Publicidade

Análise: Mouse Ducky Feather - Simples, ultraleve e bem feito

Uma cópia que busca modernizar o ZOWIE FK2, mas mantendo vários aspectos do original

23/11/2021 às 19:00 por Wellington Diesel
Reportar erro
Publicidade

Lançado no final de 2020, o Ducky Feather é o primeiro mouse ultra-leve da Ducky. É um mouse de tamanho "médio", formato ambidestro e botões nas duas laterais, assemelhando-se bastante a mouses como o ZOWIE FK2, Glorious Model O e Razer Viper.

Uma curiosidade é que ela, a Ducky, cancelou o lançamento do Ducky Secret 2 antes de lançar este mouse, mas o Secret 2 acabou sendo lançado no mercado mesmo assim sob outro nome: XPG Primer, o qual já fizemos análise. Tendo ambos em mãos, é visível a razão pela qual ela largou o projeto do Secret 2, pois, embora seja um bom mouse, o Feather está realmente melhor.

O que o Ducky Feather traz de diferente no mar de cópias do ZOWIE FK2 que há no mercado? Quais são os pontos fracos e fortes deste mouse? É o que vamos descobrir.

Construção Externa

Visualmente, o Ducky Feather é um mouse simples. A separação dos cliques lembra o Razer Viper, mas com um desenho totalmente diferente, e o restante do mouse remete mais a algo que a ZOWIE faria, embora com um acabamento diferente do "black matte" que a empresa utiliza. Falando em ZOWIE, fica bem claro que a Ducky copiou o formato do FK2.

Se há algum diferencial neste mouse é que a logo da Ducky tem áreas de cor diferentes. O "cabelo", "capacete", cabeça e bico do pato tem LEDs individuais, fazendo com que a logo da marca possa ter 4 cores diferentes - o que é algo diferente e que não havia visto até agora em outros mouses. Isso gera alguns efeitos interessantes:

Publicidade

O plástico e a construção lembram bastante o Razer Viper e Razer Viper 8k, extremamente leve, mas sem perda de integridade na carcaça. Independente da parte que eu pressionar e a força que usar, não há flex, nenhuma impressão de fragilidade, barulho, nada. Assim como o mouse da Razer, o Ducky Feather também aparenta ter uma construção extremamente sólida.


Em ordem: Razer Viper, Ducky Feather, Glorious Model O Wireless

É possível, porém, acionar os botões laterais traseiros se eu virar o mouse de lado e pressionar a lateral com uma força absurda bem próximo aos botões, mas o mesmo não ocorre se eu fizer isso bem em cima dos grips. Basicamente, eu preciso "querer" que os botões laterais acionem forçando sua carcaça para fazer com que eles sejam de fato pressionados, então não consigo ver isso como um defeito ou ponto negativo.

Falando em grips, o Ducky Feather tem grips laterais bastante aderentes - mais do que o normal. Isso é um pouco estranho inicialmente, mas depois de pouco tempo de uso já me acostumei e até gosto da textura e aderência deles. Realmente dão maior impressão de segurança ao segurar o mouse.

Publicidade

Nas imagens e pelo fato de ser ambidestro, ele se assemelha demais ao Glorious Model O e ZOWIE FK2, mas ao vivo há uma diferença. Ele é um pouco mais baixo e um pouco mais curto que o Model O. Se você tentar usar a pegada "Palm", a palma da sua mão fica mais no "centro" do mouse  quando, na verdade, deveria ficar mais na traseira.

Pessoalmente, para pegada Palm, não achei tão bom quanto o Glorious Model O, mas ainda é utilizável - especialmente se você tiver mãos pequenas ou médias. O menor comprimento é benéfico para Claw e Fingertip, embora isso também vá depender do tamanho da sua mão.

Para a pegada Claw, conforme havia dito previamente, o menor comprimento quando comparado ao Glorious Model O acaba sendo benéfico e colocando os seus dedos em uma excelente posição para clicar os botões principais. Há um pouco de apoio na traseira, mas não muito.

E para Fingertip, a qual é a minha pegada, o mouse é fantástico. O peso, a baixa altura, o alto deslize e a excelente resposta de seus cliques fazem o mouse simplesmente deslizar com a minha mão.

Publicidade

Falando em resposta de cliques, o Ducky Feather, assim como o Glorious Model O, tem cliques separados da carcaça, mas algo que torna os dois bastante diferentes é o Feather usar switches HUANO, os quais tem uma resposta tátil consideravelmente maior do que os OMRON que são usados pela Glorious.

