ANÁLISE: [CeBIT 2009] Novos computadores da Gigabyte são revelados

ANÁLISE: [CeBIT 2009] Novos computadores da Gigabyte são revelados

O FullRange G1743 é um notebook que desafia os limites da portabilidade deste segmento, com impressionantes (quase) 4kg. O tamanho todo se justifica pelo seu hardware: o modelo possui nada menos que duas placas GTX 680M em SLI, um poder de fogo altíssimo para um notebook, mesmo gamer.

Naturalmente, esta alta performance tem seu preço, e nem falamos dos 9 mil reais que este modelo custa. Chips grÁficos de alta performance demandam sistemas de resfriamento eficientes, e neste caso temos duas GPUs para serem resfriados, o que resulta em um notebook bastante grande e pesado, atendendo apenas a um nicho de mercado que quer muita potência em um dispositivo que, por mais que não seja exatamente portÁtil, possa ser carregado para outros lugares sem dificuldades.

Vejamos, no restante da review, o que este parrudo notebook é capaz de fazer. 

{break::Especificações e comparativos}Especificações técnicas



- Continua após a publicidade -

Descrição Física
- 41.9 x 29.3 x 5.5~6.0cm
- Peso: 3.9 Kg
- Cor: Preto

Tela
-17,3" FullHD 16:9 LED-Backlight do tipo fosca 

Chipset
- Intel HM77 Express Chipset

Memória
- 4 SODIMM Slots
- Suporte para Dual-Channel  DDR3 SDRAM
- Tipo de memória:  DDR3 SDRAM 1333/1600MHz

Hard Disk (HD)
- Suporte para 9.5mm, 2.5" SATA
- Suporte para 2 Hard Disk's
- Suporte para 3º HD via OBHD
- Suporte RAID 0/1
- Suporte para SSD
- Suporte para mSATA

- Continua após a publicidade -

Áudio
- High Definition Audio Interface
- Saída S/PDIF Digital
- Entrada de Microfone
- Saída de Fone de Ouvido
- Sound Blaster X‐Fi MB2
- 2 Speakers Onkyo
- 1 Subwoofer Onkyo
- 7.1CH audio, suporte para headphone, microfone, Line‐in e S/PDIF

Comunicação
- 10/100/1000 Mbps GigaLAN

Teclado
- 86/87 teclas suporte com 101/102 teclas
- Teclado retro-iluminado
- Teclado numérico
- W/A/S/D gaming key

Mouse
- Touch Pad com up/down scroll zone e 2 botões
- Função Multi-Gesture

Entradas/Saídas
- HDMI 1.4a (with HDCP) x 1
- Display Port (Reversion depends on video controller) x 1
- USB 3.0 (1 x powered USB, AC/DC) x 4
- Porta eSATA (USB 2.0 combo) x 1
- RJ‐45 LAN (10/100/1000Mbps) x 1
- Saída para Headphone x 1
- Entrada para Microphone x 1
- Line-in x 1
- S/PDIF x 1

- Continua após a publicidade -

Slots
- Leitor de cartão de memória 9x1 (MMC/RSMMC/MS/MS Pro/MS Duo/SD/Mini-SD/SDHC/SDXC)

Adaptador de Energia
- Universal AC-in 100~240V, 50~60Hz
- 300W com 20V, 15A DC
- 3 pin 240V AC cabo

Bateria
- Bateria Smart Lithium‐Ion

Webcam
- Integrada: 2.0 megapixel web câmera

Segurança
- Kensington lock
- Leitor biométrico integrado

Pasta Térmica
- Artic Silver 5 thermal

Sistema Operacional
- Nenhum

Garantia
- Garantia de 3 anos para peças e mão de obra. (Bateria: 1 ano).

