ANÁLISE: Gigabyte Z87X-UD7 TH

ANÁLISE: Gigabyte Z87X-UD7 TH

Provavelmente nossa última anÁlise de placa-mãe com chipset Z87 é de um dos melhores modelos desenvolvidos até o momento, digna de placa que pode ser considerada a melhor do mercado pelo acabamento muito diferenciado e, especialmente, tecnologias disponíveis. Estamos falando da Gigabyte Z87X-UD7 TH, modelo topo de linha da empresa, uma revisão da X87X-OC FORCE, trazendo layout um pouco diferente com adição de duas portas Thunderbolt 2.0.


Em cenÁrio internacional, na newegg.com, ela estÁ custando US$430 (pesquisa dia 18/03/2014). No Brasil ela deve ficar acima de R$2 mil, jÁ que a FORCE custa em média esse valor.

Tecnologias by GYGABYTE
Abaixo algumas das principais tecnologias da placa, inclusive com detalhamento de alguns dos componentes:


Tecnologias destacadas pela Gigabyte:
- Supports 4th Generation Intel® Core™ processors
- GIGABYTE Ultra Durable™ 5 Plus Technology
- Dual "Thunderbolt 2™" technology support
- Wi-Fi IEEE802.11ac and Bluetooth 4.0 Card
- IR® Digital CPU Power Design
- Unique OC Touch Feature
- Unique OC Ignition Feature
- 15µ gold plated CPU socket
- 4-way Graphics Support
- Durable black solid capacitors
- GIGABYTE On/Off Charge™ 2 for USB devices
- Dual Intel® LAN with teaming technology
- New Heatsink design with 9 onboard fan connectors
- Realtek ALC898 with High Quality 110dB SNR HD audio
- Sound Blaster X-Fi MB3 software suite
- GIGABYTE UEFI DualBIOS™
- Supports CFOS Speed Internet Accelerator Software
- 10 USB 3.0 ports

Dual Thunderbolt 2
A nova edição do controlador da Intel traz melhorias sobre a versão anterior, como a adição de "channel bandwidth aggregation", que permite transferências single channel com velocidade de até 20 Gbps, o dobro dos 10 Gbps dos designs anteriores.

OC Touch

O OC Touch fornece uma série de botões e interruptores fÁceis de usar. O design por trÁs do OC Touch é simples. Pretende ajudar entusiastas e overclockers a não apenas aproveitar ao mÁximo a performance do seu hardware, como também usufruir de toda a experiência OC.

OC Ignition

Existem ocasiões onde um overclocker quer desligar o sistema, mas ainda assim, manter a certas peças energizadas, como drives e ventoinhas. É isso que permite o recurso OC Ignition, que mantém energia na placa-mãe e nos componentes conectados enquanto o sistema estÁ desligado. Permite ainda que os usuÁrios testem as configurações de water cooler e permite a demonstração do case mod sem a necessidade de ligar o PC.

Suporte ao Gigabyte fan OPT
As placas-mãe série 8 da empresa possuem suporte ao fan OPT, uma "ventoinha" adicional que pode ser usada para conectar resfriamento líquido e configurada para operação de alta velocidade contínua. O fan OPT pode ser utilizado também por coolers com duas ventoinhas.

9 conectores para ventoinhas
Para ajudar a eliminar o calor, a placa possui nove conectores para ventoinha. Equipadas com seu próprio sensor termal individual, sete delas podem ser controlados pela BIOS e pelo utilitÁrio Gigabyte EasyTune.

Suporte a multi-GPU

Com suporte ao mais recente PCIe 3.0, a mainboard permite a utilização de até 4 placas de vídeo da AMD ou Nvidia.

Gigabyte on/off charge 2
A Gigabyte oferece a tecnologia "On/Off Charge 2" para permitir aos usuÁrios que carreguem a bateria dos seus dispositivos Android ou iOS através da porta USB mesmo quando o PC estÁ desligado.

