topo de linha, a Asus não foi "cruel" na hora de economizar na câmera, e temos aqui uma das melhores disponíveis neste segmento de preço. Enquanto o Moto G se saiu melhor nas cores, o Zenfone se destacou na captura de detalhes e na hora de encarar iluminações ruins.

Android com visual modificado

Chegamos à parte que mais me preocupava: a interface do sistema. Enquanto na parte de design a Asus jÁ tem um histórico bastante positivo, fabricantes asiÁticas em geral jÁ passaram do ponto na hora de modificar o Android, e a ZenUI é algo bastante ambicioso, uma remodelação de muito da interface do sistema.



Felizmente a Asus não errou a mão. A interface dos aparelhos Zenfone é leve e eficiente, com ícones bastante largos e bem explicativos. Arrisco-me a dizer que, para alguém totalmente leigo, pode achar mais fÁcil entender a ZenUI do que o sistema Android "puro", inicialmente, graças aos ícones chamativos e o uso de cores que buscam tornar a interface mais "leve". 

As mudanças são perceptíveis jÁ na tela de desbloqueio, que integra o software "What' Next", que faz um apanhado de informações úteis como seus próximos compromissos e a previsão do tempo. 

Conclusão

O Moto G se tornou a métrica do segmento intermediÁrio e reina sozinho nesta casa de preços. Ou melhor, reinava. O Zenfone 5 é o primeiro dispositivo não apenas a fazer frente ao modelo da Motorola, mas sendo capaz de desbancÁ-lo com estilo. Ele entrega componentes capazes de uma experiência fluída e satisfatória com o sistema Android, em igualdade com o Moto G, e tudo por 200 reais a menos.

Com uma combinação de uma tela excelente e hardware de performance intermediÁria mais que o suficiente para rodar as aplicações, o Zenfone 5 é um dispositivo que não te deixa na mão. IrÁ abrir conteúdos, alternar entre aplicativos e atuar no seu cotidiano de forma eficiente e rÁpida, com uma experiência digna de aparelhos topo de linha, mas custando BEM menos.

O chip Atom, um dos principais diferencias deste modelo comparado a concorrência, foi capaz de bater os chips do segmento no quesito performance, sendo um dos aparelhos mais potentes do segmento intermediÁrio. Em outros fatores, como aquecimento e consumo de energia, ele não se sobressaiu, mas ficou dentro da média. O Zenfone 5 é um aparelho que pode chegar a até dois dias de autonomia se usado com muita moderação e ativando recursos de economia de energia, mas o seguro é recarregar diariamente, para não ficar sem telefone no meio do dia. Esta autonomia fica em par com o que vimos no Moto G, e não podemos considerar que estes dois aparelhos são notÁveis por ter uma boa autonomia.

Zenfone 5 traz a mais impressionante relação entre performance, design e preço do mercado, e redefine o conceito de custo/benefício do mercado brasileiro de smartphones

 

 

PRÓS
Boa câmera
Tela excelente
Performance Ágil
Ótimo acabamento
Preço muito impressionante
CONTRAS
Bordas largas tornam ele grande
Baixa autonomia
Faltou iluminação nos botões da base
Assuntos
Tags
  • Redator: Diego Kerber

    Diego Kerber

    Formado em Jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Diego Kerber é aficionado por tecnologia desde os oito anos, quando ganhou seu primeiro computador, um 486 DX2. Fã de jogos, especialmente os de estratégia, Diego atua no Adrenaline desde 2010 desenvolvendo artigos e vídeo para o site e canal do YouTube

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.