ANÁLISE: WD VelociRaptor (1TB)

ANÁLISE: WD VelociRaptor (1TB)

A WD lançou em abril sua nova linha da família de discos-rígidos VelociRaptor, a VR333M, que conta com modelos com densidade de 333 GB, cache para buffer de 64 MB e tava de transferência de 200 MB por segundo. A série apresenta três tamanhos: 1 TB, 500 GB e 250 GB.

Com a um acesso mais fÁcil aos SSDs (solid-state driver), os discos-rígidos topo de linha passaram a encarar um concorrente de muita força e, principalmente, velocidade. Tiveram de apostar, assim, em preço e tamanho oferecido, jÁ que os SSDs ainda apresentam uma relação muito alta entre custo e espaço.

Assim, a WD mandou para anÁlise o seu modelo mais robusto da sua principal linha de HDs, o VelociRaptor 1 TB. Ele conta com garantia de cinco anos e pode ser encontrado atualmente por 289,99 dólares no NewEgg.com.

A seguir vamos comparar o Velociraptor com outros drives HDs padrão Sata 3 e Sata 2 de 7200RPM, como com um drive SSD OCZ Vertex Sata 2 de 60GB, tirando a dúvida de muitos leitores. Vale destacar que os modelos Velociraptor são destinados ao segmento corporativo, e não para uso em desktop, justamente devido sua velocidade aliada a segurança.

{break::Especificações}Confira abaixo as especificações do VelociRaptor. Reparem que a WD disponibiliza modelos em formato 3.5'', o que estamos analisando, e também em formato 2.5'', o mesmo de um SDD e de HDs utilizados em notebooks.

Em relação às especificações, o destaque fica por conta dos RPM, que chegam a 10.000, contra 7.200 de modelos padrão de mercado. Maiores informações técnicas podem ser vistas na pÁgina oficial do produto, clique aqui para conferir.

- Continua após a publicidade -


Model number: WD1000DHTZ
Interface: SATA 6 Gb/s 
Formatted capacity: 1 TB
User sectors per drive: 1,953,525,168
Advanced Format (AF): Yes
SATA latching connector: Yes
Form factor: 3.5-inch
RoHS compliant: Yes
Data transfer rate (max):

  • Buffer to host: 6 Gb/s
  • Host to/from drive (sustained): 200 MB/s
Cache (MB): 64
Rotational speed (RPM): 10,000
Average drive ready time (sec): 8
Load/unload cycles: 600,000
Non-recoverable read errors per bits read: <10 in 10^16
Limited warranty (years): 5
12VDC (A, max): 1.8
Average power requirements (W):
  • Random Read/Write: 5.1
  • Sequential Read/Write: 5.8
  • Idle: 4.2
  • Standby and Sleep: 1.1
Temperature (°C):
  • Operating: 5 to 55
  • Non-operating: -40 to 70
Shock (Gs):
  • Operating (2 ms, read/write): 30
  • Operating (2 ms, read): 65
  • Non-operating (2 ms): 300
Average acoustics (dBA):
  • Idle mode: 30
  • Performance seek mode: 37
Weight (lb./kg, ± 10%): 1.10/0.50
Dimensions (H/L/W): 26,1/147/101,6 mm

{break::Entenda o HD}

O HD, também conhecido como Disco Rígido, é a parte responsÁvel pelo armazenamento de todos os dados do computador, como programas e arquivos. É considerado uma memória não-volÁtil, ou seja, as informações não são perdidas quando o computador é desligado. Nos sistemas mais recentes, o HD também é utilizado para expandir a memória RAM. Existem vÁrios tipos diferentes de interfaces para discos rígidos: IDE, ATA, Serial ATA, SCSI, Fibre Channel e SAS.

Os HDs possuem discos magnéticos que são recobertos por uma camada magnética extremamente fina. Quanto mais fina for a camada de gravação, maior serÁ a sua sensibilidade e, consequentemente, maior serÁ a densidade de gravação permitida por ela. Isso possibilita que HDs, independente da capacidade, tenham o mesmo tamanho, pois, em HDs que suportam mais dados, o conteúdo serÁ gravado em um menor espaço, ao contrÁrio dos que suportam menos.

A cabeça de leitura e gravação de um disco rígido funciona como um eletroímã extremamente pequeno e preciso, a ponto de ser capaz de gravar trilhas medindo menos de um centésimo de milímetro de largura. Os dados são armazenados em muitos dígitos 1's e 0's. Esses dígitos binÁrios são organizados de maneiras diferentes para representar diferentes personagens. Quando estes são lidos de volta pela cabeça os dados são recuperados e transformados.

Ao ler um arquivo, a controladora posiciona a cabeça de leitura sobre a trilha onde estÁ o primeiro setor referente a ele e espera que o disco gire até o setor correto. Esse tempo inicial, necessÁrio para iniciar a leitura, é chamado de tempo de acesso, e mesmo os HDs atuais de 7.200 RPM ficam em torno de 12 milésimos de segundo, o que é uma eternidade em se tratando de tempo computacional. O HD é relativamente rÁpido ao ler setores sequenciais, mas ao ler vÁrios pequenos arquivos espalhados pelo HD, o desempenho pode cair assustadoramente. É por isso que existem programas desfragmentadores, que procuram reorganizar a ordem dos arquivos, de forma que eles sejam gravados em setores contínuos.

- Continua após a publicidade -

Para ler e gravar dados no disco, são usadas cabeças de leitura eletromagnéticas que são presas a um braço móvel, o que permite seu acesso a todo o disco. O braço de leitura é uma peça triangular, também feita de ligas de alumínio, para que seja ao mesmo tempo leve e resistente.

Fontes: Hardware.com e Wikipédia

{break::SSD vs HD}Temos algumas diferenças "gritantes" entre SSD e HD. Vamos falar um pouco mais de três que julgamos estar entre as principais. Fica difícil determinar qual é mais relevante, sendo que em todas elas temos uma disparidade muito grande na performance.


Barulho
A diferença é simples, o HD faz o barulho clÁssico das agulhas procurando os dados nos discos, jÁ o SSD faz ...... ops, ele não faz barulho, isso mesmo, nenhum SSD emite ruído algum, característica muito importante para muitos usuÁrios, especialmente para alguns equipamentos como notebooks. Mesmo que um HD não seja um dos componentes mais barulhentos de um computador, se ele fizer pouco barulho (ou nenhum, como no caso de um SSD), melhor.

Temperatura
HDs mais recentes, por possuírem maior velocidade e capacidade, se tornaram bastante compactos internamente, gerando mais calor. Com isso, ajudam a aumentar a temperatura interna de um gabinete, ou notebooks, onde existe pouco espaço e a dissipação do calor é precÁria.

Na comparação com um HD, o SSD tem uma temperatura menor em...... ops, SSD não esquenta! E quando dizemos que não esquenta, não é que ele "esquenta menos" ou "pouco", ele não esquenta mesmo, fica totalmente frio. Para comparação, ao usarmos um termômetro a laser, a diferença da temperatura dele desligado para a alcançada durante os testes de performance foi de menos de 0,5 graus, ou seja, a temperatura dele serÁ praticamente igual à temperatura ambiente.

Velocidade
Completando as três principais características temos a velocidade. Mesmo com a significativa diferença dos dois primeiros pontos acima, a velocidade é um dos aspectos que mais atraem os usuÁrios, justamente porque, no caso específico desse tipo de produto, vai impactar diretamente o tempo das ações, tornando a mÁquina mais rÁpida seja para carregar o sistema operacional e alguns aplicativos, seja na transferência de dados.

- Continua após a publicidade -

Para muitos, esse ganho de velocidade não representa muita coisa. JÁ para outros, faz toda a diferença.

Enquanto nos discos magnéticos a velocidade é medida em RPMs (rotações por minuto), ou seja, uma velocidade angular, nos SSDs o desempenho é mensurado normalmente em MB/s, valor da taxa de transferência dos dados, seja de escrita ou leitura. Dessa forma, não é possível fazer uma comparação direta de desempenho entre um SSD e HD apenas pela "leitura" de suas especificações. É preciso partir para testes de desempenho.

Este modelo que estamos analisando jÁ é baseado em conexão SATA III de 6GB/s, o dobro da anterior. Na prÁtica, os tempos de leitura e escrita não atingem o dobro da velocidade, mas ficam muito próximos.