Áudio

Suíte de software Sound Blaster X-Fi MB3
A plataforma de Áudio é equipada com tecnologia de ponta e oferece efeitos e recursos de qualidade e melhorias no som dos games.

 

Z87X-UD7 vs Z87X-OC FORCE

Para mostrar a semelhança entre a UD7 TH e a OC FORCE fizemos uma montagem colocando lado a lado uma foto da parte superior de cada uma das placas. Também adicionamos uma foto do painel traseiro, esse com conexões diferentes, afinal a UD7 TH tem duas portas Thunderbolt 2.0 e para adicionar elas foi necessÁrio remover outras conexões.

{break::Fotos e BIOS}Não analisamos a Z87X-OC FORCE, mas sabemos que a placa-mãe é considerada uma das melhores do mercado quando se trata de socket LGA 1150. Agora a Gigabyte pegou o projeto dessa placa, fez algumas atualizações e adicionou duas portas Thunderbolt 2.0, criando a Z87X-UD7 TH, modelo topo de linha da empresa, considerada uma das mais completas e imponentes do mercado, seja para o usuÁrio que busca tecnologias ou o entusiasta em overclock.

Como vemos abaixo, a caixa é bem grande, mesmo tamanho da utilizada na Sniper 5 e na OC FORCE.

Uma série de acessórios acompanham a mainboard, como a placa com WiFi + Bluetooth, sua antena, conectores SLI e Crossfire, vÁrios cabos Sata e adaptador 3.5 inch frontal com portas USB 3.0.

OBS.: Detalhe é que na caixa a foto utilizada é diferente da placa, o modelo utilizada para a ilustração não possui FAN e possibilidade de se conectar liquid cooler. 

Seu acabamento é excelente, com visual imponente sem chamar muito atenção como acontece com a OC FORCE (laranja) e a Sniper 5 (verde limão). Visualmente como jÁ mostramos, ela se parece muito com a OC FORCE, com pequenas mudanças de alguns componentes do PCB, além é claro do painel traseiro devido as conexões Thunderbolt.

Chamam bastante a atenção os dois dissipadores com FANs integrados e possibilidade de conectar um sistema de liquid cooler, funcionalidade voltada aos usuÁrios entusiastas e overclockers. Ela ainda permite conectar 9 FANs ao PCB, mais do que suficiente para manter o sistema refrigerado.

Claramente o foco da placa é oferecer tudo que é possível para atingir o limite em desempenho, desde funções para overclock, as diversas conexões PCI-Express, possibilitando Crossfire ou SLI com 4 placas de vídeo simultaneamente.

Uma série de tecnologias voltadas a melhorar o desempenho em situações extremas de overclock foram adicionadas a esse modelo, possibilitando que ela alcance resultados acima de modelos tradicionais, ao menos na teoria.

Na parte traseira temos como conexão de vídeo apenas duas portas HDMI e, como destaque, duas portas Thunderbolt 2.0, pouco comuns e tornando a placa uma das poucas do mercado com essa tecnologia.

Comprovadamente um modelo bastante diferenciado, sonho de consumo para quem pretende montar uma mÁquina com o que existe de melhor na plataforma LGA 1150.


Abaixo algumas fotos comparando a Z87X-UD7 TH com a Sniper 5 e com a Z87X-OC, todas placas da própria Gigabyte e modelos bastante diferenciados, sendo a UD7 TH a mais completa entre as três.

BIOS
A BIOS segue o layout dos demais modelos com chipset Z87, com visual com acabamento diferenciado e uma série de informações a mais do que modelos concorrentes. Outro detalhe é que a BIOS por padrão é visualizada em resolução FULL HD.

São muitas as opções disponíveis, vÁrias delas bem avançadas, dando controle sobre diversas funcionalidades do sistema, na grande maioria dos casos visando overclock, em outros facilitando esse tipo de característica através de perfis pré-programados, que virou obrigação entre todos os fabricantes.

Os perfis pré-programados têm sido uma grande aposta das empresas - e a Gigabyte estÁ entre as melhores -, possibilitando personalizar e salvar esses perfis.

