ANÁLISE: DiRT 3

ANÁLISE: DiRT 3

Jogos de corrida com temÁtica de rally existem em quantidade considerÁvel. As produtoras das séries mais famosas insistem em lançar seus produtos correspondentes ao ano em questão com algumas mudanças superficiais, melhorias singelas e atrativos não muito relevantes. Ás vezes, até mesmo insignificantes

Felizmente, hÁ empresas que não visam somente ao lucro instantâneo baseado na popularidade do nome de uma franquia. Elas capricham e fazem questão de entregar algo de qualidade indiscutível que agrade aos jogadores de uma maneira geral. Essa é o caso da Codemasters, que agora traz "DiRT 3" (agora sem o prefixo Colin McRae).


Sequência do título de sucesso de 2009 que fez a alegria dos adoradores de corridas em pistas de areia, lama e barro, essa terceira versão chega para tentar manter a posição no pedestal dos melhores games de corrida arcade de rally jÁ feitos.

EstÁ preparado para testar suas habilidades e alcançar o estrelato como lenda mundial do off-road virtual? Então aperte o cinto e leia as pÁginas a seguir, pois o que te espera são provas bastante desafiantes e patrocinadores que estão dispostos a investir somente nos melhores pilotos.

Pisa fundo, Piloto!

{break::GrÁficos}Sem dúvida, a engine EGO de propriedade da Codemasters provou que é uma das mais poderosas da atualidade. Os problemas que perturbavam os jogadores tanto em DiRT 1 quanto em DiRT 2, assim como no GRID, foram corrigidos, principalmente no que diz respeito ao visual no geral. Vale lembrar que o F1 2010 também usa essa mesma engine, mas o problema não foi resolvido por completo, embora tenha melhorado bastante o visual, ficando mais realista.

Muitos devem se lembrar das críticas negativas que caíram em cima dos games citados quando o assunto era o visual. Tudo no jogo parecia "amarelado" com um blur muito intenso e muito artificial, quase que "cartunesco". Tanto é que vÁrios jogadores criaram MOD's para tirar esses efeitos e diminuir a cor irreal do game, tornando-o assim mais realista.

A reclamação foi tanta que a Codemasters tirou por completo esses efeitos que davam um ar um tanto "amador" ao jogo, parecendo que queria esconder problemas da engine usando efeitos coloridos demais para disfarçar.

O resultado é um visual de babar. Um espetÁculo, que faz valer a pena perder uma corrida simplesmente para vislumbrar os cenÁrios do game. E tem cenÁrios de todo tipo que variam de neve, floresta, terra e até asfalto como, por exemplo, em Mônaco. A quantidade de pistas chega a ser o dobro de DiRT 2, de acordo com a Codemasters, embora eu não tenha visto isso no game.


{break::GrÁficos #2}O maior destaque no visual de DiRT 3 é a qualidade das texturas onde tudo é cristalino e em alta definição, tanto no visual geral da paisagem quanto no asfalto, muros, paredes e objetos pelos cenÁrios. Tudo foi caprichado nos mínimos detalhes.

Obviamente que esse capricho todo também estÁ presente nos veículos, que ganharam um destaque impressionante, desde a iluminação quanto aos reflexos na carroceria. E é importante dizer que o jogo tem cerca de 50 carros que são divididos por épocas. Variando de anos 60, 70, 80, 90, 2000, passando pelo temido Grupo B, e chegando até aos dias de hoje, todos são impecÁveis com uma qualidade acima da média.

Experimente correr na chuva e observe o carro literalmente molhado, com Água escorrendo por todo lado. E que tal correr na lama e ter o pÁra-brisa completamente sujo por ela a ponto de realmente atrapalhar a visão do piloto assim como acontece na vida real? Ou ainda correr durante a noite, onde não se enxerga nada na frente, a não ser o que o seu farol conseguir iluminar, caso você ainda não o tenha destruído?


Com tantos detalhes e texturas em alta definição, seria compreensível que o jogo fosse pesado. Mas para surpresa geral ele é leve como uma pluma. Mesmo com todas as opções grÁficas no mÁximo, DiRT 3 se comporta como todo jogo deveria se comportar: sem nenhum tipo de lag ou travadas e rodando sempre acima de 60 frames. Chega a ser inacreditÁvel como conseguiram tamanha façanha, até porque o game anterior que usa a mesma engine é relativamente pesado, com lags em alguns momentos.

