ANÁLISE: Pro Evolution Soccer 2013 (PS3)

ANÁLISE: Pro Evolution Soccer 2013 (PS3)

O "eterno Winning Eleven" chega à sua versão 2013 com a difícil missão de recuperar terreno perdido em relação ao jogo que é seu rival nestes últimos 11 anos. Enquanto a série FIFA vem conquistando o público, principalmente a partir da versão 08, o Pro Evolution Soccer busca se firmar desde mudanças profundas realizadas a partir da versão 2007.

O grande destaque da versão 2013 do game é a possibilidade de controle totalmente manual, uma tendência que jÁ vinha aparecendo nas duas franquias com elementos como o passe com o direcional em 360 graus, e que nesta versão do PES tem o seu expoente mÁximo. É possível controlar completamente a direção do passe, ou como o jogador irÁ proteger a bola de um oponente, o que traz um novo nível de jogabilidade e, ao mesmo tempo, um desafio e tanto para dominar todos os recursos.

Outra novidade importante é a inclusão do Campeonato Brasileiro de Futebol (o nosso Brasileirão), adição importantíssima ao público nacional que, somado à presença da Copa Santander Libertadores, torna o jogo mais atrativo aos brasileiros.


Nos demais aspectos, os modos do game jÁ começam a mostrar sua "idade", jÁ que o recurso mais recente do game é o "Become a Legend", ou como é chamado em sua versão em português, o "Rumo ao Estrelato", introduzido na franquia lÁ em 2009. A "Liga Master", no entanto, continua um grande atrativo para os jogadores, mais acostumados ao seu formato que o modo de jogo existente no rival.

Agradecemos à representante da Konami pelo envio do jogo para anÁlise 

- Continua após a publicidade -

{break::Jogabilidade}A versão 2013 do Pro Evolution introduz uma série de novidades no controle dos jogadores, dando um controle mais avançado em campo. Os controles manuais para chutes e passes dão um novo nível de domínio sobre as ações do time em campo, e prometem agradar em cheio aos entusiastas e fãs de simulação mais avançada.

Como costuma acontecer, o aumento da complexidade dos controles também tem o seu custo: dominar todas as possibilidades de movimentos dos jogadores requer uma curva de aprendizado longa. Os tutoriais conseguem passar de forma rÁpida recursos como o "dois toques" e os "chutes manuais", mas serÁ preciso jogar muito até conseguir utilizar as manhas na prÁtica. Algumas sequências de botões nos fazem lembrar que estamos jogando um game de futebol "feito por japoneses", onde o timming precisa ser tão afinado quanto aquele de partidas furiosas de Street Fighter.

Como PES Full Controll, o jogador pode indicar a direção exata onde quer o passe ou o chute

Este novo grau de controle sobre os jogadores, nesta edição do PES, enfim deram uma direção clara para a franquia, que vinha tentando reencontrar o rumo nos últimos anos. Novamente a aposta é a simulação, para contrabalancear a ideia mais "arcade" e dinãmica presente nos antigos games da franquia FIFA. Não que o concorrente da EA fique abaixo na qualidade do gameplay, pois a série FIFA também traz partidas interessantes, muito mérito de seu sistema de física superior, mas no Pro Evolution a jogabilidade traz um número maior de recursos para realizar as jogadas.

Até elementos como a forma como a bola serÁ dominada, ou como o atleta darÁ "o bote" para tomar a bola, podem ser feitas de vÁrias formas. O jogador pode tentar tomar a bola cercando o adversÁrio, tentando dar o bote no tempo certeiro ou fazendo pressão, dando aos jogadores uma boa quantidade de opções para enfrentar seus adversÁrios e descobrir seus pontos fracos.



Se quiser dominar todas as jogadas, terÁ que passar por vÁrios destes tutoriais


O jogo parece bem mais "fechado", com menos esquisitisses acontecendo ao longo da partida, comparado a versões anteriores. Alguns erros, porém, persistem, caso de jogadores controlados pelo computador que, mesmo muito próximos da bola, simplesmente não a dominam porque o jogo jÁ "marcou outro jogador para ir buscar aquela bola". Nos momentos mais cômicos, dÁ pra ver jogadores que chegam a correr na direção oposta, dando a impressão que fogem da bola.