Abaixo algumas telas da BIOS da placa.


Para quem desejar, também é possível navegar pela BIOS através da versão do layout anterior como podem ver abaixo:

{break::MÁquinas/Softwares utilizados, CPU/GPU-Z}Abaixo, detalhes sobre o sistema que utilizamos em todas as anÁlise de placas-mãe com mesma série de chipset, além de drivers e aplicações utilizadas nos testes.

Mas antes, fotos da placa analisada montada com demais hardwares do sistema que utilizamos.

MÁquinas utilizadas nos testes:
Todas os sistemas utilizaram os mesmos hardwares para os testes:
- Processador: Intel Core i7 4770K
- Placa de vídeo: NVIDIA GeForce GTX 680 referência
- Memórias: 8 GB G.Skill Trident 2400MHz @ 1600MHz (2x4GB)
- SSD: Corsair Neutron GXT 240GB Sata III
- HD: Seagate ST31000528AS 1TB SATA II 7200RPM
- Cooler: Cooler Master TPC 812
- Fonte de energia (PSU): XFX ProSeries 850W PSU

Sistema Operacional e Drivers:
- Windows 7 64 Bits com Updates
- Intel INF 9.4.0.1017
- Intel HD Graphics Drivers 9.18.10.3165
- NVIDIA GeForce 320.18

Aplicativos/Games:
- CineBENCH 11.5
- MaxxMEM
- x264 FHD Benchmark 1.0.1
- wPrime 2.09

- 3DMark 11 (DX11)
- Aliens vs Predator (DX11)
- Tomb Raider (DX11)

CPU-Z, GPU-Z
Abaixo, telas do CPU-Z e GPU-Z mostrando detalhes da placa-mãe e sistema utilizado nos testes.


Consumo de energia
Fizemos os testes do sistema em modo ocioso e rodando o 3DMark 11, aplicativo que exige bastante do sistema.

IDLE (Sistema ocioso)
Começamos pelo teste com o sistema em modo ocioso.

Rodando o 3DMark 11
Quando colocamos os sistema com vídeo integrado rodando o 3DMark 11, temos os consumos abaixo:

{break::Testes com uso do CPU}CineBENCH 11.5
Iniciamos os testes de desempenho em aplicações com o CineBench, que testa o processador convertendo uma imagem. 

x264 Full HD Benchmark
Em um teste de conversão de vídeo Full HD, temos os seguintes resultados:

MaxxMEM
O aplicativo MaxxMEM serve para testar o desempenho das memórias. Os testes são do modo "copy".

wPrime
Rodando o wPrime, teste que estressa todos os cores do processador, temos os resultados abaixo:

Conversão de vídeo
Através do software CyberLink MediaEspresso, fizemos testes de conversão de vídeo com os processadores com vídeo integrado.

{break::Testes com uso do vídeo integrado}Agora vamos aos testes com o vídeo integrado do Core i7 4770K utilizado nos sistemas.

3DMark 11
Começamos nossos testes com o 3DMark 11.

Aliens vs Predator
Em teste de games, utilizamos o "Aliens vs Predator" para medir o desempenho do HD Graphics 4600 e dos sistemas comparados.

Tomb Raider
Para finalizar os testes de games, vamos ao teste de desempenho do "Tomb Raider".

Versões futuras do pacote de drivers de vídeo da Intel podem trazer boas melhoras de desempenho e, consequentemente, gerar uma diferença superior entre os sistemas. 

{break::Testes com uma GeForce GTX 680}Além dos testes com o vídeo integrado, fizemos alguns testes com os sistemas rodando em conjunto com uma Nvidia GeForce GTX 680 referência. Confira abaixo os resultados:

3DMark 11
Começamos pelo 3DMark 11:

Aliens vs Predator
Damos sequência com o game "Aliens vs Predator":

Tomb Raider
Por fim, abaixo os resultados com o "Tomb Raider".