Eles requerem um pouco mais de força, mas o feedback tátil adicional é bastante agradável e não sinto dificuldade em clicar. Pelo contrário, poder "sentir" melhor os cliques é algo que faz bastante diferença para mim, embora esta questão de cliques seja bastante subjetiva.

O que não é subjetivo é a consistência dos cliques em toda a sua carcaça. Um bom mouse deve ser capaz de clicar em uma grande área em torno de seus botões para comportar diferentes pegadas e tamanhos de mãos, e isso o Ducky Feather consegue sem problema algum pelos testes que fiz, clicando tranquilamente e com resposta similar em suas laterais, parte frontal e até mesmo perto do limite da área de clique. Aproximando-se da linha, ele se torna mais difícil de clicar, mas é normal.

scroll do mouse é extremamente fluído, com 24 passos por ciclo. Este é um encoder de alta qualidade da Kailh, com suposta vida útil de 500 mil ciclos e completamente selado para evitar que pó e umidade afetem o mesmo. O feedback tátil dele é bastante leve, então para quem prefere scrolls leves e fluídos, vai agradar bastante. Do contrário, para quem prefere scrolls "pesados" com menos passos, pode não ser o ideal.

Quem gosta de encoders leves da TTC (ex: Razer DeathAdder 3.5G), vai gostar do scroll deste mouse. Na minha opinião, está muito bom.

Nos botões laterais, há um pouco de pre-travel, mas não muito. Aparentemente, isso é para evitar que você pressione eles acidentalmente ao colocar os dedos em cima, o que é importante especialmente devido ao fato do mouse ter botões nas duas laterais.

Embaixo do mouse temos um dos pontos que mais gosto do Ducky Secret: Ele tem dois skatez diferentes. O que já vem pré-instalado é baseado nos pés do Microsoft IE 3.0, enquanto os skatez adicionais são idênticos em tamanho aos ZOWIE TYPE-A usados pelas linhas FK, ZA, S1 e S2. Também há um conjunto extra dos mesmos pés que são usados no mouse:

Isso significa que, além de você poder controlar o nível de deslize que quer do seu mouse, não há mouse mais fácil para conseguir skatez compatíveis do que o Ducky Feather.

Não há mouse no mercado mais fácil para conseguir skatez compatíveis do que o Ducky Feather

A maioria dos mouses do mercado precisam de skatez específicos, tornando mais difícil ou até mesmo impossibilitando achar os mesmos para troca. Enquanto isso, o Ducky Feather é compatível com os dois dos tipos de skatez mais comuns que há no mercado. Não preciso dizer que gostaria de ver mais mouses utilizando formatos padrões em vez de criarem seus próprios designs de skatez...

Falando sobre o deslize do mouse: fantástico. Mesmo com os pés menores do Microsoft IE 3.0, o deslize é excelente no meu Artisan, lembrando bastante o deslize que eu tenho com o Glorious Model O Wireless com skatez de cerâmica.

Embaixo do mouse também há um botão de DPI que permite alternar entre 400, 800, 1.600, 3.200, 6.400, 12.000 e 16.000 DPIs, cada uma tendo uma cor que é demonstrada embaixo do mouse e também temporariamente durante 3 segundos no scroll depois que você pressiona o botão de DPI. Felizmente, o Ducky Feather não é um dos mouses onde "a cor do scroll depende da DPI" assim como ocorre com alguns concorrentes.

Caso você queira outra DPI além destes valores, infelizmente não há como escolher.

Além disto, há a chave para o polling rate do mouse e também para o LOD. No L (Low), ele é abaixo de 1 DVD. O resultado, no seu caso, pode variar de acordo com o mousepad, mas nos que tenho disponíveis (XPG Battlegrounds, Corsair MM800, Cougar Neon RGB, Fallen Gear Pantera) o resultado foi perfeito.

Falando agora sobre o cabo do mouse, este é um cabo "estilo paracord", ou seja, ainda há proteção magnética dentro dele e há um balanço entre durabilidade x flexibilidade.

Não é um cabo tão flexível quanto cabos paracord custom/caseiros, mas comparado com outros mouses da mesma faixa de preço este é um ótimo cabo, bem parecido em flexibilidade com os novos cabos da Glorious e Razer.

Construção Interna

Abrindo o Ducky Feather, nos deparamos com a mensagem "Welcome" e uma capa de plástico PET protegendo o sensor Pixart PMW 3389 de umidade, pó e sujeira, o que é uma excelente prática.

De resto, a maioria de seus componentes gritam "ZOWIE". Switches HUANO em tudo, a maior diferença sendo que o encoder é um modelo mecânico da Kailh ao invés de um encoder óptico. Claro, não são exatamente os mesmos switches, mas é bastante visível que a Ducky pegou um ZOWIE FK2 e decidiu: "quero fazer um mouse quase igual", e isso se traduz em vários aspectos.

