ANÁLISE: Corsair Flash Voyager GT USB 3.0 32GB

ANÁLISE: Corsair Flash Voyager GT USB 3.0 32GB
Por 29/10/2011 07:40 comentários Reportar erro

A equipe Adrenaline recebeu e testou a segunda geração da família de flash drives USB 3.0 da Corsair. São três dispositivos ergonômicos e resistentes: O Flash Voyager, o Flash Voyager GT e o Flash Survivor. Ao longo do mês vamos publicar os resultados de cada um dos aparelhos, confirmando ou confrontando as especificações divulgadas pelos fabricantes e analisando a qualidade dos produtos. Para hoje, escolhemos o Corsair Flash Voyager GT USB 3.0 de 32GB.



Corsair Flash Voyager GT USB 3.0 32GB
Um pouco maior do que o Voyager de 16GB, o Voyager GT não é um drive portÁtil, que pode ser carregado facilmente para qualquer lugar. Seu design é ergonômico e bonito, envolto por uma capa de borracha azul-petróleo. Além dos fins estéticos, a cobertura garante resistência a choques de até 40G e aos efeitos da Água, embora não permita que se mergulhe o aparelho muito fundo.

Assim como os outros modelos da linha Voyager, o problema maior do desenho é a falta de um espaço para se deixar a tampa enquanto o dispositivo estÁ acoplado no computador. Todos sabemos como é fÁcil esquecer uma tampa em cima da mesa e depois nunca mais encontrÁ-la. AliÁs, o capuz emborrachado, em si, é difícil de tirar e colocar. Considerando que a Corsair usa o mesmo design hÁ anos, eles poderiam repensar melhor esses detalhes e irem melhorando a cada versão.



Na parte de metal da conexão, estÁ gravada a laser a capacidade nominal do drive. O que estamos testando é o de 32GB, mas o modelo de 64GB também estÁ disponível no mercado. Conectado ao computador, o Windows 7 acusa a capacidade livre de 30GB com a memória completamente vazia.

No sistema operacional do Windows, em porta USB 2.0, o software reconheceu a conexão em menos de dois segundos. Esse tempo, porém, pode mudar nos sistemas Linux e Mac OS X, ambos suportados. Em conexões USB 3.0, a resposta é ainda mais rÁpida. Quando o dispositivo é reconhecido, uma luz LED azul se acende indicando atividade.


De acordo com a Corsair, o modelo de 32GB tem uma velocidade de leitura sequencial de 135MB/s e uma velocidade de escrita sequencial de até 41MB/s. O modelo de 64GB teria a velocidade de leitura sequencial de 135MB/s e de escrita sequencial de 83MB/s. Nas próximas pÁginas, vamos checar essas velocidades, mas antes faremos uma pequena explicação sobre as diferenças entre o USB 2.0 e o USB 3.0.

Abaixo temos uma tela do HD Tune com informações sobre o Flash Drive, apesar de que nem todas as informações estão corretas, como o suporte a tecnologia TRIM, que apesar de ativada, não é suportada.


{break::USB 2.0 ou USB 3.0} O USB 3.0 (Universal Serial Bus) foi lançado oficialmente em novembro de 2008, mas as primeiras placas para usuÁrios com suporte para a tecnologia saíram só em janeiro de 2010. Como o nome sugere, foi a terceira grande mudança no padrão USB de transferência de arquivos, uma evolução do USB 2.0.


- Continua após a publicidade -

Na realidade, a tecnologia 2.0 ainda se mantém no USB 3.0, mas com a adição de mais quatro cabos chamados de SuperSpeed. Enquanto a versão anterior possuía apenas dois cabos de envio e dois cabos de recepção de arquivos, a nova série possui dois cabos de envio, dois de recepção, mais dois SuperSpeed de envio e dois SuperSpeed de recepção. Para não confundir, como os encaixes são iguais, as conexões do USB 3.0 são feitas com material azul.

Assim, a família USB, que antes só conseguia transferir arquivos a uma velocidade de 480MB/s, agora pode chegar a 5GB/s, um aumento de quase dez vezes. Essas velocidades, é claro, são hipotéticas, a média de velocidade do USB 3.0 num bom computador é calculada em 3,2GB/s. Com a redução do tempo necessÁrio para transferência de arquivos, a nova tecnologia reduz também o consumo de energia. Veja abaixo um quadro com algumas comparações de velocidade entre as três gerações USB.


Quando colocamos o flash drive USB 3.0 em uma porta USB 2.0, o Windows logo soltou um aviso de que o dispositivo funcionaria mais rÁpido em uma porta 3.0. O drive que instalamos reconheceu que o computador possuia uma entrada de terceira geração e alertou que deveríamos mudar para melhorar a performance.


A única grande companhia que jÁ manifestou sua falta de interesse no USB 3.0 foi a  Apple, que continua apostando no sistema FireWire da Intel. A Microsoft jÁ anunciou que seu novo sistema operacional, o Windows 8, terÁ "suporte robusto" para a tecnologia. Em seu blog, postaram um vídeo mostrando a diferença de velocidades entre o USB 2.0 e o 3.0. Para outros sistemas operacionais, ainda é necessÁria a instalação de drivers específicos.


