Publicidade

SIMULADOR DE 12 MILHÕES DE DÓLARES! Testamos um Fulll Flight nível Delta

Experimentamos o treinamento de pilotos profissionais em um simulador extremamente realista!

14/11/2021 às 14:49 por Diego Kerber Reportar erro
Publicidade

Nós já fizemos alguns belos setups para jogar simuladores de voo, como é o caso do Microsoft Flight Simulator, mas definitivamente nesse vídeo vai muito mais longe. A convite da Azul Linhas Aéreas, aproveitando o embalo do dia do aviador, que é comemorado em 23 de outubro, fomos até a UniAzul, em Campinas, onde a empresa já formou mais de 11 mil de seus profissionais, de pilotos a diversas outros tripulantes.

Além de um tour pelas instalações, onde foi possível conferir várias etapas do treinamento de pilotos, também foi possível ver a tecnologia mais avançada em treinamento de profissionais, o Full Flight Simulator. Essa ferramenta viabiliza recriar de forma muito precisa como é a cabine de uma aeronave, e capacitar um piloto a lidar com situações muito realísticas de operação de um avião.

Testamos um sistema baseado no CAE 7000XR, recriando a cabine de um Airbus A320Neo, uma das aeronaves que fazem parte da frota da companhia aérea. A experiência é bastante impressionante, resultado de um conjunto de atuadores elétricos que mantém no ar e recriam os movimentos da aeronave, trazendo um feedback muito próximo ao que o piloto sente na aeronave real!

Publicidade

Um parte extremamente importante do simulador são os múltiplos computadores envolvidos. Só no sistema de movimentos há um dedicado, com outros cinco lidando com os modelos da simulação. A visão dos pilotos da cabine é recriada com um conjunto de três projetores que criam uma imagem com 160º de ângulo de visão, e para cada projetor há um computador. E ainda há mais computadores lidando com elementos como os mostradores dos painéis, tornando fácil entender como o custo da montagem e operacionalização de um simulador desses fique na casa dos 12 a 15 milhões de dólares.

Mas não é só hardware que traz essa cifra elevada. É preciso comprar a propriedade intelectual da fabricante da aeronave, para conseguir os direitos para recriar de forma idêntica a cabine e componentes do avião. Nessa conta também entram a compra de todos os dados que vão alimentar a simulação, como a velocidade que a aeronave precisa para acelerar, desacelerar ou como é o comportamento em uma curva, por exemplo.

É esse grau de precisão e fidelidade que diferenciam um simulador como esse e uma solução caseira como jogar MSFS. A precisão é gigantesca para garantir a capacitação dos pilotos, então há uma grande quantidade de dados coletados de aeronaves reais que alimentam a simulação e garante um comportamento idêntico ao da situação real.

Apesar do alto custo, felizmente o investimento compensa a longo prazo. Um simulador como esse que testamos é operacional durante toda a vida de uma aeronave no mercado, e isso pode significar várias décadas até a aeronave ser descontinuada e substituída por outro modelo.

Publicidade
Assuntos
Hardware Vídeos
Tags
CLIQUE PARA COMENTÁRIOS

CONTEÚDOS RELACIONADOS

Recorde: memórias G.SKILL DDR5 são overclockadas a 8888 MT/s em placa-mãe ASUS ROG Z690 APEX

GeForce RTX 3050 supera a Radeon RX 6600 XT com DLSS ativado em novo teste vazado

Novas fitas ARGB da Cooler Master agora suportam 30 luzes controláveis

Gigabyte RTX 3050 entra em pré-venda pelo equivalente a R$ 3 mil na Lituânia

RTX 3050 traz hashrate baixo e deve afastar interesse de mineradores de criptomoedas

Publicidade