ANÁLISE: Thermaltake Element Q

ANÁLISE: Thermaltake Element Q

Gabinetes com visual futurista e luzes neon para gamers experientes existem a rodo. E esse definitivamente não é o caso do Element Q, gabinete extremamente compacto da Thermaltake que tem como função primordial ocupar pouco espaço quando utilizado na montagem de computadores pessoais ou media centers (HTPCs).

Adiantamos que o gabinete não é direcionado aos jogadores super entusiastas, mas a um tipo de usuÁrio que quer se livrar do espaço ocupado pela grande maioria dos tipos de gabinetes do mercado, recebendo placas-mãe no padrão Mini-ITX, ao mesmo tempo em que também busca por um desempenho acima da média com a possibilidade de instalar uma placa de vídeo single slot.

Também convém informar que existem dois modelos do Element Q: o VL52021N2U (sem fonte) e o VL52021N2E (com fonte de 220W). Vamos analisar o segundo por facilitar a vida do usuÁrio, jÁ que não requer a procura de uma fonte específica para esse tipo de produdo - mais difícil de encontrar no mercado, principalmente quando o assunto é uma fonte de qualidade. A empresa, aliÁs, também é conhecida mundialmente por fabricar coolers e fontes diversos.

Acompanhe a review completa nas próximas pÁginas, com detalhamento da estrutura do produto e alguns testes. 

{break::Especificações}


{break::Partes frontal e laterais}Curto e grosso: o visual do Element Q é bastante simplório. Todo cromado em preto fosco, o gabinete traz apenas uma linha vermelha contínua na parte frontal que serve de divisória entre a base do produto, os botões Reset e Power e uma baia de 5.25 para drive de disco, localizada na porção mais superior dessa Área.

Logo abaixo encontram-se duas Áreas de 3.5", uma oculta por uma abertura móvel que abriga duas entradas USB para armazenadores externos de arquivos e duas conexões para acessório de Áudio, como microfones, headsets e fones de ouvido. O posicionamento desses itens é de fÁcil acesso e é impossível se perder na localização deles.

- Continua após a publicidade -

Essa mesma porção é toda feita de plÁstico, sem nenhum apetrecho que incremente o design e que quebre toda a monotonia. Fora isso, apenas o logotipo da marca estÁ timidamente estampado próximo a essas duas baias para identificar o responsÁvel pela fabricação do gabinete.

JÁ nas laterais, nada de muito atrativo ou singular. Apenas aberturas gradeadas em ambos os lados, moldadas em forma de setas apontando para a traseira do gabinete. Sua função principal é ajudar na exaustão do calor gerado pelos componentes instalados no gabinete quando em pleno funcionamento. Juntos à parte superior, são feitas de metal (aço japonês SECC, que é padrão em toda a estrutura do gabinete, exceto na porção frontal).

Ainda, de um lado, uma parte dessas aberturas de ventilação se posiciona exatamente sobre a placa de vídeo. A outra porção de aberturas, agora do outro lado, colabora conjuntamente na saída de calor excessivo que os componentes produzem.

{break::Fotos}Abaixo separamos algumas fotos do gabinete, incluindo uma série de fotos tiradas durante o processo de montagem do sistema.

Reparem nas fotos mostrando o cooler do processador, que vai ficando cada vez mais "apertado", mostrando bem o porque da dificuldade na dissipação do calor que comentaremos mais adiante nos testes de temperatura.

- Continua após a publicidade -


{break::Testes}Montamos um sistema muito interessante para um HTPC, baseado em uma mainboard Gigabyte GA-H55N-USB3, logicamente no padrão Mini-ITX (17x17cm) quem entre seus diferenciais possui suporte a processadores Core i3 / i5 e i7, conexões USB 3.0, Som 7.1, conexão HDMI (requer processador com tecnologia Intel Graphics).

Inicialmente colocamos uma XFX Radeon HD 5770 single slot, mas como o barulho gerado era muito alto devido o cooler da placa de vídeo trabalhar sempre em alta rotatividade devido o calor gerado, trocamos para uma 5670. Vale ressaltar que a fonte de 220W segurou sem nenhum problema o sistema utilizado, inclusive com a 5770.