Na próxima pÁgina, começaremos os testes com o Voyager.

{break::Testes}Utilizamos uma mÁquina TOP de linha baseada em uma mainboard X58 com um processador Intel Core i7 980X.

- Continua após a publicidade -

Para os comparativos, utilizamos o modelo em anÁlise usando tanto conexão USB 3.0 como USB 2.0, além de um flash drive de 8GB USB 2.0 da Kingston.

Abaixo, detalhes completos do sistema utilizado:

MÁquina utilizada nos testes:
- Mainboard Gigabyte G1.Assassin
- Processador Intel Core i7 980X
- Memórias 4 GB DDR3-1600MHz Corsair Vengeance
- Placa de vídeo ZOTAC GeForce GTX 560
- Fonte XFX 850W Black Edition
- Cooler Thermalright Venomous X

Sistema Operacional e Drivers:
- Windows 7 64 Bits
- Intel INF 9.2.0.1030
- Nvidia ForceWare 275.33

Aplicativos:
- ATTO Disk Benchmark 2.46
- CrystalDiskMark 3.0.1
- HD Tune Pro 4.60

Temperatura
Não hÁ mudança significativa de temperatura.

Cópia de arquivo
Fizemos dois testes prÁticos copiando cinco arquivos que totalizam 4.5GB do HD para o Flash Drive e do Flash Drive para o HD. Comparamos o Voyager em uma porta USB 3.0, com o mesmo pendrive em uma porta USB 2.0 e um KingstonDT 101 II de 8GB.

O resultado mostra que, diferente do resultado que obtivemos com o Voyager, na cópia do HD para o Flash Drive hÁ uma diferença considerÁvel da velocidade efetiva entre o GT na porta 2.0 e na 3.0. Testamos os resultados em outros computadores para comprovar se realmente havia essa diferença, e a resposta foi a mesma. Em dois minutos e 13 segundos, os 4,5GB foram transferidos do HD para o aparelho na porta de terceira geração, enquanto a porta de segunda geração demorou três minutos e 27 segundos. Essa é uma grande característica específica deste modelo, a grande maioria dos flash drives USB 3.0 lançados até hoje mostraram o mesmo resultado na leitura em portas 2.0 e deram respostas diferentes na escrita. Comparando com o Voyager, a mesma transferência na entrada 3.0 durou quase 75% mais tempo, três minutos e 52 segundos. Em relação ao Kingston DT 101 II de 8GB, O GT dÁ uma lavada, sendo seis vezes mais rÁpido que o aparelho.

- Continua após a publicidade -

{benchmark::2212}

Na cópia do Flash Drive para o HD temos resultados semelhantes, mas ainda bem impressionantes. Aqui a diferença entre as portas 2.0 e 3.0 fica evidente, sendo o tempo necessÁrio na primeira três vezes maior do que na segunda. Enquanto na entrada de segunda geração os 4,5GB foram transferidos em dois minutos e 17 segundos, na de terceira geração o mesmo processo levou 44 segundos. O Voyager, agora, se aproximou, levando um minuto e dois segundos na porta 3.0 e dois minutos e 21 segundos na porta 2.0.  O aparelho da Kingston levou três minutos e 21 segundos, enquanto o Corsair Flash Padlock II de 8GB ficou em último lugar levando seis minutos e três segundos.

{benchmark::2213}

Alguns de nossos leitores sugeriram fazer alguns testes utilizando um drive SSD ao invés de um HD. Abaixo temos esses testes, onde utilizamos apenas o flash drive analisado nessa review em porta USB 3.0, comprando o desempenho dele em cópia de arquivos quando usando um HD e também um SSD.

No primeiro teste, de escrita, onde copiamos do SSD-HD para o USB, temos resultados muito semelhantes, considerados mesmo um empate técnico. Nossa conclusão é que não hÁ diferença na velocidade de transferência para o Voyager GT em HDs ou SSDs.

{benchmark::2219}

No teste de leitura, copiando do flash drive para o SSD-HD podemos observar o mesmo fenômeno. As velocidades do HD e do SSD se igualam na escrita, o que evidencia que o Voyager GT jÁ estÁ no seu limite mÁximo.

{benchmark::2220}

{break::Performance: ATTO Benchmark}Abaixo temos o comportamento dos drivers em cima do ATTO Benchmark, conceituado utilitÁrio que testa performance desse tipo de produto.

Em modo de escrita, o Voyager GT novamente mostra o seu poder, chegando a uma velocidade de transferência de 41,5MB/s. Seu concorrente mais próximo é ele mesmo conectado em uma porta USB 2.0, transferindo a 23,9MB/s. Logo atrÁs vêm o Voyager com empate nas portas 3.0 e 3.0 em 21,8MB/s. Humilhados, no fim da lista estão o Padlock e o Kingston, com 9,8 e 6,6MB/s, respectivamente.

