ANÁLISE: WD My Book Live (2TB)

ANÁLISE: WD My Book Live (2TB)

A Western Digital é uma marca conceituada na Área de dispositivos de armazenamento, como HDs internos e externos, SSDs, além de aparelhos de entretenimento doméstico, como media players. Vamos analisar aqui um produto para quem deseja uma solução para armazenar seus arquivos e compartilhÁ-los entre vÁrios dispositivos dentro da rede, sem complicações.

O Western Digital My Book Live é um dispositivo de armazenamento externo que utiliza a conexão de rede para compartilhar seus dados dentro da rede interna e até mesmo através da Internet, criando um espaço pessoal de armazenamento na nuvem.

O dispostivo utiliza apenas dois cabos, um de energia e outro ethernet. Dessa forma, ele opera independente de computadores, e disponibilizando os arquivos para outros dispositivos através da intranet ou internet.

{break::Design, fotos e especificações}O My Book Live possui um design bastante simples e discreto, não passando nem perto de ser uma peça decorativa. Tem o objetivo bem claro de passar despercebido. Com desenho alongado, pode ser usado tanto na horizontal quanto na vertical, o que auxilia bastante no seu posicionamento em qualquer espaço, com medidas não muito maiores que de um HUB ou um roteador. Não chega a ser leve, com pouco mais de 1Kg, mas, como não tem o objetivo de ser algo portÁtil, isso não incomoda.

Essas características em seu design são interessantes pois, exceto quando você realizar a transferência de arquivos, é possível até esquecer da existência do aparelho, que opera de forma silenciosa e com apenas uma pequena luz frontal para indicar o status do My Book.

O único porém deste aparelho é a hora que você vai tentar abrí-lo: quase destruímos o exemplar... O My Book não foi feito para ser aberto, com encaixes muito difíceis de serem mexidos e nada de parafusos, ficando bem complicado não quebrar algo ao forçar a abertura. Isso não é problema para quem não pretendia ficar "fuçando" dentro do produto, mas quem sonha em comprÁ-lo e um dia trocar o HD interno por outro de mais capacidade, é melhor esquecer a ideia.




Especificações técnicas:
Capacidade: 2TB (terabytes)
Conexão: Gigabit Ethernet
Altura: 16,7 cm
Profundidade: 13,9 cm
Largura: 5 cm
Peso 1.09 kg
Garantia de três anos

- Continua após a publicidade -

Navegadores suportados:
Internet Explorer 7 ou superior
Safari 4.0 ou superior
Firefox 3.6 ou superior

{break::Configurando na rede}Após conectar o My Book Live à rede através do cabo, a configuração do aparelho é feita através de um CD incluso na caixa, que também pode ser baixado através deste link


Após finalizar a instalação, as configurações passam a ser possíveis pelo navegador, bastando digitar o caminho do HD na rede. Como nomeamos nosso aparelho como HDAdrenaline, digitando "hdadrenaline" como URL somos direcionados para a interface de configuração do sistema.


Nessa interface podemos definir todas as configurações de acesso do HD, como escolher uma senha de acesso, diferentes tipos de usuÁrios (com permissões distitnas de acessos e senhas), acesso remoto e até criar um serviço de FTP.  Todo esse processo é feito em português, com uma série de caixas de ajuda ao lado de cada opção, orientando o usuÁrio ao longo da configuração.

Após configurado, o HD fica disponível na rede, aparecendo entre os dispositivos na rede e sendo acessado facilmente.  É possível criar diferentes usuÁrios, sendo que cada um terÁ os acessos configurados individualmente, o que torna fÁcil a criação de pastas específicas de acesso a apenas uma pessoa, por exemplo. As configurações incluem o gerenciamento de permissões de leitura e escrita, o que torna os controle bastante preciso das "liberdades" de cada usuÁrio dentro das pastas presentes no My Book.