FullRange G1743 vs FullRange G1740 vs Titanium



FullRange G1743
FullRange GB1740
Avell Titanium G1511
Processador
Intel Core i7 3610QM Intel Core i5 3210M Intel Core i7 3610QM
Chip GrÁfico
2x NVIDIA GTX 680M NVIDIA GTX 675M NVIDIA GTX 660M
Memória RAM
8GB 8GB 8GB
VRAM
2GB GDDR5
4GB GDDR5 2GB GDDR5
Tela
17.3" FullHD Led-backlight, antirreflexiva 17.3" FullHD Led-backlight
15.6" FullHD Led-backlight
Dimensões (AxPxL)
41.8 x 3.9 x 26.9 cm  41.2 x 4.18~4.54 x 27,6  cm 41.2 x 4.18~4.54 x 27.6 cm
Peso
5 Kg 4.5 Kg 2.6 Kg
Armazenamento

750GB HDD

750GB HDD 750GB HDD
Bateria
8 células Li-Ion
8 células Li-Ion 8 células Li-Ion
Suporte ao 3D estereoscópico



Preço
R$ 9.299,00
R$4.870,00 R$ 3.499,00


{break::Fotos, design, aquecimento e autonomia}Os produtos Avell se caracterizam, em geral, por um design bastante simples, baseado em carcaças genéricas e assim deixando mais espaço para a empresa investir mais do "custo do aparelho" em hardware. O G1743 segue esta mesma lógica, com um corpo bastante simples e discreto, com bastante variedade nos materiais usados. A maior parte da superfície é em plÁstico, mas hÁ algumas partes em metal escovado e o apoio dos pulsos é emborrachado, algo bastante confortÁvel, por sinal.

Apesar do Frankstein que é sua composição, a carcaça não prejudica o visual do notebook, jÁ que todos estes materiais estão na cor preta. A qualidade da construção do G1743 parece bastante sólida, mas não tem o apelo visual de produtos gamers de outras empresas, como MSI e ASUS. Alguns acabamentos não impressionam, como a moldura em torno da tela, que dão a sensação de um produto "mais barato".

O teclado retroiluminado é bem "quadrado", com linhas retas nas formas de todas as teclas. Assim como o restante do notebook, é um design bastante "pragmÁtico", cumprindo bem sua função mas não chegando a bater os concorrentes em aspectos como ergonomia. O teclado, por sinal, possui um porém: não é localizado para o Brasil, então não estÁ no padrão ABNT-2.

 

Um dos poucos elementos que tiram o Avell FullRange G1743 do estilo "caixa preta" são as saídas de ar na parte posterior. Com um design bem esportivo, são verdadeiras turbinas por onde o notebook "cospe" o calor gerado pelas duas GTX 680M e o processador Intel. 

Aquecimento
Verificamos o quanto o sistema aquece executando o benchmark de "Crysis 2", em alta qualidade, por repetidas vezes, colocando à prova a eficiência do projeto térmico do notebook.

O grande tamanho do notebook, e suas vÁrias e imponentes saídas de ar, tem o seu efeito concentrando de forma muito eficiente o calor apenas na parte traseira, evitando que o aquecimento afete mais partes do hardware. Além de garantir que o uso do computador seja confortÁvel, controlar o aumento de temperatura dos componentes é importante para aumentar a longevidade do sistema, algo muito interessante considerando o alto investimento para adquirir este notebook.

Autonomia
Chegamos ao ponto crítico para todo notebook gamer: o tempo que ele consegue ficar longe da tomada. No teste de autonomia, dividimos em dois perfis: no primeiro, rodamos o Powermark no modo produtividade, em que o aplicativo se limita a navegar na internet e editar documentos de texto, com o brilho da tela no mínimo e o sistema operacional configurado para economizar o mÁximo de energia. No segundo, mais exigente, colocamos a tela em brilho mÁximo, alteramos o gerenciador de energia do sistema para modo alto desempenho, e configuramos o Powermark para realizar o benchmark no modo "entretenimento", em que pode-se alternar entre executar vídeos e renderizar animações em 3D.