{benchmark::2214}

JÁ em modo de leitura, o GT ligado à porta USB 2.0 chegou a uma velocidade muito menor do que a alcançada na entrada de terceira geração.Enquanto a USB 2.0 chegava a 34,5MB/s, a porta 3.0 disparava mais de quatro vezes na frente, a 155,5MB/s. Aqui também fica evidente a diferença de veocidades entre o Voyager e o Voyager GT, com o primeiro chegando a, no mÁximo, 71,7MB/s. O pendrive da Kingston mostrou-se 11 vezes mais devagar do que o GT em mÁxima velocidade, ficando logo na frente do Padlock, este transferindo a 13MB/s.

{benchmark::2215}

Abaixo, as telas originais dos testes, que mostram maiores detalhes.

{break::Performance: CrystalDiskMark}Nesta review, passamos a utilizar também o aplicativo CrystalDiskMark nos testes. Optamos por utilizar o teste "4K". Abaixo, seguem os resultados.

Em modo de leitura, a velocidade de transferência chegou a 40,89MB/s para o Voyager GT na porta USB 3.0, pouco menos do dobro do desempenho do mesmo aparelho na porta 2.0. A performance do Voyager ficou logo atrÁs, com 21,8MB/s. O Kingston ficou bem atrÁs, com velocidade de 6,4MB/s, próximo à velocidade do Padlock.

{benchmark::2216} 

JÁ em modo de escrita, o GT chegou a 158,4MB/s, superando bastante a capacidade anunciada pela Corsair, enquanto na porta 2.0 esse valor ficou em 80,5MB/s. O Voyager ficou com 34,9MB/s e o Padlock com 13,2MB/s.

{benchmark::2217}

Abaixo, as telas originais dos testes, que mostram maiores detalhes.

{break::Performance: HD Tune Pro}Também utilizamos o benchmark em "modo leitura" (read) e o File Benchmark do HD Tune, um dos aplicativos mais reconhecidos do mercado.

Como podemos ver, no modo Benchmark a diferença entre as velocidades mÁximas e mínimas de cada aparelho no modo de leitura não foi muito expressiva. Em geral, o Voyager GT na porta USB 3.0 manteve-se com o dobro da velocidade do mesmo aparelho na 2.0. Enquanto a entrada de terceira geração permitiu uma velocidade média de 151,5MB/s, a de segunda geração parou nos 76,7MB/s. O mÁximo que o Voyager conseguiu foi chegar aos 33,3MB/s, enquanto o Padlock rodava a 12,7MB/s e o Kingston a 23,8MB/s.

{benchmark::2218}

Nas telas abaixo podemos ver o comportamento sobre o teste File Benchmark do HD Tune, que não colocamos em tabela por não mostrar um escore exato através de número, apenas grÁfico.


{break::Conclusão} O Corsair Flash Voyager GT USB 3.0 de 32 GB se provou um flash drive muito eficiente, com design bonito e ergonômico, e impressiona no desempenho de suas transferências. O GT deve ser um dos dispositivos mais bem desenvolvidos lançados com a tecnologia do USB 3.0. A questão é que a terceira geração da família USB precisa de mais tempo de maturação, pelo menos é o que parece.

Os sistemas de hoje ainda não parecem estar conseguindo chegar aos 5GB/s prometidos, aliÁs não chegam nem perto. A suposta velocidade dez vezes maior do que a possível em um aparelho da geração 2.0 ainda estÁ longe de ser alcançada. Tanto pelos desenvolvedores de flash drives quanto pelos computadores.

O fato da velocidade de leitura mudar entre o dispositivo em portas 2.0 e em 3.0 é uma excelente vantagem do modelo contra o Voyager. Ambas as velocidads mostrarem-se muito superiores superior, incomparÁveis com pen-drives simples como o Kingston que usamos para a benchmark. Muito mais velozes mesmo que o Voyager, mantendo-se, em média, com o dobro da velocidade.


Mesmo com as limitações impostas por uma tecnologia ainda em fase de aprimoramento, a Corsair lançou um aparelho muito eficiente. O revestimento de borracha garante muita resistência ao Voyager e lhe dÁ um design bonito e que se encaixa facilmente na mão. O fato de ser à prova de Água ainda funciona como um alívio.

O preço em terras brasileiras ainda pode terminar bastante salgado, mas em lojas americanas como a NewEgg, encontramos o aparelho por US$56,99, nenhum absurdo se comparado a outros flash drives muito menos potentes. O preço oficial no site da Corsair estÁ em US$79,99.

Aguarde pois ainda lançaremos reviews dos aparelhos Corsair Flash Survivor USB 3.0 16GB.

PRÓS
Revestimento externo 100% de borracha
Bom acabamento
Boa capacidade
Excelente desempenho
CONTRAS
Falta de espaço para colocar a tampa enquanto trabalha
Muito grande para se carregar por aí
Assuntos
Tags
  • Redator: