ANÁLISE: Asus Automobili Lamborghini VX7

ANÁLISE: Asus Automobili Lamborghini VX7

JÁ tivemos a oportunidade de fazer a anÁlise de um produto da parceria Asus-Lamborghini, o Eee Pad VX6. Mas, agora, o papo é sério. Nada de netbooks, aqui vamos falar de um nada compacto notebook, o Asus Automobili Lamborghini VX7. JÁ na caixa vemos proporções nada modestas, e o VX7 em si também não é para os fracos: com quase 4 kg, e medindo 40cm x 30xm, o notebook de 15.6" é bastante grande.

Quanto ao design, novamente a inspiração em modelos da escuderia italiana, como o Murcielago, dão como resultado um notebook com um visual bastante diferenciado. Vai ser difícil o VX7 passar despercebido. Mas não se enganem pelo capô (cedo ou tarde eu ia ter que fazer um trocadilho desses, me desculpem), também hÁ muita coisa interessante por dentro deste notebook.

Vamos para a review!

{break::Especificações técnicas}O design do VX7 com certeza rouba as atenções, mas quem olha as especificações do hardware vai notar que o notebook não parou nisso. O processador é um Intel Core i7 2630QM, modelo da geração Sandy Bridge anunciado em março deste ano. É um processador de alto desempenho, não ficando muito atrÁs de CPUs top para notebooks como a 2820QM. Tem quatro cores e oito threads, operando em 2.0 GHz  e chegando a 2.9GHz com Turbo Boost.

JÁ a GPU é uma GTX 460M, chip lançado em 2010 que representa um produto de entrada do segmento entusiasta. Pra pergunta clÁssica: roda "Crysis"? Roda... e pode por em HIGH vÁrias das configurações.

JÁ as memórias... Bom, depois deste artigo, tenho minhas dúvidas se vale a pena chegar a tanto: o VX7 tem 16 GB de RAM, operando em dual channel, expansível a... bom, na verdade não tem como por mais que isso, e duvido que alguém cogite essa opção. Toda essa quantidade de RAM talvez não faça tanta diferença, mas também duvido que atrapalhe.

Por fim, o armazenamento estÁ em dois HDs SATA de 750 GB (um total de 1.5 TB). É espaço de sobra, mas acredito que muitos preferiam só um HD para poder incluir um SSD, uma opção disponível segundo o site oficial do notebook, mas não no modelo comercializado aqui. Mesmo assim, a opção é por um SSD de apenas 4GB.

- Continua após a publicidade -


Especificações técnicas:

Processador: Intel Core i7 2630QM
Sistema Operacional: Windows 7 Ultimate
Chipset: Intel HM65 Express Chipset
Memória: DDR3 1333 MHz SDRAM,4 x SO-DIMM socket (expansível até 16 GB SDRAM)
Display: 15.6" 16:9 Full HD (1920x1080) LED backlit
GPU: NVIDIA GeForce GTX 460QM com 3GB GDDR5 VRAM
Armazenamento: 2.5" 9.5mm SATA, com as opções:
750GB 5400rpm/7200rpm
640GB 5400rpm
500GB 7200rpm
500GB 7200rpm com 4 G SSD
Drive óptico: Super-Multi DVD/Blu-ray Writer-Reader
Leitor de cartões: 8 em 1 ( SD/Mini-SD/ MS/ MS Pro/ MS Duo/MS Pro Duo/ xD/ MMC)
Webcam: 2.0 Mega Pixel
Bluetooth: V2.1+EDR (Opcional)
10/100/1000 Base T
Conexões 1 x Microphone-in jack
                 1 x Headphone-out jack (SPDIF)
                 1 x VGA port/Mini D-sub 15-pin
                 1 x USB 3.0
                 3 x USB 2.0
                 1 x RJ45 LAN
                 1 x HDMI
Áudio: Dois speakers e Microfone Digital Arraay
Built-in Azalia compliant audio chip, com efeito 3D
Bateria:  8 Células (5200 mAh 75 Whrs)
Tamanho: 40.2 x 30.9 x 5.00 ~5.79 cm (LxExA)
Peso: 3.82 kg (com a bateria de 8 células)
Lock de segurança Kensington

{break::Fotos e vídeo-review}

- Continua após a publicidade -


{break::Design e aquecimento}Não é nenhuma surpresa que a aparência do VX7 esteja muito acima da média. A inspiração no desenho de carros como o Murcielago LP640 jÁ havia funcionado muito bem no VX6, e aqui novamente temos um produto diferenciado que vai agradar a muitas pessoas.

Além desse aspecto mais evidente, outros acabamentos fazem deste notebook um produto especial, como o apoio para o pulso em couro que tem, ao mesmo tempo, um valor de luxo agregado e um conforto de uso maior. O teclado retro-ilumidado, no estilo chiclete e no padrão ABNT-2, é muito confortÁvel. Ele é do tipo completo, o que inclui também o teclado numérico na lateral direita e as setas entre o teclado convencional e o numérico.

Na parte traseira, temos um acabamento que lembra bastante as laternas traseiras dos carros da escuderia italiana, com um detalhe a mais: o design em forma de saídas de ar que realmente fazem o resfriamento do sistema. Como as duas saídas de ar são grandes, o resultado é um sistema bastante eficiente, com pouco aquecimento na maior parte da Área do notebook. As Áreas mais aquecidas são as extremidades de trÁs, e mesmo assim em um ponto bem específico, com pouca mudança de temperatura até mesmo na tampa inferior do VX7.

- Continua após a publicidade -

Por conta disso não é desconfortÁvel, ao menos falando do ponto de vista térmico, usÁ-lo no colo. O problema é seu tamanho e peso, que não são muito simples de manejar. Outro fator importante é que este acabamento na parte traseira torna o notebook um pouco grande, mesmo se comparado com notebooks com 15.6" de tela. Por isso pode não ser uma missão fÁcil arranjar uma mochila ou outra forma de carregar confortavelmente o VX7.

{break::PCMark, Winrar, Winscore}Vamos abrir a série de testes com os benchs mais genéricos: o score do próprio Windows, teste com o Winrar, CineBench e PCMark.

O sistema operacional da Microsoft baixa a nota geral do VX7 por conta do disco rígido. O 5.9, que não necessariamente uma nota ruim, só poderia ser batido por algum aparelho utilizando um SSD, jÁ que o HD de 7200 RPM presente no Lamborghini não tem um desempenho ruim. No restante das notas, vemos que o sistema é bastante robusto, obtendo scores superioes a 7 nos demais quesitos.

No teste com o PCMark, o Lamborghini alcançou um score total superior ao do N53JQ, porém ficou abaixo do Samsung Série 9.

{benchmark::2221}Com o WinRAR, o VX7 foi muito bem, deixando os outros aparelhos para trÁs com uma ampla margem. Mérito do bom processador e muita RAM disponível.

{benchmark::2283}

Claro que, com um hardware destes, o possível comprador do VX7 estÁ preocupado mesmo é com games, então vamos para os benchmarks, aqui feitos com "Alien vs. Predator", "Mafia II" e "F1 2010".

{break::Alien vs. Predator}Na primeira rodada de testes, desligamos o Tessellation e testamos com a resolução 1366x768, nativa de muitos notebooks. No comparativo com o N53JQ, o VX7 atropelou, mostrando o potencial do hardware no notebook.

{benchmark:: 2277}

Testamos também o game em 1080p (FullHD), jÁ que a tela do VX7 suporta esta resolução. Pelos fps mostrados, dÁ para pensar em rodar o game nesta resolução, tendo uma média aceitÁvel. 

{benchmark:: 2279}

Tessellation ON
Repetimos os testes, agora como Tessellation ligado. Novamente o VX7 tem ampla vantagem no comparativo com o N53JQ, e tem FPS suficiente para rodar no 1366x768.

{benchmark:: 2278}

JÁ em FullHD, colocamos as configurações mais pesadas para ver o comportamento do VX7. Para quem pretende jogar com Tessellation em 1080p, vendo o resultado dos testes, deve pensar em reduzir outras configurações, jÁ que em HIGH e ULTRA o notebook não deu conta, com apenas 20 fps de média,  baixa para quem quer um gameplay fluído.

{benchmark:: 2280}

{break::F1 2010}No game F1 2010, testado com o Adrenaline Racing Benchmark Tool, novamente o VX7 obteve uma ampla vantagem sobre o N53JQ. Com a resolução de 1366x768, o notebook Lamborghini roda sem dificuldades o game, mesmo nas configurações mais pesadas.

{benchmark::2276}

No teste em FullHD, novamente tivemos um ótimo desempenho com o Lamborghini, que rodou com tranquilidade o game em todas as configurações, exceto no ULTRA. Mas, para quem estÁ preocupado em jogar, e com boa qualidade grÁfica, os 40 fps do HIGH vão bastar tranquilamente.

{benchmark::2285}

{break::Mafia II}No game da 2K Czech, e rodando em resolução de 1366x768, o VX7 não encontrou dificuldade nenhuma em executar o jogo, alcançando uma média de 52 fps mesmo nas configurações mais altas. Vale destacar que, aqui, não utilizamos o PhysX. Nessa resolução, ativando este recurso e utilizando a configuração HIGH, com AA ON e AF 8x, o fps médio foi de 35,7, aceitÁvel para se jogar.

{benchmark::2272}

Em FullHD temos uma queda sensível nos fps alcançados, mostrando que jogar em alta definição o game Mafia II pode não ser a melhor opção com o VX7. Somente na configuração LOW temos um desempenho suficiente para um gameplay fluído.

{benchmark::2281}

Ativamos o PhysX novamente para ver se hÁ uma queda acentuada no desempenho. No geral, a diferença não foi gritante, porém em nenhuma configuração tivemos um bom fps. Pra quem faz questão de utilizar esta tecnologia da Nvidia, melhor jogar com a resolução 1366x768.

{benchmark::2282}

{break::Multimidias, autonomia e extras}Não é só nos games que as especificações do VX7 se saem bem. O aparelho possui uma série de tecnologias de ponta, como USB 3.0, leitor óptico de Blu-ray e uma tela com resolução FullHD, que torna o aparelho bastante completo na experiência multimídia.

Nesse aspecto, o Lamborghini só não foi excepcional no Áudio: as caixa de som foram, no mÁximo, regulares, ficando abaixo da qualidade do sistema Bang & Olufsen ICEpower, presente no Asus N53JQ. Considerando as nada modestas dimensões do VX7, é uma pena que a Asus não tenha investido em uma qualidade de Áudio maior.

No teste de estresse da bateria, rodando um vídeo em FullHD, com o aparelho configurado no perfil "high performance", brilho mÁximo de tela e volume no limite, o VX7 segurou 1h50min. Não é muito, mas não podemos considerar um resultado ruim para notebooks deste perfil. Ao menos deu para chegar ao final do filme que deixamos rodando.

Assim como em diversos outros produtos, a Asus incluiu um sistema próprio para gerenciamento da bateria, o Power4Gear. Ele configura os recursos de hardware para diferentes perfis de consumo de energia, com os modos "High Performance", "Entertainment", "Quiet Office" e "Battery Saving". No geral, hÁ pouca distinção entre este sistema e o nativo do próprio Windows 7, tendo como principais diferenças uma interface mais bem desenhada, incluindo alguns widgets legais de monitoramento do computador, e um número maior de perfis jÁ definidos.

A grande vantagem é mostrar mais que dois perfis de consumo, o grande problema do gerenciador nativo do Windows 7, além de uma integração com o botão de atalho que modifica o perfil de consumo, localizado na parte superior esquerda do teclado.

A Asus também incluiu o Express Gate, presente em vÁrios de seus produtos, que se trata de um sistema operacional baseado em Linux que possui um tempo de boot mais curto que o do Windows 7. O SO é acionado por um botão de atalho no teclado, e tem como função ser um "quebra-galho" para quem quer realizar uma ação mais simples e de forma rÁpida jÁ que, apesar de não ser robusto como o sistema da Microsoft, o Express Gate consegue realizar tranquilamente funções como navegar na internet, abrir e-mails ou rodar aplicativos mais simples.

{break::Conclusão}A pareceria com a Lamborghin rendeu dois produtos bastante diferenciados: o netbook VX6 e este notebook, o VX7. Além da preocupação com a estética do aparelho, a Asus caprichou no hardware que, como pudemos ver nos benchmarks, pode encarar uma série de games tranquilamente. Ficou devendo talvez algum armazenamento em SSD, que seria mais interessante do que os dois HDs para usuÁrios que estão preocupados mais com a performance do sistema, do que com um espaço gigantesco para arquivos. Ficou devendo também um sistema de som mais potente.

Mesmo sabendo que esta categoria dos notebooks gamers tem essa característica, o VX7 traz um problemão em relação ao peso e ao seu design: os quase 4 kg tornam difícil a missão de carregÁ-lo. Suas dimensões também não são nada modestas, jÁ que seu sistema de saídas de ar, na parte de trÁs, o tornam um notebook bastante grande, mesmo para um notebook de 15.6", o que pode trazer uma certa dor de cabeça na hora de achar uma mochila adequada para o ele.

O preço com certeza estarÁ entre os pontos favoritos de discussão nos comentÁrios, mas produtos como este, que puxam para uma categoria "de luxo", não costumam ter no custo/benefício o seu argumento de venda. É óbvio que podemos encontrar uma configuração semelhante em produtos muito mais em conta, mas o apelo deste tipo de notebook é a exclusividade, alcançada com o seu design diferenciado e, é claro, o escudo da Lamborghini estampado na tampa.

Para quem quer um notebook que chame a atenção, diferenciado e que também tenha uma configuração potente, com tecnologias com o USB3.0, o VX7 pode ser uma ótima opção. JÁ para aqueles que preferem um aparelho com boa relação de custo/benefício, ou até mesmo um design mais discreto, a compra do VX7 não faz muito sentido.

 

PRÓS
Design único
Hardware robusto
USB 3.0 e Blu-ray
Tela FullHD
CONTRAS
Dimensões e peso
Falta opção com SSD
Preço
Assuntos
Tags
  • Redator: Diego Kerber

    Diego Kerber

    Formado em Jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Diego Kerber é aficionado por tecnologia desde os oito anos, quando ganhou seu primeiro computador, um 486 DX2. Fã de jogos, especialmente os de estratégia, Diego atua no Adrenaline desde 2010 desenvolvendo artigos e vídeo para o site e canal do YouTube

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.