Creio que ninguém esperava por um milagre, e não é aqui que ele vai acontecer: a autonomia do G1743 é bem baixa, segurando o aparelho ligado em torno de duas horas no uso econômico de seus recursos. As duas GTX 680M e o monitor de 17,3" FullHD não tem nenhuma piedade da bateria do aparelho, o que resulta na obrigatoriedade de mantê-lo ligado na tomada, se não quiser surpresas. A autonomia de notebook gamers nunca é um destaque, mas modelos com o FullRange G1730, da própria Avell, conseguiu entregar quase duas horas a mais de duração de bateria, também possuindo uma tela de 17,3 polegadas.

{break::CineBench, WinScore, WinRAR}Abrimos nossa série com testes "sintéticos" do sistema, mostrando com notebook lida com diversas atividades. Para começar, utilizamos o CineBench, uma ferramenta de benchmark que mede a capacidade do sistema (processador e placa de vídeo) em lidar com a API OpenGL, importante para quem deseja usar aplicações profissionais que trabalham neste padrão.

Quando demandamos da CPU, vemos um equilíbrio muito grande entre todos os modelos, por conta de seus processadores semelhantes. A diferença entre os quatro primeiros modelos não chega a ultrapassar os 2%, o que nos leva a considerar um empate entre eles.

Mudando para a GPU, o modelo com placa AMD HD 6850M, o HP Envy, ainda se sai melhor neste teste. Vemos que o SLI deste modelo em anÁlise não chegou a abrir muita vantagem no comparativo com o GT70, que possui apenas uma GTX 680M, ou mesmo de modelos com uma GTX 660M (GE70 e G75VW).

WinRAR
Com o programa de compactação de arquivos temos um ótimo teste para a capacidade de atuação do processador, a peça de hardware mais demandada por este aplicativo.

Apesar das CPUs semelhantes, o modelo da Avell levou a melhor, possivelmente resultado de sua memória RAM adicional. O G1743 conseguiu resultados entre 10 e 12% superiores aos demais modelos analisados, e abriu uma boa vantagem de notebooks com processadores Sandy Bridge, caso do G1730.

WinScore
Rodamos também o tradicional mecanismo de pontuação do sistema do Windows, para termos uma ideia de como o sistema operacional classifica o notebook em anÁlise. 

O que esperar de um hardware que combina SSD, duas GTX 680M, 16GB de RAM e um processador Intel Core i7? Uma nota do Windows elevada, claro! Curioso é que a pontuação escorrega abaixo dos 8 pontos, por um décimo, apenas no processador.

{break::PCMark, 3DMark e Photoshop}Começamos a segunda parte de testes sintéticos com o PCMark, software que verifica o desempenho geral do sistema em uma série de atividades como rodar vídeos e converter arquivos.

Como era de se esperar, jÁ que estamos com um dos hardwares mais poderosos que jÁ passaram pela redação do Adrenaline, o G1743 não decepcionou e cravou o melhor resultado de nosso comparativo, com 5452 pontos. Os detalhes completos da anÁlise do PCMark podem ser visto neste link.

Adobe Photoshop CS5
Aplicamos o filtro Extrude, e uma imagem com resolução 5182x9754 e 4.5GB, para verificar o tempo que o notebook leva para aplicar este efeito.

Ainda que por uma margem estreita, o FullRange tomou o pódio deste teste, conseguindo superar o MSI GT70 por quase 4%. Em relação aos demais modelos, a diferença ficou na casa dos 10%, com a exceção do Titanium, que foi 44% mais lento que o modelo desta nossa anÁlise.

3DMark
Hora de colocar as GPUs para esquentar com o software da Futuremark. Nesta bateria de três testes temos vÁrios recursos pesados rodando, vendo como a placa se comporta desde as animações mais simples até renderização de elementos complexos como fumaça e tesselação.

Assim como acontece no SLI de chips para desktop, a combinação de duas GTX 680M não impactou muito no desempenho nos dois primeiros testes, entregando 4 e 25% mais performance, nos testes Ice Storm e Cloud Gate, respectivamente. O notebook também não conseguiu se aproximar do desempenho de uma GTX 680 convencional, nestes dois testes.

