ANÁLISE: inFamous: First Light

ANÁLISE: inFamous: First Light

"inFamous: First Light" é a expansão standalone (independente) de "inFamous: Second Son", jogo de ação em mundo aberto lançado para Playstation 4 no começo deste ano. Isso quer dizer que você não precisa ter o episódio original para poder jogar a DLC, o que é uma ótima pedida caso você tenha US$15 (ou R$31) sobrando na sua carteira virtual na PS Store e queira conhecer um pouco de "inFamous" na nova geração.

Mas antes de querer se aventurar, aqui vai um aviso: da mesma forma como "Second Son" tinha seus altos e baixos, esta expansão também tem praticamente os mesmos prós e contras. Ou seja, os grÁficos continuam incríveis e a jogabilidade estÁ tão fluída quanto antes, mas as missões paralelas também não aliviam na repetição exagerada e, desta vez, a duração da campanha é curta, deixando um gosto de "quero mais" assim que os créditos começam a aparecer. 

Abaixo, você confere a anÁlise completa. 


História e Jogabilidade

O enredo de "inFamous: Fisrt Light" não enrola no que quer contar: Fetch vive tranquilamente com seu irmão Brent, tentando sobreviver ao dia a dia de Seatle sem precisar usar os seus poderes de conduíte. Certo dia, a dupla cai numa emboscada e o rapaz é sequestrado, iniciando sua jornada no controle da heroína na busca pelo irmão. Diferente de Delsin, o protagonista de "inFamous Secon Son", Fetch não é bobalhona e nem meio forçada, mas é bem carismÁtica, sabe dosar bem as palavras, tem personalidade marcante e gosta de levar tudo a sério sem parecer durona demais. É bem interessante acompanhar a evolução da maturidade da personagem a partir do desenvolvimento da trama que, embora dure cerca de 4 horas, tem pelo menos duas reviravoltas bem impactantes. Vale a pena jogar este episódio paralelo só para conferir isso.

Na jogabilidade, o game se destaca na liberdade de navegação que você tem pelo mapa de Seatle. E mesmo que ele não seja muito grande, traz uma ampla variedade de lugares para visitar, escalar construções e causar a destruição que for necessÁria para superar qualquer tipo de batalha. Fetch usa poderes baseados na luz neon e, cada vez que cumprir algum tipo de meta no jogo (por exemplo, matar inimigos com golpes corpo a corpo, ou enquanto estiverem no ar ou atirando em pontos específicos), ganha-se pontos que servem para evoluir suas habilidades (em número restrito, desta vez) e, assim, você se tornar mais poderoso. Grande parte desses pontos é conquistada, também, com as missões paralelas que, infelizmente, são extremamente repetitivas e se resumem a coletar pequenos pontos de luz, salvar reféns, derrubar drones policiais ou destruir carros das milícias ou das DPUs.

- Continua após a publicidade -

 

 

Em pouco tempo, esse processo fica enjoativo. Ainda bem que a produtora Sucker Punch inseriu uns desafios extras de combates em arenas fechadas. Além de testarem a habilidade do jogador e de serem geralmente divertidos, eles também rendem pontos para melhorar suas habilidades. Tem provas de sobrevivência a vÁrias hordas seguidas de grupos de inimigos, de resgate a reféns e de busca pelos maiores placares, com dificuldades e pontuações bem variadas e outros ainda que realmente vão fazer você querer jogar o controle longe. Duas partes legais dessa novidade: tem um ranking global que compara os melhores (e piores) desempenhos com jogadores do mundo inteiro e,  se você tiver um save guardado de "inFamous: Second Son", Delsin poderÁ ser usados nas arenas e ele mesmo terÁ alguns desafios exclusivos para completar. Simples, direto e que pode ser também acessado após o término da campanha, assim como a livre navegação por Seatle.  


GrÁficos e Áudio

Os grÁficos de "inFamous: First Light" estão tão bons quanto os de "inFamous: Second Son". Isso quer dizer que eles são belíssimos, lotados de detalhes que ressaltam aos olhos e impressionam pelo capricho das texturas e dos efeito de partículas nas explosões, na chuva caindo e pelas folhas de vegetação "passeando" pela cidade. Tirando pequenos problemas de sombras e de profundidade de campo, a iluminação também estÁ sensacional e os reflexos nas superfícies, estão bem realistas. DÁ gosto ficar admirando o trabalho o visual.    


No Áudio, o jogo não consegue ser marcante na trilha sonora. Nenhum game da série, aliÁs, tem essa virtude. O destaque aqui são os ótimos efeitos sonoros e a verossimilhança que eles adicionam à aventura, ajudando bastante na imersão do jogador com o game. A dublagem em português também estÁ bem boa e, desconsiderando algumas raras frases ditas com entonação estranha, as vozes combinam muito bem com os personagens e com as emoções que eles transparecem. 


Considerações

- Continua após a publicidade -

Se você gostou de "inFamous Second Son", com certeza vai se divertir com "inFamous: First Light". Embora com bem menos tempo de duração, com repetição exagerada nas missões paralelas e com pouca variedade de poderes, esta expansão independente vale os US$15 investidos por ter uma ótima personagem inserida numa história bem contada, combates bem divertidos com luzes neon,  grÁficos tão bons quanto os do game original e arenas de desafios extras que realmente testam as habilidades do jogador.    

PRÓS
A personagem Fetch é bem mais legal que Delsin
Enredo surpreende com duas reviravoltas
Combates divertidos e cheios de luzes neon
GrÁficos continuam estonteantes (texturas e partículas sensacionais)
Dublagem acima da média
Arenas de desafios extras
CONTRAS
Repetição exagerada das missões paralelas
Poucos novos poderes
Curta duração: entre 3h e 5h
Tags
  • Redator: Andrei Longen

    Andrei Longen

    Jornalista pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Andrei Longen é entusiasta por videogames desde os 7 anos, quando ganhou um Odyssey 2, seu primeiro console. Hoje tem PS4, PS3 e PS Vita e adora caçar troféus em todos os jogos. Colabora no Adrenaline com notícias, análises, artigos, colunas e vídeos.

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.