ANÁLISE: OCZ RevoDrive PCI-E SSD 110GB

ANÁLISE: OCZ RevoDrive PCI-E SSD 110GB

As placas PCI-Express SSD podem ser chamadas de evolução dos drives SSD, sendo que ao contrario de conexões Sata, são conectadas em slots PCI-Express, dessa forma, podem alcançar velocidades superiores.

A linha RevoDrive da OCZ é uma das primeiras da empresa a ganhar repercusão. Com modelos que vão de 50GB a 480GB, possui taxas de leitura e escrita semelhante a modelos de SSD baseado em conexão Sata 3 (6GB/s).

O modelo que vamos analisar é o de 110GB, que possui as especificações abaixo:

110GB Max Performance

  • Leitura: até 530 MB/s
  • Escrita: até 435 MB/s
  • Escrita Randômica de 4KB (Alinhado): 70,000 IOPS

Compatibilidade
Talvez o maior problema dessas placas estÁ pelo fato delas não serem compatíveis com todas as mainboards com slots PCI-E x4, dessa forma, antes de comprar uma placa PCI-E SSD o usuÁrio deve conferir o site da OCZ a fim de ver a lista de mainboards compatíveis. A lista pode ser vista neste link.

Vale destacar que utilizamos a mainboard Gigabyte G1.Assassin, que não estÁ na lista de compatibilidade, mas que funcionou normalmente.

Links recomendados
Abaixo alguns links recomendados com assuntos relacionado a linha RevoDrive.

{break::Características técnicas}Abaixo, as principais características da linha RevoDrive e do modelo que estamos analisando, de 110GB.

  •     Disponível em capacidades de 50GB a 480GB
  •     Chip SandForce SF-1222
  •     Interface PCI-Express (x4)
  •     Para uso como drive de boot primÁrio ou armazenamento de dados
  •     RAID 0 interno
  •     181.07 (L) x 21.59 (W) x 125.08mm (H)
  •     Resistência a impacto: 1500g
  •     Tempo de procura: 0.1 ms
  •     Temperatura de operação: 0°C ~ 70°C
  •     Temperatura ambiente: 0°C ~ 55°C
  •     Temperatura de armazenamento: -45°C ~ 85°C
  •     Consumo de energia: 3W Idle, 8W active
  •     MTBF(vida útil): 2,000,000 hours
  • Garantia de 3 anos
  •     Compatibilidade com Windows XP 32/64, Vista 32/64, Windows 7 32/64
    Como podemos ver nas informações abaixo, existem algumas diferenças técnicas entre as versões de capacidade diferente, confiram:

    - Continua após a publicidade -

    50-80GB - Desempenho MÁximo
        Leitura: Up to 540 MB/s
        Escrita: Up to 450 MB/s
        Escrita Aleatória de 4KB (Alinhados): 70,000 IOPS

    110GB - Desempenho MÁximo
        Leitura: Up to 530 MB/s
        Escrita: Up to 435 MB/s
        Escrita Aleatória de 4KB (Alinhados): 70,000 IOPS


    120GB-480GB - Desempenho MÁximo
        Leitura: Up to 540 MB/s
        Escrita: Up to 480 MB/s
        Escrita Aleatória de 4KB (Alinhados): 75,000 IOPS

    230GB - Desempenho MÁximo
        Leitura: Up to 530 MB/s
        Escrita: Up to 450 MB/s
        Escrita Aleatória de 4KB (Alinhados): 70,000 IOPS

    Código de cada modelo:
        50GB - OCZSSDPX-1RVD0050
        80GB - OCZSSDPX-1RVD0080
        110GB - OCZSSDPX-1RVD0110
        120GB - OCZSSDPX-1RVD0120
        180GB - OCZSSDPX-1RVD0180
        230GB - OCZSSDPX-1RVD0230
        240GB - OCZSSDPX-1RVD0240
        360GB - OCZSSDPX-1RVD0360
        480GB - OCZSSDPX-1RVD0480

    OBS.: IOPS (Input/Output Operations Per Second) ou traduzido como "Operações de entrada/saída por segundo". Quanto maior, melhor.

    {break::Entenda o SSD}Apesar de não ser um SSD comum, o RevoDrive utiliza a tecnologia de armazenamento de um SSD, dessa forma é interessante apresentar a tecnologia para quem não conhece.