{break::Overclock}Assim como as outras placas-mãe Z87 que analisamos, fizemos alguns testes overclockando o Core i7 4770K utilizado. Nosso modelo do processador não conseguiu chegar a 4.7GHz em todos os cores em nenhuma das placas. Esse modelo promete bom comportamento em overclock extremo quando associado a um sistema de liquid cooler, assim como acontece com a OC-FORCE e com a G1.Sniper 5, mas como não temos esse sistema, fizemos um overclock manual mais "modesto", além de um teste com o sistema de overclock automÁtico via software, que vai estressando o processador. Enquanto o sistema se mantiver estÁvel, o aplicativo vai subindo o clock.

Vale destacar que a BIOS da placa tem alguns perfis pré-programados, com clocks de até 4.7GHz, mas nesse modelo e em nenhum outro que testamos conseguimos estabilizar o processador nos perfis acima de 4.6GHz, alguns mesmo em 4.5GHz ficaram instÁveis, provavelmente devido ao nosso processador.

Abaixo temos algumas telas do Auto Tuning, que inicia com clocks mais modestos até encontrar o limite do sistema e setar o clock mais alto possível, em nosso caso ficou em 4.6GHz. Infelizmente nem as memórias e nem o GPU foi overclockado, dessa forma para um usuÁrio leigo que é o foco desse tipo de tecnologia, não é o ideal, afinal mantendo o clock em 4.3GHz e overclockando a memória jÁ surtiria efeito bem melhor em grande parte dos testes, especialmente quando se trata do vídeo integrado. Outro detalhe é que estamos utilizando um kit de 2.4GHz de memórias, mesmo assim a placa não adotou seus clocks via XPM. 

Também fizemos overclock manual setando o processador nos mesmos 4.6GHz, acima disso o sistema travava, situação que aconteceu com vÁrios outros modelos que passaram por aqui, ou pela revisão de nosso Core i7 4770K, ou por ele jÁ ter sido muito castigado. Para o overclock, setamos o multiplicador em 46 e aumentamos a voltagem para 1.375, alta, mas nosso processador não trabalha bem nessas situações com voltagens inferiores.


Vale destacar também que novas atualizações de BIOS podem melhorar o comportamento do sistema em overclock.

Abaixo mais algumas imagens do aplicativo EasyTune da Gigabyte, que controla algumas das tecnologias oferecidas pela empresa, como sistema de overclock automÁtico, controle dos FANs e informações do sistema.


A variação entre os sistemas existe pelo comportamento diferente entre cada marca e modelo quando overclockados, especialmente quando utilizamos perfis pré-programados de overclock, onde cada empresa seta as suas configurações.

Consumo de Energia
O consumo de energia normalmente sofre um bom aumento dependendo do overclock feito, entre os motivos por aumentar a "entrega" de energia ao processador e sistema.


CineBENCH 11.5
Abaixo o desempenho dos sistemas na conversão de imagem do CineBench.

wPrime
Em um teste que mais vale como validador para o overclock feito, devido estressar todos os cores, temos o seguinte resultado:

3DMark 11
JÁ no 3DMark 11, que vai ter maior ganho em overclocks que também aumentem o clock do vídeo integrado, temos os seguintes resultados:

Aliens vs Predator
Por fim, rodando o "Aliens vs Predator" os sistemas tiveram os seguintes resultados:

{break::Conclusão}Depois de mais de 10 placas analisadas, podemos concluir que a Z87X-UD7 TH estÁ entre as três melhores que passaram pelas nossas mãos quando se trata de modelos topo de linha, brigando diretamente com a Maximus VI Extreme da Asus. A favor da placa da Gigabyte estÁ o projeto mais atual e conexões Thunderbolt 2.0, jÁ a favor da Asus estÁ seu preço U$55 dólares mais baixo, que da para comprar uma placa Thudnerbolt 2.0 dedicada, ou seja, a briga fica praticamente igual e o fator gosto é o que define a escolha entre os modelos.