{break::Acesso remoto}O My Book Live, quando conectado a uma rede com acesso à Internet, passa a ter capacidade de realizar uma série de ações, como buscar automaticamente por atualizações de firmware e, esta muito mais interessante, torna o aparelho acessível através da rede. Basta ativar a opção de acesso remoto, na tela de configuração, que o My Book Live passa a ser acessível à distância.

- Continua após a publicidade -

Para configurar um dispositivo, é preciso entrar na aba Configurações >> Acesso remoto, e criar uma nova conta no Acesso Web, onde você configura um nome e um e-mail. Uma mensagem é encaminhada para o e-mail cadastrado, explicando o passo a passo que, depois de finalizado, torna possível o acesso remoto aos arquivos armazenados no HD.

Através do navegador, o sistema mostra quais HDs você tem acesso com a conta configurada. Após selecionar qual você deseja abrir, o programa abre uma tela do administrador de arquivos nativo do Windows, o bom e velho Explorer, tornando o uso dos arquivos muito simples ao nos entregar a interface que estamos todos habituados. Um porém: este processo utiliza a tecnologia Java, possivelmente para a autenticação, e o resultado é um uso muito instÁvel, em nossos testes. VÁrias vezes, transferências travaram na metade e levaram o Explorer junto. O jeito foi reiniciar...


Smartphones

- Continua após a publicidade -

O My Book Live também tem suporte para a conexão de smartphones com o sistema operacional Android e iOS. Para isto, basta acessar o Android Market ou o iTunes e baixar aplicativos que tornam possível acessar os arquivos armazenados no HD da Western Digital. Existem dois apps: o WD 2Go e o WD Photos.

Para o funcionamento de ambos os programas, é preciso fazer um cadastro do dispositivo no My Book, feito através do navegador com um computador com permissões de acesso ao aparelho. Então é criado um código de segurança que, digitado no app do smartphone, "parea" os dois dispositivos. A partir de então é possível ter acesso aos arquivos do My Book com o WD 2Go ou visualizar as fotos armazenadas com o WD Photos. Infelizmente, em nosso teste com o Android, foi preciso fazer o processo de cadastro duas vezes, uma para cada aplicativo.

A navegação com os dois aplicativos é bastante simples, sendo que o WD 2Go lembra muito as aplicações padrão de gerenciamento de arquivos.

{break::Cópia de arquivos}Fizemos duas baterias de testes de transferência com o My Live Book, enviando e recebendo arquivos de um computador na rede conectado através do cabo de ethernet. Os primeiros testes movem 4.5GB no total, enquanto no segundo teste trabalhamos com um conjunto maior de arquivos, com 16GB no total, para ver o desempenho lidando com um número mais expressivo de pastas (pouco mais de 800) e arquivos (35 mil) a serem copiados. Em nossos testes utilizamos o seguinte sistema:

CPU: AMD Phenom II X3 720
RAM: 2GB
GPU: Nvidia GeForce GTS 450
HDD: Samsung HD502IJ (500GB - 7200RPM - SATA II)
Windows 7 SP1 32-bit
Switch Intelbras P1600SD

Também testamos a cópia entre dois computadores na mesma rede local, para comparar com a velocidade do My Book Live. O HD do outro computador de teste é um Western Digital Caviar de 500 GB de capacidade, conexão SATA II e operando em 7200 RPM.


Teste com 4.5GB

Na primeira bateria de testes, podemos notar que a transferência pela rede não é nada que vÁ rivalizar com dispositivos como pendrives e HDs externos. Em compensação, não foi muito diferente de uma cópia comum entre computadores de uma rede local, tanto no envio dos arquivos para o outro dispositivo quanto para cópia.


Teste com 16GB

 

 

Aumentando a quantidade de dados movidos, vemos que o desempenho do My Live Book é o pior entre todos os dispositivos testados, ficando novamente atrÁs do envio de arquivos entre computadores da rede local.  