    O solid-state drive (SSD) é um disco de armazenamento de dados que utiliza módulos de memória NAND Flash (microchips) onde são mantidas as informações. Diferente dos hard disk drives (HDD) que utilizam discos magnéticos e cabeçotes para leitura/escrita, os SSD não possuem peças móveis para o processo de leitura, gravação e armazenamento dos dados.


    Imagem ampliada do SSD. Fonte: How It Works

    Os dados são armazenados em chips, na mesma lógica do HDD, no padrão de zeros e uns. Cada bit é alocado em um transistor microscópico, mil vezes mais fino que um fio de cabelo. Quando "em branco", todos os transistores estarão sem carga, o que representa o valor "1". Para gravar o valor "0", o transistor é carregado com elétrons (e-), ficando com com carga negativa em um extremo, e tornando-se positivamente carregado no outro extremo (B).


    (A) Base do microchip, (B) extremo carregado positivamente e (C) extremo carregado negativamente. Imagem ampliada 110 mil vezes. Fonte: How It Works

    A leitura é feita lançando uma corrente elétrica através da base do chip (A). Onde não houver carga, a corrente circularÁ livremente e retornarÁ o valor "1". JÁ nas partes que foram carregadas com elétrons, a corrente não conseguirÁ passar, e serÁ registrado o valor "0".

    - Continua após a publicidade -

    Para gravar dados, é preciso lançar elétrons em um transistor na frequência específica de 20 volts. Só assim os elétrons mudam de posição e altera-se o valor do bit. Essa estabilidade é o motivo que garante menos perdas de dados em caso de choque, e também diminui o consumo de energia para manter os dados. A leitura por corrente elétrica também é muito mais Ágil que a leitura por cabeçotes dos HDDs, pois não necessita da aceleração do giro do disco, e também é praticamente irrelevante a localização do bit no espaço físico do driver de armazenamento.

    {break::Fotos}Abaixo temos uma série de fotos da placa, que utiliza o chip SandForce 1222.


    - Continua após a publicidade -

    {break::Instalação, AHCI}Além da compatibilidade, as placas PCI-E SSD ainda têm outro problema. Trata-se da instalação, que necessita de drivers específicos para RAID, que serão necessÁrios durante a instalação do Windows. Desta forma, quando estiver instalando o sistema operacional, o usuÁrio jÁ deve estar com os drivers salvos em um pen-drive para evitar problemas, afinal sem eles a instalação não irÁ reconhecer a placa.

    Nas imagens abaixo podemos ver a tela de BIOS da placa, com informações das configurações RAID, em seguida telas da instalação do Windows. AliÁs, tivemos uma situação curiosa. Utilizamos o Windows 7 de 64 Bits, como em todas nossas reviews de hardwares, mas o sistema de modo algum reconhecia a placa RevoDrive quando informÁvamos a pasta com os drivers versão 64 bits. Em um determinado momento direcionei a procura dos drivers na pasta com a versão para 32 Bits e finalmente a placa foi reconhecida e o processo de instalação pode continuar. Refiz a instalação e aconteceu a mesma coisa.


    Vale destacar também, que diferente dos drives SSD mais recentes, a linha RevoDrive não traz suporte à tecnologia TRIM.

    Ativando o AHCI no Windows 7 sem reinstalar o sistema
    Diferente de uma instalação de SSD onde existe a possibilidade de escolher a opção IDE na bios para o tipo de armazenamento, com o PCI-E SSD isso não é possível, sendo obrigatório optar por RAID ou AHCI, assim não serÁ necessÁrio fazer mudanças no registro do sistema para alterar para modo AHCI caso tenha feito o processo errado, de qualquer forma, abaixo estÁ a sequência de passos para a mudança.

    Existe uma forma de editar o registro do Windows e ativar manualmente o modo AHCI (caso tenha instalado e esquecido de fazer essa configuração antes, por exemplo), basta seguir o processo abaixo, sempre lembrando que após finalizar a sequência é necessÁrio alterar de IDE para AHCI na BIOS da placa mãe:

    1. Feche todos os programas abertos no Windows.
    2. Clique em INICIAR, digite "regedit" no campo de procura e dê ENTER.
    3. Se aparecer um aviso do "Painel de controle do usuÁrio", clique em Continuar.
    4. Dentro da tela de registro, procure pelo seguinte caminho:
    HKEY_LOCAL_MACHINE/System/CurrentControlSet/services/Msahci
    5. No painel da direita, duplo-clique em iniciar(start).
    6. No campo "data", digite 0, depois clique em OK.
    7. No menu Arquivo, clique em "Sair" para fechar o Editor de Registro.