Nos botões principais, temos switches HUANO Blue Shell with Blue Tip com suposta durabilidade de 50 milhões de cliques, enquanto no botão do meio e laterais temos HUANO Black Shell with Red Tip com suposta durabilidade de  5 milhões de cliques. Na prática, a confiabilidade destes números é questionável, pois dependem de inúmeros fatores, mas o importante é que estes switches tendem a ser mais resistentes ao problema de chatter (double-click) do que os OMRON.

No scroll do mouse, há um encoder da Kailh com um núcleo Black, completamente selado e resistente a pó/sujeira. A fluidez do mesmo é excelente e a durabilidade também aparenta ser boa, pelo menos nos lotes mais recentes desses encoders.

Enfim, o Ducky Feather não faz igual ao seu irmão Ducky Secret, que usava os "melhores componentes disponíveis" quando foi lançado, mas ainda assim, todos estes são componentes de alta qualidade e realmente é um mouse "feito para durar".

Recursos e Extras

O Ducky Feather, assim como seu antecessor, o qual se baseava muito em mouses da ZOWIE, é um mouse 100% customizável via hardware, desde o básico como DPI, taxa de atualização e LOD, o que vários permitem, até algo que poucos permitem, que é trocar efeitos através do mouse ou desativar/ativar os botões laterais.

Tudo isso é possível através das chaves que há embaixo do mouse e também de combinação de alguns botões. Antes de explicar os recursos, você precisa saber os botões que há no mouse e a numeração deles. Avisando aqui que a numeração muda conforme o modo destro/canhoto - basicamente ela se inverte se você usar o mouse no modo canhoto. Esta é a representação do modo destro:

O manual do Ducky Feather não é bom e está com vários problemas de tradução do chinês para inglês, mas basicamente há duas funções que ligam/desligam os botões 6 e 7. Estes botões vem desativados de fábrica, e você vai ter que ativar eles para usar algumas das outras funções. O Windows não reconhece nenhum deles e não é possível "bindar" eles para alguma função em jogos.

Se você ativar o botão 6, você tem acesso à troca entre os modos destro e canhoto. Se você é destro, ignore esta parte, pois o mouse já vem configurado com o modo destro de fábrica.

Também, é possível ter acesso a duas teclas do teclado usando a função FN, segurando o botão 7 (mas ele precisa estar ativado!):

A Ducky perdeu uma boa oportunidade neste recurso. Ela poderia além de ter colocado estas funções Home/End, também ter colocado algo como "controle o volume pelo scroll enquanto segura este botão" e outras funções que são possíveis em softwares de alguns concorrentes. O recurso é excelente, mas a Ducky não tirou proveito dele.

Prosseguindo, há o controle de iluminação, que novamente acaba parecendo mais difícil do que realmente é devido ao manual, mas é bem simples:

Também é possível definir a cor individual para 3 LEDs do mouse, mas explicar essa parte vai deixar a review comprida demais. Ainda assim, o Ducky Feather é 100% customizável pelo próprio mouse, e isso é melhor do que parece.

O Ducky Feather é 100% customizável pelo próprio mouse, e isso é melhor do que parece

Sim, eu entendo que softwares tornam tudo mais fácil para organizar, mas o que muita gente não notou é que o cenário está mudando mais do que nunca. Hoje em dia, além do PC, você também pode conectar mouses e teclados nos consoles PS4, PS5, Xbox One e Xbox Series X/S, ou até headsets VR como o Oculus Quest 2, se tiverem Bluetooth.

Além de poder conectar nestes dispositivos, é inegável que estamos cada vez mais próximos de termos como Cloud Gaming nas nossas casas. Sei que na internet brasileira isto é uma realidade distante, mas uma hora vai chegar.

Sabem quais softwares de teclados e mouses vocês vão poder usar nestas plataformas? A resposta é nenhum.

Você não pode usar softwares de mouses enquanto tem eles conectados em consoles ou na nuvem

Isso sem contar, é claro, o uso excessivo de memória e recursos de seu computador, especialmente nos softwares da Corsair, Logitech e Razer, que, inclusive, rodam processos em segundo plano no seu computador mesmo depois de fechá-los. Individualmente é pouco, mas quando você tem vários rodando ao mesmo tempo (eu tenho produtos ASUS, Corsair, Logitech e Razer), acaba se tornando um problema palpável, especialmente quando você tem 16 GB ou menos de memória.

Então, será que não ter software e ser tudo configurável pelo próprio mouse é realmente uma desvantagem?

