ANÁLISE: Asus Vulcan ANC

ANÁLISE: Asus Vulcan ANC

A ASUS, ou pegasus, se você preferir, se diz em eterna busca pela qualidade e inovação em cada produto que coloca no mercado, inspirada na arte e no aprendizado que representa o cavalo alado Ágil e soberano, da mitologia grega, a qual seu nome se origina .

Força, espírito criativo e pureza, também fazem parte da metÁfora literÁria que a empresa diz incorporar. O Vulcan ANC, é mais um do acessórios lançados pela empresa para atender os jogadores mais "hardcores", por assim dizer, fazendo parte da linha Republic of Gamers, que reúne produtos sempre muito bem acabados e com design geralmente muito atrativo, além de trazer extras que podem "encher os olhos" dos apaixonados por jogos.

Este é mais um caso destes. Um fone de ouvido com design exuberante, acabamento de primeira, e um dos primeiros no mundo a vir com a tecnologia ANC , que reduz os ruídos do ambiente em até 85%, fazendo você "imergir" naquilo que estÁ escutando.

Especificações:

  • Driver: Diâmetro - 40 mm
  • Frequencia de Resposta: 10 ~ 20000 Hz
  • Impedência: 32 Ohm
  • Performance de cancelamento de ruído:
    •   Ativa:
      MÁximo > 15 dB
      85 % de cancelamento de ruído
    • Passiva:
      MÁximo > 30 dB
  • Tempo de operação (autonomia da bateria): Mais de 40 horas
  • Dimensões: 21 x 18 x 7 cm
  • Peso: 325 g
  • Acessórios: Bolsa para trasnporte
  • Manual de instruções

{break::Design e Acabamento}Estes são os principais atrativos do Vulcan. Definitivamente trata-se de um fone de ouvido com design arrojado e moderno, fazendo bastante uso de  traços arredondados, o que dÁ ao headset uma ideia de poder e movimento.

Esta é justamente a intenção da Asus, jÁ que este produto faz parte da linha Republic of Gamers, também conhecida como ROG, que conquista os entusiasta justamente com este atrativos, de design, acabamento, extras e algumas vezes até pela exclusividade de determinado produto. As cores, inclusive, também fazem parte da linha, que utiliza quase sempre a combinação do preto com o vermelho, neste caso com detalhes em aço escovado e logo da ROG em cinza claro. Com certeza um fone dos mais bonitos que se encontra por aí a fora.

Além de bonito e bem desenhado, o Vulcan é tem bom acabamento, ou seja, o material utilizado é de primeira, dando a sensação de segurança ao manusear o objeto. Todas as peças estão nos seus lugares e de maneira alguma dão a impressão de que podem quebrar a médio prazo. Isso sem falar nas "almofadas", que possuem um desenho do tipo circumaural (cobrem totalmente as orelhas) e são cobertas por material de excelente qualidade, dando uma ótima sensação de conforto e diminuindo significativamente o ruído externo. Sinceramente, dÁ vontade de usar o fone como travesseiro, e não é exagero. Coisa de outro mundo.

- Continua após a publicidade -


Material rígido, peças bem acabadas, almofadas com bastante espuma e cabos enborrachados - daqueles que dificultam o entrelaçamento dos fios, ou seja, nestes aspectos o Vulcan bate um bolão. Confira nas pÁginas a seguir se além de belo, o fone cumpre a sua verdadeira obrigação.

{break::Funcionalidade e Recursos}Para analisar as funcionalidades e os recursos deste headset, faremos uma comparação com outro fone que fizemos review no final do ano passado, o Artic Sound P531, desta maneira poderemos facilitar a compreensão do leitor e situÁ-lo com relação a preço, recursos e qualidade de som de ambos.

De cara podemos citar as diferenças nos recursos presentes nos dois. Por exemplo, o fone da Artic ganha alguns pontos a mais por ser compatível com surround 5.1, tendo controle de volumes por canais. JÁ o da Asus, embora seja infinitamente mais confortÁvel e bem mais leve, é apenas stereo, e também não possui o subwoofer que seu concorrente traz.

Não podemos deixar de destacar também, uma falha que tanto o P531 quanto o Vulcan possuem, porém, mais evidente no fone que estamos fazendo review, por se tratar de um fone lançado mais recentemente, mais caro e destinado a um público entusiasta; estas falhas são o fato de não possuírem qualquer tipo de conexão sem fio (seja bluetooth, wireless e afins), e por um deles não trazer conexões P2 (o P531) - que seria extremamente interessante para utilizar em dispositivos portÁteis como mp3, ipods, ipads e etc; e o outro não ter conexão USB (o Vulcan) - o que o faz depender das entradas P2 e, consequentemente, ter que utilizar pilhas para alimentar todas as suas necessidades energéticas. Convenhamos, pilhas em um headset em plena segunda década do século 21? E com apenas "mais de 40 horas de autonomia"? É muito pouco para um público tão exigente e uma empresa tão competente quanto a ASUS. Isso sem falar no preço...