Em compensação, no último e mais pesado benchmark, o Fire Strike, este modelo da Avell foi o grande destaque, conseguindo resultados muito próximos dos seus equivalentes em placas para computador de mesa. O SLI também foi mais efetivo, aumentando em 66% o desempenho no comparativo com o notebook operando apenas com uma GPU ativa. 

{break::Alien vs. Predator}

Nosso próximo teste é com o game "Alien vs. Predator", muito elogiado pelo uso das tecnologias disponíveis no DirectX 11, e que serÁ testado utilizando o Adrenaline Benchmark Tools, para rodar a bateria de testes.

 

Aqui temos algo bem próximo do sonho de consumo de quem faz um  SLI: as duas GTX 680M renderam praticamente o dobro do que apenas um chip atuando sozinho, e fazendo todos os demais notebooks parecerem irrelevantes no grÁfico.


FullHD
Aumentando a resolução, e exigência do teste, os três modelos com a dupla Core i7+ GTX 660M ficam "na mesma balada", com uma performance muito semelhante. Nas configurações mais avançadas, o MSI GE70 jÁ começa a ficar com uma taxa média de quadros por segundo abaixo do recomendÁvel para um bom gameplay.

Novamente temos um salto de desempenho, com este modelo da Avell alcançando quase o dobro de performance que o MSI GT70, modelo com "apenas" uma GTX 680M.

Tessellation
Por fim, acionamos a tecnologia do Tessellation, que aumenta a qualidade grÁfica tornando a modelagem dos objetos mais complexa e, de quebra, tornando mais difícil para a placa executar o game.

Em nosso teste mais pesado, o resultado foi praticamente o mesmo do verificado nas "baterias" anteriores: quase duas vezes mais performance comparado a um modelo com apenas um chip GTX 680M, e um ganho de 238% sobre modelos com chip Nvidia GTX 660M.


Para fazer estes testes em seu computador/notebook, é preciso possuir o jogo e baixar o Adrenaline Alien vs Predator Benchmark Tool. As filas de testes rodados estão disponíveis em duas resoluções, de acordo com a tela do notebook: 1366x768 e em modelos que suportam o FullHD.

{break::Crysis 2}

Como comentamos, para os teses utilizamos a ferramenta Adrenaline Crysis 2 Benchmark Tool, que, lançada no ano passado, é utilizada por praticamente todos os websites internacionais para benchmarks com o Crysis 2. O game, como todos sabem, é referência em qualidade de imagem, e no mês de junho de 2011 finalmente ganhou seu patch com suporte ao DirectX 11, jÁ que originalmente o game vinha apenas em DX9.

Um ponto importante sobre este benchmark é que aqui forçamos o hardware com configurações avançadas (é do HIGH pra cima, a coisa), então os resultados baixos não significam que os modelos são incapazes de rodar o game em qualidade satisfatória. Realizando ajustes, é possível rodar o game na maioria dos modelos analisados, porém nossa intenção nesta parte é mesmo "fazer um teste de estresse". 

Estes primeiros testes mostram uma anomalia,  possivelmente relacionada a drivers ou software de nossos benchmarks. O FullRange G1743 "cravou" nos 60 fps, e nenhuma configuração nossa conseguiu resolver isto.

O que é um problema para nossa review, estÁ longe de ser um problema do ponto de vista prÁtico. Afinal, 60 quadros por segundo é considerado ideal para o gameplay, então donos deste modelo não encontrarão nenhum problema neste "defeito".

FullHD
Novamente repetimos os comparativos, desta vez filtrando para apenas os notebooks compatíveis com a resolução FullHD, em suas telas.

Aumentando a qualidade e resolução do game vemos como os 60 fps dos primeiros testes, que fizeram o G1743 perder para o GT70, são artificiais. Enquanto o modelo com uma GTX 680M cai para 45fps, o notebook de nossa anÁlise segue firme nos 60 quadros, mostrando que ainda tem fôlego para mais.