Enfim, entendo que há pessoas que não gostam de mouses sem software, pois precisam de algumas funções que apenas um software com um framework permite, como que perfis alterem conforme o jogo/aplicativo, gravar macros que simulem o movimento do cursor, etc...

Mas um mouse não pode ser tão dependente de software. Um bom mouse deve operar e ter pelo menos funções básicas configuráveis através dele, ou no mínimo memória interna para salvar um perfil e uma cor fixa. Porém, parece que marcas como Corsair, Logitech e Razer estão esquecendo deste ponto e tornando obrigatório instalar softwares apenas para fazer as mesmas funções básicas que o Ducky Feather faz via hardware.

O maior problema atualmente não é periféricos terem software, mas dependerem deste software para quase tudo, com poucas/nenhuma configuração via hardware ou pior ainda, sem memória interna

Sempre existiu e sempre existirá mercado para periféricos sem software (ZOWIE que o diga), mas, com o aumento do uso de mouses em consoles e nuvem, este mercado só vai aumentar.

Conclusão

O Ducky Feather é um mouse que não tenta reinventar a roda, apenas fazer tudo o que um mouse ultraleve bem feito precisa fazer - e faz tudo isso muito bem feito de fato.

Um cabo paracord de boa qualidade, plástico de boa qualidade, bons switches, bom encoder, um formato relativamente "conservador", boa resposta em todos os seus botões, boas configurações pelo próprio hardware, bom deslize e um bom preço para o seu nível de qualidade.

Os diferenciais deste mouse são que toda a configuração pode ser feita no próprio mouse, inclusive a escolha de cor de cada LED, e não há mouse mais fácil para conseguir skatez, pois ele é compatível tanto com os skatez do Microsoft IE 3.0 quanto com os ZOWIE ZA/FK/S1/S2 - basicamente dois dos tipos de pés mais comuns que há no mercado.

De resto, não há "gimmick" ou componente anormal. A Ducky copiou vários aspectos neste mouse, mas copiou boas ideias e buscou melhorar em cima do que concorrentes já haviam feito. Ele também não usa "os melhores componentes que há atualmente no mercado" como fazia o Ducky Secret, mas ele ainda usa componentes de alta qualidade e não cobra um preço exagerado por eles, como fazem alguns outros concorrentes high-end.

Atualmente, o Ducky Feather está custando R$ 350 e ele é, em termos de qualidade, um mouse superior ao Glorious Model O Wired, ZOWIE FK2 e vários outros concorrentes desta faixa de preço.  Certamente é uma excelente escolha para canhotos, já que infelizmente o mercado está cheio supostos "ambidestros", mas poucos realmente possuem botões dos dois lados para canhotos.

Seu maior concorrente é, na minha opinião, o Razer Viper, o qual tem características similares, mas são dois mouses contrários na questão de hardware/software. Embora o Viper tenha um software com maior quantia de recursos, ele não é nem capaz de salvar uma cor na memória interna, obrigando o uso do software apenas para fazer o mouse parar de piscar e para várias outras funções básicas que podem ser feitas diretamente no Ducky Feather.

Vai do usuário decidir qual é a melhor opção. Embora eu ame o Viper, tenho que admitir que já tive vários problemas com o Synapse e a total ausência de software do Feather é bastante atrativa, especialmente visto o fato de que não uso mouses apenas em PCs.

Isso, e os cliques mais táteis dos switches HUANO, são o que tornam este mouse tão próximo do ZOWIE FK2 em que ele se baseia.


PRÓS
Cabo paracord de boa qualidade e com ótima flexibilidade
Excelente construção interna
Excelente deslize e duas opções de skatez diferentes, sendo compatível com os skatez do Microsoft IE 3.0 e com os ZOWIE Type-A
Completamente configurável via hardware, o que é vantajoso especialmente para quem vai usar em consoles/streaming
Estrutura extremamente sólida, mesmo com o baixo peso de 65g
Sensor topo de linha Pixart PMW 3389
CONTRAS
Falta de software e DPIs fixas podem afastar alguns usuários
Manual confuso e com problemas de tradução
Publicidade
Assuntos
Análises Periféricos
Tags
periferico perifericos
CLIQUE PARA COMENTÁRIOS

CONTEÚDOS RELACIONADOS

Controle com os pés: Elgato lança Stream Deck Pedal

Novas fitas ARGB da Cooler Master agora suportam 30 luzes controláveis

ANÁLISE: Rainbow Six Extraction é o tipo de game que combina com o Game Pass

Fallen Gaming lança kit com mouse, teclado e headset para jogadores iniciantes

REVIEW: Gigabyte Radeon RX 6500 XT Eagle - a primeira placa de entrada em anos

Publicidade