Vale destacar também que opções na BIOS e no sistema operacional fazem toda a diferença no uso de um SSD, como ativar a opção AHCI nas opções de modo Sata da BIOS da placa-mãe. Fazendo isso, seu sistema trabalharÁ de forma mais rÁpida com o drive SSD. Isso pode, no entanto, impactar o sistema operacional. Caso ocorra algum problema, basta retornar ao modo anterior. O ideal é fazer essa mudança antes da instalação do sistema. Dizem que utilizar modo RAID mesmo tendo apena sum HD/SSD também é uma boa alternativa, jÁ que o sistema automaticamente direcionaria o modo ideal, desde que se faça a alteração antes de instalar o sistema operacional.

Outras diferenças
Além das três diferenças citadas acima, temos outras também muito importantes. Primeiro o tamanho, jÁ que o padrão de drives SSD é 2.5, diferente de HDs para computadores desktop que é 3.5. Também temos o fator peso, muito menor em um SSD. Os componentes utilizados em um SSD são bem mais leves que em um HD, isso que dizer que mesmo um SSD de 3.5 seria mais leve que um HD de mesmo tamanho.

Entre outros fatores favorÁveis ao SSD, temos o consumo de energia menor, a durabilidade em impactos, tornando um SSD bem mais resistente, jÁ que ele não possui as famosas "agulhas" e "discos" onde os dados são gravados, mas, como vimos, pequenas "memórias".

{break::Fotos}Abaixo, algumas fotos do modelo analisado que, apesar do formato 3.5'', vem com um HD formato 2.5'' por dentro de uma espécie de base. Vale destacar que a WD disponibiliza esse mesmo HD em formato 2.5'', com um adaptador para 3.5'', diferente desse modelo que estamos analisando, que é mais robusto e tem todo seu sistema específico para formato 3.5''.

Nas fotos abaixo temos o Velociraptor ao lado de um HD Seagate Barracuda. A diferença fica por conta do tamanho do disco rígido em si, jÁ que o Barracuda é um 3.5 nativo, e o Velociraptor é um 2.5 dentro de uma base 3.5 como jÁ destacamos.

{break::Testes}Abaixo, detalhes completos do sistema utilizado, baseado em uma mainboard com chipset Z77:

Drives utilizados nos comparativos com seus respectivos preços:

- HD WD Velociraptor 1TB (Sata 3) = R$ 1200 +/-
- HD Seagate Barracuda 2TB (Sata 3) = R$ 450
- HD Samsung 500GB (Sata 2) = R$ 230
- SSD OCZ Vertex 2 60GB (Sata 2) = R$ 250

OBS.: Refizemos os testes de TODOS os drives na nova plataforma e com SO, drivers e aplicativos idênticos em todos os modelos, dando a noção exata do desempenho de cada disco.

MÁquina utilizada nos testes:
- Mainboard Gigabyte GA-Z77X-UP7
- Processador Intel Core i7 3770K
- Memórias G.Skill 8GB (2x4GB) ARES
- Fonte XFX 850W Black Edition
- Cooler BOX Intel

Sistema Operacional e Drivers:
- Windows 7 Pro 64 Bits com updates
- Intel INF 9.3.0.1021
- Intel HD Graphics Drivers 15.26.12.2761
- Intel Rapid Storage Technology 11.5.4.1001

Aplicativos:
- ATTO Disk Benchmark 2.47
- CrystalDiskMark 3.0.1c x64
- HD Tune Pro 5.00
- Sandra Lite 2012

Antes de começarmos com os testes, abaixo a tela do CrystalDiskInfo e do HD Tune Pro com alguns detalhes técnicos do HD.

Temperatura
Não medimos as temperaturas porque os aplicativos mostravam dados bem diferentes a cada teste. A WD garante que o Velociraptor foi desenvolvido visando melhor dissipação de calor e consumo de energia, que também influencia na temperatura, do que modelos padrão de mercado.

{break::ATTO Disk Benchmark}Abaixo temos o comportamento de todos os drives em cima do ATTO Disk Benchmark, conceituado utilitÁrio que testa performance desse tipo de produto.

Como vemos abaixo, no teste de leitura do ATTO o ganho do Velociraptor sobre um HD Sata 3 tradicional é muito bom, com desempenho superior em 63%, mas também vemos que ele não é pÁreo para um drive SSD.

