Publicidade

Sony é processada por discriminação de gênero

Ex-funcionária que move ação contra empresa alega condições de trabalho desiguais

24/11/2021 às 13:50 por Luiz Schmidt
Reportar erro
Publicidade

Após as acusações envolvendo a Activision Blizzard que estão causando grandes manifestações no universo gamer, agora é a vez da Sony enfrentar um processo. Emma Majo, ex-funcionária da Playstation, processa a empresa por discriminação de gênero contra as mulheres. A ação foi registrada na Califórnia, com alegações de que a Sony não oferece ambiente de trabalho igualitário e dificulta a promoção de mulheres.

Emma Majo começou a trabalhar como analista de riscos de segurança na Playstation Network, a partir de dezembro de 2015. A ex-funcionária foi desligada da empresa, após o fechamento de um dos departamentos internos da PSN. No processo, que pode ser acessado na íntegra, Majo afirma que mulheres não recebem pagamento igualitário, e que são preteridas no momento das promoções.

Publicidade

23/11/2021 às 19:32
Notícia

Sony registra patente das face plates de PS5. Opções personal...

Após um ano de seu lançamento, a empresa ainda não lançou customizações oficiais

Como podemos observar, o processo se trata de uma ação coletiva de classe (Class and Collective Action), ou seja, no decorrer das semanas mais pessoas podem surgir com as mesmas acusações contra a Sony. Em dois trechos do processo, podemos ver que a depoente afirma que a empresa falhou em tomar atitudes contra as reclamações em relação a discriminação de gênero. Além disso, Majo afirma ter conversado com seus superiores sobre como poderia conseguir uma promoção dentro da empresa, sem obter respostas satisfatórias. 

Problemas na indústria

Com o caso da Activision Blizzard, a Nintendo, Xbox e Playstation se manifestaram contra assédio e abuso nos ambientes de trabalho. Jim Ryan, chefe do Playstation, entrou em contato com a Activision para saber como eles resolveriam as graves acusações envolvendo Bobby Kotick, CEO da Activision Blizzard

Publicidade

Em e-mail divulgado pela Bloomberg, Ryan afirma que a empresa "Não fez o suficiente para corrigir uma cultura profunda de discriminação e assédio", em relação ao caso envolvendo Kotick. 

Até o momento, a Sony não se manifestou oficialmente sobre o processo movido por Emma Majo. Resta saber qual será a ação da empresa perante as acusações, além de se novas informações irão revelar um ambiente de trabalho discriminatório no Playstation.  

Fonte: Techraptor, Forbes
Publicidade
Assuntos
Notícias Playstation
Tags
playstation sony
CLIQUE PARA COMENTÁRIOS

CONTEÚDOS RELACIONADOS

Benchmark vazado mostra GeForce RTX 3050 com desempenho bem próximo a GTX 1660 Ti

NVIDIA aumenta preços das GPUs GeForce RTX 30 na Europa

Vendas de dispositivos AR e VR dobrou nos Estados Unidos em 2021

NVIDIA GeForce GT 1010 aparece em benchmark depois de um ano de lançamento

WWE 2K22 chega em 11 de março; versão nWo 4-Life Edition custará quase R$ 650

Publicidade