O fato é que a Codemasters conseguiu criar um game de corrida com um visual que deixa qualquer um de boca aberta, tamanha qualidade. Tudo nele se sobressai, da iluminação às texturas, efeitos de clima soberbos, passando pelo público presente nas corridas, e claro, chegando aos protagonistas do game, os carros.

Um detalhe interessante aparece durante os replays: a Codemasters adicionou uma função em que o jogador pode enviar trechos dos replays diretos para sua conta do youtube. Realmente bem legal e funcional, apenas com a ressalva de ser no mÁximo trinta segundos, até porque seria um tormento ter que esperar o jogo enviar um vídeo longo. A Maioria dos vídeos postados nesta review foram gravados através desta função, como o vídeo abaixo.

{break::Jogabilidade}DiRT 3 traz o que hÁ de melhor de DiRT 1 e aprimora o que hÁ de melhor em DiRT 2. Ou seja, a jogabilidade é uma mistura da primeira com a segunda edição do game, tornando assim, DiRT 3 o melhor das 3 edições.

Claro que ainda não é um simulador de fato, e essa nem é a intenção dos produtores do game. Mas o fato é que a jogabilidade melhorou, saindo um pouco do arcade absurdo que era a segunda edição, e indo mais para o lado "radical" que era a primeira edição.


É importante dizer que as ajudas que o game oferece na jogabilidade chegam ao ponto de fazer com que uma criança de cinco anos consiga vencer uma prova. Isso porque usando as ajudas ao mÁximo, o jogo chega a fazer curvas de forma perfeita, sem nenhum tipo de instabilidade ou erro. Basta acelerar e "fingir" que pilota. Chega a ser risonho ver alguém jogando assim.

Por outro lado, se tirar todas as ajudas, a jogabilidade muda por completo, e aí sim entra o piloto de verdade, obviamente munido de um bom volante com pedal, até porque é literalmente impossível usar teclado sem as ajudas, ou pelo menos algumas delas. O fato é que esse sistema de ajuda exagerada que a Codemasters implantou no DiRT 3 tem uma razão: fazer com o que o game seja jogado por crianças, adultos e idosos, ou seja, feito para todas as idades.

Além dos modos de Rally, Rallycross e outros jÁ conhecidos da franquia, a Codemasters resolveu inovar e adicionar um modo chamado Gymkhana, inspirado nos eventos de "freestyle" do piloto Ken Block. Esse modo consiste em fazer piruetas com o carro, de quebrar placas de isopor, fazer drifts de diversas maneiras, saltar longas distâncias, dentre outras coisas.

Confesso que drift não é o meu forte e eu não gosto. Mas o fato é que, tenho que admitir, esse modo estÁ muito bem elaborado e criativo, lembrando ainda que o cenÁrio usado no jogo é oficial, sendo o mesmo usado para as apresentações de Ken Block.

{break::Jogabilidade #2}O lado ruim disso tudo é que o jogador é obrigado a completar esses estÁgios se quiser seguir no modo carreira, o que pode gerar insatisfação em muitas pessoas. Observe os vídeos abaixo e veja uma das curiosas apresentações de Ken Block e um trecho desse modo no game:

Falando agora em Rally propriamente dito, DiRT 3 possui tudo do melhor nesse quesito, mesmo ainda sendo um pouco arcade. Mas uma coisa irrita bastante: a duração das provas. Nas etapas de rally, a duração média de cada prova é de cerca de dois minutos e meio, e em vÁrias delas, a duração chega ao absurdo de um minuto e vinte segundos! Quando o jogador tiver mais avançado no modo carreira, algumas pistas maiores aparecerão, mas mesmo assim não é o ideal, jÁ que a duração chega no mÁximo 4 minutos.

A Codemasters jÁ anunciou vÁrios DLC's para o jogo, então fica na expectativa de um deles terem pistas maiores, afinal rally tem que ser longo o suficiente para que o piloto se recupere caso cometa algum erro durante as provas, coisa que é impossível atualmente.