- Continua após a publicidade -

Outro problema é alguns elementos de física dos jogadores. Enquanto a série FIFA evolui muito neste aspecto, os jogadores continuam atravessando uns aos outros e vÁrias outras bizarrices que, além de influenciar no gameplay, dão um "péssimo acabamento" para as partidas. Por mais que estesglitches sejam comuns em games de futebol, é triste ver que os anos passam e a Konami não parece se importar com o fato que seus jogadores são capazes de atravessar a trave e a rede do gol.

{break::GrÁficos e Áudio}Nesta edição do Pro Evolution não houve grandes modificações na parte grÁfica do game. Com exceção dos menus do game que, como em toda nova versão do game, ganharam uma repaginada, elementos como estÁdios e jogadores não trazem grandes ganhos na parte visual.

Como vem acontecendo nas últimas edições, os jogadores são bastante semelhantes ao suas "versões do mundo real", especialmente quando falamos de grandes astros. Com alguns jogadores mais obscuros, especialmente em nosso estreante do ano no PES, o campeonato brasileiro, alguns atletas (especialmente os menos famosos) passam longe de serem idênticos no game.

Outro cuidado da Konami foi com o que a empresa chamou de "Player ID", conjunto de características únicas de alguns jogadores. Com este recurso é possível ver os jogadores (especialmente os mais famosos) realizarem seus dribles característicos em campo, e comemorar no mesmo estilo que sua contrapartida do mundo real. Este recurso também torna possível que o jogador crie atletas com "a sua cara", determinando características como repertório de dribles e comemorações que eles utilizarão.

Em outros acabamentos, como os uniformes, escudos e elementos dos campeonatos, a Konami caprichou bastante, com uniformes dos clubes muito parecidos com os reais. A única engasgada por aqui é um problema crônico da série: licensiamento. Algumas ausências clÁssicas como o Manchester City se mantem, além de pontos críticos como a seleção brasileira de futebol e seu feioso uniforme verde. Ao menos os nomes dos jogadores estão corretos, e o misterioso Kmala, atacante da seleção alemã que "era igual ao Klose" no PES 2010, é o tipo de coisa que ficou para o passado.

O clÁssico Manchester vs Chelsea fica assim no PES 2013

Um porém, agora específico da versão do game que analisamos, é que a série continua com alguns problemas em sua edição para o console da Sony. Nos momentos onde surgem closes para capturar comemorações ou outros detalhes da partida (como discussões entre jogadores), a queda nos quadros por segundo é muito evidente, tirando toda a fluidez destas cenas pré-definidas. Felizmente, estas "lagadas" influenciam apenas nas repetições dos lances, no gameplay mesmo a coisa roda lisinha. Ufa.

- Continua após a publicidade -

Na parte do Áudio, a narração de Sílvio Luiz continua sendo o grande destaque. Os bordões do narrador continuam dando "um molho" para as partidas, tornando-as muito mais divertidas com seu estilo descontraído de falar. Infelizmente o Áudio do Sílvio Luiz e de Mauro Beting não receberam algumas atualizações, algo visível pois um grande número de jogadores do campeonato brasileiro não possuem as gravações de seus nomes. Jogadores como Thiago Feltri tem, curiosamente, seu nome anunciado se você jogar com a narração em inglês, porém isto estÁ ausente em português brasileiro.

{break::Modos de jogo e multiplayer}Chegamos a parte do game que, tirando um ou outro detalhe, parece não ter sido alterada no comparativo com as versão 2012. A "Liga Master", muito popular entre os fãs da franquia, segue praticamente idêntica ao que víamos no game anterior, e o "Rumo ao Estrelato" apresenta algumas mudanças.

Liga Master
A Liga Master (ou como ainda é mais conhecida por aqui, a Master League) segue com seu modelo de gerenciamento do time, com um controle sobre as contratações, finanças e pessoal do clube. Como jÁ estava organizado na versão 2012, o game torna possível contratar profissionais para cada Área do clube, como departamento médico e olheiros, investir na torcida organizada e no time juniores, controlar as contratações e, como não poderia deixar de lado, jogar as partidas. A medida que avançamos nos capeonatos, acumulamos pontos que podem ser trocados por equipamentos melhores para o treinamento do time.

Este, que é possivelmente o modo mais popular do game, merecia algumas atualizações e novos elementos para "dar novos ares". Games como "Futebol Manager" mostram como a administração de um clube pode envolver elementos complexos, e incluir alguma novidade daria nova graça ao modo. Nada excessivo, para não perder o foco do game, que são as partidas, mas o suficiente para implementar alguma inovação.

