ANÁLISE: Tesoro Gungnir H5

ANÁLISE: Tesoro Gungnir H5

O Gungnir H5 é um mouse gamer fabricado pela Tesoro, uma marca voltada a produtos para gamers ainda pouco conhecida no mercado brasileiro. Equipado com um sensor de 3500 DPI, o periférico é voltado para games de FPS, mas pode facilmente atingir outros públicos e gêneros. Como é praticamente obrigatório neste tipo de produto, é possível configurar as DPIs para diversos estÁgios de precisão, mudar aspectos da aparência do periférico e também configurar funções e macros.

Especificações

  • Sensor de 3500 DPI
  • 7 botões programÁveis
  • 4 níveis de DPI ajustÁveis "on-the-fly"
  • Pollign Rate ajustÁvel, limite de 1000Hz
  • 5 perfis com luzes customizadas
  • Até 35 macros e 1600 ações gravÁveis
  • Memória onboard de 64kb


Design e ergonomia

Logo ao bater o olho vemos que este mouse é bastante diferente do que estamos acostumados a ver na indústria. Ele escapa do "praticamente inevitÁvel preto" e traz um visual bastante exótico nas cores cinza e roxa. Além das tonalidades da carcaça, o mouse possui duas luzes brancas na frete e duas com cores variÁveis na parte traseira. O logo, no topo do mouse, acompanha o padrão de cor das luzes das laterais.

 

Naturalmente, seu estilo excêntrico pode desagradar a muitos mas, em compensação, vai acertar em cheio o público que busca um produto com características que saiam do "todo preto com luzes", que representa boa parte dos mouses gamers disponíveis.

O Gungnir H5 é um mouse com a pegada no estilo "mão apoiada", para gamers que preferem controlar o mouse com a palma da mão encostada no topo do mouse. Seu formato não é muito alongado, então a mão não chega a ficar totalmente encostada no mouse, firmando apenas o topo da palma. A ergonomia do mouse possui linhas bastante bruscas e retas, não possuindo aquele encaixe mais apurado que vemos em modelos com linhas mais curvadas e naturais à pegada.

- Continua após a publicidade -

Os acabamentos deste modelo não são seu destaque. Feito em um material plÁstico, suas linhas, cortes e encaixes não são excepcionais. No topo, o acabamento é do tipo fosco, o que melhora a empunhadura, mas não chega a atingir níveis de qualidade que vemos em mouses com acabamento emborrachado. Os botões possuem um perfil bastante curto, não trazendo uma resposta sensitiva no mesmo nível que outros produtos.

Este mouse não possui opção de alteração de seu peso, sendo fixo em 96 gramas. Este peso é bastante leve, e vai agradar bastante quem quer um mouse Ágil e com respostas rÁpidas. Quem prefere um mouse mais "pesado e firme", precisarÁ buscar outra opção.

Tecnologias e Customizações

O ponto mais importante de um mouse gamer, junto com a ergonomia, é a eficiência de seu sensor Avago-3090. Neste aspecto, este periférico não fica devendo frente aos demais mouses de alto-desempenho. Com precisão 3500 dpi neste componente, o Gungnir se mostrou preciso em diversas superfícies, reagiu bem a mudanças bruscas de direção e também aos movimentos precisos. Seu perfil leve torna este mouse um periférico com respostas bastante rÁpidas e agressivas.

As configurações e customizações do mouse são feitas através de um aplicativo, o Gungnir Gaming Mouse Configuration. Nele é possível fazer os ajustes bÁsicos como definição das funções dos 7 botões configurÁveis (mais as duas ações do scroll down e o scroll up), além de modificações na aparência com a escolha da cor das luzes da lateral e do logo da empresa no produto.

Nas configurações avançadas, podemos fazer modificações em outros aspectos como o polling rate, as cores das luzes do mouse e configuração de Macros. A interface de criação Macros estÁ dentro do que estamos acostumados, com a possibilidade de gravar ações e depois fazer ajustes de ordem e de tempo para a execução dos comandos. Após salvar o macro (que vira um arquivo .mco), podemos atribuí-lo a algum dos botões do mouse. No total, o Gungnir possui até cinco perfis diferentes, com características próprias.

O software consegue incluir a maioria dos ajustes que possam interessar a um gamer, sendo que senti falta apenas de uma customização dos níveis de DPI, sendo que o software fixa nos quatro estÁgios: 450, 900, 1800 e 3500. Mais opções para as cores e efeitos para as luzes também seria interessante, pois só hÁ dois padrões de exibição, o fixo e o "respirando", sendo que outros periféricos trazem combinações mais complexas e que inclusive alternam de cor em intervalos de tempo.

Mousepad Aegis

Além do Gungnir, recebemos também o Aegis para anÁlise. Com múltiplos tamanhos, testamos o Aegis X4, o maior deles com 43 x 37.1 x 0.4 cm. O Aegis traz todas as características indispensÁveis para um bom mousepad, com a base emborrachada antideslizante, um ótimo acabamento e um tecido de boa qualidade na parte superior, onde o mouse desliza sem problemas e sem acontecer interferências no funcionamento do sensor.

- Continua após a publicidade -

O acabamento do tecido, na parte superior, é bastante liso e macio, algo que vai agradar em cheio os consumidores que buscam esta característica. Com certeza, se você gostou do visual do Gungnir, este mousepad irÁ combinar com o mouse e serÁ um complemento interessante ao seu "gaming set".

Conclusão

O Gungnir não chega a ser excepcional em seu segmento de preço. Apesar de não haver um valor oficial ainda, por ainda não estar disponível no Brasil neste momento, hÁ estimativas que ele chegue aos consumidores brasileiros na casa de R$ 200 a 250, o que o coloca em competição com modelos como CM Storm Sentinel Advanced II, o Spawn e o Black, produtos que levam vantagem em atributos como acabamento e ergonomia. No exterior, ele é vendido por US$ 39,99, fazendo frente a estes mesmos modelos em sua casa de preço.



Corsair Vengeance, CM Storm Sentinel Advanced II, Roccat XTD, Razer Deathadder e Tesoro Gungnir

Por conta destes concorrentes, o Gungnir faz sentido para os consumidores que se sentiram atraídos por seu visual diferenciado, e não estão afim de comprar um mouse "preto com luzes" como acontece na maioria dos produtos disponíveis no mercado. Para os demais, apesar do periférico da Tesouro não dever nada em características como precisão do sensor e botões customizÁveis, hÁ opções superiores por preços semelhantes.

O Gungnir é o mouse ideal para quem busca um design exótico e ao mesmo tempo os principais recursos de um periférico gamer. Em outros aspectos, como acabamento e ergonomia, hÁ opções superiores no mesmo patamar de preço

PRÓS
Design diferenciado
Bom sensor
Possibilidades de customização e macros
CONTRAS
Acabamento e ergonomia abaixo de concorrentes
Assuntos
Tags
  • Redator: Diego Kerber

    Diego Kerber

    Formado em Jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Diego Kerber é aficionado por tecnologia desde os oito anos, quando ganhou seu primeiro computador, um 486 DX2. Fã de jogos, especialmente os de estratégia, Diego atua no Adrenaline desde 2010 desenvolvendo artigos e vídeo para o site e canal do YouTube

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.