Para fazer estes testes em seu computador/notebook, é preciso possuir o jogo e baixar o Adrenaline Crysis 2 Benchmark Tool. As filas de testes rodados estão disponíveis em duas resoluções, de acordo com a tela do notebook: em 1366x768 e para modelos que suportam também o FullHD.

{break::Bioshock Infinite}


O game "BioShock Infinte" é um grande sucesso de crítica (inclusive aqui no Adrenaline) desenvolvido pela 2K Games. Para os testes com o este jogo utilizamos a ferramenta "Adrenaline Action Benchmark Tool"

Apesar da diferença inicial não ser muito grande, vemos um aumento progressivo do resultado do SLI, chegando a trazer 60% de ganho em relação a apenas um chip operando. Comparado ao modelo da Lenovo, com  uma GTX 660M, temos um salto de 250% na performance, e com a placa de entrada, a GT640M, a surra fica ainda maior: mais de 500% superior.

FullHD
Subimos a resolução para os 1080p, para analisar o comportamento dos notebooks. Nesta resolução também podemos comparar, no último teste, o desempenho dos portÁteis (descrever o FullRange G1743 portÁtil talvez seja "forçar a barra", mas vÁ lÁ) comparado a placas de vídeo convencionais. 

 

Este último teste dÁ uma boa mostra do benefício do SLI: o foi de 73%, levando de 47 para 83 o número de quadros por segundo alcançado neste teste. Esta combinação de GPUs também tornou possível para este notebook superar uma placa de vídeo GTX 680 convencional por uma margem estreita (5%).

{break::Tomb Raider}


O game marca o reboot da histórica franquia de Lara Croft, desenvolvido pela Crystal Dynamics com sua engine própria, a Crystal Dynamics Engine. Para os testes com o este jogo utilizamos a ferramenta "Adrenaline Action Benchmark Tool".

 

Apesar de um começo discreto, com ganho de 40% sobre apenas uma GPU operando, o SLI vai progressivamente mostrando seu potencial a medida que aumentamos a qualidade grÁfica do jogo de Lara Croft, chegando a entregar quase o dobro de desempenho na configuração mais pesada. 

FullHD
Aumentamos a resolução para 1080p, aumentando também o "estresse" do sistema para renderizar as cenas do benchmark. 

 

Novamente vemos que o SLI se mostra mais efetivo de acordo com o aumento da qualidade grÁfica do jogo, sendo que vemos claramente o benefício no teste com configuração mais elevada: enquanto uma GTX 680M entrega apenas 20 fps, algo inadequado para um bom gameplay, o SLI segurou os quadros em 40 por segundo, na média, algo bastante positivo. 

{break::Recursos adicionais e armazenamento}Além do jÁ destacado SLI, este modelo tem uma série de funções interessantes. Um dos destaques é a grande quantidade de conexões, incluindo desde as bastante comuns (para não dizer obrigatórias) portas USB 3.0 (4x), HDMI, rede ethernet RJ45 e HDMI, até algumas que não costumam ser presentes, como DisplayPort e eSATA.

Como jÁ pudemos reparar na parte sobre aquecimento, o sistema de resfriamento deste modelo da Avell também é muito eficiente, evitando superaquecimento dos componentes. Para alcançar este desempenho, os modelos da linha G1740 possuem três fans, uma sobre cada GPU e uma para a CPU, além de diversos heatpipes cruzando o interior do notebook. Diversas saídas de ar pela parte inferior e na traseira completam o sistema de resfriamento.

Outro diferencial, aproveitando o vasto espaço disponível na "imponente" carcaça do G1743, é a possibilidade de colocar dois drives de armazenamento, algo muito interessante para quem deseja fazer o combo SSD+HDD. Na hora da compra é possível customizar o seu modelo, através do site da Avell, possibilitando ocupar o espaço extra com mais um HD ou, por 499 reais, um SSD SATA 3 de 128GB. Por padrão, o notebook vem com apenas um HD de 750GB.

O G1743 também inclui um sistema de som potente, com um subwoofer na parte de baixo, e um leitor de digitais, recurso interessante para quem pretende dispensar o uso de senhas, substituindo-as pela biometria. 