Em escrita, a diferença para um HD Sata 3 de 7200RPM ainda é boa, mas bem abaixo do ganho em leitura. O lado positivo é que a diferença para um SSD também caiu.


Abaixo a tela do aplicativo com os resultados, mostrando mais detalhes.


{break::CrystalDiskMark}Com o aplicativo CrystalDiskMark, outro muito famoso para testes de drives, optamos por utilizar o teste "Seq". Abaixo, seguem os resultados.

No modo leitura do CrystalDiskMark, uma surpresa: o WD Velociraptor assumiu a ponta da tabela, ficando à frente do SSD em 12%. A vantagem sobre o HD Sata 3 de 7200RPM foi de 35%.

No modo escrita do Cristal Disk Mark a vantagem do Velociraptor para o SSD comparado subiu ainda mais, ficando em 35%, jÁ comparado ao HD de 7200RPM a diferença foi de quase 55%.

Abaixo a tela do aplicativo com os resultados, mostrando mais detalhes.


{break::HD Tune Pro}Também utilizamos o benchmark em "modo leitura" (read) do HD Tune Pro, um dos mais reconhecidos do mercado.

No primeiro teste, onde é medida a velocidade de leitura média, o WD Velociraptor de 1TB se comportou muito bem comparado ao SSD, ficando 6% atrÁs. JÁ quando comparado ao HD de 7200RPM o ganho não foi tão notÁvel como os testes anteriores, ficando na casa de 12%.

Também fizemos os testes no modo "File Benchmark", nova funcionalidade da versão 5.00 do HD Tune Pro.

Nos demais testes a comparação fica fora da realidade. Um dos exemplos no qual um SSD supera um HD de forma a tornar esse meio de armazenamento algo pré-histórico no que diz respeito à velocidade:

Abaixo, telas do aplicativo com os resultados dos testes:

{break::Sandra 2012}Com o teste "Physical Disk" do Sandra podemos ter uma noção boa da diferença entre os drives.

Com o Sandra, o desempenho do WD Velociraptor foi 44% abaixo do SSD, e 13% à frente do HD de 7200RPM, números abaixo de alguns resultados anteriores.

{break::Win7 Exp., Tempo de BOOT, Carregando um game}Windows 7 Experience
O Windows 7 possui uma ferramenta de teste de desempenho de alguns dos hardwares do sistema, entre eles do dispositivo de armazenamento onde o sistema operacional estÁ instalado.

Como podemos ver abaixo, o sistema interpreta que todos os HDs têm o mesmo desempenho, o que na prÁtica não é verdade. Apenas o SSD ficou à frente.

Tempo de BOOT (Windows 7 Pro)
Com o software BootRacer medimos o tempo necessÁrio para inicializar o Windows.

Esse teste é bastante interessante. O SSD jÁ era sabido que se sairia melhor devido seu sistema de memórias NAND Flash, mas o resultado é curioso para os HDs comparados. Sobre o HD Sata 3 de 7200RPM o Velociraptor foi 33% melhor, dentro do esperado. Quando comparado a um HD Sata 2, ele ganhou a quase 93%, quase a metade do tempo para carregar o sistema.

Carregando um game
Outro teste interessante é carregando um game, para isso utilizamos o Crysis Warhead com teste em cima do mapa "ambush". O conceito do teste foi simples, computar o tempo que levou desde a hora que clicamos até a hora em que o gameplay começa.

Assim como no teste de carregar o Windows o SSD se saiu melhor, 6% à frente do Velociraptor, que por sua vez ficou 4% a frente do HD Sata 3 de 7200RPM. Por último e consideravelmente atrÁs dos demais ficou o HD Sata 2, mostrando a eficiência do padrão Sata 3 nessa situação.

{break::Cópia de arquivo}Cópia de arquivo
Em um teste prÁtico de cópia de arquivos enviando e recebendo 16GB, organizados em pouco mais de 800 pastas e representando um total de 35 mil arquivos a serem copiados, vamos fazer uma cópia de um HD Externo WD 1TB USB 3.0 para o PC com o drive analisado, e depois faremos o mesmo processo do PC de volta para o HD Externo.