Para encerrar a sessão de críticas, a haste do microfone, embora seja muito bem desenhada, bonita e bastante flexível, é encaixada no fone numa espécie de conexão P2 - tÁ, até ai tudo bem - o problema é que, como ela é encaixada na parte inferior do fone, não existe a possibilidade de giro do microfone (de maneira a ficar paralelo à sua cabeça), que serve tanto para as ocasiões em que você não quer usÁ-lo, quanto para as situações que você não quer usar o headset inteiro e, neste caso, terÁ que perder mais um tempo para colocÁ-lo numa posição correta o suficiente para não quebrar o microfone. Não é nada grave, mas confesso que atrapalhou algumas vezes..




- Continua após a publicidade -

Dois bons recursos que o Vulcan traz são, tanto os encaixes dobrÁveis nas laterias - que possibilitam a diminuição do tamanho do acessório, para guardar em alguma gaveta ou no próprio case que acompanha o produto, e o ANC, que é o principal diferencial deste fone.


É incrível a capacidade de retirar os "ruídos" do ambiente que este headset possui. Ao "vestí-lo", mesmo sem estar tocando nada, você jÁ se sente "fora" do lugar onde estÁ, por não conseguir acompanhar com nitidez suficiente os barulhos externos. Não é exagero, você não escuta nem o que fala com perfeição, dando aquela sensação de que você estÁ "meio surdo", por não conseguir ouvir o que sai de sua própria boca. É realmente impressionante.

Funcionalidade

Testamos os dois headsets em alguns jogos que utilizam a tecnologia de surround, para ver quanta diferença faz em saber de onde os tiros vêm, os passos e demais barulhos, além de se certificar da qualidade que um subwoofer pode trazer ao Áudio.

A conclusão destes teste é meio que óbvia para quem entende o mínimo de qualidade de som. A sensação é a de que o P531 te coloco lÁ no ambiente em que se passam os jogos, te dando uma imersão e um realismo muito maior. No caso do Vulcan, embora os Áudios sejam de uma qualidade excelente, fica uma sensação de que algo estÁ faltando, de que você não estÁ totalmente imerso. Além, claro, do fone da Artic ter um "alcance" de volume muito maior, explicado por seus cinco canais em comparação com os dois da Asus.

Nos quesitos de utilização para música, vídeos e filmes a diferença é um pouco menor, jÁ que a qualidade do som do Asus é tão boa quanto do Artic, e nestes casos, a não ser que você ouça algo com bastante grave ou esteja vendo um filme cheio de ação e sons de diversos lugares, essa diferença não vai ficar tão evidente para os leigos. Aí, fica apenas a diferença de volume de um para o outro.

- Continua após a publicidade -

{break::Fotos}Abaixo veja mais fotos do headset Vulcan, da linha Republic of Gamers (ROG), da ASUS.


 
 
 
 
 
 
 

{break::Conclusão}Nossa conclusão, obviamente, terÁ que ser fundamentada no preço. Se nos Estados Unidos, este fone custa uma média de U$149, no mercado brasileiro deve chegar por um valor maior do que a simples conversão monetÁria.

Aí fica fÁcil analisar. Tudo bem que trata-se de um headset muito bonito, bem desenhado, bem acabado e com qualidade de som excelente. Mas por este preço isso não é nem de longe suficiente. Não ser bluetooth, ser apenas stereo e não ter conexão USB - e por isso precisar de pilha - é não trazer itens essenciais que adoradores de produtos top, com uma linha destinada exatamente a isso, são exigentes, e como tal, sabem que poderiam ter um conjunto de microfone e fone de ouvido, tão bonito quanto, tão bem acabado quanto, sem fio e com preço significativamente menor.

Comparamos por exemplo o PS31 da Artic. Embora não tão confortÁvel quanto este, "esteticamente menos aprimorado" e mais pesado, custava à época da review (fim de 2010) U$66, menos da metade do Vulcan, e traz a tecnologia surround - com 5 canais e subwoofer.

PRÓS
- Bonito;
- Incrivelmente confortÁvel;
- Redução de ruído do ambiente excelente;
- Bom acabamento
CONTRAS
- Não tem suporte às tecnologias sem fio;
- Não tem conexão USB;
- Necessita de pilha;
- Autonomia de apenas 40 horas;
- É apenas stereo
- Preço fora da realidade - até para entusiasta
Assuntos
Tags
  • Redator: Pedro Lima

    Pedro Lima

    Graduando de Jornalismo e Ed. Física, Pedro cresceu jogando videogames e futebol. Dividiu sua infância e adolescência com master-system, super nintendo, 486, k6-2, playstations e outros eletrônicos. Com eles aprendeu, além de gostar de games, tecnologia e ciência, a idolatrar Homer Simpson e Jaiminho, do Chaves.

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.