    Depois de fazer todo o processo acima, reinicie o sistema, entre na BIOS da placa-mãe e ative o AHCI. Quando você entrar no Windows novamente, vai ver uma "nota" da instalação dos drivers para o AHCI. Após mais uma reinicialização, o processo de instalação estarÁ finalizado.

    Estes passos devem ser feitos por sua conta e risco, e não sugerimos fazer se você não tiver consciência do processo. Você também deve ter certeza de que seu driver controlador e a BIOS da placa-mãe suportam essa opção antes de ativÁ-la.

    {break::Testes}Utilizamos uma mÁquina TOP de linha baseada em uma mainboard X58 com um Core i7 980X.

    Para os comparativos, utilizamos a placa em anÁlise comparada a vÁrios drives SSDs, sendo eles: OCZ Agility 3, OCZ Agility 2 e Corsair Force Series F120, todos de 120GB, além de um HD 1TB Sata2 Western Digital Black. Dos três drives SSD, o Agility 3 é baseado em Sata III (6GB/s), os outros dois em Sata II (3GB/s).

    Abaixo, detalhes completos do sistema utilizado:


    MÁquina utilizada nos testes:
    - Mainboard Gigabyte G1.Assassin
    - Processador Intel Core i7 980X @ 4.2GHz
    - Memórias 4 GB DDR3-1600MHz Corsair Vengeance
    - Placa de vídeo ZOTAC GeForce GTX 560
    - Fonte XFX 850W Black Edition
    - Cooler Thermalright Venomous X

    Sistema Operacional e Drivers:
    - Windows 7 64 Bits
    - Intel INF 9.2.0.1030
    - Nvidia ForceWare 275.33

    Aplicativos:
    - SiSoftware Sandra Lite 2011 (17.72)
    - WinRAR 4.01
    - PCMark Vantage 1.0.1
    - ATTO Disk Benchmark 2.46
    - CrystalDiskMark 3.0.1
    - HD Tune Pro 4.60

    Cópia de arquivo
    Começamos os testes com um bem prÁtico, copiando um arquivo ".avi" de 11.4GB da partição D: para a partição C: do mesmo disco.

    Como vemos, a placa tem desempenho um pouco inferior a drives SSD Sata II nesse teste, abaixo do esperado, jÁ que seus tempos de leitura/escrita são superiores ao padrão Sata II.

    {benchmark::2204}

    Compactação de Arquivos
    Também fizemos um teste compactando a pasta de um aplicativos com vÁrios formatos diferentes, totalizando 402Mb com 312 pastas e 1202 arquivos. Para a compactação, utilizamos o Winrar 4.01 64 bits, que mostrou resultado praticamente idêntico para todos os drives. Podemos concluir que, nesse caso, quem pode fazer a diferença é o processador e possivelmente memória, dependendo do que for compactado. A velocidade do disco pouco influencia.

    {benchmark::2203}

    Carregando um game
    Outro teste interessante é carregando um game, para isso utilizamos o Crysis Warhead com teste em cima do mapa "ambush". O conceito do teste foi simples, medir o tempo em segundos desde a hora que clicamos até a hora que o gameplay começa.

    Podemos ver abaixo que o desempenho do RevoDrive foi semelhante aos drivers SSD Sata II, bastante próximo de um SSD Sata III.

    {benchmark::2205}

    {break::Performance: Sandra, PCMark Vantage}Fizemos alguns testes de performance com aplicativos específicos para benchmarks. Confiram a seguir:

    SiSoftware Sandra 2011
    Com o teste "Physical Disk" do Sandra podemos ter uma noção boa da diferença entre os drives.

    Pela primeira vez o RevoDrive assumiu a ponta, passando até mesmo o SSD Sata III. Reparem também na diferença frente aos modelos Sata II, mais do que o dobro.

    {benchmark::2201}

    PCMark Vantage
    JÁ com o teste de HDD do PCMark Vantage um resultado um tanto quanto frustrante, jÁ que o RevoDrive ficou bem aquém do esperado, competindo com o resultado do HD, dando a entender que o PCMark Vantage é que possui alguma limitação frente a essa tecnologia.

    {benchmark::2202}

    {break::Performance: ATTO Benchmark}Abaixo temos o comportamento de todos os drives em cima do ATTO Benchmark, conceituado utilitÁrio que testa performance desse tipo de produto.

    Em modo de escrita o RevoDrive fica bastante perto do SSD Sata III, com considerÁvel vantagem sobre os SSD conexão Sata II.

    {benchmark::2208}

    Em modo de leitura novamente temos resultado parecido, mas agora o RevoDrive supera o drive SSD Sata III, mostrando novamente que em determinadas situações é superior ao novo padrão Sata.

    {benchmark::2209}

    Abaixo, as telas originais dos testes, que mostram maiores detalhes.

    {image}{image}{image}

    {break::Performance: CrystalDiskMark}Nesta review, passamos a utilizar também o aplicativo CrystalDiskMark nos testes. Optamos por utilizar o teste "4K". Abaixo, seguem os resultados.

    Em modo de leitura do CrystalDiskMark temos um resultado bastante surpreendente a favor do RevoDrive. Como vemos abaixo, mesmo na comparação com o SSD Sata III  RevoDrive se sai muito melhor.

    {benchmark::2211} 

    JÁ em modo de escrita temos uma mudança geral, jÁ que de primeiro em modo de leitura o RevoDrive cai para último em modo escrita.

    {benchmark::2210}

    Abaixo, as telas originais dos testes, que mostram maiores detalhes.

    {image}{image}{image}

    {break::Performance: HD Tune Pro}Também utilizamos o benchmark em "modo leitura" (read) do HD Tune Pro, um dos mais reconhecidos do mercado.

    Como podemos ver abaixo, temos resultados bastante distintos no que diz respeito ao desempenho mÁximo, médio e mínimo.

    Quando falamos em velocidade mÁxima alcançada o RevoDrive fica com a melhor colocação, mas se falamos em velocidade média o SSD PCI-E cai para a segunda colocação perdendo para o SSD Sata III. JÁ em velocidade mínima, o RevoDrive ganha apenas do drive de HD, mostrando que ele vai de 0 a 80, não tendo uma regularidade tão boa quanto drivers SSD normais em algumas situações.

    {benchmark::2206}

    Abaixo, as telas originais dos testes, que mostram maiores detalhes.

    {image}{image}{image}

    {break::Conclusão}O mercado de armazenamento vem evoluindo bastante com o passar dos anos, em alguns casos como USB 3.0 mais na promessa do que no resultado prÁtico. Os drives SSD padrão PCI-E prometem ser uma evolução de drives SSD, jÁ que conseguem atingir maior velocidade pela banda dos slots PCI-Express suportarem maior trafego que conexões Sata, mesmo as Sata III / 6GBs mais recentes.

    No caso do modelo RevoDrive, podemos concluir que é uma solução boa, mas não indicada para a maioria dos usuÁrios, principalmente para quem possui um computador desktop. Esse tipo de produto é destinado a usuÁrios que trabalham com edição de imagem/Áudio/vídeo, por possuir taxa randômica superior a drives Sata III (70k vs 50k).

    Continuando na comparação com drives Sata III, outro detalhe é que os drives PCI-E precisam de uma mainboard específica com slot PCI-E x4 e uma mainboard compatível com o drive PCI-E, no final das contas pode ser mais interessante migrar para um sistema mais recente ao invés de comprar esse modelo de placa SSD, principalmente porque tais drives são extremamente caros, no caso do modelo testado de 110GB, custando na casa de R$ 1.000 aqui no país, bem mais caro do que modelos de drives SSD, principalmente nos dias de hoje, jÁ que o preço vem caindo a cada dia que passa pela popularização da tecnologia.

    PRÓS
    Bom tempo de leitura/escrita
    CONTRAS
    Alto custo
    Não tem mesma regularidade que um drive SSD nos tempos de leitura/escrita
    Requer mainboard compatível
    Assuntos
    Tags
    • Redator: Fabio Feyh

      Fabio Feyh

      Fábio Feyh é sócio-fundador do Adrenaline e Mundo Conectado, e entre outras atribuições, analisa e escreve sobre hardwares e gadgets. No Adrenaline é responsável por análises e artigos de processadores, placas de vídeo, placas-mãe, ssds, memórias, coolers entre outros componentes.

    O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.