Independente dos "problemas" que DiRT 3 possui, ele tem uma jogabilidade elogiÁvel, e bastante curiosa quando se trata do modo Gymkhana. A idéia da Codemasters de fazer um game para todas as idades também é bem vinda e plausível.

Normalmente não se justifica notas em review, mas DiRT 3 serÁ uma exceção. A nota recebida nesse quesito poderia ser facilmente um 9, ou até mais. Mesmo com a jogabilidade sendo ótima no que se propõe o game, nada justifica uma corrida de rally ter uma duração tão mínima, a ponto de o jogo ter mais quantidade de loading do que de corrida. Simplesmente irritante.

{break::Áudio}O som de DiRT 2 não difere dos games que usam a mesma engine EGO. O que acontece é que os sons são sempre na mesma qualidade, o que não deixa de ser uma boa notícia.

Mas o problema aqui em DiRT 3 é que o jogo não oferece suporte à som por hardware e os próprios produtores admitiram isso em uma entrevista. De acordo com eles, não havia tempo para que pudessem implementar o som via Hardware, o que, sem dúvida, geraria mais qualidade e menos peso no jogo em si.

Mesmo sem uso de Hardware, a Codemasters usa ainda um sistema de software, terceirizado, chamado de Rapture 3D da Blue Ripple Sound, que convenhamos, não é a solução ideal. Nos testes que fiz, o som do game funcionou perfeitamente na Creative X-fi, com a diferença clara entre cada canal de som do sistema 5.1 usado.

JÁ usando um fone USB lançamento mundial da Cyber Snipa, o Sonar Championship 5.1 e que vocês verão a review em breve, o jogo ficou sem som. Apenas os vídeos de introdução tinham som, todo o resto era mudo. Acontece que foi preciso reconfigurar o Rapture 3D para ser compatível com o aplicativo do fone, e ainda sim obrigando a usar som 5.1 ao invés do 7.1 que o fone também oferece. Essa solução é um tanto duvidosa, porque para usar a placa interna X-fi, tive que reconfigurar o Rapture 3D de novo. É um incômodo completo.


Hoje em dia um jogo sem suporte a som por Hardware é quase que inadmissível, embora o som via Software de DiRT 3 seja de ótima qualidade. Em meio a jogos com sons espetaculares, dignos de Hollywood, a Codemasters fica um passo atrÁs nesse quesito. E é bom ela se mexer para mudar isso no game F1 2011 que também usarÁ a mesma engine EGO.


{break::Áudio #2}Falando agora em trilha sonora, nesse quesito a Codemasters se sai melhor e traz uma lista interessante de músicas, com total de 43 faixas, variando de Run-DMC à Moloko e passando por Leftfield. A lista traz músicas interessantes e para quem gosta de saber o que ta ouvindo, segue a lista oficial abaixo:

  •  65daysofstatic - Crash Tactics
  •  Aceyalone & RJD2 - All For U
  •  Alter Bridge - Isolation
  •  04. Atmosphere - The Waitress
  •  Biffy Clyro - That Golden Rule
  •  Black Spiders - What Good's A Rock Without A Roll
  •  Chase & Status feat. Liam Bailey - Blind Faith
  •  Chromeo - Don't Turn The Lights On
  •  Crocodiles - Mirrors
  •  Dan Le Sac Vs Scroobius Pip - Cauliflower
  •  Danny Byrd - We Can Have It All
  •  Danny Byrd Featuring Cyantific & I-Kay - Judgement Day
  •  David E. Sugar - Keep It Simple
  •  Deaf Havana - Smiles All Round
  •  Drive A - Are You Blind
  •  Everything Everything - Suffragette Suffragette
  •  Fort Knox Five - Insight [The Nextmen Remix]
  •  Fort Knox Five - Insight (ASkillz Remix)
  •  Fort Knox Five - Uptown Tricks feat. Mustafa Akbar
  •  Furyon - Disappear Again
  •  Glamour Of The Kill - Feeling Alive
  •  Graffiti6 - Stare Into The Sun
  •  Harlem - Friendly Ghost
  •  Hudson Mohawke - FUSE
  •  Leftfield - Storm 3000
  •  Lorn - Cherry Moon
  •  Manchester Orchestra - I've Got Friends
  •  Moloko - Fun For Me
  •  People Under The Stairs - Trippin' at the Disco
  •  Phonat - Ghetto Burnin
  •  Phonat - Intimate Confessions
  •  RJD2 - Good Times Roll Pt. 2
  •  Run-DMC - Peter Piper
  •  Skream - Listenin to the records on my wall
  •  South Central - Demons
  •  Starkey - OK Luv
  •  Starkey - Pleasure Points
  •  Starkey Feat. Kiki Hitomi - New Cities
  •  The Gap Band - Burn rubber on me (why you wanna hurt me)
  •  The Gaslight Anthem - The Spirit of Jazz
  •  The Go! Team - T.O.R.N.A.D.O.
  •  UNKLE - The Answer (Featuring Big In Japan (Baltimore)
  •  Young Guns - Crystal Clear