Rumo ao Estrelato
Este modo aparentemente se tornou um pouco mais complexo com o passar do anos, com os players cada vez influenciando mais a carreira e o desenvolvimento de seus jogadores criados. Apesar de o primeiro time ser escolhido aleatoriamente, você pode agora oferecer seus serviços para algum clube que seja melhor, e que ofereça melhores condições para o seu desenvolvimento. Isso acontece porque cada time apresenta um número de pontos a seres colocados no seu Treino, que influenciam as características desenvolvidas pelo jogador.

A gerência da carreira passa, primeiramente, pelas mãos do seu agente, que lhe dÁ dicas e sugestões entre as partidas e pode te levar para aquele desejado clube dos sonhos. A cada jogo acumula-se o salÁrio, que é usado exclusivamente para a contratação de um novo agente, melhor, que tenha mais contatos e aumente suas possibilidades de transferência. 

Durante as partidas as coisas não mudaram muito. A inteligência dos seus companheiros evoluiu um pouco, mas não muito. Conte com muitos momentos de fúria ao estar livre em frente ao gol e assistir enquanto o centroavante, caso não seja você, chuta em cima do goleiro. Falta um pouco da responsabilidade presente no Fifa no momento em que você pede a bola. No modo do rival, pedir a bola enquanto se estÁ marcado e o passe resultar em perda da bola, você perde muitos pontos na sua nota final. Em PES isso não existe, permitindo que você fique chamando a atenção dos companheiros infinitamente.  

Seria interesante novos modos. Quem sabe um "banque o técnico da seleção", onde você escolhe os jogadores de uma nacionalidade e leva eles através das classificatórias até a Copa do Mundo de Futebol. Um novo desafio para os jogadores é importante para sair do marasmo em que a franquia vem caindo, o que não foi feito no PES 2013.

O modo Comunidade é um dos destaques do Pro Evolution, tornando possível aos jogadores reunirem informações dentro de vÁrios grupos, e assim compartilhar informações sobre os resultados de jogos dentro do grupo. Com este mecanismo, você consegue manter um "controle" das partidas em diversos grupos, seja na sua "panelinha de amigos" quanto em grupos diversos, exibindo as estatísticas das pessoas do grupo.

{break::Conclusão}O Pro Evolution Soccer 2013 dÁ segurança aos fãs da franquia, indicando que a Konami achou um rumo para jogo. Com um gameplay mais cadenciado, traz um desafio interessante para os gamers que curtem construir seus ataques "aos poucos".

A versão 2013 do jogo ampliou o número de estÁdios e trouxe uma adição importantíssima para nós brasileiros: o nosso campeonato nacional de clubes. Somado com a Libertadores da América, outra competição de grande "carinho" pelos fãs de futebol aqui no país, temos aqui elementos que trazem muito valor ao game para os jogadores brasileiros.

Infelizmente alguns problemas se mantiveram, como a falta de licensiamento de clubes e seleções importantes, ou defeitos grÁficos como jogadores atravessando uns aos outros, fato que conta como um contra do game, mas que não chega a comprometer a experiência. A Konami evoluiu elementos como a colisão entre jogadores, com a inclusão de muito mais animações para as "trombadas", mas a franquia ainda perde muito no comparativo com o FIFA.

Por fim, jogadores que preferem um jogo mais lento e cadênciado, com a possibilidade de controle total sobre os jogadores (e que não ligam para a frustração que é dominar todos estes comandos), que fazem questão da presença clubes brasileiros e a Libertadores "redondinhos" e são fãs dos modos Rumo ao Estrelato, Liga Master e o modo Comunidade, tem aqui a melhor opção para game de futebol.

O Pro Evolution 2013 traz evoluções na jogabilidade que prometem um ótimo desafio para quem busca uma partida cadenciada e desafiante de futebol

PRÓS
Jogabilidade muito mais complexa e desafiante
Clubes brasileiros e narração em português brazuka
CONTRAS
Controles manuais são difíceis de serem dominados
Jogadores se movem de maneira artificial e sem expressões
Seguem os problemas crônicos de licenciamento
Assuntos
Tags
  • Redator: Diego Kerber

    Diego Kerber

    Formado em Jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Diego Kerber é aficionado por tecnologia desde os oito anos, quando ganhou seu primeiro computador, um 486 DX2. Fã de jogos, especialmente os de estratégia, Diego atua no Adrenaline desde 2010 desenvolvendo artigos e vídeo para o site e canal do YouTube

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.