Armazenamento
Rodamos o aplicativo HDTune para mensurar a velocidade do disco presente no notebook.


{image}{image}

O SSD presente no modelo em anÁlise não se destacou, ficando abaixo da maioria dos outros modelos com esta tecnologia (e quase 50% abaixo do presente em outro produto da empresa, o Avell Diamond). É bom lembrar que, no modelo base, não hÁ um SSD, e sim somente um HD de 750GB, também presente neste teste. Para adicionar um drive SSD, a Avell cobra R$ 499 por um modelo de 120GB, o suficiente para o sistema e os principais programas. Para colocar um de 256GB, como o do modelo de nossa anÁlise, o custo adicional é de 679 reais.

A comparação como GT 0NE, da MSI, segue sendo ingrata. Este modelo vai esculhambar com nosso grÁfico por um bom tempo, transformando os HDs convencionais em meros "riscos" na tabela. 

{break::Conclusões}O Avell FullRange G1743 traz uma série de características que tornam este modelo um produto de nicho. Seu peso elevado, na casa dos 5kg, e seu tamanho nada discreto são impeditivos para a maioria dos usuÁrios. Afinal, se optamos por um notebook, de alguma forma o que estamos buscando é portabilidade.

Neste modelo temos o limite da performance em games que é possível ser colocada em um notebook: a junção de um processador Intel Core i7, 16GB de memória RAM, SSD de 128GB e a incrível combinação de duas placas de vídeo GTX 680M em SLI fizeram com que o FullRange entregasse uma performance sem precedentes em games, em todos nossos testes. O notebook só não superou todos seus rivais no aspecto armazenamento, afinal os dois SSDs em RAID 0 do MSI GT70 0NE possivelmente irão segurar o pódio por um bom tempo.

Na difícil equação de portabilidade versus performance, este é produto é o marco de referência para quem quer foco total no desempenho, não se importando com o custo que isto irÁ representar para o tamanho e o peso de seu aparelho. Ou seja, ele possui todas estas características de um legitimo "desktop replacement" (substituto de computador de mesa, em tradução livre), sendo capaz de fazer tudo que um poderoso computador convencional faz, sem perdas. Apesar das dimensões, ele ainda tem como vantagem sobre um "computador clÁssico" a característica de ser uma única peça (na verade, duas: ele e a fonte) sendo mais fÁcil de ser movido. Não é um Ultrabook, mas dispensa ficar conectando cabos.

O custo também não pode ser ignorado pelos potenciais compradores do G1743. Avaliando somente o preço em si, montar todo um computador de mesa de alta performance, com hardware semelhante (SLI GTX 680, CPU Core i7, 16 GB RAM, SSD...) também pode chegar na casa de 9 mil reais de custo, mas hÁ um porém: o desempenho não é o mesmo. Como pudemos verificar em vÁrios testes, o SLI de GTX 680M equivale, na maioria das vezes, ao que uma GeForce GTX 680 de desktop, sozinha, entrega. Resumindo: estes 9 mil reais vão resultar em mais desempenho se gastos em um computador convencional.

Por fim, nossa conclusão é que:

O Avell FullRange G1743 é o melhor modelo de notebook para o consumidor que quer o mÁximo de performance, não importando o custo que isto represente para a portabilidade do dispositivo (e para o seu bolso)

 

PRÓS
Altíssima performance
Sistema de resfriamento eficiente
Boa tela e sistema de Áudio
Muitas conexões e espaços para discos de armazenamento
CONTRAS
Pesado e com baixa autonomia (mesmo para um notebook gamer)
Vem sem sistema operacional (é preciso adquirí-lo)
Assuntos
Tags
  • Redator: Diego Kerber

    Diego Kerber

    Formado em Jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Diego Kerber é aficionado por tecnologia desde os oito anos, quando ganhou seu primeiro computador, um 486 DX2. Fã de jogos, especialmente os de estratégia, Diego atua no Adrenaline desde 2010 desenvolvendo artigos e vídeo para o site e canal do YouTube

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.