{break::Multiplayer}Com a idéia da Codemasters de fazer um jogo realmente acessível para todo tipo de público e idade, foram adicionados alguns modos inusitados e engraçados em DiRT 3. Além dos modos clÁssicos de corrida, como Rally, Trailblazer, Rallycross e até Head-to-head para apenas duas pessoas, que jÁ tinha nas duas edições anteriores, os destaques ficam para os novos modos: Invasion, Outbreak e Transporter.

No modo Invasion os jogadores terão que destruir placas com desenhos de robôs que vão surgindo no meio da pista usada nas provas de Gymkhana. Além dessas placas, outras com desenhos de edifícios aparecerão e o jogador não poderÁ destruí-las. Caso sejam destruídas, o jogador perde pontos.


O outro modo, Outbreak, ficou conhecido como modo "Zumbi". Isso porque o jogador que começar o jogo jÁ "infectado" - fica verde a tela! - tem que bater com o carro em outros jogadores para que a infecção se dissipe. O jogador que sobrar é o que vence a prova.

JÁ o modo Transporter é o famoso Capture the Flag dos clÁssicos de FPS. É exatamente o mesmo esquema, onde um time tem que pegar a bandeira do outro time e levar até sua base. Nada de novidade, a não ser o fato de que os participantes são motorizados.

No geral, as partidas multiplayer funcionam perfeitamente bem. Na maioria dos testes com oito jogadores, não houveram lags e nem problemas de conexão. Essa estabilidade se deve ao fato do game ser Game for Windows, ou seja, usa o elogiado e estÁvel sistema Live da Microsoft.


{break::Conclusão, Prós & Contras}A Codemasters acatou as reinvidicações dos jogadores em relação aos títulos anteriores e criou um game de qualidade acima da média. Passando pelos grÁficos maravilhosos, jogabilidade exemplar, som de primeira linha mesmo sem uso de Hardware e um Multiplayer inovador, DiRT 3 pode ser considerado o melhor game de corrida da atualidade, sem sombras de dúvidas.

Elogiado nos quatro cantos do mundo, DiRT 3 é um game imprescindível para qualquer gamemaníaco, mesmo aqueles que não curtem corrida, vão se surpreender. Problemas ele tem, mas as qualidades superam em tudo.


PRÓS
GrÁficos espetaculares
Menus belíssimos em forma de pirâmides
Jogabilidade pra todo gosto
Carros de vÁrias épocas
Multiplayer bastante estÁvel
Espaço para muitos DLC's
CONTRAS
Pistas curtas demais
Pouca quantidade de pistas
cadê o WRC oficial prometido pela Codemasters??
Mais e mais DLC's pagos
Caro demais para o que ele oferece
Assuntos
Tags
  • Redator: João Paulo Losada

    João Paulo Losada

    Gamer por natureza, JP Losada, ou simplesmente DJLosada como é conhecido por toda a comunidade gamer, é um grande conhecedor de games em geral. Eventualmente analisa lançamentos e comenta sobre os sucessos e decepções relacionadas aos games que chegam ao mercado através do portal Adrenaline. Jé escreveu para revistas de games, artigos para produtoras, além de ter citações em seu nome em caixas de jogos de PC lançados no Brasil. Possui parceria com algumas produtoras, principalmente de corrida

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.