Abaixo dados completos do sistema utilizado:

  • Mainboard: Gigabyte GA-H55N-USB3
  • Processador: Intel Core i5 665
  • Memória: 2GB DDR3
  • Placa de vídeo: XFX Radeon HD 5670
  • HD: Western Digital Scorpio 160GB
  • Windows 7 32 Bits
  • Dirt 2

- Continua após a publicidade -

OBS.: Um ponto muito importante é relacionado ao cooler do processador, que precisa, por padrão, ter altura mÁquina de 5cm. Utilizamos um modelo BOX da Intel que se encaixa nesse requisito. Outro detalhe é que, se for utilizar uma placa de vídeo add-on, por obrigação ela precisa ser baseada em sistema single slot.

Temperatura
Nos grÁficos abaixo vemos que a temperatura tanto do processador como da placa de vídeo estÁ dentro de níveis normais quando o sistema estÁ em modo ocioso. Assim que rodamos "DiRT", as temperaturas aumentam razoavelmente, mas o que mais chamou atenção é que, após finalizar a execução do game, as temperaturas não retornam aos mesmos níveis iniciais do sistema quando ocioso.

Para comparação, quando o sistema estÁ ocioso antes de rodar o game, o processador trabalhava em 36º C. Após isso, mesmo que o gabinete jÁ estivesse apenas com as funções mais bÁsicas acionadas por mais de cinco minutos, a temperatura permanecia nos 42º C. O mesmo aconteceu com a placa de vídeo: 39º C em modo ocioso (antes de rodar "DiRT") e 47º C depois.

{benchmark::970}

Ruído
Fizemos outro teste muito importante: através de um decibelímetro, medimos o nível de ruído gerado pelo sistema.

Como vemos nos grÁficos abaixo, quando sem placa de vídeo e em modo ocioso o ruído gerado pelo sistema foi de 50 decibéis. Isso sem a placa de vídeo add-on. Quando adicionamos a 5670, o ruído aumentou para 54 decibéis em modo ocioso e 59 quando "DiRT" estava inserido.

Esses 9 decibéis entre o sistema sem placa de vídeo em modo ocioso para 59 decibéis com a placa de vídeo rodando um game fazem muita diferença, principalmente se o usuÁrio for utilizar o sistema como HTPC, onde os ruídos são fatores cruciais para não atrapalhar o som que realmente desejamos escutar, seja jogando ou mesmo vendo um filme.

{benchmark::971}

{break::Conclusão}Com o mercado de HTPCs crescendo cada vez mais, modelos de marcas conceituadas são muito visados pelo público que deseja um produto diferenciado para receivers, players de Blu-Ray, etc. O Thermaltake Element Q é uma opção dentre os melhores do gênero, e mesmo que sem focar muito na parte multimídia de um HTPC, possui bom acabamento.

Por ser bem compacto, acaba pecando no quesito dissipação de calor. Afinal, todos os componentes ficam abarrotados dentro do espaço interno, dificultando muito a dissipação do calor, que fica ainda mais complicado quando adicionamos uma placa de vídeo.

Se tratando das conexões frontais, apesar de possuir duas conexões USB 2.0 e as entradas de microfone e fone-de-ouvido, é crucial as conexões para cartões de memória nesse tipo de aparelho, pelo menos se for utilizado como HTPC.


PRÓS
Bastante compacto
Acompanha fonte de energia
Espaço para drive DVD. 2 HD´s 3.5 e placa de vídeo single slot
CONTRAS
Baixa dissipação do calor
Não suporta placa de vídeo dual-slot
Assuntos
Tags
  • Redator: Fabio Feyh

    Fabio Feyh

    Fábio Feyh é sócio-fundador do Adrenaline e Mundo Conectado, e entre outras atribuições, analisa e escreve sobre hardwares e gadgets. No Adrenaline é responsável por análises e artigos de processadores, placas de vídeo, placas-mãe, ssds, memórias, coolers entre outros componentes.

O que você achou deste conteúdo? Deixe seu comentário abaixo e interaja com nossa equipe. Caso queira sugerir alguma pauta, entre em contato através deste formulário.