Muitas tecnologias, quase tudo disponível no mercado, a Z87X-UD7 TH traz consigo, desde Wi-Fi e Bluetooth a suporte de 4 placas de vídeo via Crossfire/SLI e Thunderbolt. Isso sem deixar de lado seu projeto bastante focado em overclock, com dissipadores com fans integrados e possibilidade de se conectar um sistema de liquid cooler, suportando ainda 9 FANs alimentados pela própria placa. Outro detalhe é que a Gigabyte adicionou uma série de controles avançados à placa, possibilitando overclockar o sistema em tempo real, além de monitorar o mesmo via "atalhos" no PCB dela.

Seu acabamento e componentes são de primeira linha, com visual bastante imponente sem ser muito chamativo como a OC-FORCE, placa da Gigabyte a qual serviu de base para o projeto da UD7 TH.

A nova suite de aplicativos da Gigabyte com suporte as placas com chipset Intel Serie 8, vem aproximando a empresa da suite da Asus, em alguns aplicativos, inclusive com melhores resultados, como o Auto Tuning, que provou ser uma ótima solução para overclock "automÁtico" para leigos(ou preguiçosos :-D). O aplicativo EasyTune especificamente, é o grande diferencial do APP Center, seus perfis pre-programados podem dar ao sistema bom ganho de desempenho, através de um processo bastante simples, bastando alguns cliques, sem necessidade nenhuma de conhecimento técnico.

É importante que se diga, que diversas das tecnologias da placa precisam dos aplicativos instalados para funcionarem da forma ideal. Um exemplo estÁ no carregamento mais rÁpido de dispositivos USB ou para dar uma acelerada no boot do sistema.

Em se tratando de desempenho, o diferencial de uma placa desse nível fica sobre seu potencial de overclock, um dos diferenciais do modelo, que possibilita uso de equipamentos de alta performance em busca de melhores resultados. Fora isso, em situação padrão o desempenho é igual entre a placa mais barata e a mais cara do mercado.

Atualmente ela estÁ custando U$430 na newegg.com (pesquisa feita em 24/03/14), jÁ no Brasil ela deve custar pouco acima de R$2.000, jÁ que a OC-Force que é um pouco mais barata lÁ fora custa R$2 mil por aqui. O modelo concorrente da Asus, a Maximus VI Extreme, atualmente custa U$375 em cenÁrio internacional. Pelo preço alto é um produto direcionado a quem procura tudo que a plataforma pode oferecer, que dificilmente vai frustrar quem o comprar, mas que chegou um pouco tarde ao mercado, afinal logo logo teremos as novas placas-mãe com chipset Serie 9. Sim, com poucas mudanças, mas é aquela coisa: ninguém gosta de investir alto se logo logo vem um modelo novo, mesmo que uma seja versão que podemos chamar de facelift.

É importante destacar ainda que praticamente todas as fabricantes do mercado estão lançando BIOS que tornam placas-mãe atauis com chipset Intel Serie 8 compatíveis com os novos processadores Intel (Broadwell). A Gigabyte não é diferente; desta forma, basta entrar no site oficial da placa-mãe e baixar a versão com suporte aos novos processadores.

PRÓS
Excelente acabamento
Componentes de alta qualidade
Ótima suíte de aplicativos, destaque para o EasyTune
Conexão Wireless e Bluetooth
Suporte a 4 placas de vídeo
BIOS com opções avançadas
Perfis de overclock altos e de fÁcil aplicação pela BIOS ou EasyTune
Botões de acesso rÁpido a diversas opções no PCB
Audio Realtek ALC898 com suporte a X-Fi e EAX
Suporte a sistema de cooler líquido nos dissipadores
CONTRAS
Preço alto
Chegou bastante atrasada ao mercado
Tags
  • Redator: Fabio Feyh

    Fabio Feyh

    Fábio Feyh é sócio-fundador do Adrenaline e Mundo Conectado, e entre outras atribuições, analisa e escreve sobre hardwares e gadgets. No Adrenaline é responsável por análises e artigos de processadores, placas de vídeo, placas-mãe, ssds, memórias, coolers entre outros componentes.

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.