Cópia remota

 Fizemos um teste de cópia de arquivos, cientes de que não podíamos esperar por uma performance muito alta, jÁ que neste processo teríamos a velocidade da internet, tanto de onde estÁ instalado o My Book Live quanto da conexão do local em que estamos, influenciando na velocidade da transferência. O resultado é que foram necessÁrios 2 minutos e 53 segundos para transferir um arquivo de 15.6MB. Frustrante? Nem tanto, considerando que muitas vezes este arquivo é crucial, mas mostra que não dÁ pra pensar em armazenar arquivos enormes e depois querer copiar (ao menos, rÁpido) remotamente. O que irrita é o número de vezes que o sistema trava, levando o Explorer junto, quanto tentÁvamos copiar os arquivos.

Abrir arquivos pequenos, como fotos e documentos de texto, não nos trouxe nenhum problema, logo parece ser o melhor uso para o acesso remoto. Ver um filme fica fora de cogitação. Só copiando, esperando um bom tempo e torcendo pra não travar no caminho.

{break::Conclusão}O My Book Live se mostrou um aparelho muito completo para quem quer compartilhar seus arquivos entre vÁrias pessoas, dispositivos e lugares. As configurações avançadas tornam fÁcil delimitar claramente o que dever estar disponível para cada pessoa ou dispositivo, criando vÁrios níveis de acesso e senhas para cada um que acessa os arquivos. O produto também se mostra uma opção interessante para quem busca um aparelho com bastante espaço para seus arquivos, sendo comercializado com armazenamento de 1T, 2T e 3T.

O compartilhamento remoto também é bastante avançado, sendo possível montar sua "nuvem particular", criar um FTP, ou simplesmente acessar os arquivos de qualquer lugar, seja com um computador ou smartphone (funcionando muito melhor no smartphone).

Por funcionar de forma independente, sem precisar de um computador para operar, basta conectÁ-lo à rede e, com acesso a internet, ele consegue até mesmo fazer atualizações de firmware de forma automÁtica. A praticidade com certeza é seu ponto alto, e depois de configurado dÁ para esquecer de sua existência (exceto quando você precisar copiar algum arquivo dele ou para ele).

Se hÁ algum ponto que talvez decepcione, é o tempo de transferência. Quem quer agilidade na cópia deve preferir dispositivos portÁteis com conexão USB 3.0, por exemplo, ou um eSATA. Como utiliza a rede local (ou na pior das hipóteses, a Internet), a cópia de arquivos grandes não é algo Ágil. Isso não é um problema se o que a pessoa precisa é praticidade de acesso, ao invés de transferências rÁpidas. Basta ter conexão à Internet, e você tem seus arquivos em qualquer lugar, sem precisar carregar nada consigo.

Apesar de simples, o acesso remoto é meio "temperamental" quando realizado pelo computador. Travou em vÁrios momentos, e realizar cópias de arquivos não foi algo muito Ágil. Em compensação, quando usÁvamos arquivos menores como fotos ou documentos de texto, não tivemos problemas em abrir e editar os arquivos.

HÁ pouca disponibilidade deste aparelho no país, e quando encontramos o preço não é nem um pouco convidativo. Exceto para aqueles que necessitam de uma solução com essas características do My Live Book, como acesso remoto e configurações avançadas de compartilhamento, devem procurar outras opções de armazenamento que vão sair muito mais em conta. Fora do país ele se torna um produto muito mais atraente, custando em torno de US$ 159.


PRÓS
Bom espaço de armazenamento
Configurações avançadas de compartilhamento
Telas de configuração em português
Acesso remoto simples
Suporte a smartphones
CONTRAS
Velocidade de transferência
Acesso remoto pelo computador muito instÁvel
Preço pouco acessível no Brasil
Assuntos
Tags
  • Redator: Diego Kerber

    Diego Kerber

    Formado em Jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Diego Kerber é aficionado por tecnologia desde os oito anos, quando ganhou seu primeiro computador, um 486 DX2. Fã de jogos, especialmente os de estratégia, Diego atua no Adrenaline desde 2010 desenvolvendo artigos e vídeo para o site e canal do YouTube

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.