HD Externo para PC
Na cópia de arquivos de um drive externo para o PC, o Velociraptor assumiu novamente a primeira posição. O motivo se deve ao espaço do SSD utilizado para o comparativo (60GB), consequentemente o sistema operacional demora mais para calcular e alocar os dados devido à limitação de espaço, o que não acontece nos demais drives. Com um SSD de maior espaço, a tendência era ele ficar na primeira colocação.

O ganho do Velociraptor sobre um HD Sata 3 de 7200RPM foi praticamente imperceptível.

PC para HD Externo
No processo contrÁrio, copiando do PC para o HD externo, a história não muda muito. Temos ambos os HDs Sata 3 bastante próximos, com leve vantagem para o Velociraptor. O SSD assumiu a terceira colocação, jÁ que o processo é inverso e fica facilitado por causa do seu tamanho: o sistema operacional não precisa calcular o que entra e consequentemente ocupa o pouco espaço disponível. Ainda assim, foi um valor alto por se tratar de um SSD.

{break::Conclusão}Como destacamos na review, o Velociraptor é um dos HDs mais rÁpidos do mercado. Diferente do padrão atual que tem velocidade de 7.200RPM, a linha Velociraptor tem 10.000 RPM, consequentemente consegue melhores tempos de leitura/escrita do que a grande maioria dos discos rígidos. Por outro lado, seu preço também é bastante alto, chegando ao triplo do cobrado por um drive normal. O ganho de desempenho, porém, não é nem próximo ao triplo como acontece com o preço, o que torna o produto bastante caro e interessante apenas para uso corporativo. Na verdade esse é seu foco, assim como a linha Sawio da Seagate, que também tem 10.000 RPM.

Para um usuÁrio de desktop, é muito mais interessante a compra de um SSD e de um HD de 2TB Sata 3 de 7200RPM do que a compra de um Velociraptor de 1TB. O ganho serÁ maior em praticamente todas as situações como vimos nos testes, sem contar que ainda terÁ o dobro do espaço. Um ponto importante é que a linha Velociraptor garante maior segurança dos dados armazenados na comparação com modelos padrões de marcado, muito importante para o segmento corporativo.

Infelizmente para os HDs a briga de velocidade com SSDs se tornou injusta. Os HDs só conseguem ganhar em espaço e preço, jÁ que o custo de um SSD com alta capacidade ainda é algo fora da realidade. Assim como virou o Velociraptor depois que lançaram os SSDs, seu custo/beneficio ficou muito alto, como produção pode ter caído e tende a cair mais, seu custo não deve baixar.

Entre os HDs mais rÁpidos do mundo, mas não é pÁreo para um SSD

No Brasil, o modelo de 1TB custa cerca de R$1,2 mil, valor que dÁ para comprar um SSD de 120GB e um HD de 2TB ou mesmo maior com uma boa pesquisa. Isso mostra que o Velociraptor não é uma boa escolha para usuÁrios desktop, mas sim para empresas que precisam de alta capacidade de armazenamento com o que existe de melhor em velocidade, mas com valores ainda abaixo de drives SSD. Vale destacar que a vida útil de drives SSD também estÁ entre os motivos de empresas adotarem HDs, isso colocando tudo no mesmo pacote, jÁ que os drives SSD mais caros e TOP do mercado melhoraram bastante também nesse aspecto, com memórias de melhor qualidade. A Intel, por exemplo, se destaca bastante nesse segmento.

Mesmo com seu alto custo, a WD conseguiu diminuir o fator preço por gigabyte comparado a geração anterior. Vamos esperar que em um futuro próximo seja adotado um sistema híbrido de HD com SSD visando melhor desempenho.

PRÓS
Entre os HDs mais rÁpidos do mercado para desktop
Padrão Sata III (6GB/s) com 64MB de Cache
Velocidade de 10.000RPM
5 Anos de garantia
CONTRAS
Valor bastante alto pelo custo/benefício
Mesmo sendo um dos HDs mais rÁpidos do mercado para desktop, não é pÁreo para um SSD em diversas situações/aplicações
Assuntos
Tags
  • Redator: César Massaki Teshima Soto

    César Massaki Teshima Soto

    Graduando de Jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina, ganhou um Mega Drive aos 5 anos, mas nunca conseguiu fazer final em Sonic 2. Navegava pelas salas de bate papo nos tempos da internet discada e até hoje procura o disquete perdido com seu jogo salvo do América-MG no Elifoot 98.

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.